VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Ingenuidade

Ingenuidadeclip_image002

O moço do amendoim

Avisa que a fornada

Está chegando ao fim

Aos ares da animada.

 

A malta foi mesclada

Nas voltas do carmim,

De versos encantada,

Que iludem a ti e a mim.

 

Passou suave esse ínterim

E foi-se o trem na esteada;

Na turba do alecrim

Não sobra um na passada.

 

Os fogos de festim

Enfeitam a encerrada

De luzes ao jardim

Na chuva iluminada.

21 comentários:

Aclim disse...

Belíssimo...BJS

Simone MartinS2 disse...

Boa noite, gosto muito do teu jeito de escrever, muito sussinto e jeitoso, brinca sempre com as palavras e as rimas e fica maravilhoso! bjin

Célia disse...

Há sempre uma surpresa em cada poema seu! Encanta-me! Abraço, Célia.

Luís Coelho disse...

Um poema simples de palavras que fazem um musical, assim como o vendedor de amendoins que os pretende vender todos até ao fim.

Marina-Emer disse...

Feliz primeros de julio…es un
Placer pasar por tu blog y leer
tu hermosa entrada …
con mi gran afecto y admiración
un abrazo .
Marina

Jorge disse...

Obrigado pelo ânimo que me dá. Estes versos são uma delícia!

нєllєи Cαяoliиє disse...

Yayá,
Simples,porém doce e delicado seu poema!
Um beijo,lindo fim de semana pra ti!

Armando Pinto disse...

Passando por este espaço acolhedor, sinto bem estar indescritível, na paz de espírito e inspiração que dão extensão à vida.

Coloquei já na barra do meu "Lôngara..."
Obrigado por seu comentário e visita.

Uma curiosidade, se possível: Tem alguma ligação afectiva com a região Norte de Portugal? É que até parece.

Obrigado e vamos manter estes elos, apesar da diferença editorial de nossos blogues, mas a diferença é que compensa!

* Verinha * disse...

Muito lindo poema Yayá!
Um beijo em seu coração e um lindo fim de semana para você!

Verinha

Artes e escritas disse...

Armando, consta que alguns dos meus antepassados vieram da região de Alhos em Portugal.

► JOTA ENE ◄ disse...

ººº
Passei, li e digeri a tua poesia...

Esther disse...

irei sê-lo, obrigado querida Yayá

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

simplesmente lindo! Ingenuidade e pureza juntos.
Beijokas Yayá.

Rebecca disse...

hola Artes,
da mucho gusto venir a visitarte y poder leer tus versos, me deleito contigo aqui en tu espacio. Y la imágen de los maníes! con lo que me gustan ellos!

un abrazo carinoso^^

Peônia disse...

Maravilhosa ingenuidade essa!

Beijo.

Vera Lúcia disse...

Muito lindo Yayá.
É quase uma cantiga.
Um ótimo fim de semana para você.
Beijo.

Simone MartinS2 disse...

Boa noite, passando para te pedir um favor, pode ser? Então...voce pode me fazer um favor? Entre no meu http://meumodosuavedeescrever.blogspot.com, la voce clika num selinho "TROVADOR LIRICO", vais entrar no blog.OSTRA DA POESIA, tem uma porta marrom, que abre e fecha, entre nela e veras meu poema: O poeta...seus rabiscos...agora, va no final da pagina e envie uma mensagem votando no meu poema, pronto! Obrigada e sempre estarei a te visitar...BJIN em seu coração!

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Yayá,
que mimo de poesia...
é mesmo nas coisas mais simples,
ingênuas, que a gente encontra o
que há de mais belo.
Aqui,é um dos portos.
Beijinhos
Lúcia

Rosangela disse...

Belas trovas Yayá! Bj grande!

Acácia Azevedo Studio Pottery disse...

Parabéns Yayá, sempre inspirada e inspirando, suas palavras encantam! Beijos e lindo domingo! A.

Lindalva disse...

Olá amiga...vim firmar que teu voto foi computado com sucesso para o pena de ouro... Beijos e afagos no coração! E ai não queres participar da segunda fase do Pena? aguardo uma poesia tua em meu email :-)