Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Ano Novo

Ano Novo


Quais serão os próximos passos,
Felicitações e abraços
Aos conhecidos da gente,
Simplesmente por contente;


Diferentes são os cansaços,
Os caminhos e os espaços,
Mas ninguém é indiferente
Por vocação de ser gente,


E Anos Novos são terraços
De esperanças e mormaços,
Quando se faz consistente
Ao dia a dia a si pertencente.

domingo, 29 de dezembro de 2019

Breviários

Breviários


Essas janelas
São as aquarelas,
Esboços vários
De tantos diários,


Luz de arandelas
Feitas de telas
Aos calendários
Divisionários;


São tão singelas
As aquarelas
Em seus cenários,
Que são breviários.






sábado, 28 de dezembro de 2019

Ideias de Livro

Ideias de Livro


O vento uiva ao descampado,
Tempo seco e palavreado
De livro lido e relido
Da capa ao inteiro sentido


Do que está escrito e anotado,
E se diz, é aconselhado
Por bom amigo, que ao ouvido,
Diz que o saber não é vendido.


Pensamento amarrotado,
Quando muda é porque ao lado
Tem um livro ressequido
E amarelado, mas bem lido.




sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Agora Não


Depois eu penso,
Não tenho tempo,
Que bom que não,
Apreciação

Do movimento
E por extenso
Digo à razão
Agora não;

Esse adiamento
Fez-se alimento
E é uma lição,
Deus tem razão.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Desenho

Desenho


Aos poucos, o frescor,
A brisa em meio ao calor,
Tempo que se prolonga
Ao chá gelado e à sombra,


A cidade é o interior
De nova rua em flor,
E a calçada se alonga
Em passos leves, onda


Desenhada ao esplendor
Passante e volteador
Turista e sem delonga
Que a cidade arredonda.







quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

Verso e Canção

Verso e canção


Volto ao verso e à seara,
Porque o verso não para
E a seara é a canção
Que causa essa amplidão


N'alma que se repara
E prepara a mais rara
Confraternização;
A joia em lapidação


Que o ser humano encara,
Mas que não se prepara
Que é sentir a emoção,
A qual pede vazão.




terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Feliz Natal

Feliz Natal


Obrigado, Natal,
Pelo ano musical;
Saudade da Bahia.


A canção nunca é igual
Quando nasce artesanal,
Canção bilheteria 


Porque o amor é imortal;


Seja Santo esse Dia.



segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Carta Literária de Natal


     Curitiba, 23 de dezembro de 2019

     Querido Papai Noel,

     Pode vir à Curitiba fantasiado, com botas e mangas longas, tudo bem, mas vou logo avisando, está um verdadeiro Carnaval.
     Eu, mais comportada, e até mesmo dedicada e fazendo umas sobremesas melhoradas. Ah, é, por favor, Papai Noel, não deixe que algum gnomo edite essa cartinha de Natal. Por questão de segurança, vou repetir o que escrevi: sobremesas melhoradas e não "milhoradas", o que o povo daqui costuma dizer para doces à base de milho verde.
     Os doces de milho verde eu deixo para outras festas, o senhor deve saber de quais festas estou falando.
     Outro mal entendido é quanto às plumas e paetês, essas são para um colega chamado Astolfo, com fotos de provocar ciúmes, mas não consegue porque este ano especificamente estou contente comigo mesma pelas receitas culinárias que, não somente inventei, como distribuí e, já tem variações disponíveis na internet devidamente elaboradas por outras culinaristas.
     Por  uma questão de malentendido, é bom que venha vestido à carater de Natal.
     Com todo o respeito, Papai Noel, e sem a menor intenção de criticar ninguém, mas algumas moças, jovens, estão imaginando um Papai Noel jovem e com calção de banho?! Isso até dá um título de filme: Quatro mulheres em Busca de um Papai Noel jovem e sarado.
     Sim, Papai Noel, nem todo o mundo tem a boa vontade necessária. Infelizmente tem pessoas que desejam que o outro de dê mal. Enquanto algumas pessoas que não têm o espírito de Natal ainda em boas condições, porque espera-se que até amanhã a luz do Espírito os ilumine, eu recebo mensagens para que sejam apresentadas as pessoas de má vontade, desejando em pessoa mudar o astral dessas pessoas.
     É, parece que eles estão se divertindo, mas se sofro de alguma falta de inteligência, sobra em mim o mais puro foco em cima do fogão e dos ingredientes em busca desse momento especial, que é acreditar que é possível.
     Ah, Papai Noel, prepara a boa vontade, porque o supermercado não para de vender cervejas. As filas que peguei não podem estar enganadas e é preciso avisar aos demais que poucas pessoas preferem um guaraná. Bom, sem querer parecer demais, cerveja, para mim, tem gosto e cheiro de fermento para se fazer pão, nunca suportei.
     O bom dessas histórias é que essa gente toda brinca comigo como se eu fosse jovem?!
     Papai Noel, na gíria delas "sarado", plumas e paetês ("Qual é, Papai Noel?") eu também não gosto desses adereços em mim, e cerveja tem gosto de pão em fermento.
     Mas eu posso considerar uma grande boa vontade, por parte de todos eles, para comigo.
     Esse lado do Brasil eu gosto, o lado carnavalesco, mas estamos no Natal.
     Ah, já ia me esquecendo, me chamaram de "Rudolf" pela disciplina natalina.
     Eu não quero pedir nada de presente, mas me ajuda a acertar nas receitas do jantar. Já pedi.
     Agora que o senhor sabe como está o clima por aqui, pode vir com boa vontade, como é o seu costume.
     Agradecida pela receita nova, obrigado mesmo.
     
     Yayá. 
       

domingo, 22 de dezembro de 2019

Transparência

Transparência


O verso fica
E a luz indica:
Chegou o Natal


Que especifica,
Personifica
E é fraternal


Ao que amplifica,


Num ser igual.

sábado, 21 de dezembro de 2019

Menino e Deus

Menino e Deus


Essa oração
É ao bom Natal
Em devoção
Ao sem igual,


À adoração
Ao que é especial
Por vocação
Providencial,


Da acepção
Atemporal,
À gratidão
Exponencial.



sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Divina Tradução

Divina Tradução


Exercita a paciência,
Essa fila é a obediência
Possível e plausível


Ao Natal e a ingerência
Divina em referência
Ao ser de alma sensível;


Uma criança é a inerência


Perfeita e traduzível.



quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Época Própria

Época Própria


Fotografia inexistente
É a história boa pra contar,
Nesse mundo tão exigente
Que se nega a imaginar


Que todo o dia é consistente,
Ocupado até em pensar
Sobre o que é feito da gente
Com medo de acreditar


Que a chuva cai de repente,
Mas que vem a contentar
Quando vem pra ser semente,
E fica contente ao semear.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Composição

Composição


Procura a paz,
A que ao bem traz
Sem por favor,
Mas ao louvor

Que se é capaz
Quando se é audaz
Ao alentador
Compositor;

Porque fugaz
E pertinaz
É o provador,
Mas Deus, o editor.


terça-feira, 17 de dezembro de 2019

História de Antigamente / Crônica

História de Antigamente / Crônica 

     Enquanto faço o lanche, o dia feito ao capricho, vem à memória as histórias das mulheres antigas.
     Antigamente, a preocupação das senhoras a essa hora da noite, não era a internet, os emails ou os grupos de whats.
     A maior preocupação das mulheres era o que servir à noite para a família.
     A época das festas de fim de ano eram conforme são, repletas de compromissos.
     A sopa era motivo de assunto, receita e a pronta em pacotinho. Havia quem fizesse jantar, mas esse era um costume que dependia do jeito de ser de cada casa.
     Por aqui, o costume tradicional é o sanduíche com o que estiver disponível, seja bife, frango, salchicha, queijo e a salada de tomates com sardinha e pão d'água recém saído da panificadora.
     Quando se fazia sopa, era motivo de alguma gripe ou dentista.
     É uma época em que a saudade nos visita, mas com algum ânimo porque trazem algumas histórias boas à mesa.
     Mesmo sem comentar muito para evitar a nostalgia, sorrimos.
     Os maridos eram catalogados pelas esposas, pois havia os que gostavam da sopa à noite, mas havia os que faziam qualquer negócio para que as esposas saíssem com eles.
     Interessante era observar que os maridos faziam combinações para sair com suas esposas sem que elas soubessem e se encontravam nas mercearias para levar embutidos, ou seja, algo que elas não aprovassem como lanche apropriado, tais como salames, biscoitos de sal e outras variedades de uma comida nada apropriada para o jantar.
     As mulheres ligavam uma para a outra e diziam que, quando os homens se metiam na cozinha, era hora de levá-los a passear.
     As crianças se divertiam porque essa era uma trama muito clara aos olhos delas.
     O final da história era certo. Os casais saiam e as crianças ganhavam biscoitos pela colaboração em não reclamarem da ausência dos adultos por aquela noite, mas sabiam com quem eles estavam, onde e a que horas eles voltariam.
     Quantos valores contém essa história! Os leitores já pensaram na sinceridade de todos eles, pois todos cumpriam com todos os outros o que diziam sem que fosse uma obrigação, mas por se sentirem bem agindo dessa maneira.
     Todos podemos ser assim, se assim o quisermos.
      
         

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Devir

Devir


Ao seguir
Segue a orar,
Mas a ouvir


Que há devir
Ao esperar
O porvir


De te influir;


Não linear.


domingo, 15 de dezembro de 2019

Palavra-Chave

Palavra-Chave


É melhor crer
Do que prever,
Se não se sabe


Por antever,
Por se querer
Por ser suave;


Palavra-chave


Que não nos cabe.


sábado, 14 de dezembro de 2019

Luzes do Invisível

Luzes do Invisível


As luzes do invisível,
Mistério inatingível,
Ilumina e cintila


Nesse céu do sensível
Espírito infalível,
Centelha que esmerila


A paz irrepreensível


Que Jesus compartilha.


sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Releituras

Releituras


Época de releituras
E fazer a si um resumo
Porque o vivido foi o insumo
E haverá p'ra si figuras,

Enfeites nas estruturas
Espirituais, supra-sumo
Daquilo que não é o consumo,
Meditações nas futuras

Experiências, partituras
Que dizem do próprio rumo,
Indicadoras do prumo,
Fio quadrante das mesuras.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Planos

Planos são feitos e adaptados durante o caminho a ser seguido.

Paciência e Disciplina / Reflexão de Natal

Paciência e Disciplina / Reflexão de Natal

     Reflexão é algo pessoal que se compartilha até como forma de levar adiante o que não se sabe exatamente como será.
     Estou aqui no meu notebook ultrapassado escrevendo por minha responsabilidade. Consegui uma tendinite através do "mouse" do computador. Estava fazendo uma pesquisa de preços e rolando a página da internet com vontade. O resultado é que não estou no computador, mas isso passa.
     A pesquisa de preços pelo computador facilita muito na hora das compras. O que puder ser comprado nas lojas físicas deve ser comprado nas lojas físicas. 
     A compra, quando se tem uma ideia do que se quer, numa loja física é melhor porque há um vendedor ou uma vendedora para auxiliar a escolha.
     A internet é fria, pois sem o vendedor a auxiliar, acabamos por comprar algo que pode ser útil ou confortável, mas que não escolhemos da maneira como se compra numa loja.
     Há uma experiência específica que eu gostaria de compartilhar. Aconteceu há uns dois meses atrás.
     Eram duas peças de roupa e a vendedora disse que estaria à disposição para qualquer dúvida.
     Uma das peças me atraiu pela cor e a outra pelo modelo leve. Pois bem, experimentei a que era da cor que gostei. Chamei a vendedora e disse a ela que eu havia gostado da peça enquanto no cabide, mas que achava que não deveria estar num bom dia e que não me agradou ao verificar no espelho.
     A vendedora, jovem, espontânea e, sincera, disse:
     _Sinto muito, esta roupa ficou horrível na senhora. Dá até vontade de dizer para a gerência para devolver a peça ao fabricante. Ela é muito pesada  e para ser sincera está muito feia. Não leve. Isso seria contra a loja. A senhora usa e quando a senhora contar onde comprou, perderemos fregueses.
     Sim, ela estava certa. Eu agradeci e estava para sair, quando ela sugeriu que experimentasse a peça da liquidação, da qual eu não havia gostado da cor.
     Para ser educada, provei. Gostei e trouxe uma roupa de liquidação para casa que me caiu bem.
     Se essa compra tivesse sido feita pela internet, eu poderia trocar. Iria até qualquer das lojas físicas e trocaria, enfim teria um aborrecimento.
     Aqui entra outra questão, que é a das trocas inevitáveis.
     Não se pode ter pressa numa compra pela internet. Algumas pessoas volta e  meia perguntam como é que eu compro calçados pela internet. Esse é um segredo de consumidora. As fábricas de calçados tem formas próprias de fabricação, portanto, não importa o modelo escolhido, importa a marca que a pessoa tem certeza que não irá criar calos nos pés, nos seus pés. Pega-se um sapato velho no guarda-roupa e lê-se a marca; sapatos são comprados na internet pela marca da fábrica que já foi testada pelos pés do consumidor.
     No entanto, para ir até as lojas físicas é preciso paciência e tempo.
     Aliás, hoje encontrei uma senhora que tirou os sapatos e vestiu as sandálias de borracha para andar no centro da cidade, com alívio. Ela veio do interior para fazer compras na capital do estado. Estava com o marido e disse que iria ficar parada esperando até que o marido voltasse com uns chinelos para ela.
     Num momento de descontração, ela disse:
     _Danem-se todos, com os pés como estão eu não ando nem mais meia quadra.
     A disciplina está em perceber esse momento de exaustão, que ocorreu com ela, mas pode acontecer com qualquer pessoa.
     Outra situação curiosa ocorreu com uma lojista que disse contar os dias para o feriado de Natal.
     _Eu não aguento mais ficar sorrindo, acho que estou com um cacoete de tanto sorrir obrigatoriamente.
     Vale dar os parabéns para a vendedora absolutamente bem postada para as vendas. Essa é a disciplina dela.
     São situações avulsas que servem para todos, sejam esses momentos bons ou maus.
     Boa leitura e grata pela paciência e boa vontade, embora disciplinada.      

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Não É Isso ? Reflexão de Natal

Não É Isso ? Reflexão de Natal

     
     Reflexão necessária é a que diz respeito aos crentes e as crendices em torno dos crentes.
     Crente não assiste televisão ou porque não gosta ou porque não tem tempo. Essa é a realidade.
     Crente não gosta de comédia. Ahf, gostam sim. Aliás, diga-se que gostam de cinema e filmes, inclusive os filmes nacionais.
     É preciso dizer que crentes são pessoas normais, com uma maneira própria de ser e orar.
     Por que é que se faz piada com o que não é? Eu não assisti o programa de televisão cômico que ofendeu os valores cristãos.
     Agora, por favor, não misturem os conceitos. São conceitos nítidos e personagens consistentes as mulheres da Bíblia.
     Para aqueles que não tiveram a oportunidade de ler a Bíblia inteira, posso contar que na Bíblia tem ao menos uma assassina guerreira, uma nora maravilhosa, uma amiga fiel, uma trabalhadora incansável, uma irmã notável, mas até parece que ninguém se entusiasma com essas mulheres?!
     Chega o Natal e os mesmos inconvenientes aparecem, as mesmas sutilezas infames.
     Certa vez presenciei o acendimento de uma árvore de Natal em local público e, o pregador da cerimônia orou, pedindo a todos os que estavam presentes naquela cerimônia para que permitissem que Maria tivesse um Natal de Paz, porque ela é a atormentada todos os anos quando se conversa sobre o nascimento do seu filho Jesus.
     O pastor se emocionou ao orar porque, segundo ele, era um sofrimento para ele verificar que o laço sagrado com Deus, de Maria,havia sido discutido durante aquela tarde inteira e ele havia ouvido. 
     Piada de caçador pode? Não sei, mas contarei para vocês:
     "Aberta a temporada de caça, José saiu para caçar, parecia estar zangado e voltou com penas de ave espalhadas em suas vestes. Perguntado sobre o que tinha acontecido, ele disse que havia resolvido problemas familiares e que problemas familiares não interessavam a ninguém. Havia uma pombinha na sua sacola."
     Pelo menos é uma piada subjetiva, embora ligeiramente estrangeira.
     Se não fosse sagrada a leitura, mas um livro de literatura, alguém mudaria o personagem? Aqui faço um vilièndio como exemplo:
     _Alguém mudaria Capitu com os seus olhos de ressaca de machado de Assis para Capitu de rímel borrado ecabelos desfeitos de um penteado anterior ao acordar? Essa não é a Capitu das dúvidas cruéis, aliás somente Machado de Assis para imaginar algo desse porte.
     Crente lê Machado de Assis, José de Alencar e outros autores como qualquer frequentador de escolas com ensino geral.
     A diferença está em que o crente leitor compra livros na livraria evangélica e os lê também. Essa é uma boa sugestão de leitura que até recomendo aos não crentes.
     Em resumo, o personagem de um livro é sagrado, mas de todo e qualquer livro, não somente da Bíblia.
     A Bíblia é sagrada, ou seja, tem cunho religioso e de adoração.
     Particularmente acho errada a exclusão cultural, mas é o que acontece quando queremos modificar a razão da fé, ou o argumento literário e cultural de uma nação.
     Os crentes fazem parte da cultura, são uma cultura viva como as demais culturas perante a evolução da humanidade.
     No mais, não é isso.   

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Repórter Edson Prado Entrevista Pamela no Cinema


Repórter Edson Prado Entrevista Pamela no Cinema

     Eu não entendo como é que o repórter Edson Prado aparece de vez em quando, mesmo depois de ter saído do blog para ser um "free-lancer", ou seja, fazer bico.
     No entanto, ele chegou esbaforido e assustado.
     _O que foi? O que foi?
     Ele mal conseguia falar, mas aos poucos se desembaraçou:
     _A Pamela. A Pamela mudou o blog dela, e agora não há mais chance de vermos curta-metragens por aqui, na vizinhança.
     No começo não entendi. Desde quando a Pamela mudou de ideia? Ela não tinha parado com o blog dela?
     _Pois é o que está acontecendo. Parou com os filmes e hoje postou algo que somente ela mesma consegue chamar de versos.
     Perguntei se ele achava que a Pamela iria entrar no ramo das blogueiras que brincam de poemas.
     _Se ela entrar nesse ramo de versos, conforme ela diz, temo que o blog dela acabe, são sofríveis.
     Não estou com vontade de interferir com o blog ao lado, disse veementemente.
     _Posso conversar com ela e publicar a conversa no seu blog?
     Disse que somente se ela concordasse que essa conversa fosse publicada aqui no blog.
     _Deixa eu sair. Já volto com ela ou com a conversa. Precisamos saber o que está acontecendo!
     Nem tanto, pensei comigo mesma.
     _Está bem.
     Passaram-se alguns minutos e ele volto para o blog de cá, estupefato.
     Perguntei se ele tinha conversado.
     _Conversei, mas ela foi resumida e óbvia na argumentação. Aqui está o texto autorizado para a publicação.
     Transcrevo o texto do Blog Minuto de lazer ou Pamela no Cinema.
     "Há mais de três anos que não vou ao cinema. Estou desatualizada e até poderia dizer que cansei de ser cult curta-metragem.
      Outro problema, esse blog aliás, acessório para os que não sabem o que pode significar um aliás, precisa de novas configurações e eu não sei melhorar. Esse é um ponto fraco, mas é melhor admitir um ponto fraco do que teimar com a impossibilidade temporal,eu tenho outras pesquisas como prioridade.
     Mantenho o blog, mas devagar, aos poucos.
     No mais, fico grata pela atenção e curiosidade. Boas Festas!"
     _leu?
     _li.
     _E agora?
     _ Agora vamos nos divertir com aquilo que ela postar no blog.
     _Minuto de Lazer?
     _ Sim, com um cafezinho.
     Vamos ao cafezinho.  

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Cosmogonia

Cosmogonia


Toda missão
É vocação
Inalterada


Do cosmos, ação
Da evolução
Originada


À descrição


Do que era nada.

domingo, 8 de dezembro de 2019

sábado, 7 de dezembro de 2019

A Função do Descanso / Reflexão

A Função do Descanso / Reflexão



     Ah, pensaram que eu iria escrever sobre as orações? Orações são para todos os dias e quem tem a possibilidade de ir até uma igreja aos domingos, é ótimo, mas há outras possibilidades online e diárias para ouvir uma pregação.
     Digo sobre o descanso e a sua utilidade.
     Descansar, nesse caso é não fazer, é o não lazer, é deixar-se estar à vontade ao menos por umas duas horas durante a semana.
     Durante esse tempo de descanso é que são descobertas as necessidades da semana que se inicia. Verificar o que é possível ser feito ou o que precisará de mais apetrechos ou técnicas ou aprendizado para que seja feito.
     É durante o descanso que se percebe que o pote anti-mofo está cheio de água e bolor em cima da água.
     Durante o descanso observa-se que às vezes se coloca num produto ou preço de consumo algo que é espiritual, que é problema da alma e não de compras em lojas.
     Esse período de descanso pode ser agradável também pelas conversas sobre coisas que fazemos e não prestamos atenção.
     Olha essa observação que foi feita a essa que esceve para vocês:
     _Por que você está comendo somente biscoito de maisena? Cadê o seu biscoito preferido? Não é questão de preço porque os pacotes de biscoito se equivalem em preço!?
     Interessante é observar que se faz coisas de forma automatizada. Uma pequena xícara de café com dois biscoitos de maisena todos os dias e no mesmo horário.
     A rotina automatiza e esquecemos que somos humanos com biscoitos preferidos.
     O descanso é necessário.
     Assistir televisão somente de maneira desatenta, com um copo d'água que foi buscado no meio da programação porque nada se perde durante a ida até a cozinha para pegar um copo com água.
     Descansar é o refresco da mente ocupada com o cotidiano. 
     

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Prosa em Poema

Prosa em Poema


Não tentar adivinhar
O outro, deixar expressar
Esse momento especial


Que é ouvir com calma a se doar,
Para que haja o conversar,
Porque não há no mundo igual 


Ao que é a rara ave a versar


Dessa paz universal.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Reflexão Sobre Uma Conversa Antiga / Reflexão

Reflexão Sobre Uma Conversa Antiga / Reflexão

     Conversa antiga, mas preciso dizer que o meu curso de discipulado, quando me converti à denominação Batista, foi maravilhoso.
     A cada palestra que frequentei, conversas boas e frutíferas sobre Deus e a existência humana.
     Segundo o professor, todo o estudo que fazíamos tinha uma função específica e era a de errar menos.
     Porque na maioria das vezes, há uma resposta certa, mas as pessoas decidem não seguir a resposta certa para os problemas.
     Quando não se segue a resposta certa para algum problema, o problema continua a existir, e as pessoas sabem disso, mas tomam decisões erradas como se pensassem não precisar dos ensinamentos recebidos.
     Porque todos erram ao se sentirem acima de Deus, pois não há sequer um verme que esteja acima de Deus, pois Ele criou o mundo e gostou do que fez.
     Mas os erros também acontecem quando há o engano. O engano é o maior causador das batalhas espirituais.
     As escolhas humanas dentro daquilo para o qual Deus deu o livre arbítrio não é considerado erro, mas escolha de cada um.
     A escolha, no entanto, deve considerar aquilo que o Espírito Santo concede aos talentos espirituais de cada um.
     A escolha também deve considerar a Bíblia, porque esta, em várias passagens diz para não fazer o que é contra Deus e a supremacia humana sobre Deus é contra Deus.
     Existe uma diferença entre não crer em Deus e ser contra Deus. Aquele que não crê em Deus, mas não abusa de sua supremacia contra Deus, pode ser filho de Deus.
     Deus tem tantas habilidades que é chamado por muitos nomes. Bem, eu não consegui decorar todos os nomes pelos quais Deus está presente e em comunhão com os homens e eu tenho um livro com todos os nomes pelos quais Ele ouve as orações.
     A época de final de ano chegou.
     Refletir é bom.     
     

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Por Falar Nisso / Crônica do Cotidiano

Por Falar Nisso / Crônica do Cotidiano

     As compras nessa época do ano exigem paciência, tempo e pesquisa de preços.
     Compras feitas, vamos até a mais paciente das pessoas do planeta Terra inteiro e especialmente nessa época do ano: a moça que atende o caixa.
     Ao caixa ao lado do lugar onde fui atendida, uma senhora feliz e exigindo o capricho nos pacotes de presentes. Ao ver o presente realmente muito bem embalado, digo que até mesmo com carinho aos brinquedos, a senhora exclamou:
     _Vou entregar imediatamente. Está tão bem feito que não quero que amasse, mas ao mesmo tempo estou adiantando o Natal e sobrará tempo para as minhas escolhas pessoais.
     Disse que o tempo passava depressa nessa época do ano e que era uma boa ideia adiantar a compra dos presentes.
     Estou comprando para levar a uma instituição. Comprei um presente para menina e outro presente para menino em acordo com a cartinha que eles escreveram.
     _Bonito gesto, exclamei.
     Voltei para as minhas compras e estava na hora de pagar. Paguei, e a moça estava preparando o troco, pois a moça do caixa precisava de trocados, quando ouvi a seguinte frase do meu lado:
     _Moça, você reparou como a boneca que eu comprei tem um cabelo arrumado?
     Olhei para a moça e ela estava com um trançado lindo, a moça que preparava o troco tinha cabelos lisos, portanto naturalmente ajeitados.
     Nesse momento, foi que eu percebi que estava sem arrumar os cabelos. Saí dali e procurei um espelho.
     Desatei a rir. 
     Entre comprinhas essa faísca atrasada não percebeu que precisava escovar os cabelos.
     Onde? Quando?
     Pelo menos os meus cabelos foram comparados a de uma boneca, e as rugas, não.
     Acabei de entender.
     Vou pentear os cabelos novamente, mas cantar, por enquanto não.
     Boa tarde.  

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Substrato

Substrato


São os lugares pacatos
Paisagens descansadas
E suaves retratos


Dos mais nobres recatos
As varandas pausadas
Em redes desse abstrato;


 Sentimentos sensatos


Do ser e seu substrato.



segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Distorcida / Crônica do Cotidiano

Distorcida / Crônica do Cotidiano

     Ah, os acontecimentos que presencio sem querer!
     Desta vez, observo a distorção do raciocínio de duas jovens adultas, aparentando vinte e poucos, apenas vinte e poucos anos de vida.
     A moça ficou parada dez minutos, e, ao telefone, em frente ao banco 24 horas.
     Sem teclar no caixa eletrônico mais algum tempo, achei ela em atitude suspeita.
     Do seu telefone ouvia-se uma secretária eletrônica.
     Reparei porque fiquei receosa dessa atitude.
     Mais alguns minutos e chegou outra jovem adulta da mesma faixa etária.
     _E daí? Deu certo?
     _Não, não deu. A denúncia falsa não funcionou e eu não consegui tirar um centavo da mulher!
    O meu medo aumentou e não me mexi antes que elas saíssem.
     A outra moça cobrou dela:
     _Mas como é que não deu certo? Você não fez tudo com aparência de certo?
     A outra moça começou a lacrimejar, mas com raiva e disse:
     _Eu fiz, até assinei com o meu nome.
     Uma das moças se afastou e outra foi sentir raiva fora do local.
     São mentes distorcidas, pensei.
     Pensei? Saí rapidamente do local.
     Pelo menos a cidade está bem policiada, o que é um alívio.
     Nem sempre escrever crônica é tarefa fácil.
     Tomem cuidado com isso meus queridos leitores. 

domingo, 1 de dezembro de 2019

Poema a Se Fazer

Poema a Se fazer


Era o que iria dizer,
De um poema a se fazer
Porque poema é presente,
Quando surge inocente,


Sem querer e por ser
O que não se está a ver,
Por sentir docemente
O que à alma é meio inerente;


Um sentir de tanger
Ao sensível e ter
Metaforicamente
Um verso reluzente.



sábado, 30 de novembro de 2019

Bom Dia

Bom Dia


Perfeito
Proveito
Do dia


Que é feito
De estreito
Bom guia;


Conceito
Bom dia




sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Renovação

Renovação


Ainda existem canções novas,
E ainda bem que se renovam
Como as fatias de pão e as torras,
As geleias que nelas provam


Os sabores dessas trovas
Das texturas que as decoram;
A ouví-las, todas as notas,
Como rosas, desabrocham


Em algumas laboriosas
Linhas, onde se devoram
As composições preciosas
Que ao tempo silente acordam.  

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

O Verbo do Tempo

O Verbo do Tempo


Divagar sobre o tempo,
Sua colocação,
Ou seu aprimoramento
À verbalização

É um desconhecimento
De toda a compreensão
Que lhe dá o seguimento
Perpétuo por vocação.

Esse é o temperamento
Da sua condição
Ao não esclarecimento
Numa conceituação.


quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Aprendizado de Moda / Comentário

Aprendizado de Moda / Comentário

     Em tempos de liquidação e Black Friday, esse comentário é útil para quem quer aproveitar as promoções.
     Existem promoções autênticas e de produtos novos, e esse é um jeito curioso de observar as promoções.
     O comerciante faz as compras, mas existem produtos de boa qualidade, novos e de bom gosto que não vendem.
     Esse é um bom motivo para que o comerciante baixe o preço, desencalhar o estoque para poder comprar algo que agrade aos consumidores.
     Hoje observei atentamente que a moda é diferente até mesmo de bairro para bairro.
     Já disse outras vezes que por aqui não se usam vestidos. Aqui, onde? Aposto que estão perguntando sobre isso. No meu bairro as mulheres usam calças e blusas, práticas, que não desbotem ou que sejam desbotadas de fábrica e duráveis.
     Talvez porque não exista consumo de modas, e porque não se compram roupas que não possam ser usadas daqui a dois ou três anos. Somos clássicas aqui no bairro. Gastou, comprou, usa-se até não poder mais.
     Os vestidos são tidos como roupas de festa ou praia e pouco práticos para ir ao supermercado e  fazer pagamentos num mesmo dia.
     Somente aos finais de semana, e mesmo assim de vez em quando, veem-se as mulheres com saias e vestidos. Mas procuram estar bem compostas o dia inteiro e desde muito cedo já são do jeito que são, umas com batom, outras com rímel e adereços leves.
     No outro bairro, não. Nunca. É preciso estar com as vestes mais soltas, mais leves, como se fosse uma característica de sentirem-se bem, mas é uma característica do bairro.
     Os conceitos de moda ao dia a dia são diferentes em cada bairro. 
     Poderia-se dizer que a moda de hoje permite muitas variações, mas não é o caso. Nesse caso, sim, a cidade não é muito colorida e esse conceito vale para toda a cidade.
     Depois vim tomar um café no meu bairro para me sentir igual e me senti.
     Ainda sobre moda, ao sair observo as conhecidas observando a compostura com a qual saí.
     _Juízo, menina! 
     Igual a elas.
     Desde quando é falta de juízo se vestir de modo despojado?
     Do outro bairro, trago outra observação:
     _Ela está querendo parecer que é quem? Nunca foi assim!
     É a moda que faz isso comigo e eu me divirto com a moda, porque é função da moda também divertir.
     As roupas despojadas são com alguma finalidade, como a prática de exercícios físicos e as roupas do dia a dia são mais sóbrias, pelo menos aqui no bairro.
     Hoje é quarta-feira e é dia de semana e está dito.
     Importante é dizer que nenhuma das roupas, nem as mais soltas e nem as mais sóbrias estão erradas.
     Pontos de vista diferem de bairro a bairro e, a moda também, mas o custo da moda, não.
     Para concluir, quanto as compras para quem quiser garimpar promoções, devem levar em consideração o fato de serem parte de moda usável ou não.
     A moda usável depende do estilo da pessoa, mas também do bairro e das necessidades práticas de cada uma de nós.
     Escrevo esse texto quase que dirigido exclusivamente às mulheres, porque aí é que está o nosso problema: os homens não acreditam em promoções!
     Eu acredito em promoções e sei de conhecidas que acreditam em promoções, ainda mais nesse ano em que ofertam promoções até mesmo de hamburgueres, para conquistar o mercado jovem.
     Com cautela e cuidado, mas sobretudo conhecimento das necessidades de cada um, vamos ao cachorro-quente! Tem promoção de cachorro-quente?
     Boas promoções à todos, indistintamente.   
      

terça-feira, 26 de novembro de 2019

A Fé Enquanto Emoção

A Fé Enquanto Emoção


São essas questões,
Matéria e ser,
Interações
De um não saber,

Buscas e opções
A se escrever;
São reflexões
De um não entender

Das acepções,
Porque se ater
Às emoções
E orar por crer.




segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Meio de Escape

Meio de Escape

Apesar, e porém, sou sincera,
Assim que pertencem a outra esfera
As outras pessoas e outros assuntos
Que formam esses tais desconjuntos


Obrigatórios e sem espera,
Afobados pelo que aglomera
Como se fossem novos assuntos,
Mas não passam desses desconjuntos


Descolados do que persevera,
Pois preferem essa microesfera
Onde não se almejam os conjuntos;
Meio de escape não são desconjuntos.

domingo, 24 de novembro de 2019

Cotidiano Ajustado / Crônica do Cotidiano

Cotidiano Ajustado / Crônica do Cotidiano

     Ouço pensamentos, e os ouço porque o pensamento dito em voz alta é para ser escrito e compartilhado.
     Lugares errados e limites, concordo.
     Leiam este raciocínio, que embora pareça duro, foi sensato.
     _O seu lugar ideal é um pouco mais afastado. Terá mais conforto, mais apoio e menos risco. Zonas de atuação não é lugar para donas de casa. Completamente burra e inapta para uma atuação que exija muito. Concordo. Não sabe quem são os atores e nem como atuam, o que é uma barbaridade. Agora, o que é pior, se precisar de um palito de dente, sem saber nada com nada, não se sabe o que pode acontecer. Não discriminamos ninguém, mas o seu lugar, com alguma coerência é dois quilômetros daqui.
     Até concordo, mas e a Black Friday (onda de descontos que passeia pelo Brasil afora)?
     _A Black Friday é o que a coloca em lugar adequado. No mais, caputs, acabada. Existem outros Centros comerciais onde a senhora pode fazer compras com bom preço.
     Concordei totalmente. Cheguei ao limite, ponto.
     _Se as pessoas fossem ligeiramente mais sérias, tudo seria melhor. Mas não, tem gente que se vangloria ao ser canalha, é como se fosse um ideal a tal da canalhice. Não digo que as pessoas ideiais sejam as burras e inaptas como a senhora, mas um pouco menos canalhas, porque a canalhice é que antecede toda e qualquer tragédia, causa todo o risco, esculhamba com essa gente que só quer levar a sua vida num ritmo plausível, educar os filhos com coerência e viver dando graças à Deus.
     Concordo.
     _Colocamos parâmetros nas situações para que gente como a senhora possa fazer as suas compras nas liquidações.
     Uma pausa.
     _O canalha não descansa, vive vinte e quatro horas por dia a pensar o mal aos outros, pois se sente confiante de que para ele tudo estará bem. O problema é que em nenhum lugar um canalha está seguro, e aí é que as coisas acontecem. Bom é que a senhora reconheça que podem haver outras áreas em que a senhora possa estar no limite e ninguém lhe diga nada porque há pessoas que não dizem nada quando o devem fazer.
     Concordei. Aliás, penso nisso sob outro ponto de vista agora mesmo.
     Restou-me dizer às seis da manhã:
     _Bom dia, Senhor.
     Ouvi um bom dia feliz, seco e altivo.
     Esse texto é bom para meditar. Boa semana à todos! 
     

sábado, 23 de novembro de 2019

Inexprimível Senso

Inexprimível Senso


Esse sentido é o verbo
Que se faz num só verso,
O exato do invisível
Que nos volteia em sensível


Dimensão de um reverso,
Onde, pela fé, o etéreo
Manifesta o que é crível
Ao que é imprescindível;


Semelhante ao diverso,
Fez-se um homem Deus-servo
E isto é o que é inextensível,
Porque é apenas legível. 

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Muitas Noções Sobre um Mesmo Tema

Muitas Noções Sobre um Mesmo Tema


O tempo que me desafia
É o mesmo que anima esse dia,
Subdividido ao que fazer,
Utilizado por querer,


Vendo a feitura que desfia,
Confia que não se contraria
Ao ser e estar próximo a ser
Conforme o seu ritmo, ao escrever


Que faz, que é, e como poderia
Não ser pela vazão tardia
A esse mesmo tempo a conter
Seguro que o tempo é um se ter.

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Pensamento Vago

Pensamento Vago


São as possibilidades
Também fragilidades,
Porque, às vezes, não cabem
Como prováveis, pasmem


Com as curiosidades
Que negam as vontades.
Afazeres não sabem
Pensar, apenas fazem


Obrigatoriedades,
Problema das verdades
Quando, em muito descabem
Ao dia a dia, mas se expandem.

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

O Sentido das Coisas


Os Sentido das Coisas


     Eu não quero que faça sentido o sentido de nenhuma experiência ou estudo ou compreensão.
     Basta o respeito a esse sentido, ou seja, o sentido das coisas para cada um.
     O que é pitoresco é querer que o sentido das coisas seja igual para todos. Nesse ponto difere-se o que é compreensível do incompreensível.
     A capacidade de compreender os demais cria o desenvolvimento interpessoal e a capacidade de se compreender, além do autoconhecimento obrigatório, possibilita a compreensão do demais.
     São etapas pelas quais passamos continuamente em sucessivas aprendizagens que mostram o sentido.  Não se pode obter esse sentido sem as devidas etapas com as quais somos desafiados. Não se pode ter pressa para essa aprendizagem.
     Passo a passo, devagar, e principalmente insependente da vontade, é que crescemos.
     Certa vez, ouvi de uma professora um sentido pessoal dela que dizia que ela ficava feliz com uma palavra a mais que pudesse ensinar a ler e a escrever, porque aquela pessoa ainda saberia muito, mas teria uma palavra a mais no seu dicionário. Cada palavra a mais aprendida seria uma palavra a menos a aprender.
     Quanto ao autoconhecimento, digo que não se brinca com isso, o quanto mais se sabe a respeito próprio também depende de uma assimilação, uma digestão. O desenvolvimento pessoal não é uma corrida de obstáculos, cada pessoa tem o seu tempo e a sua percepção de si mesma. É preciso calma com esse tipo de sentido das coisas.
     O sentido das coisas depende da reação de cada um diante de uma percepção. As pessoas são diferentes e reagem diferentemente em relação às situações apresentadas em seu cotidiano. Todas essas reações merecem respeito porque fazem todo um sentido na vida de cada um.
     As estruturas pessoais diferem muito, mas são estruturas válidas em relação à conjuntura em que se situam.
     É importante dizer que esse texto refere-se às estruturas relacionadas às conjunturas que convivo, incluindo-se nesse montante pessoas que frequentam supermercados e igrejas, mas com alguma experiência de vida.
     A melhor estrutura, dentro dos parâmetros relacionados a esses ambientes, é a sua, é a minha e é a de outras pessoas com as quais convivo. Todas essas estruturas buscam alguma utilidade em assim o serem, muito embora completamente diferentes entre si.
     Um sentido inesquecível que ouvi na igreja foi a de que há de se confiar em Deus porque o mundo é um caos permanente e foi citado como exemplo o congestionamento do final da tarde numa megalópole com São Paulo.
     Todo esse sentido, que é importante para cada pessoa, no entanto pode se perder pela ausência do autoconhecimento, porque é importante se prever e se melhorar a cada instante.
     O desenvolvimento pessoal depende dos fatores com os quais cada pessoa tem que lidar no seu cotidiano e o respeito ao outro é fundamental. 
     Permitam-se, mulheres, perceber os diferentes pontos de vista, numa experiência simples de ser feita e complexa de avaliação: ao saírem de casa pela manhã vistam sapatos sem salto do modelo que preferirem, mas depois de estarem no ambiente que deveriam estar, vistam sapatos de salto dez ou mais. Aquela visão anterior que se tinha do ambiente muda completamente, muito embora as pessoas sejam as mesmas, os mesmos móveis e até mesmo os mesmos biscoitos ao lado da garrafa térmica de café.
     Pronto, não serão mais as mesmas de antes.
     Depois de se encontrarem nesses saltos, o fio da meada a seguir está descoberto.
     Para os homens não tenho exemplos, mas ao respeitarem os diversos saltos dos sapatos femininos, acredito que possam entender o sentido do texto.
     Bom desenvolvimento à todos.  
        

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Arte Precisa

Arte Precisa


Preciso a arte
Como parte
Peremptória
E acessória,


Um baluarte
Sem descarte,
Probatória
D'uma história


À la carte
Que comparte
A ilusória
Oratória.

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Pão Caseiro

Pão Caseiro


Parecem mesmices,
Ou mesmo criancices,
Mas é essa rotina
Que me determina.


Serão casmurrices
Ou então esquisitices
O que me ilumina,
Quando repagina


Essas brejeirices
Sem tagarelices,
Ou sequer neblina;
Magra margarina.






domingo, 17 de novembro de 2019

Caminho

Caminho


Caminhar
Devagar,
Bem fazer


Por orar
E esperar
Ao se crer;


Caminhar


Por se crer.



sábado, 16 de novembro de 2019

Maratona Citadina

Maratona Citadina


Amanhã
De manha,
Maratona;


Talismã
De um titã
Sem japona.


Bambambã


De amazona.


sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Espreguiçadeira

Espreguiçadeira


Depois de acordar,
Bom é espreguiçar
Sem pensar em nada,
Sentir-se alongada


Nesse respirar
E deixar estar
À cadeira vaga,
Que por si divaga


Sem se preocupar.
Ao recomeçar
Será descansada;
Pausa aproveitada.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Miscelânea

Miscelânea


A miscelânea,
Quando espontânea,
É a geração


Contemporânea
Em coletânea;
A afirmação


É simultânea,


Por acepção.



quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Outros Assuntos / Crônica do Cotidiano

Outros Assuntos / Crônica do Cotidiano

     Outros assuntos geralmente é o nome que se dá aos assuntos de reunião de condomínio, mas que estão fora da pauta.
     Há certos cuidados que se deve ter com as pessoas e vou contar o caso.
     Ao sai, observei algumas pessoas da região sem alegria ou tristeza ou cansaço, apenas espanto.
     Não havia sinal de acidente ou briga ou emergência médica.
     Ao sair, observei algumas pessoas com a mesma expressão.
     Numa curta distância de espaço, vi o significado da expressão das pessoas.
     Um caminhão pequeno, de uma marcenaria com a carroceria coberta com uma lona preta, onde se lia, com letras mais que visíveis um nome:
     "ANTÔNIO"
     A maioria de nós conhece alguém com o nome de Antônio.
     Tiraram fotos e avisaram uns aos outros para que todos os Antônios do bairro se cuidassem.
     Não se faz isso, nem que se tenha vontade de chamar a atenção do público.
     Quem viu, logo deduziu que era algum problema com algum Antônio do bairro.
     Debaixo da lona preta com o nome escrito via-se um retângulo.
     A estupidez de que é capaz o ser humano causa espanto.
     Depois das fotos, dos celulares e dos avisos para que se cuidem os Antônios dos bairro, é tempo de falar em bom senso, daquilo que é errado fazer.
     Por certo, esse assunto acaba em multa, espero. Esperamos nós moradores da região.   

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Como Se A Conhecesse / Carta Literária

Como Se A Conhecesse / Carta Literária

Curitiba, 12 de Novembro de 2019

Querida Megan


         Como vai, Megan? Escrevo porque andam dizendo que você está meio triste. Mas o que é isso?
          Você é uma garota de bom astral, disposta a tirar fotos inspiradas nos jardins, mas você se segura para não conversar. Não pode. A verdade é que isso não acontece somente com você, acontece com muitas de nós mulheres.
          Você não diz, mas é óbvio que você e o seu marido se dão bem, que sorriso lindo vocês trocam quando estão juntos, só que viu é que sabe contar. Eu vi, lembra?
          Até achei que podia tirar um foto no mesmo jardim. Mas não é assim, as minhas melhores fotografias são das filas de supermercados e escritas no blog.
          Deveria ter medo de tirar uma foto nesse jardim, mas sei que não é assim.
         Permita te contar de umas miudezas que te farão rir. Dizem que as mulheres poderosas são perigosas, mas o vestido de um estilista amigo nosso, feito especialmente para quem se sente a própria Malévola, pasme! Custa por volta de um mil e trezentos euros. Preto com dourado, um longo que até agora não foi vendido. Sabe o que acontece com aquele vestido? Não combina com você e, muito menos comigo.
          Os tons claros te deixam suave assim como os meus coloridos me dão bom astral.
          Difícil mesmo é usar um desses vesridos quando se quer vestir uma calça jeans e deixar-se à vontade. Mas, quem está à vontade. Onde eu moro, quase não se usam vestidos ou saias ou chapéus.
          Chapéus dão um charme imenso ao traje, ah, eu penso que sim.
          Os meus dias também não são feitos de tardes ensolaradas e gestos gentis com princesas, mas são esses os momentos que se guardam para toda a vida.
          Lembrando daquela tarde no jardim, você percebeu a conheicda, amiga sua, com sapatos de panos iguais aos meus?
          Os sapatos de panos, confortáveis, chamados de slippers aqui no Brasil são ótimos, mas diferenciar, os dela tinham a assinatura do estilista.
          É com carinho e admiração à você e à sua família que escrevo.
          Sei o significado do que não pode ser, das não escolhas das roupas, das necessidades de estar engomada e das alegrias raras feitas com respeito ao ser que é outa pessoa sem perder o respeito à si mesma.
          A mim, sempre falta uma lira para me alimentar de música, e você tem que ser lírica o dia inteiro.
          Espero um dia nos vermos de novo, você com aquele vestido claro e o marido ao abraço; eu um pouco mais engomada, como costumo ser nos meus dias.
          Percebeu que naquele dia eu estava completamente à vontade no meu jeans? Esse espaço precisa ser inventado longe dos holofotes.
          Fique bem, estejam vocês em harmonia, e aproveitem um pouco mais alguns momentos de descontração.
          Com estima e admiração,
          Yayá.  

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Valores Culturais / Reflexão

Valores Culturais / Reflexão

     Se existe algo pelo quê se deve orar é para não desanimar dos valores espirituais.
     Valores espirituais incluem a cultura, e peço não desanimar, quando peço às pessoas que leiam a Bíblia, As Mil e Uma Noites, Os Pensadores, por favor leiam qualquer livro, mas leiam.
     Qualquer pessoa tem acesso aos livros, mesmo porque livros físicos são encontrados em bancos de praça ou de ônibus com o simples intuito de que as pessoas leiam.
     Leiam, mas nem que seja para se exibirem como leitores.
     Quando eu aprendi a lidar com computador, o primeiro fato que percebi foi que o computador diminui o tempo de outras atividades, mas não se exima da leitura.
     Leiam, mas nem que sejam livros de exercícios de matemática, e façam os exercícios de matemática.
     A cultura é um valor espiritual, ajuda a entender o mundo, as pessoas, os motivos dos problemas seus e dos outros.
     Nada mais desanimador do que a falta de cultura, porque a falta de cultura leva as pessoas a serem desconhecedoras de si mesmas, e esse fato, na minha opinião, diga-se, leva a uma estagnação cultural que, por si, degenera o convívio e o desenvolvimento interpessoal.
     Não tenho nada contra os esportes, ou, às redes sociais, mas é preciso ler!
     Todos podem ler, jovens e idosos, adultos e desportistas, internautas e alfabetizados.
     Leiam contos mínimos, romances inteiros, capítulos ou simplesmente páginas, mas não se acostumem a esperar pela cultura.
     Pesquisem na internet sobre pássaros, cachorros e gatos, sobre o que quiserem, mas não desanimem.
     Quem se ocupa em adquirir um pouco mais de cultura é um incentivador do seu meio.
     Quem gosta de assuntos religiosos que pesquise  os estudos bíblicos, os mapas onde aconteceram uma e outra situação apontada como história.
     Há um motivo para o texto e esse motivo são as pessoas com as quais convivemos e ouvimos certos disparates, como :
     "Eu não preciso saber fazer conta porque no meu celular tem uma calculadora."
     "Para que querer ler depois de certa idade, se nenhum uso fará dessa cultura."
     Digo, porém que esses são os disparates suaves e, os demais disparates não escrevo porque não tenho a cultura acadêmica que escreve para os bons e para os maus, mas posso dizer que o que se lê, com alguma imaginação, pode se tornar num dia mais agradável.
     Ah, agora para quem quer uma segunda opção de leitura sem ter que segurar um livro: os audiobooks, ou seja, os livros falados, estão disponíveis e até mesmo gratuitamente em plataformas digitais. Se alguém estiver aborrecido e sem vontade de fazer nada, ouça um audiobook de autoajuda e aproveite ealgum conselho ou sugestão, mas saia da mesmice.
     Particularmente, eu tenho um audiobook do Augusto Cury e ouvi com boa vontade.
     Leiam o que quiserem, mas não desanimem da leitura, porque o desânimo de ler, desanima a imaginação e a vontade de fazer algo novo.
       
      

domingo, 10 de novembro de 2019

Os Balões / Microconto


Os Balões / Microconto


     Parecia uma brincadeira. Havia balões seguros como só os balões sabem ser quando dependem do vento e algumas pessoas.
     Os convites para que as pessoas passeassem nos balões foram feitos.
     Das moças, algumas se recusaram, uma porque tinha compromisso, outra porque não se sentia bem em balões, outra ainda porque desconversava a conversa.
     Dos rapazes, nenhum deles perderia esse passeio ao sabor do vento, mas não disseram os motivos das decisões.
     Os balões eram individuais e cada participante do passeio iria em um único balão.
     Duas moças e dois rapazes entraram nos balões.
     Soltas as amarras, os balões começaram a subir. Depois dos respectivos até depois aos que ficaram em terra firme foi que os participantes viram um papel dobrado onde se lia "instruções".
     Cada participante observou o texto que estava no seu balão:
     "O seu balão subirá e o levará até determinada direção, aceite o vento, pouse com tranquilidade, porque o balão tem dispositivos que evitam o pouso em lugar desaconselhável. Agora, se houver uma emergência, se vire."
     Depois de lerem o texto com as instruções, encontraram um comunicador onde se observava outras instruções:
     *Para se comunicar com o balão 1 tecle 1." Para se comunicar com o balão 2 tecle 2." Para se comunicar com o balão 3 tecle 3." Para se comunicar com o balão 4 tecle 4."*
     Nenhum deles sabia que os balões eram numerados, e por não saberem que os balões não eram numerados, resolveram ligar uns para os outros para conversar.
     Balão 1 atendeu a ligação do balão 4, mas o balão 3 não atendeu a ligação do balão 2.
     Depois de conversarem balão 1 e 4, resolveram conhecer os outros participantes do passeio.
     Balão 4 conversou com o balão 2, mas o balão 3 não atendeu a ligação do balão 1.
     O balão 2 disse que o balão 3 não atendeu o chamado e pediu para que o balão 4 tentasse ligar para o balão 3. O balão 3 não atendeu a ligação do balão 4.
     Somente três participantes podiam conversar entre si porque o balão 3 estava sem comunicação.
     Chegou a hora do lanche e todos tinham sanduíches e água à bordo do balão.
     Ao abrirem o embrulho do sanduíche, todos encontraram respectivamente a recomendação para que onde pousassem, que amarrassem os balões e esperassem a Kombi que iria buscá-los.
     Veio a noite e eles dormiram, cada qual em seu balão.
     Ao acordarem de boa noite de sono, pois quem dorme cansado, dorme depressa, verificaram o lugar em que estavam.
     Dois balões haviam se distanciado dos outros dois balões e estavam em outros lugares, mas somente o balão 2 disse que estava pousando e iria amarrar o balão, pois o 3 continuava sem comunicação  O balão 2 ainda disse que o balão 3 estava descendo em lugar distante, mas que pelo mapa de navegação era um local indicado para bom pouso.
    O balão 1 e o balão 4 pousaram num mesmo lugar.
     Ao amarrarem os balões e sentarem para olhar as instruções e verificarem onde é que eles deveriam encontrar a Kombi, foi que leram a observação: para balões que pousarem próximos, não haverá transporte ao local de origem, pois estarão um ao auxílio de outro até que sejam observados os critérios de navegação para que haja pouso coincidente.
     Parece brincadeira, mas eles seguiram em auxílio prometendo-se um ao outro não mais concordarem com tal aventura.