VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Faço. Conto publicado em coletânea.

Faço. Faço, pai. Acabou-se a discussão. É assim que a minha vida funciona. Ao ouvir estas palavras da menina que vira crescer, que conquistou estudos, Oswaldo, cirurgião-dentista de 56 anos, se assustou. _ Ana, se você precisar de mim, me avise, me chame. A moça, de tez marfim e 25 anos, jogou os cabelos cacheados e negros para o lado e deu de ombros. Pensou na carreira, na direção que queria para o seu futuro. Tudo que ela quisera até agora, conseguira. Oswaldo, preocupado com a filha, não dormia. Aguardava Ana abrir a porta da sala. _Filha, tudo bem? _Lógico, larga a mão de ficar acordado me esperando, estou bem. Riu-se e foi deitar. A mãe da moça morreu quando a menina tinha 10 anos de idade. Fora complicado criar uma filha única. Oswaldo saia de vez em quando para jogar conversa fora e namorar um pouco. A filha, sabendo porque o pai saia, resolveu ser igual. Não chorava, não admitia fraquezas, a vida era dura e os mais fortes venciam. Cresceu com essa certeza norteando os seus rumos. Aos dezoito, pediu uma cópia da chave da casa, afinal, algumas vezes tinha que esperar o pai chegar e abrir a porta para entrar em casa. _Casa que era da minha mãe, mal ela se foi, ele se achou livre, na verdade, ele não agüenta a ausência dela. Eu senti falta dela, tanta falta, mas estudei em casa. Hoje eu sei que posso o que eu quiser, eu consigo. Não adianta ele vir com conversa fiada. Eu sou a dona do meu mundo, fala com as amigas. As amigas não dizem nada. Ouvem e sentem pena da mágoa guardada. Ela está na faculdade de Direito, faz estágio em um escritório famoso na cidade de Campinas, onde nasceu e se criou. Leva uma vida masculinizada, se veste de calças compridas e camisa social. _Arnaldo, me ligue amanhã, que hoje eu tenho um almoço com um cliente. _João, passe aqui na Sexta que saímos para comentar a defesa. Assim caminhava a extensa lista dos seus colegas. O pai lhe avisou: _Um dia isso ainda acaba mal. Temo por você, uma moça tem que usar um vestido, uma saia, um batom. E as suas sobrancelhas tão grossas, nunca viram uma pinça. _Eu sei bem o que faço, dizia Ana com altivez. Foi o senhor quem me criou, sigo o seu exemplo. _Se me seguir como quer, nunca vai sentir um abraço de um homem. Você não gosta ou não pensa em namoro? _Não é isso. O senhor viu no que deu toda a feminilidade da mãe. O cachorro atacou e ela pediu socorro. Ela tinha que correr e não gritar. O pai ouvindo-a se comoveu e não tocou mais no assunto. Com jeito e devagar, eu mudo as coisas, pensou. Ana continuou com o seu coleguismo com o sexo oposto. Passa o tempo e o pai todos os meses dá uma lembrança, um rímel, uma bolsa, um vale- perfume para que ela vá até a loja e escolha um que goste, para que a filha lembre que é uma mulher, bonita e delicada, além de boa profissional. Ela não se dá conta da transformação porque ainda usa os trajes que prefere, mas a mulher que ali dentro mora, já se manifesta na aparência, no cheiro, nas maneiras. Um fim de semana qualquer de folga, resolve ir até a praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Ela escolheu essa praia porque todos os seus colegas vão a Ubatuba, São Paulo, nos feriados. Não os encontrará no Rio. _É o que ela pensa, minha mãe tem um apartamento no Leblon e vai para lá no fim de semana, comenta João com os rapazes que a conhecem. _ Escuta João, podemos ir juntos? Eu e Fernão não podemos perder isso! Qual de nós ela gostaria, se topasse namorar alguém? _ Se não atrapalharem a rotina da mãe na praia, tudo bem. Foram-se todos para o Rio. A Ana, o João, o Fernão e o Arnaldo. Lá, os rapazes resolveram verificar como Ana estava se saindo como mulher e foram até a praia de Copacabana dar uma espiada sem que ela soubesse, caminhando no calçadão da avenida Atlântica. Ana colocou o seu biquini, uma saia e uma camiseta regata e foi à praia levando uma mochila com bloqueador solar, uma toalha, telefone celular e um pouco de dinheiro para um lanche rápido. Chegou na areia, tirou a saia e a camiseta, estendeu a toalha, passou a loção bloqueadora, deitou-se, pegou o celular e ligou para o pai: _Pai, consegui ser menina finalmente. Acredite pai, estou usando até brilho colorido na boca. _Ufa, salvou-se uma alma do purgatório, divirta-se!, dizia o pai rindo com uma lágrima nos olhos. Os três colegas vendo a cena, começaram a comentar: _Olha lá, não é que ela é mulher mesmo. Cheguei a duvidar, disse o João. _Jeitosa, bonita, mas com uma cabeça complicada, disse o Arnaldo. _Eu vou chegar junto, que é pra mim, disse o Fernão. Os outros não permitiram que Fernão chegasse perto da garota, ele iria. estragar o plano traçado. _Vocês aporrinham, vai ver é por isso que ela sempre foi homem para vocês. É porque ela não sabe que existem homens como eu, um tipo raro e talentoso. _Fica na tua Fernão, disseram os outros. Ana estava na areia sozinha, bonita, branquinha, cara de turista. Um carioca nada bobo puxou conversa: _ O rapaz do camarão frito já passou? _Não, eu nem sabia do camarão, respondeu a moça. _Mas devia saber, porque o sol que aqui bate é para camarão paulista nenhum botar defeito. Ana riu-se, achou-o divertido e ele continuou na paquera, mas foi embora sem falar onde estava, estava sozinha na cidade. Ana saia, os colegas atrás se divertindo. O carioca paquerando, ela gostando do lero-lero. Ele a convidou para uma caminhada. Ela topou. Viu o que não era para ver. Os colegas se esconderam dela. Ficou triste. O carioca percebeu que algo estava errado, pensou que ela vira um antigo namorado e aproveitou para colocar os braços sobre os ombros dela. Os observadores, com inveja do moço, foram ao encontro da moça. Todos os três se disseram amigos íntimos dela. Não era verdade, mas Ana não tinha como provar. O carioca Ricardo caiu fora sem que ela soubesse muita coisa a seu respeito. Voltou para casa decepcionada com os quatro. Contou o que aconteceu para o seu pai, que ficou assaz aborrecido: _Adianta? Me diga se adianta? Todo esse tempo para conseguir me sentir bem comigo mesma, e o que acontece? Tudo arruinado, tudo foi água abaixo. Dizia e pensava nas suas roupas de trabalho, que iria vestir na semana seguinte. O pai, irritado com Fernão, João e Arnaldo, respondeu: _Adianta. Tente de novo. Sozinha. Aprenda. Enfrente. Mostre que você é forte. Não são as roupas de homem que te fazem forte, é a coragem de passar pelo que você passou. Quando você se enfrenta e consegue se superar é que você vence. Que não volte o antigo comportamento que amargurava, que envenenava. Se assuma, quem sabe o futuro? Outros cariocas vão aparecer, ou paulistas, ou do raio que os parta! Eu quero você menina, mulher. Eu não tive um filho homem, eu tenho uma filha mulher que não me envergonha, que eu não quero que se envergonhe disso nunca. Ana chegou ao escritório na Segunda-feira meio sem graça, de saia preta na altura dos joelhos e um blazer vermelho, acompanhando a blusa vermelha, sapatos de salto alto e meias finas. _Bom dia. Os contatos com os colegas advogados recomeçaram. O relacionamento entre eles não voltou a ser o mesmo. Tinha uma jovem entre eles.

Nenhum comentário: