Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Em Meio da Pandemia, a Percepção Musical / Reflexão


Em Meio da Pandemia, a Percepção Musical / Reflexão

     Leio no jornal que, com a pandemia do coronavírus, a terra treme menos, ou seja, com todo o mundo em casa, a crosta terrestre treme menos e nos torna mais audíveis aos sons.
     Segundo o jornal, o geólogo e sismologista do Observatório Real da Bélgica, Thomas Lecoqc, observou este fenômeno pelo qual tremores da Terra que antes eram imperceptíveis aos cientistas, agora podem ser observados e registrados pela ciência.
     Beethoven tinha problemas de audição e compunha guiado pelas vibrações sentidas pelos ouvidos. Ainda bem que essa alteração de vibrações não foram na época dele, pois talvez fosse prejudicado pelo silêncio inesperado.
     A percepção musical muda com essa modificação de vibração, pois o som é uma vibração que é feito de ondas.
     Para quando o movimento das pessoas voltar ao normal, o cientista ainda não prevê as consequências dessa mudança de vibrações, mas uma dessas consequências podemos prever, nos sentiremos ligeiramente surdos, pois sentiremos de fato uma perda de capacidade auditiva com a volta do ruído cósmico.
     Li que há nisso uma ironia, posto que a humanidade não está só, está igualmente em casa e fazendo um peso específico no seu lugar de habitação.
     A humanidade está sentada em algum lugar da sua casa, ou sustentando os pilares da Terra com esse peso.
     Surgiu-me uma ideia, pois quando alguém se senta num sofá, o sofá fica ligeiramente afundado, e me pergunto se a Terra ficará ligeiramente afundada nos lugares fixos onde estamos, mas e depois, esse sofá chamado Terra, voltará ao normal, ou ficará afundada como um sofá cuja espuma está gasta?
     Quanto à minha audição, tenho algo a dizer:
     _Saí do chuveiro porque ouvi gritos na rua. Não precisei perguntar para ninguém. Ouvia-se perfeitamente alguém avisando que havia ladrão na vizinhança. Sete e meia da manhã! Barbaridade. Cuidado com os falsos entregadores do serviço de delivery!
     A humanidade está numa situação difícil, onde a competição é por produtos médicos, mas se torna mais difícil quando se verificam ladrões em meio à crise.
     Hoje temos essas atualizações que são, todos com a televisão ligada no horário das entrevistas ofociais, todos com a audição modificada e, a pior parte, ladrões que são virulentos pela própria natureza.
      Apesar dessa rotina cansativa, mas necessária, essa experiência sensitiva de audição não pode ser desperdiçada, e comecei a prestar atenção no que ouço a mais que não ouvia, e senti que a sensibilidade está diferente. Essa experiência é muito interessante, pois cada tecla do teclado do computador está soando um pouco melhor.
     Que embrulho!
       
       
     

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Absurdo Mundo Novo

 Absurdo Mundo Novo


Paciência e material de limpeza,
Obediência em meio à tanta incerteza,
Aceitação do que é desigual
Nessa mudança igual e anormal,


Mas que dizem que foi a natureza.
Um morcego trouxe essa vileza?
Eu não sei, quem saberia esse qual?
Qual o que, uma televisão igual,


Não importa que estação e a ligeireza
Com que a humanidade, com presteza 
Compreende que o mundo está surreal,
E apenas aceita que é mortal.




quarta-feira, 1 de abril de 2020

Sanitização

Sanitização


Não importa quanto tempo,
Desde que seja o unguento,
A sanitização;
Saúde em devoção


Por esse livramento
De ver um sofrimento
De horrível expansão
Na terra onde a canção


Se faz à solta e ao vento,
Que não se quer sem tempo,
Mas sim inspiração
De letra, de doação. 


terça-feira, 31 de março de 2020

Por Se Amar

Por Se Amar


Ficar em casa
E se cuidar;
Vassoura cria asa
E a gente a voar,


Mas não extravasa
A se pensar.
Varre essa casa
A exercitar;


Repete a casa
A decorar
E sente a casa
Por se amar.


segunda-feira, 30 de março de 2020

É Preciso Crer

É Preciso Crer


Quando não adianta ter pressa,
Há essa possibilidade
De acreditar na promessa
De que algum dia a humanidade


Estará bem sem que peça,
Porque a racionalidade
Será cordial como expressa
O melhor da boa vontade,


Sem motivos e depressa
Virá a tal felicidade
Para todos e em travessa
Chamada fraternidade.

domingo, 29 de março de 2020

Riscos

Riscos

Ninguém sabe de mais nada,
Mas nos percebemos vivos
Numa história confinada
Pelo tal coronavíros,

E a humanidade parada,
Quarenta por cento, lívidos
Correndo à estranha jornada
RotaSem saber de outros sibilos,

Rosca redonda e espanada
Sem seus parafusos fixos
É a Terra ainda que girada
Igual, e agora com riscos.

sábado, 28 de março de 2020

Inconsonância

Inconsonância


Essa distância
Obrigatória
Muda a oratória,
Mas sem vacância,

Sem arrogância
É a rotatória
Lenta e notória,
Extravagância

Da circunstância
De uma pré-história
De má memória:
Inconsonância.