VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Poema Empurrado

Poema Empurrado

clip_image001

Empurra, oh! Minha vontade,

Todo canto de saudade,

Nem que seja c’oa barriga

Como esmola a quem mendiga.

 

E que vá junto, a verdade,

Que essa cruel curiosidade

Despertou em quem se abriga

A versar sobre o que a instiga.

 

Empurra, oh! Criatividade,

Em seu doer, a validade,

De vir ser nova cantiga

De ninar e, assim, bendiga.

2 comentários:

Augusto Sperchi disse...

Oi Yayá!
Beleza! Que quem pode possa empurrar e vá empurrando e movendo a roda dos desejos e das boas obras. Poema maravilhoso! Abraços!

Célia Rangel disse...

Olhe que admiro e muito "sua Criatividade", Yayá! Não a sinto empurrada, mas alimentada!
Abraço.