VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Um Homem Triste

Um Homem Triste

clip_image002

Aguinaldo tudo tinha, vida boa e confortável, estudos e princípios, elegância e espírito aguçado.

Filho de industriais, buscava no conhecimento o sentido de existência tão magnífica em meio a esse mundo repleto de contradições irrelevantes.

Levantava-se cedo, caminhava nas areias de Guarujá, trabalhava disciplinadamente e à noite, metia-se em estudos existenciais.

O seu pai, preocupado com o filho, que, tendo tudo, não saía para se divertir, era introspectivo e guardava para si todo o questionamento que a sua filosofia trazia, comentou sobre o filho com a esposa.

Houve depois, um dia no qual sua mãe o chamou para conversar.

Aguinaldo, de espírito humilde, contou à mãe que o seu objetivo de vida era estudar a espiritualidade humana. Não queria sair com os amigos, não queria festejar, mas estava bem do jeito em que se encontrava.

A mãe, alvoroçada com a resposta, contou ao marido como o filho pensava.

O pai disse que os jovens quando não tinham o que fazer, inventavam os seus problemas.

Passaram-se alguns anos. Aguinaldo estava com vinte e oito anos, mas com a vida que tinha aos dezoito: não vivia, estudava a vida e os seus porquês.

Era hora do jantar. Pai e filho trabalhavam juntos e jantavam à mesma hora.

Enquanto conversavam amenidades após o jantar, o pai olhou para a mãe, que consentiu sobre o assunto à mesa de refeições, e disse:

_Aguinaldo, você terá que se casar.

O filho sorriu dizendo que não tinha interesse em se casar e que os estudos filosóficos lhe bastavam para viver.

A mãe o ouviu e disse:

_Você está enganado sobre esse assunto. Eu tenho um só filho e a sua obrigação enquanto filho de industrial é ter filhos.

Mais uma vez Aguinaldo sorriu. O assunto não tinha cabimento na vida dele.

A mãe dele repetiu:

_Você se casará em um ano, querendo ou não. Na nossa família todos deixam sucessores, você também o fará.

Aguinaldo surpreendeu-se com o tom da conversa e olhou para o pai.

O pai dele concordou com a mãe dele e disse:

_Você tem um ano para se casar. Lembro que você trabalha comigo e que eu posso te demitir na hora em que eu quiser; sou seu pai.

Aguinaldo respondeu com cinismo, dizendo para a mãe que ela que arranjasse a esposa que se submeteria a esse tipo de casamento.

O pai dele disse para que não desafiasse a autoridade da sua mãe e nem respondesse a ela. Ela tomaria conta do casamento dele.

A partir do dia seguinte a mãe de Aguinaldo procurou a moça que precisava de um filho para amar, nunca um marido a quem confiar.

A proposta que parecia impossível para Aguinaldo era o sonho de algumas jovens, que por sua vez, não acreditavam nos homens mais do que fontes de reprodução.

Por mais que os parentes e amigos pedissem para que o pai e a mãe dele desistissem dessa ideia, houve quem a achasse interessante.

Aguinaldo casou-se e teve o filho, saudável e forte conforme os seus pais desejaram.

Aguinaldo continuava a pensar na existência e a levar a vida que levava enquanto solteiro. Até procurava não incomodar a sua esposa, lendo na sala de estar ou no outro quarto do apartamento.

A mulher, com respeito ao marido Aguinaldo, disse que se ele quisesse poderiam se separar, pois o herdeiro era saudável e ela acreditava que a família dele não o incomodaria mais. Deu a liberdade para que ele levasse a vida que desejava cada vez mais voltada às pesquisas de motivos e porquês da vida humana e os problemas existenciais.

A família de Aguinaldo concordou com a separação, mas no dia seguinte, após a assinatura do divórcio, o pai dele o demitiu e o deserdou.

Aguinaldo ficou sem ter o que comer e foi para uma grande cidade onde poderia desenvolver os seus projetos pessoais.

Toda a cultura dali em diante seria pouca para comer o seu pão num meio inculto, que sempre seria inculto diante de todo o estudo daquele homem. Ainda assim conseguiu dar aulas para sobreviver e conviver com professores.

A espiritualidade se fez guia e viga de uma casa por fazer.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Acho um absurdo esse "mandos" familiares! Cada pessoa tem sua missão, seu dom para desenvolver. Podemos dar pistas, sugestões mas nunca ditatoriais. Em seu conto fica nítida a infelicidade por imposição familiar.
Abraço.

Mª Carmen disse...

Cada cual ha de vivir su vida como quiera aunque los demás no le parezca bien Feliz semana amiga. Bestosss.