Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Em Meio da Pandemia, a Percepção Musical / Reflexão


Em Meio da Pandemia, a Percepção Musical / Reflexão

     Leio no jornal que, com a pandemia do coronavírus, a terra treme menos, ou seja, com todo o mundo em casa, a crosta terrestre treme menos e nos torna mais audíveis aos sons.
     Segundo o jornal, o geólogo e sismologista do Observatório Real da Bélgica, Thomas Lecoqc, observou este fenômeno pelo qual tremores da Terra que antes eram imperceptíveis aos cientistas, agora podem ser observados e registrados pela ciência.
     Beethoven tinha problemas de audição e compunha guiado pelas vibrações sentidas pelos ouvidos. Ainda bem que essa alteração de vibrações não foram na época dele, pois talvez fosse prejudicado pelo silêncio inesperado.
     A percepção musical muda com essa modificação de vibração, pois o som é uma vibração que é feito de ondas.
     Para quando o movimento das pessoas voltar ao normal, o cientista ainda não prevê as consequências dessa mudança de vibrações, mas uma dessas consequências podemos prever, nos sentiremos ligeiramente surdos, pois sentiremos de fato uma perda de capacidade auditiva com a volta do ruído cósmico.
     Li que há nisso uma ironia, posto que a humanidade não está só, está igualmente em casa e fazendo um peso específico no seu lugar de habitação.
     A humanidade está sentada em algum lugar da sua casa, ou sustentando os pilares da Terra com esse peso.
     Surgiu-me uma ideia, pois quando alguém se senta num sofá, o sofá fica ligeiramente afundado, e me pergunto se a Terra ficará ligeiramente afundada nos lugares fixos onde estamos, mas e depois, esse sofá chamado Terra, voltará ao normal, ou ficará afundada como um sofá cuja espuma está gasta?
     Quanto à minha audição, tenho algo a dizer:
     _Saí do chuveiro porque ouvi gritos na rua. Não precisei perguntar para ninguém. Ouvia-se perfeitamente alguém avisando que havia ladrão na vizinhança. Sete e meia da manhã! Barbaridade. Cuidado com os falsos entregadores do serviço de delivery!
     A humanidade está numa situação difícil, onde a competição é por produtos médicos, mas se torna mais difícil quando se verificam ladrões em meio à crise.
     Hoje temos essas atualizações que são, todos com a televisão ligada no horário das entrevistas ofociais, todos com a audição modificada e, a pior parte, ladrões que são virulentos pela própria natureza.
      Apesar dessa rotina cansativa, mas necessária, essa experiência sensitiva de audição não pode ser desperdiçada, e comecei a prestar atenção no que ouço a mais que não ouvia, e senti que a sensibilidade está diferente. Essa experiência é muito interessante, pois cada tecla do teclado do computador está soando um pouco melhor.
     Que embrulho!
       
       
     

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Absurdo Mundo Novo

 Absurdo Mundo Novo


Paciência e material de limpeza,
Obediência em meio à tanta incerteza,
Aceitação do que é desigual
Nessa mudança igual e anormal,


Mas que dizem que foi a natureza.
Um morcego trouxe essa vileza?
Eu não sei, quem saberia esse qual?
Qual o que, uma televisão igual,


Não importa que estação e a ligeireza
Com que a humanidade, com presteza 
Compreende que o mundo está surreal,
E apenas aceita que é mortal.




quarta-feira, 1 de abril de 2020

Sanitização

Sanitização


Não importa quanto tempo,
Desde que seja o unguento,
A sanitização;
Saúde em devoção


Por esse livramento
De ver um sofrimento
De horrível expansão
Na terra onde a canção


Se faz à solta e ao vento,
Que não se quer sem tempo,
Mas sim inspiração
De letra, de doação. 


terça-feira, 31 de março de 2020

Por Se Amar

Por Se Amar


Ficar em casa
E se cuidar;
Vassoura cria asa
E a gente a voar,


Mas não extravasa
A se pensar.
Varre essa casa
A exercitar;


Repete a casa
A decorar
E sente a casa
Por se amar.


segunda-feira, 30 de março de 2020

É Preciso Crer

É Preciso Crer


Quando não adianta ter pressa,
Há essa possibilidade
De acreditar na promessa
De que algum dia a humanidade


Estará bem sem que peça,
Porque a racionalidade
Será cordial como expressa
O melhor da boa vontade,


Sem motivos e depressa
Virá a tal felicidade
Para todos e em travessa
Chamada fraternidade.

domingo, 29 de março de 2020

Riscos

Riscos

Ninguém sabe de mais nada,
Mas nos percebemos vivos
Numa história confinada
Pelo tal coronavíros,

E a humanidade parada,
Quarenta por cento, lívidos
Correndo à estranha jornada
RotaSem saber de outros sibilos,

Rosca redonda e espanada
Sem seus parafusos fixos
É a Terra ainda que girada
Igual, e agora com riscos.

sábado, 28 de março de 2020

Inconsonância

Inconsonância


Essa distância
Obrigatória
Muda a oratória,
Mas sem vacância,

Sem arrogância
É a rotatória
Lenta e notória,
Extravagância

Da circunstância
De uma pré-história
De má memória:
Inconsonância.

sexta-feira, 27 de março de 2020

Persevera

Persevera


Muda o mundo,
Oh, Raimundo,
Que o cansaço
É um abraço,

Quando oriundo
De um segundo
Muito escasso
De embaraço

Ao infecundo;
Moribundo
Subespaço
Sem terraço.


quinta-feira, 26 de março de 2020

Incerteza

Incerteza

Procura o certo
À noite e ao dia,
Porque é o irrequieto
Que se anuncia

Nesse meio incerto,
Meio calmaria
Ao vento inquieto
Que fugiria

De um meio encoberto;
É a ventania
Longe do teto,
Mas arrepia.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Outono

Outono


Este momento
É de pesquisa,
Um contratempo
 Que temporiza,

Mas o tempo
Diz à poetiza
Do acanhamento
Que sinaliza,

Porque frio é o vento,
O qual baliza,
Embora lento,
Que ao outono visa.

terça-feira, 24 de março de 2020

Tem Outro Assunto? Crônica do Cotidiano

Tem Outro Assunto? Crônica do Cotidiano

     Existem pessoas com atitudes bonitas, e esse jovem teve uma bela atitude e posicionamento perante a sociedade.
     Esse jovem tomou uma atitude que mereceu todo o meu respeito.
     Ele está resfriado e sem febre, mas foi ao supermercado, e nesse isolamento social, mesmo a mais de um metro e meio se ouvem boas histórias.
     O jovem comentava com outro jovem, que era ele quem tinha a obrigação de usar máscara, pois estava resfriado, mas não sabia se o resfriado poderia ser considerado gripe,pois não sabia identificar a diferença. No entanto, por motivos diversos precisou ele mesmo fazer compras no supermercado, e como tinha a máscara que usava quando a escola estava funcionando, vestiu a máscara e foi às compras.
     Eu gostei da atitude do jovem, pois não expôs nenhum outro freguês a pegar alguma doença.
     Ele inventou essa atitude, a de ir ao posto de saúde, se fosse necessário ir com gripe, usando máscara e livrando todas as pessoas com quem encontrasse pelo caminho de uma possível gripe.
     Agora, usando algum raciocínio, sair de casa e pegar um ônibus com resfriado seria se aborrecer por todo o tempo ouvindo reclamações. Depois chegaria ao posto de saúde e seria conduzido ao grupo de atendimento do coronavírus, quando ele se sentia resfriado e não tinha febre nenhuma.
     Contou que, usando a máscara, comprou o descongestionante e foi ao mercado, mas depois pegaria o ônibus de volta para a casa dele.
     Que bom seria se toda a humanidade fosse desse jeito, pensei.
      

segunda-feira, 23 de março de 2020

Teorias, Não Mais que Teorias

Teorias, Não Mais que Teorias

     Existem teorias as quais se refuta, muitas por serem obra da falta de cultura, e com as quais até sorrimos.
     Tem gente que até hoje não acredita que o homem foi à lua, mesmo explicitando que eram astronautas e que o filme não foi feito pela indústria de cinema.
     Existe , porém a teoria a qual não se aceita, por ser contrária a tudo aquilo no qual se acredita.
     Hoje, pensei nessa teoria, a qual sou contra, mesmo que tenha bons resultados. Essa teoria diz o seguinte:
     _É possível vencer pensando igual e agindo igual ao mal que aflige uma sociedade, usando-se as armas do mal para combater o mal.
     Pessoalmente, acho que dentro de alguns bons princípios é possível estar bem.
     Parece que é da minha natureza, e isso faz com que a minha alma sinta-se bem, mas para mim estar bem comigo mesma é uma prioridade.
     Esse pensamento não veio com a maturidade, mas simplesmente está em mim.
     Pode me causar repugnância um pensamento, mas não a pessoa que pensa.
     Agir como bandido me transforma em bandido, essa é a reflexão que quem pensa como o mal e age a fim de dominar o mal, tendo como objetivo esse mal sob o seu domínio, para que o mal, se existir, que exista sob o seu domínio é mau por vontade, e quem erra sabendo o mal que causa, considerando-o certo, é imperdoável.
     Esse tema foi, e até hoje é, motivo de discussão infinita.
     O problema não pode ser da consciência íntegra, mas de quem não pensa a consciência como razão de valor existencial.
     A maioria dos seres humanos necessita de amor. Há gente que tem por único amor verdadeiro, os filhos; há gente que tem por amor verdadeiro os seus animais de estimação, há gente que tem por amor verdadeiro a sua família, e há gente que tem por amor verdadeiro um valor espiritual.
     Todas essas formas de amar são de amor verdadeiro.
     No entanto, há gente incapaz de amar, mas como compensação quer o domínio das coisas, dos acontecimentos e até mesmo do futuro em suas mãos.
     De todas essas compensações pela incapacidade de amar, a que mais causa estranheza é o do domínio do futuro.
     Existe o planejamento do futuro com boas obras, assim como todos queremos ver de perto o quadro da Monalisa, ou cavernas ou ruínas históricas de uma cidade que permanece na história da humanidade por séculos, assim como pensamentos que se perpetuam através das gerações. Bom, isso é algo aceitável.
     O que poucos sabem, é que existe o lado perverso de tudo isso, que é saber com dez anos de antecedência que, sob determinadas condições, uma determinada praga aparecerá sobre a terra, e trabalha para que isso seja possível.
     A essa altura do texto, quem não pensa em Teorias de Conspiração totalmente falsas.
     Mas houve quem conjeturasse:
     _Depois da Vingança, virão a doença e a pobreza para provar que a vingança não vingou.
     A barbaridade é o fato de que tal teoria não era absurda.
     Não levei a sério essa teoria, mas agora, depois de todas as mensagens que recebi via email, nada mais me parece absurdo.
     Cometerei uma inconfidência, mas a teoria acima, agora me parece real.
     Gente que não pode trabalhar, não pode pegar condução e não tem automóvel, igrejas que não podem praticar o auxílio espiritual ou mesmo a caridade e mensagens afins. Conheci uma igreja que doava cestas básicas para as famílias que perderam tudo depois de tudo doarem para uma outra igreja. Muitos se reuniram para assistir a essas famílias em situação de desespero, vocês não imaginam quantas pessoas foram capazes de se reunir para fazerem doações de um quilo de alimento.
     Se alguém soubesse dessa possibilidade de vírus e o permitisse, o que poderia se considerar?
     Com qual finalidade se ignora essa possibilidade? Não sei.
     A que situação se chegará com o coronavírus?
     Não quero terminar sem agradecer a oferta de assinatura de jornal online gratuíto aos membros da minha igreja, email que recebi, e que me sensibilizou para esse texto, muito embora considere que ainda prefiro o jornal impresso, o qual posso compartilhar, ou podia fazer, antes do vírus, porque agora é corrente que passam álcool gel ao pegarem no jornal.


      Ps. O meu café ficou com um sabor mais amargo do que o costume, depois das mensagens que recebi, mas posso orar por todos.
     Obrigada a quem passar por aqui e ler. 
          

domingo, 22 de março de 2020

Como Lidar com Ficar em Casa / Crônica

Como Lidar com Ficar em Casa / Crônica


     Ficar em casa e em família pede algo: que ninguém fique pensando muito, porque não é sábado e nem domingo, e a gente está em casa.
     Paro para pensar nesse momento, porque a semana pede mais, inclusive jogar o lixo lá fora e respirar por um e dois minutos o ar fresco com um vento levemente frio que começa a aparecer.
     Observar a casa e verificar algo que possa ser feito, como trocar a torneira do filtro da água.
     Disciplinar-se quanto ao uso da internet, pois se forem muitas horas, uma sensação de tédio e cansaço aparecerá.
     Pregar um botão ou trocar um zíper de uma roupa que se gosta, mas que precisa um pequeno reparo.
     Polir os cds, ou para quem tem prata, a prata, ou passar aquele produto ótimo que deixa toda e qualquer maçaneta de porta com jeito de nova. Passar óleo ou cera nas portas.
     Agora, se tiver um ataque de nervos, compre um quilo de cimento para rejunte, uma faquinha de plástico e um potinho de geladeira, igualmente de plástico e refaça o rejunte dos azulejos com muita calma. Depois escute:
     _A senhora quis decorar o banheiro com rejunte?
     Nem sempre se recebem elogios por um banheiro quadriculado.
     Há muito que fazer dentro de casa.
     Na última vez que fui ao supermercado, o atendente me contou que passou a noite lidando com água sanitária e pano de chão e que a casa dele estava totalmente limpa. Ele tinha ido dormir às quatro da manhã, acordou às seis da manhã e foi trabalhar, segundo ele com a sensação de morar num hotel de primeira, porque embora fosse pequena a sua casa, ela estava brilhando. Contou também que a família ficou de bronca com ele, mas ele disse que estava sendo útil para toda a família e, enfim ninguém dormiu na casa dele porque não quis porque pano de chão e água sanitária não fazem barulho.
     O fato é que se tem que ocupar o tempo com coisas úteis e que ajudem toda a família, ou seja, aqueles que moram na sua casa.
     Outra atitude que pode ajudar nessa obrigação de ficar em casa em prol da saúde mundial, é não obrigar quem está próximo a gostar das atividades que você gosta. Cada um que faça o que achar melhor, mas sem obrigar quem está ao lado a participar da atividade. O atendente do supermercado passou a água sanitária pela casa inteira e não pediu para ninguém ajudar, mas ele ajudou todos.
     Essa pode ser uma atitude de devoção ao outro que está perto de você, assim como todos recebem sugestões de todos.
     Trocar mensagens com os demais ajuda muito nesse período, e não digo da internet, mas alguns poucos diálogos à distância são profícuos, mesmo que se fale em voz alta, afinal o momento permite.
     Organizar as bugingangas, tais como, fita veda-rosca e fita isolante, chaves de fenda e congêneres é uma ótima sugestão para os homens.
     Esse tempo é uma oportunidade para se melhorar a casa e os diálogos dentro de casa.
     As mamães e os papais podem aproveitar esse tempo para conversar e ouvir as histórias dos filhos, algo que no dia a dia com muitas tarefas é difícil, mas também aproveitar para contar as suas histórias e ensinamentos que teve quando era criança.
     No tempo da terrível Peste Negra, as pessoas fugiam dos locais com muitos doentes e se dirigiam a regiões menos afetadas, e se alguém tem planos de ir para o interior, esse agora pode ser interessante para quem quer mudar de vida.
     Do tempo da Gripe Espanhola, lembro de ter conhecido um médico, já com oitenta e poucos anos, que trazia consigo um vidrinho de álcool. Essa é uma história a ser contada, pois eu deveria ter uns seis ou sete anos, quando o meu pai o encontrou na rua XV de Novembro. Ele , o médico, o cumprimentou com bastante entusiasmo, mas depois pegou um lenço, colocou um pouco de álcool e esfregou nas mãos. Meu pai observou o meu jeito de estranhamento e, na hora, ele ajudou o médico:
     _Ainda?
     _Para o resto da vida. Quem trabalhou no período da Gripe Espanhola não esquece o que aconteceu naquela época, onde os mortos eram empilhados em carroças, pois nós médicos, tínhamos famílias e visitávamos os doentes como podíamos. Graças a Deus, aquilo passou.
     _Graças a Deus e ao médico!
     _Não é fácil ser médico.
     E foi assim que eu aprendi a lidar com esses dias.
     Boa semana!       
       

sábado, 21 de março de 2020

Louvada Seja a Paciência

Louvada Seja a Paciência


A paciência há de louvar
O lugar onde há a esperança,
Porque nos faz esperar
E ter coração de criança,


Que gosta de acreditar
Que a chuva traz a bonança
Mesmo quando está a chorar;
Balão é céu que não se alcança


E acredita sem parar
Que outro balão terá e o alcança
Diferente e a comparar...
Quando vê que era a esperança.

sexta-feira, 20 de março de 2020

Perguntas / Questionário?

Perguntas / Questionário?

     1 - Tendo em consideração que a padaria do supermercado onde frequento tem um balcão que separa o cliente da atendente numa distância próxima de 1,5metro de distância e que, a atendente usa luvas e máscara para pegar os pães a serem vendidos, e que a higiene do local é de primeira qualidade, há motivo para preocupação com doenças?
     2 - Tendo em vista que o açougueiro é obrigado a usar luvas de aço, botas de borracha e avental para cortar a carne, há algum motivo de preocupação, excetuando-se o carimbo da inspeção necessário à comercialização?
     3 - O bom senso na fila é verificado na distância recomendada e no fato do cliente que está atrás não toca no produto que o consumidor da frente compra, em princípio não precisa de ajuste?
     4 - Os atendentes dos caixas do supermercado precisam usar luvas, uma vez que já usam o ácool gel? E a máscara?
     5 - É falta de bom senso diminuir a produção de gêneros de primeira necessidade, o que anda se pregando por aí?
     6 - As pessoas precisam deixar de comprar veículos automotores em consequência de uma epidemia?
     7 - Não é possível contratar um agente de saúde para trabalhar na entrada das indústrias para verificar alguma indisposição?
     8 - Não é possível controlar o número de clientes nas lojas pequenas?
     9 - É verdade que pratos e talheres são agentes de contaminação?
     10 - Não será possível que os restaurantes trabalhem com reservas antecipadas, no caso de que os pratos e talheres não sejam agentes de contaminação, para que possam abrir normalmente?
     11 - O Delivery de restaurantes está livre de contaminação? Por que?
     12 - O jornal impresso é fonte de contaminação?
     13 - Se a cidade parar totalmente, quais são as consequências num prazo de seis meses?
     14 - Quais são as atitudes consideradas responsáveis num momento de pandemia?
     15 - Quais são as atitudes desaconselhadas num momento de pandemia?
     16 - É possível fazer um organograma com atitudes coordenadas a fim de se combater o vírus, ou seja: quem faz o que e quem pode fazer o que?
     17 - Como cooperar?
     Enfim, hoje as caraminholas invadiram o meu pensamento, porque não se pode ir a lugar nenhum, mas sim pensar no sabonete e no álcool.
     Desculpem leitores.      


quinta-feira, 19 de março de 2020

Humana Incerteza




Humana Incerteza


A literalidade
Dos fatos, e a tristeza
Da intertextualidade
Virtual dessa incerteza,

Com fé em meio à realidade,
 Verdadeira proeza
Quando nada é vaidade,
E ao contrário, é firmeza

Ao crer nessa vontade
Que o esforço não despreza,
Essa necessidade
Que o bem vença em grandeza

A pior casualidade,
Que é a natural vileza
Que atinge a humanidade:
Vírus solto e ela presa!

quarta-feira, 18 de março de 2020

De Todo Gênero / Crônica de Supermercado

De Todo Gênero / Crônica de Supermercado

     O supermercado me conta do que se passa, e as pessoas das suas respectivas situações.
     Pensei ter conseguido um horário calmo, mas que nada, o supermercado estava lotado e os medos são muitos.
     O primeiro medo é o do coronavírus, uma epidemia realmente perigosa.
     A televisão mostra uma tela com meia tela com pessoa e meia tela com o olho do gato piscando. Eu achei adequada a tela, porque nas horas em que as pessoas estão reunidas com um objetivo comum, seja durante as compras de final de ano, seja nos feriados ou em momentos tristes, o que as autoridades, nesse caso, especificamente a polícia e os seguranças advertem para que se cuidem dos pertences, concordo que é hora de tomar cuidado.
     Passa um moça no corredor, com máscara e retira a máscara para espirrar com o rosto voltado aos consumidores, é o tipo de atitude que mereceria que ela fosse retirada do local.
     Observa-se parte dos consumidores comprando entre quatro a cinco dúzias de ovos, mas esses consumidores têm uma boa justificativa, pois são profissionais que vendem serviços como manicure, e sem clientes não poderão comprar comida. Existem locais onde obriga-se o fechamento desse tipo de prestação de serviços, pois cada região se comporta e decide de maneira diferente sobre a prevenção contra o vírus.
     Caixas de leite também estão saindo muito, e também há um motivo, pois quem tem crianças em casa, não quer muita bagunça na vida das crianças, e muito menos levá-las ao supermercado, onde poderão ter contato com o vírus.
     Alguns clientes estocam comida por não terem ideia do dia de amanhã, se vão poder sair de casa, ou se será necessário uma autorização para ir ao supermercado.
     O comportamento que se observa, ao menos por enquanto, é o de uma maré humana que se revela nas prateleiras, que se esvaziam e se repõe.
     Outro problema é que nessa maré, às vezes não se consegue comprar tudo o que se precisa, e se tem que voltar noutro dia para terminar a compra.
     Não se pode culpar um ou outro político, porque, conforme disse ontem, eles estão cuidando da turbulência, coisa que facilmente se pode observar nos noticiários dos jornais nacionais, mas também nos jornais estrangeiros, para quem tiver interesse.
     Nem mesmo a China é a culpada, mas parece que a culpa é do marsupial morcego, que conseguiu transmitir a sua zoonose para um humano, que coincidentemente morava na China, e sem saber que era um transmissor, contaminou o mundo inteiro. O Conde Drácula ressurgiu nessa personificação malévola de um homem-morcego que, sem querer, acabou por pertencer ao pior lado da humanidade, mas um parasita ganhou o Oscar do cinema, que tragédia!  
     Também observou-se gente que não tem dinheiro para os ovos a mais, e carregou no arroz, no feijão e na farinha.
     O moço do caixa observou que no Brasil não pode acontecer o que acontece na Itália, e justificadas são essas medidas.
     Voltei abismada e estupefata com a situação que se atravessa mundo afora, ou pelo menos nos países onde os supermercados contam ao dia a dia.
     Liguei o rádio para espairecer, e pareceu-me uma risada cínica a que ouvi após as notícias informativas da situação. Não digo isso para criticar uma jornalista, mas para dizer do perigo que é uma pessoa considerar-se mais inteligente e esperta que toda essa gente que não sabe e não tem como se defender, porque ninguém sabe dos próximos capítulos. Ninguém de bom senso escreveria uma novela dessas para determinar um final pessoal objetivamente claro, e se tiver alguma novela que permeie o que acontece no momento, não se sabe o autor e nem o final.
     Certa vez eu ouvi uma história na qual algumas pessoas morreriam, mas que o final seria bom para a humanidade, mas eu retruquei que não existiria tal história porque a história, embora que se repita em parte, é dinâmica e os fatos se sucedem independentemente da vontade de um ou outro pensador.
     Sei que a situação é complicada, e que escrever me permite desabafar, fazer uma catarse do nervosismo ao presenciar tantas histórias convincentes, e é bom poder compartilhar esses momentos com alguns leitores que tenham a paciência de ler esse texto.
     Grata a quem ler, porque a leitura ajuda a pensar os problemas da humanidade.  

terça-feira, 17 de março de 2020

Parece Filme / Comentário


Parece Filme / Comentário

     Todos conhecem os super-herois do cinema, e até existem jogos interativos com esses super-heróis.
     Como a maioria das pessoas, acompanho o noticiário, e é difícil não lembrar dos filmes onde os super-heróis se unem para combater um inimigo comum.
     Um lanchinho de cinema fez-se necessário, porque existe de fato um inimigo público número 1, o CORONAVÌRUS.
     Aeroportos e aviões parados, pessoas sob a sombra desse inimigo comum a todos os países.
     Assisti o noticiário internacional, igualmente, costume de algum tempo porque até pouco tempo atrás, as notícias dos outros lugares desestressava..
     Há algo que merece atenção: O MUNDO DECIDIU PARAR POR ALGUMAS SEMANAS.
     Não somente a cidade onde moro, Curitiba, mas o país, e os outros países de culturas completamente diferentes da nossa, seja cidade, seja estado, seja país.
     A sensação que se tem é que o Planeta Terra está sendo invadido por alienígenas de nome Coronavírus.
     Por esses dias, ouvi que o prgresso planetário retrocedeu dois anos nos últimos dias, não porque as Bolsas de Valores caíram, mas porque as perdas das indústrias e do comércio são imensas. Os meios de troca variam de país a país com seus respectivos organogramas políticos, mas o planeta está unido rumo à recessão e ninguém vai lucrar com a crise do Coronavírus.
     Sob o ponto de vista da sociologia, acredito eu, estamos próximos, em termos relativos (mas desse jeito não haverá mais avião algum daqui a alguns anos), enfim, de um retrocesso impressionante em termos de desenvolvimento humano, como se já não bastasse as mazelas sobre as quais já se tem conhecimento.
     Não sei como é que esse acordo de paralização mundial pode durar mais que alguns meses, a menos que se pretenda um governo único para o Planeta e esse vírus seja obra de invasores extraterrestres.
     Li num jornal, pela internet, que na Itália há recolhimento de corpos para sepultamento em novos cemitérios, mas não sei o quão verdadeira possa ser a notícia, mas a quantidade de mortos é aterradora.
     Sou a favor que se tente barrar a proliferação do vírus tanto quanto a proliferação das doenças endêmicas como a febre amarela. Coopero com a ideia de ficarmos menos sociáveis por algumas semanas, mas tenho medo que o problema possa se extender por mais tempo do que algumas semanas e que tenhamos que lidar com essa questão pessoa a pessoa.
     Sobre a Origem da Coisa CORONAVÌRUS existem apenas teorias, nada que se comprove de onde veio e como é que vai acabar.
     Cabe um comentário otimista: os vírus da gripe podem se modificar, por que não o do Coronavírus, e assim se tornar inofensivo?
     Cuidem-se! 
      

segunda-feira, 16 de março de 2020

Depois

Depois


Quando depois é quando
Não se sabe, ficamos
A esperar esse quando,
Ao qual não os inventamos,


 E fica-se aguardando
Esse tempo a que vamos,
Meio que só observando
Se vamos ou voltamos.


C'oa realidade suando,
Distante imaginamos
O que já foi esse quando,
Esse ontem que gostamos.



domingo, 15 de março de 2020

Coronavírus e Supermercado / Crônica do Cotidiano

Coronavírus e Supermercado / Crônica do Cotidiano

     Sob as recomendações da televisão, e com vontade de cozinhar, fui ao supermercado.
     O que eu faria para o almoço se chama Arroz de Forno.
     As únicas bandejas com frango em pedaços eram de asas. A fila do açougue estava com dez pessoas.
     O segundo objetivo, agora, ao sair, é não ficar muito próximo aos outros.
     Passei pelas prateleiras de café, com espaços vazios.
     Álcool gel eu tenho, mas ao não comprar nada, saí e fui comprar uma Viatamina C, parece que está na moda.
     O senhor da farmácia, com um jeito ligeiramente cínico, respondeu:
      _A senhora está atrasada. A vitamina c, de qualquer embalagem e marca, acabou.
     Ignorei aquele jeito cínico, e perguntei sem perguntar:
     _Álcool gel?
     Com ar de superioridade, e gesticulando com a cabeça um imenso não, ele resmungou:
     _Tasc, tasc.
     _Estou atrasada?
     _Completamente atrasada. Os clientes levaram tudo.
     Posso estar atrasada, mas também posso ficar sem vitamina c porque o ácool gel está garantido.
     Será que posso afirmar que o povo almoçou frango? Isso não se pode garantir, mas comraram muito neste final de semana.
     Parece que para evitar fila, as pessoas estão comprando a mais para terem os produtos em casa, deixando apenas os pães para o dia a dia. A prateleira dos pães estava normal.
     Até mesmo comentei que preciso aguardar alguns dias e voltar ao supermercado. Sem quarentena, quanto a isso não preocupo os leitores. Há um tempo para que o supermercado reponha o estoque.
     O fato é que a rotina está modificada, e essa crônica dispensou filas.
     Boa parte das lanchonetes oferece talheres de plástico. Os cafés exigem copos descartáveis e temos que nos adaptar aos dias complicados.
     O convívio social está próximo do esquisito.
     Ao encontrar com amigas, mantemos a prudente distância de um metro e meio e falamos um pouco mais alto. Com muita polidez nos gestos e palavras.
     De vez em quando acompanho os noticiários internacionais e os repórteres cobram dos governos o fim da crise do coronavírus.
     Interessante é observar que os governos colocaram cada nação no seu quadrado, ou seja, por enquanto ninguém fica doente no país vizinho, mas no seu próprio.
     Pelo menos o culto online está garantido.
     No mais o domingo foi estranho com nenhuma oportunidade para as compras essenciais e os dengos que a vitamina c proporciona.
     Boa semana!  

sábado, 14 de março de 2020

Pela Fé

Pela Fé

Obedecer,
Crer, esperar,
Por não saber,
Manter-se a orar.


Desconhecer,
Mas não ignorar
Que está a viver
Ao acreditar


E estabelecer
Que há um Deus a criar
O amanhecer
Sem murmurar.

sexta-feira, 13 de março de 2020

Resplandecêncis

Resplandecência


Misericórdia e paciência
Nos devem guiar ao querer
Amar a Deus e ter ciência
E não se desentender


Porque há tanta inconveniência,
Quando a questão é conhecer
A palavra da consciência
Divina, nosso dever,


Onde toda interveniência
Humana é pouca ao saber
Do sol em resplandecência,
Quando Deus está a escrever.



quinta-feira, 12 de março de 2020

Conscientização

Conscientização


Diz-se improvável
Do movediço,
Um rebuliço
De areia maleável,


Não descartável
E encharcadiço;
Terreno omisso
Ao quebrantável


Que é o ser amável,
E o abafadiço
Seria o submisso
Ao que é inegável.


quarta-feira, 11 de março de 2020

Circunferência

Circunferência


Não exatamente,
Certa em coerência
Traz a experiência,
Solo e semente


Em chão vivente
Nessa regência
Da convivência
Crente e descrente,


Mas consistente
Em referência
E equivalência:
Circunferência.

terça-feira, 10 de março de 2020

Amanhã

Amanhã voltamos ao blog.

Miniconto Ou Que Seja

Miniconto Ou Que Seja 

 Conforto

Inverno, domingo de manhã, está frio, me levanto cedo, todos dormem, minha esposa, filhos, e meus pais que estão nos visitando.

Na copa, em cima da mesa, vejo um saco de biscoitos de nozes com chocolate que só sobrou o farelo.

Vou à cozinha, coloco um pouco de leite para esquentar.

Despejo o farelo dos biscoitos numa caneca, quase um quarto do volume, e coloco leite quente, misturando os dois.

Chego na sala, os primeiros raios de sol atravessam o vidro que está orvalhado.

Me aproximo e observo a grama coberta de geada, branca, com algum nevoeiro começando a levantar.

Sento na poltrona e enquanto sou banhado pelo sol tomo um gole do líquido quente e cremoso que desce esquentando o corpo e a alma.

Tudo está em paz, nos seus lugares, relaxo. Um conforto para a alma.


Ps. Valeu, Toninho!

segunda-feira, 9 de março de 2020

Para Quem Quiser Se Emocionar / Crônica do Cotidiano

Para Quem Quiser Se Emocionar / Crônica do Cotidiano

     O que é Deus para o ser humano? A fé que salva e anima?
     Hoje não consegui almoçar como deveria. O prato de comida simbolizava a Ceia do Senhor e, tão humildemente me foi oferecida, que muito humilde me senti.
     Simbolizava uma bênção ou um milagre, mas nada foi dito, além de uma frase, que me inteirou do nó na garganta:
     Eu quero oferecer um prato farto, por favor, peça mais algum complemento.
     Com muita humildade, pedi:
     _Feijão.
     E o feijão foi partilhado na hora do almoço nessa casa abençoada.
     Tive o dia inteiro para rememorar a Ceia do Senhor, o milagre acontecido numa família que não é a minha, e que nem mesmo o direito de saber o porque desse oferecimento me é permitido.
     Assim, almocei com Jesus Cristo partilhando a refeição.
     Ouvi:
     _Não me importa quem você seja, ou porque você está aqui nessa hora e lugar, porque não é à você, mas à Cristo, o qual partilha comigo esse momento.
     Eu até pensei em não almoçar, mas tendo em vista a humildade com a qual me revesti, comi.
      Hoje foi um dia que não seguiu com o costume, e qual é o meu costume? Perguntar logo cedo como louvar o dia, mas louvei com a humildade, mas tão cehia de amor que o espírito não cabia em si de ser testemunha dessa oferta anônima, mas para Jesus.
     Não para ninguém saber, não saberão.
     _Quero fazer o bem sem olhar a quem, pois Ele sabe o que eu faço.
     Desculpe gente, estou desmontada. 
     Vocês conhecem a história de Zaqueu, aquele que ficava de soslaio numa árvore para ver Jesus fazer a sua pregação? De tanto criticarem Zaqueu, Jesus foi almoçar com ele e disse a ele para que ouvisse a sua pregação sem estar sobre a árvore, porque seria bem vindo a Ele, porque Ele, Jesus, o conhecia mais que ninguém.
     A senhora precisava partilhar a ceia do Senhor, e esta humilde publicana recebeu Jesus Cristo em casa para o almoço.
     Deus abençoe vocês. 
      

domingo, 8 de março de 2020

Coisa Esquisita

Coisa Esquisita


Coisa muito esquisita
É essa alma nossa, gente,
Que às vezes se digita
E se descreve e sente,


Mas jamais se limita
À palavra contente,
Porque é mais que irrestrita
Em busca do inconsciente,


Pelo qual se acredita
Em Deus onipotente,
Que faz dela bendita
Porque Dele é presente.

sábado, 7 de março de 2020

Amigas

Minhas amigas procuram fazer o que é certo, pois o conceito de certo e errado ainda é válido.

Dia da Mulher, "Mas" em 2020

Dia da Mulher, "Mas" em 2020

     Estamos em 2020, e este detalhe não pode ser ignorado.
     Antes de começar a escrever sobre o Dia da Mulher, é preciso dizer que, hoje em dia, ser mulher é uma opção heterossexual cuja escolha é livre.
     Para as mulheres saudosistas, me perdoem os demais, mas hoje o texto é dirigido àquelas que biologicamente e psicologicamente são mulheres, grupo no qual me incluo.
     Saudosistas por que, os leitores perguntariam, e aqui está a resposta: nos anos 70 e 80 surgiu a discussão que todo ser humano haveria de ter um lado masculino e outro feminino e as críticas sociais diziam que haviam mulheres cujo lado masculino era homossexual. E brincando, respondia-se: _ Nem todas, meu bem.
     Na minha cidade, Curitiba, irá haver uma manifestação contra à violência contra a mulher. Penso que nenhum ser humano pode enfrentar a violência por conta e risco, porque o risco da violência existe, e não há que se culpar exclusivamente o homem, mas o ser humano violento, que pode ser de qualquer gênero.
     Pessoalmente tive que resolver um problema de furto em ônibus, e digo que furto em ônibus é uma violência e atinge fortemente a autoconfiança. Em resumo, resolvi o problema, mas e os pertences? Economizei e tive que repor.
      Outro problema que a sociedade enfrenta, e especialmente a mulher,é a supervalorização de suas habilidades, no que tange à inteligência e a articulação social, esquecendo-se que,  como mulher, a cada gestação, ela toma a decisão de cuidar e amar uma criança com todas as responsabilidades que essa decisão acarreta.
     A mulher, que tinha o tempo escasso, hoje é rapidamente influenciada pela internet, e, às vezes, dorme enquanto observa as redes sociais, tornando a rede social um escape para a escassez do tempo, e agindo assim, os problemas aumentam, as conversas dentro de casa diminuem, os desentendimentos acham a oportunidade para que um ladrão chegue.
     Penso, e aí, influenciada pela igreja, porque também tenho as minhas redes sociais, que a mulher precisa pacificar a vida pessoal, e a pacificação da vida pessoal nem sempre inclui a palavra marido. Estabelecer um relacionamento cordial dentro de casa, com seriedade e respeito entre os membros da família que a rodeia, é sob esse ponto de vista, o primeiro passo para combater a violência como um todo.
     Respeitar a opção pessoal das outras mulheres é essencial. Respeita-se as outras mulheres e segue-se o caminho que acredita-se ser o melhor.
     Aqui cabe uma opção pacificada dentro de um ambiente social, minha, que foi a conversão para outra denominação católica, a batista. Essa conversão foi negociada, conversada, acompanhada por todo um ambiente social, e no dia das águas, meu irmão filmou o batismo, que tem significado diferente da denominação romana, pois não salva ninguém, mas passamos a integrar a essa denominação.
     Foram três meses de conversas intensas com todos ao redor e, afinal, veio o consenso e todos ficaram bem com essa decisão. A isso chamo responsabilidade.
     A seriedade está no fato de que tudo foi levado à sério e em todas as conversas.
     Temos aqui uma resolução pacificada.
     Tomam-se decisões diariamente, e com a correria do dia a dia, não se pacificam essas decisões antecipadamente. Esse fato é algo que todos devem ter em mente, e a frase decorada, não é muito bonita:
     "Não se vomita uma decisão como se fosse um peixe estragado e mal digerido, ao qual o organismo reage e põe para fora sob a forma de vômito. Isso não resolve problema nenhum, ao contrário, intoxica o ambiente todo."
     O combate à violência contra a mulher começa também pela mulher, mas não se pode dizer que não existem pessoas violentas e que essas pessoas precisam de atitudes mais enérgicas por parte de quem tem essa função na sociedade.
     Na medida do possível: Feliz Dia da Mulher.        

sexta-feira, 6 de março de 2020

Poema Metafórico

Poema Metafórico


Não é brincadeira,
É fato e pronto;
De jardineira
Conto esse conto:

Numa clareira
Deu-se um encontro
D'uma fogueira
E um medo tonto,

Mas veio a geleira
Com seu perponto,
E á lapiseira
Deu seu desconto.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Chronos Cronológico

Chronos Cronológico


Recolhido, esse tempo
Se transforma em relógio,
E não é mais um momento,
Sendo somente lógico,


Onde está o entendimento
Sonoro e fisiológico,
Num desencantamento
Com o ser mitológico,


E esse discernimento
De um Chronos antológico,
À história e ao passatempo,
Que existe sem relógio.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Pela Fé

Pela Fé


Quem não vai, volta
Mais leve e solta
Do que se fosse


À bruma envolta.
Vira-se e volta
Ante ao descrer;


Reviravolta


De se querer.

terça-feira, 3 de março de 2020

Poema Descomum

Poema Descomum


Tudo pode acontecer,
Oh, natureza selvagem,
Desumana só por ser
Natural, sem a linguagem


Que diz do sobreviver.
É impossível essa imagem
De chuva,vento e o adoecer
Quando aos tempos interagem


Em conjunto e sem querer,
Por serem uma engrenagem
Normal que se há de entender,
E mudam toda a paisagem.

segunda-feira, 2 de março de 2020

Flores

Flores


As flores
São as cores
De um jardim,


E os frescores
Sombreadores
De um jasmim;


Pormenores


De um sem fim.

domingo, 1 de março de 2020

Autoconhecimento

Autoconhecimento


Do que não sei,
Não vou dizer,
Mas meditei
Sobre o querer.
Fiz mais, orei
Até escrever,
E precisei
Me conhecer.


sábado, 29 de fevereiro de 2020

Paloma / Conto


Paloma / Conto

     Paloma, moça de bom espírito, vinte e um anos, planejando o futuro, pega uma gripe.
     Quinze dias depois e estaria pronta para a próxima. Enganou-se. Passado um mês e uma espécie de recaída aconteceu.
     Caiu de cama, mas sem febre. A tosse a atormentava, a ponto de sentir enjoos. Naquele tempo não havia a multiplicidade de diagnósticos que existem hoje, assim as coisas ficavam como eram.
     Passaram mais quinze dias, e a fraqueza não diminuía.
     A resposta médica foi de que sem febre não haveria de ser nada de grave.
     Compraram xaropes para a tosse, não passava. Fizeram exames e o pulmão estava limpo.
     Paloma começou a emagrecer.
     Não conseguia se alimentar direito e não estava doente.
     As pessoas em volta começaram a dizer que poderia ser uso de substâncias exógenas. Pediu à família que verificasse se Paloma não estava aprontando algo feio.
     Paloma comia o que conseguia e deitava.
     A família de Paloma reclamou com ela:
     _Se você tiver algum mal de amor recolhido, o seu lado traseiro vai esquentar.
     Paloma ria. Não tinha amor nenhum. Era fraqueza mesmo.
     Quando Paloma chegou aos quarenta e nove quilos, disseram que seria bom verificar a tuberculose. Mas a carteira de vacinas estava em dia e não poderia ser tuberculose.
     Então ela decidiu por tomar sulfadiazina e vitamina B. Aproveitou uma saída com um parente e, enquanto ele tratava de negócios, ela foi a farmácia e se automedicou, mas com o consentimento do parente,  porque não tinha diagnóstico.
     Passada uma semana, engordou meio quilo e mais uma semana mais meio quilo e conseguiu chegar aos cinquenta quilos.
     Começou a se alimentar e a ter fome de biscoito. Um pacote de biscoito por dia.
     _Se o biscoito cura, compremos biscoitos.
     À medida que se sentia melhor, às vezes tomava e às vezes não tomava a sulfadiazina. Não tinha médico porque não tinha doença, diziam que eram fraqueza de espírito, e por conta disso ela ía à igreja todos os domingos, o que era útil para mostrar para os comentadores de plantão que a substância exógena só poderia ser Deus.
     Seis meses depois se sentiu curada. A família se alegrava pelo ganho de peso e pela animação da jovem.
     Agora, com seus setenta anos, após um exame de rotina:
     _Verificamos que a senhora teve cisticercose há muitos anos, pois da doença sobraram cicatrizes antigas.
     Deus escreve certo por linhas tortas, assim como Paloma poderia ter morrido, não morreu. A sulfadiazina é remédio taxado de antibiótico e a venda é com prescrição médica. Os jovens que saem, hoje em dia, estão realmente expostos à todo tipo de substâncias, mas naquele tempo, não.
     Paloma está viva porque naquele tempo os pais conheciam os filhos e não dependiam da opinião alheia para confiarem na educação que davam.
     A relatividade da medicina é esta: não existe tratamento para o que não é doença.
       

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

A História de um Homem e a Sua Discussão Póstuma / Miniconto

A História de um Homem e a Discussão Póstuma

     Clarice disse que queria discutir a vida daquele homem mesmo após passados anos da sua morte.
     Raimunda, com seu jeito simples perguntou se estava tudo bem, porque o sol voltava depois da chuva e o lanche de queijo minas com broa estava delicioso.
     Clarice, mulher bonita e disposta a enfrentar o mundo por aquela discussão.
     _Eu quero conversar sobre a vida daquele homem sim. Eu posso, porque poucos acreditam em santos como eu.
     Raimunda, Testemunha de Jeová, não criou polêmica e disse:
     _Fale Clarice, que eu a ouvirei.
     Clarice ergueu o nariz e disse:
     _Pois bem, falarei. Ter nome de santo não obriga ninguém a ser santo.
     Raimunda disse:
     _Ah, bom. Pode dizer o que quiser. Eu até gosto de ouvir biografia, ou seja história que não seja minha.
     Clarice estava com olhos agudos e continuou:
     _Como é que um homem que tem dinheiro resolve viver em acordo com o nome do santo e esquece que tem dinheiro? Morreu num sofrimento espiritual muito maior do que teria se tivesse gasto o dinheiro que tinha.
     Raimunda arregalou os olhos e disse:
     _O que foi que aconteceu que eu não estou sabendo?
     Clarice amarrou os lábios nos dentes, mas disse:
     _Pois o santo foi cercado por gente que pensava no dinheiro dele enquanto ele mesmo levava uma vida humilde, a qual fora convencido a viver pelo nome do santo que inspirou o nome dele. Chegou ao fim sem realizar nada do que tinha vontade porque era incentivado e aplaudido por levar a vida de santo.
      Raimunda olhava e olhava para Clarice, que estava bastante irritada e disse:
     _Calma, mulher de Deus.
     Clarice se destemperou no mesmo instante:
     _Sim, a minha fé é imensa, mas garanto que se aquele homem tivesse tido um filho com qualquer mulher, e digo qualquer no sentido em que você queira entender, pois bem, digo que se aquele homem tivesse tido um filho teria tido um fim melhor.
     Raimunda disse que não havia entendido.
     _Aquele homem contrariou a Deus quando levou uma vida de santo quando o que Deus queria dele é que levasse uma vida melhor, com mais conforto, com mais sorrisos, com mais carinho. Ele errou e muito, porque a ele não foi concedido ter uma vida de religioso, e sim a conquista de ser apreciado enquanto profissional e conseguir alguns milhões em torno dos quarenta anos de vida. Após conseguir os milhões, ele achou que poderia levar a vida do santo a qual o seu nome inspirava.
     Raimunda achou que Clarice estava falando em excesso, e perguntou:
     _Por que isso, Clarice. Por que esse desespero todo?
     Clarice, visivelmente emocionada, disse:
     _Por que? Porque colocaram o nome dele no meu neto e eu amo o meu neto, ele é lindo, fofo, mas cada vez que eu brinco com o meu neto, eu lembro dele.   
  

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Cantinho

Cantinho


Lá fora o vento
Que muda o tempo
E me ensurdece,


Mas aqui dentro
Há movimento,
Enquanto aquece


 Esse meio-tempo


Que já aparece.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Corona Vírus no Brasil / Comentário

Corona Vírus no Brasil / Comentário

     Calma que o caso é um, por enquanto. No entanto, pode ser que aconteçam mais casos.
     Além do álcool gel, é preciso evitar aglomerações, principalmente as de público flutuante.
     Na época da gripe H1N1, lembro de tomar conhecimento de uma criança infectada. O local ficou fechado por um período de tempo até que não houvesse risco de contaminação.
     Pelo que assisto na televisão, é um vírus gripal, e ainda estamos no verão. Quando chegar o inverno é que a situação pode piorar, porque no inverno é mais fácil pegar um resfriado.
     Nos lugares quentes o problema é o consumo de alimentos gelados como sucos, iogurtes congelados e sorvetes, ou água gelada.
     Sem ser exagerada, e, ao mesmo tempo verificando que tinha um álcool gel do tempo da H1N1, comprei outra bisnaga de álcool gel.
     Naquele tempo da H1N1 era proibido se tocar num piano sem antes esfregar as mãos com álcool.
     Talvez ainda seja uma boa estratégia: lavar as mãos, enxugar com papel toalha e esfregar as mãos com álcool gel.
     Sem ser pessimista, imagino aqueles dias de geada com pontos de ônibus com filas imensas como nas praças da cidade e o transporte coletivo lotado. O corona vírus exerce o contágio pelo ar.
     Em filas de supermercado, não é raro ter contato com mais de vinte pessoas próximas umas das outras.
     Sem ser alarmista, o corona vírus se alastra rapidamente pelos países.
     Sinceramente, continuarei assistindo os cultos online, até porque foi assim que aprendi a gostar dos cultos.
     Daqui a algum tempo talvez seja preciso pensar em como evitar aglomerações.
     Há tempos se sabe que os vírus gripais são mutantes, mas dessa vez a situação é assustadora, com tantas mortes mundo afora.
     Exagero seria não pensar nessas possibilidades.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Poema Domingueiro

Poema Domingueiro


Fevereiro
E friozinho,
Casaquinho
Costumeiro


E ligeiro,
Levezinho;
Sotaquinho
Corriqueiro,


Bairro inteiro
Num cantinho
Bem quietinho,
Domingueiro.


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Orquidário

Orquidário


Todo momento
É necessário,
Um dromedário
E um condimento;


Balanceamento
De um orquidário
Originário
De um argumento


Chamado tempo,
Bibliotecário
E humanitário
De um só contento.




domingo, 23 de fevereiro de 2020

Detalhe de Mulher

Detalhe de Mulher


Quem quiser
Sair que saia,
Libertária
Bem-me-quer.


Se aprouver
Se retraia,
Samambaia,
Ser mulher.


Ore a ser:
Se for praia
Se distraia.
Vou me a abster.
.


sábado, 22 de fevereiro de 2020

Pastel de Vento

Pastel de Vento

Parado ao tempo,
Pastel de Vento
Com recheio tanto,
Sabor de encanto


Que é passatempo
Congraçamento
De um por enquanto,
Porquê, portanto


Aturdimento
Do frio cinzento
Sem mais espanto,
Nenhum quebranto.


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Viável é Ser Humano

Viável é Ser Humano


Essa busca constante
Pela brisa inefável
É igual ao semelhante,
E à todos agradável;


Alma e refrigerante,
Quem não os quer confortável
Sem ser mirabolante,
Ideal e memorável,

E quem não é principiante
Quando o tema é sociável,
De sorriso ao semblante?
É, o ser humano é viável.


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Tamborins

Tamborins


Ruas encaloradas
E cheias de bom humor,
Vontades e mãos dadas,
Mais água por favor,


Meio desacostumadas
E apressadas ao suor
Das têmporas molhadas
Mesmo à sombra do andor.


Ao feriado, viajadas
Nas cores de um frescor
De folia apaziguadas,
Vento e maré a favor.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Tempo e Pesquisa na Música / Pode Ser Entendida Por Vocês

Tempo e Pesquisa na Música / Pode Ser Entendida Por Vocês

     Estava com atividades e queria ter alguns minutos de lazer.
     Liguei o rádio, para tentar me concentrar numa canção.
     A canção, um rock americano, pareceu-me divertida e anotei algumas frases ótimas:
     "Eu não sou um idiote, foi Deus quem colocou esse sorriso permanente em mim."
     "Eu era só, mas agora não ando desacompanhado, Jesus está a meu lado o dia inteiro e se tornou um bom amigo."
      "Deus criou o universo e todas as coisas, mas fez algo bom além disso, me criou."
     Uma canção que parecia recheada de frases "nerds", com um sotaque de quem não pensa no que diz, mas totalmente religiosa.
     A estação era uma estação de rádio para o público jovem, ou para quem gosta de música pop-rock.
     Caminhei sob a garoa e me renovei.
     Sabe-se que algumas emissoras de rádio contém a lista das canções, com compositores e cantores.
     Faltou o tempo para pesquisar o nome da canção e verificar se a emissora funciona online e em que condições mostra a sua programação.
     Há canções que nos sensibilizam, nos animam, e gostamos de saber o nome das canções para procurá-las mais tarde na internet.
     Outras frases pitorescas estavam na canção, tais como:
     "Que Deus maluco me inventaria? Mas Esse foi com a minha cara."
     É melhor parar de contar. Será que eu encontro essa canção? Dificilmente ligo o rádio, preciso saber o nome da estação e pesquisar.
     Gostei de ouvir.
     Até mais, meus prezados leitores. 

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Discussão Sem Fim / Necessário Comentário

Discussão Sem Fim / Necessário Comentário

     Esse dia com algumas pessoas olhando para mim, teve sentido.
     Acho que ninguém é magro em excesso porque quer ou gordo porque quer.
     Penso que o melhor que pode acontecer é que cada um leve a sua vida normalmente.
     São tantas histórias de magros e gordos.
     Certa vez, numa casa lotérica, onde fui para pagar uma conta, um senhor estava em prantos porque a filha chegara aos vinte e cinco quilos simplesmente porque sentia-se gorda. Ela havia sido internada num hospital onde recebia alimentação parenteral.
     Várias conhecidas fizeram cirurgia para emagrecer, quase nenhuma diz sentir-se bem e, outras já engordatam novamente.
     Uma outra questão é que magreza e gordura não é questão de gênero sexual.
     Temos um conhecido que teve que fugir de um assédio sexual porque era magro e foi considerado aprazível por um grupo de homossexuais. Na época, ele tinha por volta de dezoito anos e fez questão de nos contar que não era gay, era magro.
     Com o homem gordo, não é muito diferente. Muita gente pergunta o mesmo.
     A partir desses casos, "eu" e mais ninguém, por favor não coloquem palavras em bocas alheias, cheguei à conclusão que deve-se excluir a sexualidade da gordura e da magreza.
     Já disse para muita gente a meu respeito: que já fui mais gorda e mais magra do que hoje.
     Conto que tenho problema de colesterol e que não como carne vermelha há tempos.
     Volto ao início do texto, onde todos querem levar as suas vidas de forma normal. Ninguém quer ficar contando porção de comida e nem quantidade de sal e açúcar.
     A partir dessa conclusão, cheguei a parâmetros que auxiliam muito, onde nenhuma salada é temperada e o que dá sabor é a cebolinha verde, algumas gotas limão e, algumas gotas de mostarda dietética, a qual foi preparada por técnicos especializados.
     Para queimar o colesterol, o açúcar fica em um docinho após a refeição.
     Nunca contei o número de frutas ao dia, quantas me derem vontade de comer. Outro dia, num blog seguidor, disse que a minha preferida era a manga. O que acontece se a manga for comida inteira, me perguntariam os leitores. A barriga fica ligeiramente dilatada, mas em algumas horas volta ao normal e o peso fica estabilizado, com uma sensação de saciedade ótima.
     Faço bolos sem açúcar e com margarina magra e leite desnatado. Os adoçantes culinários sdeixam os bolos com sabores excelentes.
     Esses bolos são úteis para quem não pode comer açúcar. Desde quando diabético tem que ser magro? A origem italiana fala mais alto na genética familiar.
     Outra questão que deve ser levada em consideração é o conceito de beleza. O que é a beleza, quando para quem ama o feio não existe. Não acredito que a questão de gordura ou magreza seja questão de autoestima, mas acredito que seja uma probabilidade de que se comam os problemas do dia a dia.
     Os problemas, às vezes, não têm solução, e o mecanismo da compensação grita quando se substitui o que não pode ser feito por uma comida.
     Nem deveria estar escrevendo sobre o assunto, mas tem muita gente magoada com as verdades absolutas sobre magros e gordos.
     Toda restrição alimentar é um aborrecimento, mas não como camarão porque sei que três camarões grandes equivalem a um bife de picanha, mas não digo que não gostaria de comer, mas que não posso.
     Falando de mim novamente, digo que eu me adaptei e que como bem.
     Também acho que é difícil lidar com as dificuldades dos outros, então digo que há boas maneiras para levar uma vida normal, à mesa.
     Se houver polêmica, não será minha, mesmo porque não entro em tecnicalidades, mas como ser humano que pode comentar a respeito de si prórpio.
     Grata a quem ler.