VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Privacidade

clip_image002Privacidadeclip_image004

clip_image006

Um assunto puxa o outro e, decidi escrever sobre o que eu considero o mal do século XXI: a falta de privacidade.

Digo que é um mal baseado no comentário que eu fiz, contando da semana de autoconhecimento que eu participei no século passado.

Estávamos numa turma de uns 120 alunos, digamos alunos, porque ninguém era paciente, éramos todos estudantes. Fazíamos os testes individualmente e em grupo para conhecermos as nossas áreas cegas, ou, os defeitos que os outros viam, mas somente os outros viam, mas os donos dos defeitos, nós mesmos, não tínhamos a mínima noção deles.

Os mestres eram especialistas em psicologia. Vejam os conselhos que recebemos:

v Não adianta colar a resposta do outro, porque todos vocês podem mentir e refazerem os seus testes em casa, longe dos colegas.

v As respostas são sérias e devem ser lidas com calma. Essas respostas não são as nossas respostas a vocês, são as respostas de vocês que levaram ao resultado e a conseqüente leitura do texto indicativo.

v Não adianta responder sobre o que vocês consideram o ideal, vocês não agem como uma resposta ideal, ninguém age. Sejam sinceros com vocês mesmos e descubram-se diante do que é apresentado e proposto nos testes.

v Não ficaremos com os testes e com as respostas. Levem para casa, joguem fora, queimem, façam o que quiserem com elas, não é da nossa conta saber sobre a intimidade de vocês. Se bem que, as dúvidas serão respondidas aqui mesmo e, de certa forma, nós os conheceremos também.

v O propósito desta semana é que vocês possam lidar com vocês mesmos, conhecer as reações diante de situações inesperadas pode facilitar uma resposta de autocontrole previamente concebida.

v O mundo é competitivo, não saiam por aí falando de vocês mesmos, aprendemos que tanto a verdade quanto a mentira podem ser ditas com amor e com ódio. Assim vamos bem vestidos ao hospital, levamos flores e dizemos que o paciente está com uma ótima aparência, somos bons. Assim dizemos à colega rival que a acne dela é purulenta e que ela poderia se afastar para um tratamento e somos maus.

Nesse tempo a privacidade era possível, hoje temos que aprender a conviver com a falta de privacidade que beira à falta de respeito e ética. Uma semana dessas, hoje em dia, seria bastante divulgada na mídia, todos os “alunos” com os celulares a postos, uma filmagem para o Youtube com uma gozação entre os grupos e as suas respostas seria normal. Ah! Todo mundo zoa com todo mundo, isso é normal.

Às vezes, penso que tem gente que quer saber muito do outro pela dificuldade de lidar com ele mesmo. É também uma perda de tempo preciosa gasta numa curiosidade infrutífera, mas está funcionando assim, é o que eu vejo.

Também penso que estamos na hora de criar uma tecnologia a favor da privacidade, até mesmo uma defesa especializada para essas invasões realizadas por grupos de interesses diversos e, porque não dizer, interesses ruins.

Imaginem uma semana dessas com todos os resultados divulgados em um blog ou analisados pelos especialistas em um trabalho postado no Google, livre para pesquisas.

Seríamos cobaias humanas para os internautas, para os terapeutas e para os marginais que se divertem a custa dos nossos dados pessoais.

Termino sendo repetitiva, É HORA DE CRIAR UMA DEFESA E GARANTIR UM MÍNIMO DE PRIVACIDADE AOS CIDADÃOS.

18 comentários:

Jorge disse...

Muito certo. O grande olho nos observa! George Orwell previu-o bem!

Paulo Francisco disse...

Muito bom este texto.
Um beijo grande

Aclim disse...

Eu sei que somos observados 24 hs por Deus até em nossos pensamentos.

Temo a Deus não ao homem. O homem não sabe o que faz.

Deixe que digam, que pensem que falem deixe eles pra lá...rs

É uma musica antiga...rs

abraço amada

Célia disse...

Estariam as palavras e suas respectivas aplicações em desuso?
* Bom senso
* Ética
* Respeito à individualidade
* Limites
* Dizer Não
Ligar o "desconfiômetro" todo ser humano deveria ter tal capacidade! Não sei se pela minha profissão, mas adoro colocar "limites"... "meu espaço"... Sei lá se estou sendo muito sonhadora... Para pensar!!
Abraço, Célia.

Vera Lúcia disse...

Olá Yayá,
Sem dúvida. Parece que estamos vivendo num reality show.
Excelente texto.
Bejim.

*Patricia* disse...

Bela postagem, parabéns pelo blog, concordo plenamente não temos nenhuma privacidade, infelizmente.

Catia Bosso disse...

Yayá, afffff né!!

Seu texto é corretíssimo! Concordo!

bjs meus

Majoli disse...

Yayá, gostei do texto, das propostas nele narradas, mas eu amei o comentário de nossa amiga em comum, Célia, e assino embaixo.

Beijos querida.

Zélia Cunha disse...

Ótimo texto, grandes verdades.
Tenha uma boa noite.
bjs.

CEM PALAVRAS disse...

Também concordo com Célia, e simplifico: o que falta é educação doméstica.
beijos

Marisa Ferreira disse...

Sim, eu também considero que a falta de privacidade começa a ser cada vez maior e acho que deve de ser travado. A grande culpa disso também é dos midea, e programas como big brother e companhia. *

Jopz_B1B disse...

YEPZ, e o "culto as celebridades" só aumenta isso, cada dia os meios de mídia inventam um novo jeito de descobrir mais e mais... e no fim sobra pra todo mundo.

JOPZ

Mery disse...

Olá, parece que a carapuça me serviu, eu me exponho muito nas minhas postagens, não devia, pois um blog é espaço aberto,na internet vaza tudo, todos podem ler e nos condenar: "garantir um mínimo de privacidade"..
É isso, muito bom teu texto, fiquei mais esperta, rsrs
Beijos da Mery.

João Raposo disse...

Todo o animal necessita de espaço ou enlouquece. Todos necessitamos do nosso cantinho. Mas qual de nós não tem também esse outro lado de voyeur que vai espreitando o outro? Comprimidos em cidades cada vez maiores e mais apertadas, estamos cada vez mais contra o mundo e não no mundo.
A ligação à vida, ao que é vivo, é cada vez mais de oposição e domínio do que de integração. Curiosamente, parece-me ser esse desligamento do que é vivo que nos leva a perder a privacidade.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Yayámiga

A Célia é uma açambarcadora, tira-me as ideias do cristalino bestunto e as palavras dos lábios e da língua.

Pois é: educação, educação, educação, bom senso, bom senso, bom senso, cidadania, cidadania, cidadania, civismo, civismo, civismo. Voto atrás: educação.

Privacidade? Nos tempos que vão correndo? Ké-íço?

Sabes que a nossa Travessa não correu os taipais e continua lá no mesmo sítio? Não parece..., mas está lá.

Qjs

Lídia Borges disse...

Uma problemática bastante actual e muito preocupante, pois que nos priva de um que é nosso, não obstante o velho "quem não deve não teme".

Um beijo

Maggie May disse...

em tempos de internet, redes sociais, superexposição e celebridades instantâneas...

Lena disse...

Yayá
Pra variar, mais um texto muito adequado e bem escrito, para quem tem o dom dedação, minha linda. Concordo e assino embaixo.
Tem um selinho pra você lá na pagina "Selos & Cia" do Amadeirado. Dê um pulinho lá e fique à vontade pra trazêlo para o Artes e Escritas. Bjkas com super carinho!