VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 12 de abril de 2014

Não Estrague a Festa / Crônica do Cotidiano

Não Estrague a Festa / Crônica do Cotidiano

clip_image002

A moça vai ao teatro pela primeira vez. Presente de amiga. Está vendo roupas e maquiagem para fazer bonito.

_Eu nunca fui ao teatro. Tudo que eu assisti até hoje foi de graça ou em pé.

Perguntada sobre o que iria assistir, ela respondeu que era show de sambista.

Não é justo estragar a festa da moça. Show de samba se assiste em pé, para poder se soltar e aproveitar a festa comendo batatas fritas e tomando refrigerante. O sambista, no palco da praça sabe a emoção do público, interage com o público totalmente solto das amarras do palco.

Ao teatro, para quem é animada como ela é e o show fica pálido por mais que se batam palmas no contratempo da canção. O teatro tem o glamour que a praça não tem. São espaços de tira-gostos lotados e o intervalo não oferece muito tempo para conversas informais.

A amiga ensinará como se comportar finamente em um teatro e, ela está exultante.

Pelo menos ela irá conhecer um teatro.

Ela quer saber como é que é assistir um show de samba, sentada numa poltrona.

Ela toda animada, contando a proeza e eu, quieta.

Outro dia uma professora me corrigiu dizendo que quem sabe mais, fala menos. Não se direciona a expectativa para lugar nenhum nessas horas.

Está certa, a professora tem razão.

_Você está bem?

_Estou.

_Você está tão calada.

Houve shows de samba que valeram a pena a ida ao teatro, mas foram shows históricos como Clementina de Jesus e Mário Lago, ambos na sabedoria de quase oitenta anos de idade.

No mais, dispenso. Outro dia, num estacionamento próximo à minha residência, estava, um homem saxofonista acompanhado de um pandeiro. Ambos ensaiavam uma música baiana antiga e cheia de ritmo. Parei, ouvi e vim para casa, a pé e feliz de tê-los ouvido.

A moça foi convidada, não terá prejuízo caso não goste.

Como é que eu iria contar que cheguei a comprar capa de chuva de plástico para assistir um show de heavy-metal. É verdade, eu sou louca por música.

Para assistir show de samba, sentada, eu precisaria ser doente dos pés. Não é o caso. Por enquanto.

_Hoje você não está de bom humor.

Eu sorri. Eu fui amiga ao não dar palpite.

_Você conhece aquele teatro?

_Não.

_Dizem que é lindo. Também contaram que um convidado foi retirado do teatro porque dois componentes de uma banda anterior não vieram para o show e ele reclamou.

_É?

Às vezes é tão bom chegar a sua casa depois de vencer a vontade de responder todas as perguntas.

Com a consciência tranquila posso dizer que ela assistirá a um show num teatro com todas as expectativas e sem interferência.

Espero sinceramente que ela goste do teatro e que não pense nos shows que ela assistiu ao ar livre. Teatro tem cenógrafo, iluminador, apresentador formal, algo de novo ela há de conhecer.

Boa sorte!

Nenhum comentário: