VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Carta do Seu Pai Para Você, porque as melhores mensagens de natal são desconhecidas…

Carta do Seu Pai Para Você

clip_image002

De: Wilma

Para: Leondi

Data: 13/12/2012

Prezada conhecida Leondi,

É estranho que o seu pai tenha deixado esta carta comigo, tendo em vista que não conversamos pessoalmente, conheci o seu pai de vista, ao comprar pães na padaria ao lado da empresa dele.

Naquele dia choveu e eu vim de táxi para casa. O motorista disse que dificilmente seríamos amigas pelas coincidências em nossas vidas: ambas as moças bonitas, inteligentes e bondosas, frequentadoras dos mesmos ambientes e conhecedoras das mesmas pessoas.

O seu pai pediu ao motorista do táxi que me entregasse esta carta com a história a seguir:

“Filha, eu sou generoso e a origem da minha generosidade é o conhecimento do ser humano, do amor e da ganância em torno das pessoas influentes, como o personagem em que eu me transformei. Certa vez demos uma festa belíssima e não excluímos nenhum dos nossos amigos da festa.

Eu estava tão feliz com aquela festa que peguei o nosso automóvel importado e estacionei em frente à casa do amigo Honório; desci e entreguei o convite em mãos. Honório ficou tão comovido com o convite que o mostrava aos seus amigos, dizendo da minha bondade e fineza.

A moça que está com a carta agora viu o convite. Eles vieram à nossa festa. Alugaram roupas e se deslumbraram não aquele deslumbramento pelo luxo, mas aquele deslumbramento do coração que enxerga a alma do outro no bom tratamento dados não apenas a eles, mas a todos os meus convidados. A carta está com ela para provar que ambas pertencem ao mesmo ambiente, mesmo quando caro e mesmo quando humilde como é o caso do Honório.

Se você está recebendo esta carta agora, você não ouviu o meu motorista tentou te dizer por que o táxi que ela pegou foi alugado por mim. Não imagine que eu te deixaria alguma mensagem, sem pensar em você com amor, sem pensar na sua mãe e nos cuidados que ela teve com você por toda a vida.

Você não ouviu igualmente o nosso querido Amadeu, o meu estimado bajulador de plantão 24 horas. Ele é inteligente e generoso, mas é preciso entendê-lo e você não suporta lambe-botas. Saiba, o nosso lambe-botas é o melhor e mais qualificado para a função que exerce na empresa. Ele é lisonjeador por natureza, é a maneira dele; espero que um dia você alcance esta compreensão que mostra que o puxa-saquismo pode ser uma qualidade. Não conseguiria terminar a mensagem se começar a elogiar este meu funcionário, ele é o meu sorriso nesse antro de pessoas apenas competentes.

Eu te dei o melhor e temo que a escola tenha te bitolado. Todos nós temos a nossa religião, a nossa doutrina política e de cidadania, os nossos costumes; não podemos nos deixar dominar pelos interesses estranhos que permeiam os diversos ambientes que frequentamos. Pergunte ao Arlindo, o lambe-botas como é que se faz. A verdade é que eu nunca mandei nele e, nem assim, ele deixou de ser excelente para nós. Com ele aprendi que se pode ficar de joelhos numa reunião informal para servir um copo de água. Nunca tome um coquetel Alexander (aquele coquetel para moças bem educadas, permitido em raras ocasiões) perto dele. Ele te fará de gato e sapato, te ensinará que não se deve beber falando aos seus ouvidos como se fosse seu amigo íntimo. Pobre do meu diretor, que passou por isso, bebendo um destilado importado, nunca me divertiu tanto, mas ele mereceu o constrangimento.

Minha filha amada, você me causa preocupações. A rigidez das escolas não combina com a educação que eu te dei dentro de casa.

Essa carta não pode ser melhor, porque está entregue através do meu motorista à moça que tem uma vida semelhante à sua, mas não é seu espelho.

O que eu quero te pedir é que você tenha a paciência de reler os livros que eu te recomendei na juventude e se, puder, leia os livros pelos quais eu pautei os negócios da família. Por favor, filha, leia os livros que eu li e se ambiente para sentir a minha realidade quando fundei a empresa.

Saiba que a moça que te escreve está sendo generosa como eu esperava que ela fosse, se um dia fosse preciso. Esse dia, pelo visto, chegou.

Desejo que você seja feliz, tenha um lindo final de ano, mas leia os livros que eu recomendei, afinal, sou seu pai.

Beijos a você, minha querida Leondi. ’

Assinado: Leonildo

Nenhum comentário: