VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Edson Prado na Festa da Uva

Edson Prado na Festa da Uva

clip_image002

Chegou à época da festa da uva. Edson Prado, o repórter do blog fez a cobertura.

Vejamos a matéria.

A Festa da Uva no último final de semana estava repleta de gente, carros faziam filas para a entrada, no parque. Churrasco, polenta, macarronada e frango compunham o cardápio, além da uva branca e rosada, uva Itália e rubi.

O grupo folclórico estava muito caprichado e acompanhado dos cantores e seus instrumentos musicais.

Esta foi a matéria.

O blog perguntou se ele não tinha nenhuma curiosidade para contar, porque parecia nota de rodapé, não matéria de blog.

Olhem a história que ele contou, mostrando a foto da moça de cabelos louro escuro e olhos verdes.

_O blog que me desculpe, mas enquanto eu comia o risoto, as pessoas que estavam próximas comentavam sobre a Palmira e eu quis saber quem ela era, mas ela não foi à festa.

O blog disse para que ele acrescentasse o risoto ao que estava escrito sobre o cardápio. O blog perguntou o que é que a Palmira fez de interessante e por que ela não estava na matéria.

_A Palmira não foi à festa da uva. Todos estavam preocupados. Contavam que ela era uma das mais animadas frequentadoras da festa de todos os anos. Pedi o telefone da Palmira para conseguir uma entrevista sobre as tradições da festa, sobre o grupo folclórico italiano, sobre a comida típica e sobre as tradições ainda conservadas no Brasil pelos italianos imigrantes. Anotei para saber a diferença entre os italianos que vivem na Itália e os descendentes de italianos que vivem no Brasil. Pedi o telefone dela e entrei e contato.

O blog pediu para que ele continuasse a história.

_Liguei para a Palmira, que foi solícita e me atendeu com cortesia. Pedi para conversar com ela sobre a Festa da Uva e ela marcou encontro para falar respeito na escadaria da igreja. A igreja era próxima e fui até lá. Demorei meia hora para chegar lá por conta do congestionamento em torno da festa.

O blog ofereceu uma xícara de café para uma pausa. Ele tomou o café e prosseguiu.

_Palmira era uma senhora de trinta e seis anos, de olhos verdes, cabelos louros e curtos, de porte alto e de saias abaixo dos joelhos e lenço amarrado em forma de fita nos cabelos. Contei que todos na festa sentiram a ausência dela na festa e disse que gostaria de saber sobre a experiência dela na Festa da Uva. Palmira respondeu que nunca havia ido à Festa da Uva. Anotei o que ela disse. Leia, por favor: “Eu nunca fui à Festa da Uva porque a fila é enorme para se conseguir almoçar”. Moro perto do local da festa, assisto os ensaios do grupo folclórico, as cozinheiras são amigas e trazem uma marmita com o macarrão ao sugo no dia anterior para que eu prove o molho. Depois, vou até aos gaiteiros e canto com o meu marido. O meu marido gosta que eu o veja cantar e depois cante junto com ele; ele diz que eu o afino.

O blog concordou que a entrevista da Palmira não caberia no blog para depois da festa, mas se tivesse sido feita antes, poderia ser a publicidade da festa.

Edson perguntou sobre o que ela sabia sobre as tradições e as festas anteriores. Ela não soube responder. Também anotei o que ela disse: “o meu marido é quem determina qual será a minha participação na festa. Ele frequenta o boteco com os gaiteiros o ano inteiro.” Daí em diante ela disse:

_O meu marido não bebe, tenho que dizer que ele vai ao boteco para cantar e que eu sou casada com um homem sério. A conversa termina aqui porque está na hora de entrar na igreja. Bom dia para o senhor.

Edson contou que a Palmira entrou na igreja e que ele voltou para a Festa da Uva. Chegou à festa e foi conversar com aquelas pessoas que tinham contado da Palmira. Eles ficaram contentes dele ter ido conversar com a Palmira e serviram ele com frango, polenta, risoto e, churrasco. Suco de uva e vinhos variados. A conversa foi divertida e ele perguntou qual era a importância da Palmira na vida deles e para a festa da Uva, na esperança de complementar a matéria.

O blog quis saber o que eles disseram.

Edson Prado, rindo muito, disse que leria em voz alta a resposta:

_Joga truco? Se não joga, precisa aprender.

Joguei truco com eles. A festa estava ótima.

O blog pediu para que ele guardasse as anotações feitas com a Palmira para o ano seguinte.

4 comentários:

Lídia Borges disse...


Uma crónica em festa na doçura da uva.

Um beijo

Élys disse...

Uma crônica com sabor de uva. Muito boa.
Beijos.

aluap disse...

As vindimas são uma tradição da minha terra e pode dizer-se que é a festa da família e dos amigos.
Esta festa da uva está muito boa e o jogo do truco penso que será o nosso jogo do "xincalhão".
Joga-se com um baralho de cartas, certo?

Abr./Paula

Maria Alice Cerqueira disse...

Boa tarde querida amiga

Amizade é um laço fraterno que vai se conquistando pouco a pouco.
Amizade é um elo de Amor que vai se fortalecendo dia apôs dia.
Amizade requer uma sabedoria toda própria, para que ela cresça e amadureça.
Amizade é um sentimento de Amor que é perseverante nela mesma.
Amizade é um sentimento fraterno entre duas ou mais pessoas, que fazem de um todo para fazer os seus amigos felizes.
Muitas vezes deixam de fazer a sua própria vontade para fazer a do seu querido amigo, só para o ver com um lindo sorriso em seus lábios, que na transparência de seu olhar, sentem que este sorriso vem do fundo de seu coração.
Obrigada por sua amizade.
Por sua linda presença lá meu cantinho!
Por seus amáveis comentários.
Obrigada de todo o coração
Uma linda tarde para você
Abraço amigo!
Maria Alice