VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Transformação

Transformação

clip_image002

A casa me transformou

E dei razão ao que não tinha

Sequer pensado que sou,

E varro os ramos da vinha.

 

A solda que mergulhou

No plástico virou guia,

Borracha que se apagou

No anteontem em chama e linha.

 

Então minha alma zombou

De mim e da pronta sina

Fixada em algum bistrô;

Correu e se mostrou numa esquina.

 

À frente se desdobrou,

Mantendo-me com sombrinha

Na chuva que se formou;

Protege-me a sombra minha.

11 comentários:

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei muito do seu poema.Há dias
alguém (director do Teatro D.Maria II)
dizia que as pessoas lêem cada vez
menos poesia...Como se pode dizer
isso se cada vez há mais blogues
com poesia e mais livros de poesia
publicados. Não consegui entender.
Tenha um bom fim de semana.
Beijinhos
Irene Alves

✿ chica disse...

Cada vez que passo aqui, uma nova linda poesia me espera.Transformaçõos acontecem, temos que saber vivê-las...beijos,lindo fds,chica

Luís Coelho disse...

A vida vai-nos ensinando coisas que os livros não apresentam e a nossa casa é muitos dias nossa testemunha das nossas mudanças.

Eloah disse...

Querida, adoro passar por aqui.A singularidade dos teus poemas encantam.Vida é movimento e transformação constante, e nós nesta roda vida acompanhamos.
Tenha um lindo domingo.Bjs Eloah

Lourdes disse...

A vida está sempre em mudança mas a sua poesia é sempre bela.
Beijinhos
Lourdes

Lau Milesi disse...

Lindo poema! As transformações quando alcançam a nossa alma, acabam nos protegendo.

Um abraço e um bom domingo!

aluap disse...

Tudo na vida se vai transformando, já assim dizia Camões: “mudam-se os tempos, muda-se a vontade, este mundo é composto de mudança…”.

Votos de um excelente fim de semana.

Marly Bastos disse...

A vida passa e descobrimos que vamos nos transformando, seguindo a lida, a alma menina, o corpo envelhecido...
E nesse passar do tempo, descobrimos que somos protegidos pela nossa experiência.
Não sei se foi isso que escreveu, mas remeteu-me para a nossa vida e o que vamos arrebanhando de experiência pelo caminho... No fim contamos somente conosco mesmo, somos nós e nós mesmos.
Beijokas doces Yayá.

Elisa T. Campos disse...

Yayá

Sempre há uma sombrinha para nos proteger.

bjs.

Pérola disse...

A casa num sentido tão lato.
Muito íntimo!
Um beijo.

Imaginário disse...

É uma delícia ler seus versos. Você cuida muito bem das palavras e nos ajuda a conhecê-las. Focê faz Arte.
Obrigado.
Gilson.