VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 4 de junho de 2011

Recanto

Recantoquadro 1

O lago circundado por casas,

Bucólica paisagem no quadro

Do canto da vivenda sem asas,

Retorna ao seu lugar restaurado.

 

O verde desbotado são as algas

Que sobram descuidadas no pálido

Lugar; são desbotadas análogas

Às tintas removidas com tato.

 

Cristal que se ilumina nas claras

Correntes; barcas-novas de um lago

Brilhante, de janelas de esquadro

Que, belo, são projetos das traças.

10 comentários:

M@ria disse...

Saudade
é trazer para dentro do peito
o que deveria estar
ao alcance dos olhos.

Lou Witt

Beijos na alma e coração...M@ria

Amor feito Poesia disse...

Cada dia que de presente recebemos
É mais um sonho que temos
De ver o sol para todos brilhar
Neste universo nos dado para amar.

Ataíde Lemos

Feliz Semana...Beijos meus! M@ria

* Verinha * disse...

Olá!.. Passando para lhe dar as boas vindas!
Muito gostoso este seu cantinho e os poemas são muito encantadores.. Parabéns!

Uma beijoca em seu coração..
Verinha

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

Esse poema é coincidentemente a descrição do filme “ A casa do lago”

Zélia Gadelha disse...

Adorei o poema! Fechando os olhos é possível imaginar esse lugar bucólico e mágico... Me encantei com sua arte e escrita... Voltarei! Bjusss

Lilian disse...

Tu riconcito se convirtio en mas magico aun
querida Yaya !!! , es tan placentero leerte
amiga !!!
Besitos .

Cristina Lira disse...

Tudo por aqui é mui lindo..
Bjos eboa semana...

Nina Pilar disse...

Um poema que é cheio de beleza nostalgica.

e um blog que é lindo, suave como o voar das andorinhas.
gostei muito, da suave presença do amor.
beijo

F.H.Canata disse...

Olá Yayá!

Seu poema me faz lembrar de lugares e coisas da minha infância, e voltar as lembranças, me deu um pouco mais de acalanto neste domingo de ventos fortes!
Lindo Poema!

Abraços;
Canata

Débora Andrade disse...

Mais um belo poema!

Beijos,
Débora.