VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Crônica de Um Congestionamento

Crônica de um congestionamento.

De repente, o ônibus parou. Um congestionamento à frente. Enfado com a certeza da demora e no atraso da chegada. Alguns passageiros acendem as lâmpadas e lêem livros e revistas; outros ouvem música nos seus aparelhos de som portáteis; alguns outros fazem pequenos lanches. Os precavidos avisam a família pelos celulares:

_Onde você está?

_Na serra.

_Em que altura?

Os sons dos celulares se revezavam. Três filas de caminhões dos diversos tipos e finalidades, automóveis de passeio e ônibus lotados de passageiros com destinos diversos morro acima. Avistava-se à medida que as curvas apareciam cordões de luzes vermelhas no alto da serra e abaixo, no pé da serra.

Carros de passeio estacionados em descampados ao lado da rodovia. Motoristas fora dos seus veículos conversando e tomando água.

_Estou sentindo cheiro de fumaça, alguém está fumando dentro do ônibus. Reclama a passageira do banco da frente.

_O cheiro não vem de dentro. A senhora não viu o caminhão ao lado enfumaçando? Ele perdeu uma das lonas do freio. Resposta da senhora sentada nos fundos.

Duas horas se passam e o ônibus não percorre os vinte e sete quilômetros de serra. Naquele momento não estavam em lugar algum, a serra é propriedade da União.

Um rapaz sai do carro paralelo ao ônibus e tenta atravessar a rodovia.

_Que loucura! Passageiros murmuram.

Um caminhão carregado com ácido está à frente do ônibus. Um homem sentado em dos bancos do meio do veículo se apavora.

_Se esse caminhão vazar, todos nós estamos mortos.

_Vire essa boca para lá. Estamos bem. Não se preocupe.

O motor do ônibus morre e o motorista tem que dar a partida. O Ônibus anda para trás ao pegar a partida. Na serra, congestionamento, o ônibus anda para trás. Silêncio sepulcral dentro do veículo. Ninguém diz nada para ninguém.

Os aparelhos celulares voltam a tocar.

_Onde você está?

_Na serra.

_Três horas?

_Pelo menos estamos subindo, vagarosamente, mas subindo.

Uma placa luminosa na estrada avisa da queda de barreira alguns quilômetros adiante.

Avistam-se mais um grupo de motoristas no posto da Polícia Rodoviária Federal. Um motorista sai do seu veículo com pressa e desmaia. Os policiais dão um sinal avisando que ele está bem.

Uma ponte. O caminhão com dupla carreta à frente treme sobre a ponte e ameaça tombar. A ameaça não se concretiza. O ônibus treme ao passar sobre a ponte.

_Deve ser excesso de peso. Essa ponte precisa ser vistoriada.

Tem-se a impressão de se ouvir grunhidos de alguns passageiros. Eram gases e roncos orgânicos de protesto.

Cinco horas de viagem. Os aparelhos celulares disparam sobre os passageiros.

_Estou bem perto, mas indo devagar. Estamos quase no final da serra. O motorista é muito bom. Você me espera mais um pouco? Brinca um passageiro com algum membro da família dele.

O ônibus atravessa o trecho da estrada com barreiras.

_O ônibus está em uma velocidade acima do permitido? Pergunta uma senhora de peruca caída para um lado.

_Nós estávamos quase parando, eis porque estranhamos a velocidade agora.

Sete horas de viagem, das quais, cinco horas passadas em 27 quilômetros.

O ônibus termina a viagem. Confiança renovada dos homens nos homens, nas máquinas e em Deus. Milhares de pessoas dependentes entre si. O sucesso de um é o sucesso do outro. Milhares de pessoas sãs e salvas e sem um arranhão. Nada para noticiar.

Nenhum comentário: