VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Uma Aula de Amor – O Romantismo

Uma Aula de Amor clip_image002

O Romantismo

Inicia-se o ano letivo e a professora se apresenta à nova turma de alunos:

_O meu nome é Maria Cristina, sou a professora de literatura brasileira. Procurarei fazer de nossas aulas algo agradável e sem matéria para decorar. O meu objetivo é que vocês aprendam através do entendimento e do questionamento. Darei ênfase ao período romântico porque penso que vocês aprenderão mais facilmente e, que vocês precisam discutir o amor.

As garotas suspiram e os meninos protestam:

_Não sei se quero assistir. Ela nem começou e avisa que a aula será “sacal!” (gíria que significa algo aborrecido e enfadonho).

Eis que começa o 2º bimestre e o capítulo Romantismo está agendado.

_Em primeiro lugar eu peço gentilmente aos homens da sala que não se retirem antes da exposição da matéria. O romantismo matou muitos jovens e foi também a época da epidemia da tuberculose. Os jovens se entusiasmavam e passavam as noites acordados ou escrevendo ou nos encontros estudantis e tomavam friagem; os jovens estavam propícios às doenças com as atitudes de desrespeito à epidemia. Foi uma barbaridade para os familiares desses jovens, um sofrimento desnecessário a toda uma geração.

Os garotos se endireitaram e mudaram a postura em relação à mestra.

_No que tange às garotas, peço que suspirem menos e prestem atenção. O romantismo começou no final do Arcadismo. Saliento que a história e os costumes de uma época são retratados em poemas e saliento tendo em vista o poeta Tomás Antonio Gonzaga.

Tomás Antonio Gonzaga foi um dos inconfidentes mineiros, conforme aprendemos na aula de história. Mas um homem não vive somente o lado prático da sua vida e, a literatura, apresenta o seu lado poético e afetivo. Antes de se tornar um inconfidente mineiro, ele se encantou com uma jovem de nome Dorotéia Joaquina de Seixas e essa jovem, era 20 anos mais jovem que ele. Para se aproximar da jovem, ele antes conquistou a confiança da sua tia, chamada Genoveva, que se encantou com ele e aceitou que ele namorasse a sobrinha. Ocorre que o casal estava às vésperas do casamento quando Tomás é preso, sendo mais tarde degredado para Moçambique. Em Moçambique, ele as casa e tem dois filhos. Acontece que Dorotéia ficou esperando que ele voltasse e, o que veio, foi a notícia do seu casamento e o livro com os poemas de amor inspirado no amor deles, com os versos de Dirceu à Marília. Dorotéia morre logo em seguida sem jamais reencontrar o amor o seu amado. Alguns versos da Lira primeira:

“Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
que viva de guardar alheio gado,
de tosco trato, de expressões grosseiro,
dos frios gelos e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal e nele assisto;
dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
das brancas ovelhinhas tiro o leite,
e mais as finas lãs, de que me visto.
Graças, Marília bela.
graças à minha Estrela!”

Prossegue a mestra:

_Minhas queridas alunas, peço que não matem o seu Romeu, o qual eu não discuto porque ele está na literatura estrangeira e não faz parte do currículo escolar. Eu me entristeço pela Dorotéia sinceramente. Cabe a vocês evitarem esse destino, não se envolvam com homens com idade para serem o seu pai, muito menos na idade de vocês.

As garotas estão tristes pela Dorotéia e os garotos, surpresos com o desfecho da história.

Dona Maria Cristina ingressa no romantismo propriamente dito com Gonçalves de Magalhães e a exaltação à natureza:

“Baliza natural ao norte avulta
O das águas gigante caudaloso,
Que pela terra alarga-se vastíssimo;
Do oceano rival, ou rei dos rios,...”

O romantismo está presente nos nossos dias, verifiquem nos jornais e revistas se não existe uma exaltação por demais grandiosa ao tema. Literatura é para ser pensada, meus queridos.

E, de Gonçalves a Gonçalves Dias, o poeta da Canção do Exílio, que de tão bela, teve os seus versos incluídos na Canção do Expedicionário; hino pátrio, o amor à pátria se inclui num momento romântico: “Não permita Deus que eu morra sem que eu volte para lá”.

Prossegue a aula:

_Vamos falar de amor romântico novamente. Alvarez de Azevedo: Para entendê-lo temos que observar o contexto em que ele se insere. Aos dezenove anos, tuberculoso, uma doença que motiva a inspiração e atormenta o seu espírito. Nessas condições de saúde o pensamento sobre a morte é constante e se reflete na maioria dos seus poemas. Mesmo nos dias em que se sentia melhor e quando incluía outros temas à sua poética, a doença estava dentro da poesia. Ouçam vocês os versos do poema Anjinho:

“Não chorem! que não morreu!
Era um anjinho do céu
Que um outro anjinho chamou!
Era uma luz peregrina,
Era uma estrela divina
Que ao firmamento voou!”

São versos irônicos, relativos a si mesmo, eles eram anjos a voar, ele e a sua amada.

Concluo que o amor romântico entre homem e mulher não morre e, se o amor não morre, porque deveria o poeta morrer de amor? A melhor maneira de enfrentar o amor é viver de amor, esse é o amor que os poetas deveriam ter em mente. Respeitemos os contextos de cada poeta e as suas reflexões.

Para encerrar, gostaria que lessem em voz alta o poema Amar e Ser Amado, de Castro Alves, também um romântico, mas positivo:

“Amar e ser amado! Com que anelo
Com quanto ardor este adorado sonho
Acalentei em meu delírio ardente
Por essas doces noites de desvelo!
Ser amado por ti, o teu alento
A bafejar-me a abrasadora frente!
Em teus olhos mirar meu pensamento,
Sentir em mim tu’alma, ter só vida
P’ra tão puro e celeste sentimento
Ver nossas vidas quais dois mansos rios,
Juntos, juntos perderem-se no oceano,
Beijar teus labios em delírio insano
Nossas almas unidas, nosso alento,
Confundido também, amante, amado
Como um anjo feliz... que pensamento!?

13 comentários:

Valéria Sorohan disse...

Coisa bonita de se ler, amiga.

BeijooO'

Érika Freire disse...

Nossa, amei! Muito criativo, parabéns!

Simone MartinS2 disse...

Boa noite, obrigada querida por tuas visitas em meu blog.,estou melhor e voltando aos poucos, gosto daqui e talvez nao entre tanto agora, mas sempre estarei presente quando puder...Bjin e fique com DEUS!

Amor e outros delírios disse...

Sou professora de Literatura e achei mto interessante mesmo. Literatura é mesmo um espelho da realidade, da história. E como serão daqui a alguns anos retratados, eu me pergunto, o amor nesse era de MSN, twitter, facebook? rss... dava um texto!
Beijos da Marie

Severa Cabral(escritora) disse...

Minha querida e amiga!
as pessoas não se tornam especiais pela maneira de ser ou agir,mais sim,pela profundidade com que atingem nossos sentimentos.

FELIZ DIA DO AMIGO!!!!!!!!!!!!!!

Jopz_B1B disse...

Um texto com muito capricho assim na criaçaõ dá gosto de ler.

JOPZ

Majoli disse...

Nossa, adoro te ler, consegues prender minha atenção, e quando acaba, queria mais, pois não é cansativo teu jeito de expor fatos.
Amei ler sobre o romantismo dessa forma diferente.

Parabéns!!

Feliz Dia do Amigo!
Beijos com carinho.

Universo Paralelo disse...

Lindo texto, afinal amar e ser amado é ter muita sorte mesmo,feliz dia do amigo para ti, beijos

Mª Carmen disse...

Muy bonita entrada, el romanticismo en estos tiempos está en decadencia, me gustaba aquella época en que estuvo en pleno apogeo. Besitos amiga.

Van disse...

Acabei tendo uma aula de Literatura, esta professora é boa mesmo, nos prende a atenção na aula.

Essas histórias de amor com finais trágicos nos atraem,o amor deveria ser alegre, mas como faz parte da vida...e a vida nem sempre o é.

Feliz dia do amigo!

Beijos!

Luís Coelho disse...

Foi uma verdadeira aula de romantismo e pelo que me pareceu, a professora conseguiu agarrar toda a turma.

Introduzi-os num tema demasiado importante da literatura mas também das suas vidas pessoais.

A literatura tem que ser pensada....

Drisph disse...

Olá!
Que bom encontrar aqui, pessoas que se importam com a leitura, aqui também estou na luta, tentando mostrar o meu trabalho, sou uma nova autora; tenho um blog que divulga os livros de novos autores como eu; fazemos sorteios todo mês de nossos livros, e convido-a a participar desta marcha, já que as grandes editoras nos chamam de pequenos ainda, por estarmos no anonimato, então a iniciativa foi reunir forças e darmos as mãos para juntos difundirmos aquilo que somente nós podemos fazer pela gente.
Para participar do sorteio, basta seguir o blog e me deixar um comentário, se puder, votar na enquete.
Queria contar contigo para ajudar-me a difundir este aspecto.
Já estou seguindo-a.
Um beijo e obrigada pela atenção e pelo espaço.

Eliziane disse...

LIndo! Adorei! BJs,
Eliziane
www.genuinoblogdaeli.blogspot.com