VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Carta para o Google

Curitiba, 18 de fevereiro de 2016

Prezado Google, ontem, durante a entrevista na CNN, o Snowden, contou sobre a invasão de privacidade feita através do iphone, conforme está em outro glogue.
O que eu não sei se está claro, é sobre a citação velada de que o Google pode fazer o mesmo com a webcam dos portáteis, incluindo-se este notebook.
Eu penso que é hora das empresas criadoras dos sistemas de navegação entrarem na discussão.
Parece, de novo, que a teoria da conspiração está atuando e, paranoicamente, criando a sensação de que somos vigiados.
Citaram o terrorismo como causa justificadora do bom motivo. É impressionante como esse medievalismo se locupleta criando problemas para os outros menos medievais que eles.
Permitindo-me expressar em particular, lembra daquele filme do James Bond,:Permissão para Matar, pois, é inventaram agora a permissão para pecar. Os meus chocolates é algo que eu não gostaria que a humanidade soubesse.
O Snowden disse que a regra vale para todo o mundo e que não adianta os EUA pensarem em proteger a privacidade, porque a guerra de informações fará com que outras nações usem essas informações.
O governo americano pensa em proteger a privacidade dos seus cidadãos e dos usuários do iphone.
É estranho pensar que, enquanto escrevo, apareço para vocês.
O Snowden garantiu que isso acontece somente quando é interesse do governo.
Bom, em não se estabelecendo com isso a lei do mais forte, ou seja, quem pode mais, chora menos, ou se for para uso pacífico, quem sabe.
Pensa nisso, por favor Google, em como manter a igualdade de condições entre os cidadãos, com essa nova realidade. Porque, ao contrário, está estabelecida a escravidão digital.

Att, Yayá.
  

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Pois então, Yayá... sinto-me vigiada e dou risada, pois há tanto para se fazer de útil não é mesmo? Que invistam na educação tecnológica, por exemplo.
Abraço.