VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 20 de agosto de 2011

Análise Vetorial

Análise Vetorialclip_image002

 

O resultado da conta feita

Vem apurar da estatística, o álibi

Da porcentagem disposta em série

E demonstrar a razão parcial.

 

A fim de obter a medida prévia

Condicionada em exemplos fáceis

Do complicado vetor da estética,

Como calcula a interface na álgebra,

 

A geometria vem, demonstra a métrica,

Desarrazoa um resultado em partes

Ao conservar as variantes, cega

Ao fracionar condições afáveis.

 

O demonstrado é o previsto na híbrida

Hipotenusa e não é descartável,

Mas o possível no quadro da égide

Proposital, e conforme o estável.

22 comentários:

Aclim disse...

E demonstrar a razão parcial.

Inteligente teu poema

Abraço

AC Rangel disse...

Decididamente as razões do amor não são estabelecidas por fórmulas matemáticas. Felizmente!
beijos

Zélia Cunha disse...

Poema inteligente!Eu, que da matemática só sei somar amizades, compartilhar sonhos, dividir alegrias e sutrair tristezas curvo-me às fórmulas matemáticas.
Um ótimo final de semana, pra você.
Bjs.

Vixuz disse...

exatidão
do
tic tac
do coração

Marisa Ferreira disse...

O amor não é uma ciência exacta =) *

Van disse...

Que criativo e inteligente!

Aliás criatividade é a sua marca registrada, Yayá.

Só sei somar, nada mais. Admiro os matemáticos e os sábios das exatas.

Como na minha vida tudo é inexato, nunca poderia me dar bem nas exatas.

Beijos Yayá!

Arnaldo Leles Ferreira disse...

Karacas!
Pode se candidatar a deputada federal! rsssss1
Abraço!

Ivone Poemas disse...

É inteligentíssima colocação, mas ainda nem entendi até hoje a ciência exata da matemática, hipotenusa, quadrado, catetos...Enfim...Adorei aqui sua colocação em versos!!!
Parabéns!
Ivone poemas
henristo.blogspot.com

Braulio Pereira disse...

gostei.

bom domingo


abraço!!

Sobre o Tempo disse...

Genial!!! A Física colocada num poema de uma forma tão inteligente.
Ótimo domingo! Bjs

Maíra Cintra disse...

Não há fórmulas nem medidas exatas para o amor. Acho que o amor se diferencia para cada pessoa!
Muito inteligente seu poema!
Obrigada pelo carinho no meu blog!
Beijos

Célia disse...

... contrária às exatas da vida, adepta que sou às humanas... curvo-me diante da razão à emoção!! Parabéns pela estética de sua arte manobrada com total eficiência da genialidade humana possível!
Abraço, Célia.

Adriana Vargas de Aguiar disse...

Nossa, escancarou!!!
Tornou sensível os numeros, lhes dando sentimento em prosa!Arrebentou!
Lembrando que temos uma enquete maluca la no blog, uma espécie de ginacana, e nós autores, apostamos um prêmio entre nós para quem ganhasse, e eu, rsss, convido a você para votar em meu humilde livro e amado o voo da estirpe, tá? Dia 10 tem sorteio!
bjsss

tecas disse...

Inteligente e invulgar poema, Yayá. Muito criativo nas formas matemáticas. Adorei. Peço autorização ( não o faço sem me autorizar), para o cpoiar e imprimir para o dizer na próxima tertulia poética em Vermoim Portugal. Claro está que caso autorize,direi o nome do autor.
Bjito e uma flor.

Alma Mateos Taborda disse...

Bello e inteligente poema. Una fantástica creación. ¡Felicitaciones´! Un abrazo

A beleza é uma ciência (http://quantotempootempotem.blogspot.com) disse...

oi
passei no seu blog, é ultra hiper mega legal
tô seguindo
segue o meu
quantotempootempotem.blogspot.com

Marly Bastos disse...

e o resultado do poema lido me deu um nó no cérebro.
Seu poema é inteligente e bem bolado Yayá, mas misturou meu produto "cinzento".
beijokas doces.

Nelson Souzza disse...

Sem dúvida, um excelente poema! Parabéns pela magnífica sensibilidade. Aproveito a oportunidade para agradecer a sua presença constante em meu blog. Muito obrigado, querida! Uma nova semana repleta de felicidades... são os votos do amigo Nelson.

Armando Pinto disse...

Belo poema, como sempre com mensagem bem sintomática.
Como noutros locais, onde ainda já hoje pude passar, hoje que tive algum tempo para dedicar à minha cultura de espírito, pude continuar a apreciar que dá gosto ler seus escritos, que têm de ser apreciados com tempo, tal a profundidade das mensagens.
Como vê tenho andado por aqui, apenas que por manifesta sobrecarga de afazeres não tenho podido marcar presença. Ainda um destes dias, numa viagem familiar, andando num rápido passeio bem longe, nos arredores de Lisboa, pude visitar o real Palácio Nacional de Queluz, onde nasceu e morreu o rei português D. Pedro IV (que doou o seu coração à cidade do Porto), o D. Pedro I libertador e Imperador do Brasil, e veio-me logo à ideia as pessoas que me dizem algo desse belo País...
Não é por acaso que, além de seguir seu blogue, também o coloquei na barra da lista dos meus blogues...
Abraço.

Simone MartinS2 disse...

Boa noite, adorei a brincadeira com as palavras, mas sou mais emoção, coração do que razão, então, como me pareceu uma equação, nao tenho a solução, deixo então, apenas meus abraços que somados aos seus, terminaram num forte abraço a quatro maos...bjin e fique com DEUS!

MARILENE disse...

Você está sempre a surpreender, em versos e em conhecimento.
Bjs.

Elisa T. Campos disse...

Uma forma muito inteligente de versar.
Amei.

bjs