Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

sábado, 31 de agosto de 2019

Resta Filosofar / Reflexão

Resta Filosofar / Reflexão

     Depois de procurar um estudo, mas não encontrar o texto, acabei passeando por outros textos reflexivos com alguma teologia permeando o assunto.
     Toda leitura pede uma reflexão ou, pelo menos comigo isso acontece.
     Criei alguns parâmetros, e vou-me a eles antes que fujam:
     1 - O bem estar completo é possível nessa vida que temos, mas não dura mais que o tempo de uma chuva, como a que caiu hoje em Curitiba.
     Ainda costumo não ligar aparelhos elétricos quando uma chuva forte se aproxima, bastam os aparelhos elétricos obrigatórios ligados, tais como a geladeira. Parei o que fazia e comecei a ler. Aconteceu a sensação de ter tudo naquele momento, ou seja, tempo para ler com calma, um copo com água fresca, e até mesmo uma canção desconhecida.
     2 - Todo ser humano precisa de água para viver.
     É preciso viver conforme a existência natural exige. O copo de água fresca, bebido aos poucos, conforme a leitura evoluía é o bastante para exemplificar que estamos e somos parte do meio em que vivemos, e mostra a sintonia com a leitura, que era para o espírito.
     3 - Ninguém precisa mais do a natureza em consonância com a alma.
     Todos conhecem essa sensação de bem estar e o frescor que um copo com água pode trazer ao dia.
     É muito difícil conseguir um momento desses. Às vezes estamos cercados por detalhes e turbulências que, simplesmente impedem esse bem estar.
     Depois que a chuva diminuiu, percebo onde parei as minhas atividades.
     Agora, o tempo não é escasso, ele se organiza após esse momento pedindo alguma organização e complementação, mas o tempo consegue se organizar.
     Ao mesmo instante, penso se, as pessoas, em geral, estão preparadas para terem esses momentos específicos de bem estar, pois às vezes parece que nem todas as pessoas estão preparadas para esses momentos.
     Aí é que está a filosofia do momento, porque esse momento é da espécie que não acontece ao mesmo tempo com várias pessoas.
     Quem estava no trânsito, com vento forte, e algum granizo, estava em outro momento, o momento dela se preocupar com o clima e o trânsito, além de verificar se nenhuma ávore havia caído no meio do caminho por onde andava.
     Algumas pessoas, provavelmente muito cansadas  provavelmente aproveitaram um cochilo à tarde, porque a semana que se segue será árdua igualmente.
     Outras pessoas ficaram com medo e fizeram orações, afinal, não é fácil ver uma árvore cair no meio da rua.
     Os momentos são diferentes a cada pessoa. A sensação de bem estar igualmente difere de pessoa para pessoa.
     Provavelmente existirá algum leitor que discordará totalmente dessa sensação de bem estar, mas é que para esse leitor, o momento de bem estar tem outro significado e circunstância.
     As necessidades espirituais variam de pessoa para pessoa e é preciso compreender esse fato.
     As vontades materiais são diferentes, além do tablet e do notebook, que todos querem ter um, indiferentemente da vontade intelectual.
     Parece que o texto anda em círculos e não chega à conclusão nenhuma, mas não chega mesmo, porque a humanida é um círculo em si mesma, com diferentes necessidades, vontades e capacidades.
     Particularmente, não penso na humanidade como um fim em si mesma, mas um começo a partir da percepção do outro, com a compreensão do ego, o eu de cada um. É nesse aspecto que o niilismo perde o sentido e a razão.
     Por outo ponto de vista, a razão, sozinha, é uma imbecilidade, e por isso existe a sua crítica.
     Passeei pelo dicionário, ao menos para saber os significados das palavras 'gnóstico" e "sincrético". Ah, pesquisem.
     A conclusão a que cheguei é a de que a filosofia é o instrumento pelo qual o ser humano admite a sua humanidade, porque é cultura não teológica, e está acessível pela internet tanto quanto a teologia, mas obrigando o leitor a pensar e a refletir.
     E termino com um questionamento, não ao leitor, mas a mim mesma, para quando reler esse texto daqui a um tempo: Por que é que eu simpatizo com Calvino? 

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Sobretudo

Sobretudo


O pensamento
Combina o estudo
E pensa o tempo,
O qual é mudo

Discernimento,
Mas diz, contudo,
Desse momento
Com conteúdo

De um ligamento
Que lembra o ludo
Ao complemento
De um sobretudo.

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Espaços Diversos

Espaços Diversos


Achei o meu espaço,
Fazer feliz
O outro. No escasso
E por um triz,

Nesse entrelaço
Que contradiz,
Desembaraço
O que se diz,

 Quando repasso
Ser aprendiz
De um passo a passo
Sem mais ardis.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Síntese

Síntese


Verdade,
Não sabe:
Não entende


Metade;
Mas cabe,
Surpreende.





terça-feira, 27 de agosto de 2019

Anversos

Anversos


Métrica, digo o verso,
E assim me desconverso
Nessas linhas tão puras,
Subjetivas canduras,

Contidos universos.
São esses livros dispersos,
Distraídas molduras
Das várias composturas

Que buscam os anversos
Em seus textos diversos,
Que formam a cultura,
Quando à todos murmura.  



segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Espaço Virtual

Espaço Virtual


Necessidade de espaço
É a informática em excesso,
Causa falsa de um cansaço
Inexistente até ao avesso.

A origem de um tempo escasso
Quando o tempo é sem regresso
E vívido ao passo a passo,
Quando se quer um progresso,

Mas perdido em seu compasso,
Parece um mico travesso
Cuidado com fita e laço;
Ao tempo, o espaço é um acesso. 

domingo, 25 de agosto de 2019

Mar é Molhar

Mar é Molhar


Águas espumam
Na areia do mar,
Nuvens se aprumam
Ao caminhar

Num céu que arrumam,
Sempre a bailar,
Chuva que abrumam.
Mar é molhar,

Mas, se coadunam
A poetizar,
Desacostumam
A evaporar.

sábado, 24 de agosto de 2019

Lugar Ideal

Lugar Ideal


Caminhos são variáveis
De possibilidades,
Mas nem sempre mutáveis;
Talvez necessidades

Entre escolhas pautáveis
Onde existam cidades,
Ou lugares razoáveis,
Com sociabilidades

E ruas sustentáveis
Em potencialidades
Assim determináveis
À razão das variáveis.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Pessoas Admiráveis

Pessoas Admiráveis


São admiráveis
Pelos gestos
Incontáveis,
Com pretextos

Apreciáveis
E digestos,
Decifráveis
Em contextos.

Modos hábeis
E modestos
São contáveis,
E bissextos.



quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Tempo de Escrever

Tempo de Escrever


Não culpa-se esse tempo,
Meio sol, meio pardacento,
Nem falta de vontade,
Nem ao meio, ou por vaidade,
Aparece um evento
Que contorna até ao vento,
Com toda a seriedade,
Mas traz serenidade;

Não se escolhe o momento
Que servirá ao talento
E traz benignidade,
Com alguma humildade.




quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Controvérsias

Controvérsias


São essas mesmas palavras,
As que tem o diverso
Sentido, e são alguns flagras
De que a alma é um universo ,

Onde inexistem chácaras,
E a cor de um simples verso
Que voa e enfeita as vidraças,
Reflexo de um disperso

Pensamento sem lacras,
Amarras desse anverso,
Que são das horas parcas,
Razão de um controverso.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Outros Saberes

Outros Saberes


Saber de ver viver
É o medo de aprender
Essa mesma lição,
É a diferenciação

Que se faz por fazer,
E até dispensa ler
À estranha apreciação
Da alma por acepção,

Por não querer sofrer
A dor e o comover
Que perturba a razão
E lhe causa aversão.

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Ensinamento

Ensinamento


Tantas lembranças,
Quantas mudanças
Trazem o tempo,
Sempre sedento

De temperanças,
Contrabalanças
Do pensamento
Que é como o vento,

Que muda andanças
E as tornam danças
Em movimento;
Ensinamento.

domingo, 18 de agosto de 2019

Ornamentos

Ornamentos


Palavras mudadas
Pelo pensamento
São favas contadas
De algum sofrimento,

Teletransportadas
Pelo amigo vento,
Sem essas caminhadas
Que estão a esse relento

Das somas regradas
Pelo contratempo;
Jornadas faladas
São bons ornamentos.

sábado, 17 de agosto de 2019

Projeção

Projeção


Projeta-se esse tempo,
Mas com desprendimento,
Porque é um desconhecer
Que a gente tenta ver

Como um descabimento,
Onde ele insiste isento,
Indiferente ao ser,
A quem se está a prever.

No entanto, é norteamento
E fortalecimento
A quem queira saber
Sem que o queira reter.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Momento Significante

Momento Significante


A busca se faz incessante,
Por isso e mais, interessante
Nesse ínterim determinado,
Quando é palavra e não fraseado

Contínuo, que permite o instante,
E instiga o ser dessemelhante
A estar consonante ao ideado,
E lado a lado ao inconformado

Querendo ser o confortante,
Não a mínima razão faltante,
Descrente, estando compassado
Ao que é  esse real significado.


quinta-feira, 15 de agosto de 2019

A Luz Enquanto Verdade

A Luz Enquanto Verdade


Quando uma história é séria,
Não muda e se repete,
Um ritmo não é pilhéria,
E o respeito é o tapete

Que discute a miséria,
E empresta o patinete:
Espírito e matéria
Formam um só verbete.

Jamais a despautéria
À luz que se compete,
Pode causar a impérvia,
Pois dela não carece.





quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Nesse Caso, Não É A Ingenuidade

Nesse Caso, Não É A Ingenuidade

     Clara Clarice faz coisas que ninguém faz.
     Pobre da moça do estacionamento:
     _Quem te sustenta sou eu que trago o meu carro para estacionar aqui. Se é de luxo, problema meu. É bom que você baixe a cabeça mesmo, do contrário, eu falo com o dono e te mando embora. Não duvide da minha influência npo seu emprego.
     Hoje é a segunda vez. O primeiro foi um homem, bem apanhado:
     _Doze reais de estacionamento? Um roubo. Mas eu posso, entendeu?
     Ela olhou para ele assustada.
     _Não me olhe com essa cara de assustada, que eu devia era esfregar uma nota de cem reais. Pelo menos para você ter a oportunidade de ver uma nota de cem reais uma vez na vida.
     Ela ficou séria.
     _Não me olhe com seriedade! A tua obrigação é calar a boca e me ouvir. Você é paga para isso! Escute, cale a boca e não faça cara nenhuma, porque do contrário eu digo que você afronta os fregueses do estacionamento.
     Clara Clarice ficou triste, mas continuou o dia no estacionamento.
     _Fica sentada o dia inteiro na folga? Na hora em que eu puder eu tiro essa sua folga de tratar com cliente bem de vida o dia inteiro. O que você pensa que é? 
     O sorriso de cordialidade é obrigação da função.
     O telefone toca.
     _Quer um carro novo?
     Ela diz que não e se despede.
     O telefone toca:
     _Tem seguro de vida?
     Ela diz que a empresa paga um seguro de vida para ela.
     O telefone toca:
     _Quem é o responsável pela linha telefônica?
     Ela diz que não é ela.
     Uma parente aparece no estacionamento para vê-la.
     _Como é que eu, que paguei o preço para ter tudo o que eu tenho, não tenho essa boa disposição com os meus clientes?
     Clara Clarice perde a paciência:
     _O preço que você pagou é o preço que você pagou. Ninguém tem que pagar o preço que você pagou para não ter o que você tem porque não quer ter o que você tem. Siga bem com o seu preço e as suas conquistas, os seus planos são seus e não meus. Porque, se você tivesse o que eu tenho, você teria que ter muita paciência. Mas algo eu posso te dizer: Não iria te procurar porque sofri uma frustração, eu me resolvo. Resolva-se e viva como quiser.
     A parente saiu aborrecida com a resposta.
     Dali a pouco, chega o chefe:
     _Clara Clarice, acabo de ser assaltado, tenho que dar queixa à poilícia, e você cuida de tudo enquanto eu estiver fora.
     _Deixa comigo, chefe.
     O dia acabou e Clara Clarice voltou para casa. Ao ir ao banheiro para lavar as mãos, ela se olha no espelho e diz para si mesma:
     _Por hoje acabou? O que está acontecendo? Será que eu não sei o que está acontecendo na cidade? Pensou em Erasmo Carlos, precisa lembrar que existe. 
        

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Tecido Próprio

Tecido Próprio


De novo, o frio,
Quieto e arredio,
Querendo rede


E algo macio
Longe ao arrepio,
Sem que segrede


Ao casario,


 À colcha e o suede.

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Serafim de Bom Humor

Serafim de Bom Humor


Serafim enganou o diabo,
Que anda mais que o próprio rabo,
E mal não fez o voador,
Antes a tirou; cultor


Da fé aprazada aqui e à cabo
Contra os males que são o diabo.
Enganado, o causador
De grande e grave temor


Busca a falta com o rabo,
Busca a Serafim e ao quiabo,
Cão de dente rangedor,
 Algo assim constrangedor.


Serafim não fica brabo,
Engana com seu sucuabo;
Bem enganou o enganador,
E diverte o historiador.

domingo, 11 de agosto de 2019

Vestibular / Conto participante de Concurso Literário


Vestibular


Joana lembra a história da bisavó, Teresa Piedosa, que veio para o Brasil depois da construção da imigração italiana ao Brasil. Famílias inteiras foram separadas em nome da fome.  Na sua família haviam apenas mulheres e crianças quando tomou a decisão. Os homens tinham morrido em um acidente nas minas de carvão. Teresa era costureira e tinha um filho de dois anos chamado Tiago. Deixou a sua mãe, Alzira com 65 anos, e a sua irmã Luzia, de 35 anos, também costureira, na cidade de Torino. Largou o emprego na alfaiataria Belos. Pegou um navio sem se importar consigo mesma, se importava apenas com o filho Tiago.
Desembarcou no Rio de Janeiro em fevereiro de 1.895. 
 Um carregador de navios ajeitou a vida da moça de 27 anos e ela se empregou como lavadeira de um hotel, depois foi parar nas fazendas de café, em São Paulo. Carlo, um imigrante de Gênova, que a tratou com respeito durante a viagem, trabalhava na fazenda Girassol. Ele como lavrador, ela foi trabalhar como cozinheira da casa grande.
  Enquanto Joana lembrava, os Cinzas, extraterrestres humanóides da cor cinza, em seu disco voador, assistiam tudo na tela de projeção de leitura de pensamentos, observava-se a expressão fisionômica de Joana, uma jovem de dezoito anos em fase pré-vestibular.
  Amci2, o mais cinza e mais baixinho contava com 0,90 centímetros de altura, e que não sabia o que eram aquelas imagens, anotava todas as características desconhecidas sobre estes seres diferentes do que conhecia no planeta Ágape25. Chama Pzeg522:
  _Observe, Pzeg522. Eles usam os olhos para se comunicarem qualquer espécie de emoção.
  _O que são olhos?
  _São essas formas ovaladas que parecem uma micro galáxia que ficam abaixo do occipital e acima dos orifícios aeróbicos.
Pzeg522, impressionado, colocou estes dados no seu PC para pesquisar mais tarde.
  Neste estado que a abdução extraterrestre produz em humanos terráqueos, os pensamentos mudam como um devaneio; Joana começa a pensar nas baladas do fim de semana.
  _Senhor Amci2, a tela mudou. O que é que vemos agora?
  _Oras, Pzeg522, isto é uma simples sessão de barulho e reaperto. Eles chacoalham para verificar quais peças do organismo estão soltas e depois uns ajudam os outros a se reapertarem sob a luz pulsante. Para não ouvirem o barulho dos ossos se agrupando, eles colocam aquele som surdo e ritmado. Deve ser um anestésico.
  Pzeg522 correu ao computador e digitou tudo o que havia ouvido, e pergunta:
  _ Quando a devolveremos ao seu habitat?
  _ É só esta noite Pzeg522, Amanhã ela acordará normalmente no seu ambiente natural, de onde a trouxemos.
     Pzeg522 pensou, pensou e bolou um plano: ele colocou um teletransmissor no dente canino da moça e continuaria estudando a espécie humana.
     No dia seguinte, Joana acordou bem, foi às aulas, tudo igual ao que sempre fazia nos seus dias. Porém, quando voltava para casa, no começo da noite, algo aconteceu. As luzes vermelhas dos semáforos a incomodavam. Tinha a estranha sensação, somente quando via o semáforo com o sinal vermelho, que um destes era animal e iria devorá-la. Chegou à sua casa e percebeu que as luzes amarelas das lâmpadas deixavam-na melhor.
     Após alguns dias com esse mal estar, ela achou que estudava demais e saiu com os amigos para se distrair.
     Enquanto isso, na nave dos cinzas, que por motivo de manutenção ainda estava na órbita terrestre, Pzeg 522 andava muito agitado, coisa que não era o seu costume. Preocupado com o tele- transmissor na criatura, ele não se concentrava em suas atividades.
     Amci2 desconfiou do comportamento de colega. Os cinzas tem uma particularidade, eles não mentem. Se mentirem, a verdade aparece numa barra rolante na testa, não mentem porque não podem. Ele, então perguntou:
     _ O que há de errado Pzeg522?
     _ Você é doido, Pzeg522. Com aquele teletransmissor a criatura entrará em contato conosco cada vez que vir uma luz vermelha. A luz vermelha significa telefone, lembra?
     _ Esqueci, vamos abduzi-la para a nave? Respondeu muito aborrecido e triste.
     _ Se fizermos isso, ela ficará da cor cinza e quebraremos o regulamento das expedições. Não existe criatura humana da cor cinza e nós não modificamos a natureza de nenhum ser.
     _ Mas, e se descermos a Terra?
     _ Viramos Objeto de Experimento Cirúrgico.   
Pzeg522 teve outra idéia. Enviaria a energia atrativa invertida com um pedaço de folha coletora de teletransmissores até o local que ela estivesse. O pedaço da folha chegaria até o dente canino esquerdo e traria de volta o objeto lá deixado.
     _ Vamos tentar isto agora, respondeu Amci2.
     Ligaram a tela do projetor. Aguardavam a hora em que a criatura estivesse parcialmente desativada, ou seja, dormindo.
     Joana mostrava inconsciente a intensa atividade cerebral: português, Ronaldo, matemática, Ronaldo, história, Ronaldo, química, Ronaldo.
     Para os cinzas, Joana estava com dificuldades no item Ronaldo. Enviaram a energia ovalada de cor prata brilhante. Com muito cuidado guiaram a forma energética até próximo a boca da criatura. Quando Joana, bocejou, sonhando, a forma aproximou o papel atrativo do seu canino e retirou o tele- transmissor.
     _Sucesso, festejavam os cinzas.
     Amci2, censurou Pzeg522:
     _ Não faça mais isso, é perigoso. Ainda não se sabe que efeitos produzirão o contato dos nosso objetos com a atmosfera terrestre. Consulte o regulamento antes de qualquer procedimento.
     Pzeg522 aceitou feliz a repreensão.
     Joana acordou aliviada, se sentindo bem. Decidiu tirar um final de Sábado todas as semanas para passear e não surtar com tanto estudo.    

  




sábado, 10 de agosto de 2019

Tagarela




Tagarela


Da janela
Passarinho
Feito ninho,
Arandela


D'uma tela,
Onde alinho
E sublinho
Quem me vela;


Olhadela
Que adivinho
Num cantinho
Tagarela.



sexta-feira, 9 de agosto de 2019

A Releitura

A Releitura


Um texto tem mil faces,
Novo é o poeta e o escrito
Quando vêm novas fases,
Porque o texto é irrestrito,

E questiona os impasses
À luz de um contradito.
Existem muitos quases
Ao que vive descrito

Em seus muitos enlaces;
Além do que é transcrito,
Estão todas as frases
Com sentido não dito.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Criador e Criativo

Criador e Criativo


Jesus veio para os pecadores,
Motivo que não é proibitivo
Para a acostumada das Dores
Ir à igreja ao sentí-lo vivo,

Se não sente ou tem dissabores,
Esse amor faz-se verbo vivo,
Sem fatores complicadores,
O que é um alívio substantivo

Aos ímpetos conversadores,
Tendo em vista que é um efetivo
Impulsionador de louvores,
Pois Deus é criador e criativo.   

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Pai Econômico / Crônica do Cotidiano

Pai Econômico / Crônica do Cotidiano

     Comprei meias e fui ao caixa. Loja de departamentos e fila.
     É interessante observar que os homens estão saindo com os filhos para a compra dos presentes do Dia dos Pais.
     Ouvi lá de trás da fila:
     _Aquela senhora está comprando meias. Olha só. Será que ela tem o mesmo problema que eu?
     Levantei as orelhas para saber do problema daquele homem, que estava acompanhado de um colega, mas continuei disfarçando e olhando para os produtos em promoção próximos ao caixa.
     Com os olhos disfarçados, observei que a fila olhava para a minha cesta com meias femininas e para o homem.
     Ai que mico, pensei!
     Não conhecia o homem e muito menos o amigo dele.
     Parece que ele percebeu o constrangimento, o da fila inteira, diga-se. Decidiu-se por contar o problema dele:
     _Eu tenho três filhos adolescentes, e por medida de economia, quando eles querem, eles usam as minhas meias. O pior é que eles praticam esportes e acabam por furar as meias com o dedão dos pés. Eu disse a eles que não me deem meias no Dia dos Pais, porque eles usam e aproveitarão o presente mais do que eu.
     Com público, a postura do locutor muda. O público olhava para a minha cesta de compras com meias e ouvia.
     Para ser sincera, não sabia mais como disfarçar o mal estar.
     Ele quis arrumar a situação e disse em tom de voz alta:
     _As cuecas também! Meus filhos usam as minhas cuecas.
     A essa altura da conversa, sinceramente, só por Deus!
     _Os meus filhos usam as minhas cuecas, mas eu fiscalizo para que só sejam usadas em atividades escolares.
     A fila inteira olhava para a frente e em direção aos caixas.
     _Eu amo os meus filhos, mas eles se aproveitam das minhas roupas. Todos têm a minha altura e o meu feitio. Ah, a minha mulher terá que providenciar uma lembrança que não sejam as meias e nem as cuecas.
     Ouvi: _O próximo!
     O caixa estava chamando para o atendimento. A fila estava parada ouvindo os segredos daquele pai feliz.
     _Senhora, é aqui, senhora!
     Fui! 
     Deus abençoe a todos os pais. 

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Aleatoriamente / Reflexão


Aleatoriamente / Reflexão

     Estudos aleatórios trazem resultados, mas quais são esses resultados?
     O estudo aleatório, quando realizado por curiosidade, necessidade, ou por qualquer motivo que possa ocorrer ao leitor, traz algum resultado.
     Se comparado ao exercício físico, o estudo ou uma leitura programada sobre determinado assunto pode surpreender.
     O exercício físico traz benefícios diversos, e que é bom para a saúde, é fato amplamente divulgado, mas o exercício físico traz agilidade e consequente bem estar ao se perceber os estralos ouvidos nos movimentos alongados trazendo a vontade de continuar a praticá-los.
     O estudo aleatório, quando desenvolvido por motivos diversos aos costumeiros, tem a característica de não se saber exatamente que benefício trará.
     O fato é que a leitura ocupa o pensamento, e que depois dela, o pensamento acrescenta ideias e motivações.
     Mais nada. A utilização que se faz de um estudo que não é específico ou técnico não se sabe com exatidão, mas dificilmente esse estudo se perde.
     Num dia qualquer ele surge enquanto solução de algum problema ou como uma maneira nova de ver o mesmo problema como que diminuindo de tamanho.
     De fato, qualquer pensamento ou atividade que se aprende, acaba por surpreender.
     Não há o que sugerir, pois é escolha onde o tempo não interfere e o resultado é vivido, portanto para um estudo aleatório ninguém precisa de tempo, o tempo flutua à medida de um resultado que não é aprazado nem exigível pela circunstância.
     Que vocês possam usufruir dessa reflexão. 

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Vontade

Vontade


Frio é desabrigo,
Desatenção,
Contrário amigo
Da exposição,

Esse não digo
Da evolução,
Que o mal mitigo
Numa impressão

 Que, ao querer, ligo
A uma afeição
Com algum trigo
E faço o pão. 



domingo, 4 de agosto de 2019

O Tempo e o Sono

O Tempo e o Sono


O sono e o tempo
À ligeireza
Do pensamento,
É uma incerteza;

Respira o vento
E a alma em leveza,
Um passatempo,
Delicadeza

Do entendimento,
E uma estranheza
Do próprio tempo
Quem, em si, é surpresa.

sábado, 3 de agosto de 2019

O Sentido sa Existência

O Sentido da Existência


Nada faz sentido,
Se num mundo errante
Desliga-se o ouvido.
É desconcertante

Ter um Deus amigo
Que é fiel e falante
Comigo e contigo,
E ficar distante

Do tempo e ao sonido
Que são a todo o instante
Constante e contíguo;
A fé não é a faltante.

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

A Mesa / Minicrônica

A Mesa / Minicrônica

     Uma das aulas mais interessantes da língua portuguesa, e no entanto plena de etiqueta.
     Esta lembrança fez a refeição divertida.
     Vamos lá:
        _ A mesa está posta. Sentem-se à mesa.
     Artigo feminino "a" e artigo + preposição unidos pelo acento craseado.
     A toalha florida para mesas já está na mesa, o que é um complemento da mesa.
     A preposição 'Em" + o artigo "a" contraídos formam o "na". Da mesma forma a preposição "de" + o artigo "a" contraídos formam o "da".
     Passa-se os pratos por sobre a mesa, uma locução prepositiva, e o bom é a sobremesa, um substantivo adequado em pequenas porções.
     Mantém-se os cotovelos distantes da mesa, um advérbio educativo.
     Gesticular à mesa é muito inconveniente. O que isso quer dizer?
     A frase acima significa que, enquanto assentados em volta da mesa -  afinal o "a" está craseado, os partícipes dessa mesa desejam ver as mãos com garfos e facas, também colheres, sem gestos bruscos.
     Nessas horas, o melhor mesmo é comer, mas aprende-se.
     
     

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Sem Porque

Sem Porque


Esse tempo,
 Diz que é um outro,
Outro tempo,
Mas não é pouco,

Nem isento;
Faz-se solto
E é instrumento
Desenvolto

Em meio atento
De carne e osso
Chamamento;
Tempo rouco.