Lugares Bonitos

Lugares Bonitos

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

sábado, 31 de março de 2012

Arcano do Lar–Indriso

Arcanoclip_image002do Lar

Vontade, não se deixe levar!

Não agora que te sei planejada

De encanto na folha a flanar.

 

Demora nesse imenso girar

Enquanto não clareia a madrugada,

A fim da vibração não pausar.

 

Zelando por mim nessa invernada,

 

Perfeita nesse arcano do lar.

sexta-feira, 30 de março de 2012

A Terceira Reportagem

A Terceira Reportagem

clip_image002

Nota da autora: Para quem não leu as duas primeiras, e ficarem com vontade de ler as reportagens, elas se encontram no arquivo do blog.

O repórter chama-se Edson Prado e agora tem alguns anos de experiência, comete menos gafes e vamos à história:

Pensando no setor de microempresários, o jornal pede ao repórter que vá ao Bairro da Moca, São Paulo, para entrevistar o dono de uma padaria.

Edson se dirige até a Moca e pergunta entre os comerciantes qual a história mais interessante daquele lugar entre os microempresários. Conta da reportagem a ser feita e da necessidade da história chamar a atenção do público leitor para o lugar comum, que todos conhecem, mas que pode ser diferente em algum aspecto e valha a pena ser lida.

Os comerciantes indicam a panificadora do Lisandro e pedem ao repórter que ele mesmo ouça o que o outro tem a dizer. Eles desejam o retorno do leitor, seja ele quem for, porque é um fato que acontece a alguns comerciantes e parte deles abre falência; até hoje não se descobriu o motivo.

Edson se apresenta a Lisandro e pede o resumo da sua vida como panificador.

_De fato, a minha história é curiosa. Eu tive uma padaria em um Bairro de moradores pobres e, embora os meus pães fossem muito saborosos, os habitantes do lugar preferiam comprar os pães no supermercado porque o dinheiro deles era justo e os cinquenta centavos a mais cobrados pelo quilo de pão pesava no orçamento. O que eu fiz? Aprimorei as minhas habilidades se confeiteiro, nas massas de pão e salgados. Confiante na qualidade de tudo o que poderia produzir, passei o ponto comercial a outro comerciante que vendia frutas e verduras diretamente do produtor e a preços acessíveis a eles, aluguei um ponto comercial perto do Pacaembu por dois anos e montei a padaria que eu desejava com doces crocantes e recheios cremosos, salgados assados de alto padrão, etc. Aconteceu que a panificadora foi tão bem que o lucro pagou o investimento em quatro meses. Filas se formavam desde a frente da porta de entrada do estabelecimento e os consumidores não se importavam de pagar mais vinte ou cinquenta centavos a mais levando em consideração a qualidade do sabor dos produtos ofertados a eles. Eu sorria de orelha a orelha e levantava-me às quatro da manhã com alegria, mesmo em dia de chuva. Parecia que tinha feito o negócio perfeito. Passaram-se dois anos e chegou a hora de renovar o contrato de locação. O dono morava próximo ao local e via o meu negócio bem sucedido. Foi aí que decidiu dobrar o valor do aluguel. Eu tentei negociar com ele e disse que as vendas iam bem, mas o aluguel em dobro comeria o negócio. Eu vendia pães, não ouro. Nesse ínterim apareceram moradores da região reclamando que a fila era grande e que os carros dos fornecedores de farinha, de refrigerantes e de produtos resfriados estacionavam em local apreciado pelos moradores e que atrapalhavam a livre movimentação no lugar. Eu tentei negociar com o locatário e disse aos moradores que poderíamos rever os locais do estacionamento dos fornecedores, mas foi em vão.

O repórter interveio e perguntou se ele ao invés de reclamar, havia se retirado do Bairro e perdido o negócio.

_Bom, foi um decisão difícil. Com o dinheiro que eu ganhei e que não era pouco para o ramo, eu poderia comprar uma loja em outro local menos valorizado. No entanto, se eu pagasse o aluguel desejado, eu perderia o lucro futuro e veria o meu negócio em franca decadência, fazendo do meu comércio a fortuna do proprietário do lugar. Dinheiro, em si mesmo, não serve para nada, então avaliei sobre a quantia armazenada no banco que serviria para realizar melhoria das instalações originais tendo em vista o público crescente e exigente. Eu me retirei do lugar bastante aborrecido quando comprei esta loja. Logicamente dei folhetos de propaganda com o novo local da panificadora, mas no fundo eu sabia que ninguém se deslocaria de um bairro a outro para comprar pães.

Edson pediu a ele que concluísse a sua experiência.

_Certo dia, antes de fechar a loja definitivamente, apareceu um freguês e me perguntou o porquê da minha decisão. Eu desabafei e conversei com ele sobre os problemas do Bairro. Disse que não me arrependia de ter me instalado ali, mas que eu saia magoado com o final do relacionamento. Era comércio, mas até então eu não havia presenciado tamanha mesquinharia. O freguês aproveitou e se queixou do lugar, mas era proprietário de apartamento residencial naquele lugar e também pagava caro por comportamentos que não eram os seus. Pão se faz com carinho, mesmo com as máquinas que possuo. Este lugar é bom para os negócios, talvez porque eu seja o proprietário do espaço físico que ocupo. Fazer sucesso rápido sem a infraestrutura necessária para aguentar a pressão da demanda não é bom. Devagar se consegue fazer melhor.

O repórter, fascinado, o cumprimenta e deseja sucesso a nova panificadora. Promete que irá fazer o possível para conseguir informações e orientações a todos que conseguem atingir o sucesso dos lucros antes do desenvolvimento profissional adequado a situação. Compra alguns pães e ganha alguns doces para levar à redação do jornal, gentileza do homem que sabia o que produzia. Conseguira pauta e matéria para uma semana.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Horizonte

Horizonte
clip_image002
Se a linha do horizonte
Disser o que deseja
Do etéreo, que então conste
De um livro esta proeza.

O ocaso atrás do monte
Hasteia a delicadeza
À vista, nessa ponte.
Mutante que viceja.

Com ela há quem a sonde
Na próxima estranheza
Retrátil nesse azougue
Do céu que assim se enseja.

Porque o dia de Aqueronte
Findou nessa beleza;
E a imagem que demonstre
Porque linha tão sobeja.

Investigando o email e descobrindo a autoria

Ninguém se segura na hora da investigaçãoAlegreAlegreAlegre

 

SOBRE A CURITIBA DOS BONS TEMPOS

Março 2012

PARA QUEM É DE CURITIBA OU MOROU NAQUELES BONS TEMPOS....

MUITO BOM, FANTÁSTICO.....

A gurizada de hoje não sabe o que é.
Fechou a Curitiba onde eu vivi
Só não fechou este meu tempo de guri.

Viu, guria !
Saudade da Curitiba dos meus tempos de guri.
Das partidas do “bete-ombro”.
Do jogo de tique.
De pular corda e amarelinha riscada de giz na calçada.
Do jogo de búrico ( bolinhas de gude, de vidro…)
Fidusca em pó, Maria Bodó.
Dos treinos no campinho com as bolas de “capotão” da Casa Walter.
Saudade do jogo do bafo com as Balas Zequinha.
Tinha Zequinha Médico.
Zequinha Radialista.
Zequinha Motorista.
Zequinha Papai Noel ( a mais difícil, quase não saía ) .
Tinha até Zequinha Ladrão.
As figurinhas embrulhavam aquelas balas ruins, que ninguém chupava,

mas que divertiram muito a piazada.
No jogo do bafo era proibido cuspir na mão.

Dos balões de São João que iluminavam as noites frias da Curitiba

dos meus tempos de guri.
Era Balão Caixa, Balão Mimosa, Balão Cruz.
De todos os tamanhos e de todas as formas.
Tinha uns grandes,

tão grandes que até os bombeiros vinham ajudar na hora de acender a tocha.

Os soldados vinham, erguiam a escada, seguravam a copa,

o baloeiro acendia a tocha, o fogo ardia e o balão subia,

espargindo parafina incandescente sobre a Curitiba dos meus tempos de guri

( nunca ouvi falar que um balão tivesse provocado incêndio! ).
Das raias ( pipas, pandorgas ) que esvoaçam pelos campos da Galícia.
Éramos felizes os piás de Curitiba.
Espremidos nas calças curtas os piás e as meninas

nas suas saias de sarja azul marinho,

toda pregueada, como mandava o uniforme escolar,

levavam para a escola um punhado de bolachas Duchen e meia garrafa de Capilé.
Às vezes, Crush ou Mirinda.
Quando não, um suco de uva Grapete.
Ou gasosa de framboesa da Cini.
Prá variar, Minuano.
Tinha uns que levavam Bidu-Cola ou Guaraná Caçulinha, com bolacha Maria.

Aos domingos, faceiros, no terninho de marinheiro da Maison Blanche,

iam à matinada
do Cine Ópera para ver Tom e Jerry.
As meninas, gabolas, enfeitadas em suas saias godê,

da Joclena,

e blusinhas da Mazer,

uma loja infantil ao lado da Gomel, na Praça Tiradentes.
A Maison Blanche era de meninos.
A Joclena e a Mazer, de meninas.
Para os sapatos tinha a Cirandinha.
Piá nenhum admitia vestir o tal de brim coringa não encolhe,

aquele tecido azulão grosso,

especialmente para macacão de mecânico,

que hoje chamam de jeans.
As meninas vestiam tafetá ou veludo, também em festas,

os vestidos godê ponche feitos de organdi suíço.
Os meninos, terninhos de casemira.
Quando muito, camisa Volta ao Mundo e calça de Tergal.
Piás felizes chutando bola,

descalços,

sobre as rosetas dos campinhos por todos os lados.
Esse tempo acabou,

assim como acabou a Modelar,

a Casa Rosa,

a Casa Vermelha,

a Casa Sade.

Não tem mais a Casa da Sogra do Aron Ceranko, presidente do Ferroviário
(que também não existe mais).
Não tem mais a Casa da Pechincha.
Desapareceu o Louvre do Kalluf .
Cadê seu Jamil e seu Miguel e a Capital das Modas?
Não tem mais a Casa das Meias do telefone 66-6666,
nem o 444 da Barão.
A Casa Edith, acredite, ainda tem, mas os chapéus Prada não vende mais.
E a Três Coelhos, em que cartola se meteu?
Não tem mais Móveis Cimo.
Já não se ouve mais o apito da Fábrica Lucinda.
Mudou a Casa Feres, pequena por fora e grande por dentro .
As Casas Lorusso, suba que o preço desce , também desapareceram.
Fechou a Casa Dico – Fique Rico comprando na Dico -
A Joalheria Pérola, do Kaminski,
a Importadora Americana, do Marcos Salomão Axelrud,

que vendia o Simca Chambord e o Simca Rally.
E as casas da Uda e da Otília ?
Desapareceram o Frischmann´s Magazine,
assim como o Chocolate Basgal, da Tiradentes.
Não tem mais a Tarobá, do Pedro Stier,

em cujas vitrines o pioneiro Nagib Chede exibiu o primeiro programa de TV do Paraná,

projetado diretamente do último andar do Edifício Tijucas.
E o povo encantado via o Jamur em preto e branco, contando as notícias do dia.

Não tem mais o Cine Curitiba

onde os piás trocavam gibis do Capitão Marvel, pelos X-9 do Monte Hale.
Cadê o Cine América,

o Palácio,

o Broadway,

o Avenida,

o Ribalta,

o Oásis,

o Rívoli,

o Vitória,

o Curitiba,

o Marabá,

o Luz,

o Arlequim,

o Ritz.
Até os filmes do Morguenau e do Guarani chegaram ao fim.
Acabaram as matinês do domingo à tarde.
Se você aprontava durante a semana lá se ia a matinê de domingo.
Era ficar na janela vendo os amigos irem, com um monte de gibis embaixo do braço.
Lembram que quando o mocinho beijava a mocinha

todo mundo fazia barulho com os pés no assoalho de madeira do cinema?

Não tem mais o bar Pigalle
Nem o Massalândia Roma, do seu Francesco D'Angelis, ali na praça Osório

E o Lá no Luhm, da Barão?
E a Charutaria Liberty, na esquina da XV com Monsenhor Celso, para onde se mudou?
O Hermes Macedo – do Rio Grande ao Grande Rio – que rumo tomou ?
E o Prosdócimo ?
Não vejo mais as Óticas Curitiba, dos Irmãos Barbosa.
Onde foi parar a Casa Nickel, que vendia Chevrolet ?
Desapareceram a Casa Londres e a Ottoni.
O Lord Magazine,

onde se comprava o esporte-fino para ser exibido

nos chás-dançantes de Medicina e Engenharia.
A Slopper também acabou.
Mesmo fim levaram Calçados Clark, Lojas Ika e Pugsley.
Acabou-se o Café Alvorada do Senadinho.
Fechou o Ouro Verde, onde nasceu a Boca Maldita.
Nem Café Marumby, nem Café Piraquara tem mais.

Apagou-se o neon da Caixa Econômica, na Praça Zacarias,

com as moedinhas correndo e caindo no cofrinho.
E a Farmácia Minerva,

que vendia Zig e Mercúrio-Cromo

e também pasta Kolynos, creme dental Eucalol e sabonete Lifebuoy.
Será que ainda existe o Talco Ross ?
E o Rum Creosotado ?
E Auricedina?
E a Pomada Minâncora?
E o Vinho Reconstituinte Silva Araújo?
E o Regulador Xavier :
número 1 excesso
número 2 escassez
E Antissardina

( o segredo da beleza feminina ).
E o Creme Rugol.
E as Pílulas de Vida do Doutor Ross – fazem bem ao fígado de todos nós – ?
Nem a Stellfeld, do relógio de sol sobrou,

com suas prateleiras repletas de Cibalena, Varamon e Cafiaspirina, Glostora e Gumex.
Só o relógio de sol resistiu, como a testemunhar os meus tempos de guri.

Saudades do time infanto-juvenil do Juventus

o moleque do Batel

do técnico Tuca , do Sabá, dos Cava, do Tonico, do Paulinho,

dos irmãos Popadiuk, do Roberto italiano ...

No Edifício Azulay ficava a Musical .
Ali também ficava a loja de calçados Pisar Firme.
A Clark também ficava lá,

assim como a Farmácia Colombo.

Eo curso W.Abreu, preparatório para Direito ?

E o Curso 19 de Dezembro que não pagava ninguém ?

Fechou o Banco de Curitiba, quebrou o Banestado.

E o Bamerindus ?
Cadê o Colégio Parthenon,

o Iguassu ( pagou, passou! ) da Praça Rui Barbosa?
E o Colégio Cajuru ?

Por onde andarão as suas alunas, tão bonitas e invejadas ?

E as meninas do Sion com suas saias cor de vinho?
E as normalistas do Instituto de Educação por onde andarão?
Acabaram-se as empadinhas da Cometa e os queijos da Casa da Manteiga.
No Mercado Municipal tinha o Manquinho, da Mercearia Sulina.
Só vendia o que era de primeira .

Ele mesmo dizia, aqui presunto, se quer mortadela vai em outro.
A coalhada da Schaffer, servida pelo seu Milton,

o Toddy da Leiteria Viana,

e o pão sovado da Berberi, em que forno se enfornou ?
Por que não tem mais Milo para beber com leite, era tão gostoso !
E a pastelaria Ton Jan, da Marechal ?

Tinha pastel de carne e de palmito. E também o especial, com ovo e azeitona
Fechou a Churrascaria Bambu, a Tupã.

Até a Caça e Pesca fechou.
Alguém se lembra do Mitóca ?
Não tem mais o açougue Garmatter e nem o Francês.
E o piá de pedra fazendo xixi na frente do Posto Garoto, cresceu?
E a pérgola na Travessa Oliveira Belo que os Bombeiros mandaram retirar ?

Acabou-se o rabo-de-galo do Bar Americano

e não tem mais a carne de onça do Buraco do Tatu.

Nem o filé completo da Tingui.
Nem a dobradinha do Restaurante Rio Branco.
Do pastelzinho do Pasquale,

nas manhãs dos sábados no Passeio Público,

restou a saudade.
O Locanda Suíça desapareceu.
Até o Gruta Azul sumiu.
O Jatão, em Santa Felicidade, travou a turbina e caiu.

Desmoronou.
Nem a Maria do Cavaquinho,

nem a Gilda,

nem o Esmaga

nem o Osvaldinho da Praça Osório,

perambulam pelas portas da Velha Adega, na Cruz Machado,

ou pela frente da Gogó da Ema na Comendador.
Por ali onde andava o Saca-Rolha,

nas tardes de sol,

com o seu guarda chuva sempre fechado.
O Bataclã não desfila mais com o seu terno branco

e cravo vermelho na lapela,

pela frente do Fontana Di Trevi

ou da Guairacá, na João Pessoa que virou Luiz Xavier.
Fechou a Curitiba onde vivi.

Só não fechou este meu tempo de guri.

Não tem mais Leminski,

nem Kolody.
Dele, resta o lamento:
Esta vida é uma viagem;

pena eu estar só de passagem
Dela, um alento:
Para quem viaja ao encontro do sol é sempre madrugada.
De mim, o consolo:
Saudade
és a ressonância de uma cantiga sentida
Que
embalando a nossa infância
Nos segue por toda a vida .

Curitiba querida DOS BONS TEMPOS, que bom que eu te vivi !

autor anônimo

Mensagem enviada pelo sistema e-mail Pro - Powered By Onda Empresas

Mensagem enviada pelo sistema e-mail Pro - Powered By Onda Empresas

Depois digam que eu não comemorei o Aniversário de CuritibaAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreAlegreSmiley surpresoSmiley mostrando a língua

quarta-feira, 28 de março de 2012

Poema de Autor Desconhecido / Aniversário de Curitiba

     Este é o poema que se encontra em vários emails, poema comemorativo ao aniversário de Curitiba, cidade onde vivo, a ser festejado no dia de amanhã, dia 29 de março de 2.012.

     O autor é desconhecido e pretendo com esta publicação pedir ao elegante poeta que se apresente e não se envergonhe de sentir saudades, ao mesmo tempo que mostro a cidade através do seu poema com suas curiosidades:

 

SOBRE A CURITIBA DOS BONS TEMPOS

Março 2012

PARA QUEM É DE CURITIBA OU MOROU NAQUELES BONS TEMPOS....

MUITO BOM, FANTÁSTICO.....devidamente copiado.

A gurizada de hoje não sabe o que é.
Fechou a Curitiba onde eu vivi
Só não fechou este meu tempo de guri.

Viu, guria !
Saudade da Curitiba dos meus tempos de guri.
Das partidas do “bete-ombro”.
Do jogo de tique.
De pular corda e amarelinha riscada de giz na calçada.
Do jogo de búrico ( bolinhas de gude, de vidro…)
Fidusca em pó, Maria Bodó.
Dos treinos no campinho com as bolas de “capotão” da Casa Walter.
Saudade do jogo do bafo com as Balas Zequinha.
Tinha Zequinha Médico.
Zequinha Radialista.
Zequinha Motorista.
Zequinha Papai Noel ( a mais difícil, quase não saía ) .
Tinha até Zequinha Ladrão.
As figurinhas embrulhavam aquelas balas ruins, que ninguém chupava,

mas que divertiram muito a piazada.
No jogo do bafo era proibido cuspir na mão.

Dos balões de São João que iluminavam as noites frias da Curitiba

dos meus tempos de guri.
Era Balão Caixa, Balão Mimosa, Balão Cruz.
De todos os tamanhos e de todas as formas.
Tinha uns grandes,

tão grandes que até os bombeiros vinham ajudar na hora de acender a tocha.

Os soldados vinham, erguiam a escada, seguravam a copa,

o baloeiro acendia a tocha, o fogo ardia e o balão subia,

espargindo parafina incandescente sobre a Curitiba dos meus tempos de guri

( nunca ouvi falar que um balão tivesse provocado incêndio! ).
Das raias ( pipas, pandorgas ) que esvoaçam pelos campos da Galícia.
Éramos felizes os piás de Curitiba.
Espremidos nas calças curtas os piás e as meninas

nas suas saias de sarja azul marinho,

toda pregueada, como mandava o uniforme escolar,

levavam para a escola um punhado de bolachas Duchen e meia garrafa de Capilé.
Às vezes, Crush ou Mirinda.
Quando não, um suco de uva Grapete.
Ou gasosa de framboesa da Cini.
Prá variar, Minuano.
Tinha uns que levavam Bidu-Cola ou Guaraná Caçulinha, com bolacha Maria.

Aos domingos, faceiros, no terninho de marinheiro da Maison Blanche,

iam à matinada
do Cine Ópera para ver Tom e Jerry.
As meninas, gabolas, enfeitadas em suas saias godê,

da Joclena,

e blusinhas da Mazer,

uma loja infantil ao lado da Gomel, na Praça Tiradentes.
A Maison Blanche era de meninos.
A Joclena e a Mazer, de meninas.
Para os sapatos tinha a Cirandinha.
Piá nenhum admitia vestir o tal de brim coringa não encolhe,

aquele tecido azulão grosso,

especialmente para macacão de mecânico,

que hoje chamam de jeans.
As meninas vestiam tafetá ou veludo, também em festas,

os vestidos godê ponche feitos de organdi suíço.
Os meninos, terninhos de casemira.
Quando muito, camisa Volta ao Mundo e calça de Tergal.
Piás felizes chutando bola,

descalços,

sobre as rosetas dos campinhos por todos os lados.
Esse tempo acabou,

assim como acabou a Modelar,

a Casa Rosa,

a Casa Vermelha,

a Casa Sade.

Não tem mais a Casa da Sogra do Aron Ceranko, presidente do Ferroviário
(que também não existe mais).
Não tem mais a Casa da Pechincha.
Desapareceu o Louvre do Kalluf .
Cadê seu Jamil e seu Miguel e a Capital das Modas?
Não tem mais a Casa das Meias do telefone 66-6666,
nem o 444 da Barão.
A Casa Edith, acredite, ainda tem, mas os chapéus Prada não vende mais.
E a Três Coelhos, em que cartola se meteu?
Não tem mais Móveis Cimo.
Já não se ouve mais o apito da Fábrica Lucinda.
Mudou a Casa Feres, pequena por fora e grande por dentro .
As Casas Lorusso, suba que o preço desce , também desapareceram.
Fechou a Casa Dico – Fique Rico comprando na Dico -
A Joalheria Pérola, do Kaminski,
a Importadora Americana, do Marcos Salomão Axelrud,

que vendia o Simca Chambord e o Simca Rally.
E as casas da Uda e da Otília ?
Desapareceram o Frischmann´s Magazine,
assim como o Chocolate Basgal, da Tiradentes.
Não tem mais a Tarobá, do Pedro Stier,

em cujas vitrines o pioneiro Nagib Chede exibiu o primeiro programa de TV do Paraná,

projetado diretamente do último andar do Edifício Tijucas.
E o povo encantado via o Jamur em preto e branco, contando as notícias do dia.

Não tem mais o Cine Curitiba

onde os piás trocavam gibis do Capitão Marvel, pelos X-9 do Monte Hale.
Cadê o Cine América,

o Palácio,

o Broadway,

o Avenida,

o Ribalta,

o Oásis,

o Rívoli,

o Vitória,

o Curitiba,

o Marabá,

o Luz,

o Arlequim,

o Ritz.
Até os filmes do Morguenau e do Guarani chegaram ao fim.
Acabaram as matinês do domingo à tarde.
Se você aprontava durante a semana lá se ia a matinê de domingo.
Era ficar na janela vendo os amigos irem, com um monte de gibis embaixo do braço.
Lembram que quando o mocinho beijava a mocinha

todo mundo fazia barulho com os pés no assoalho de madeira do cinema?

Não tem mais o bar Pigalle
Nem o Massalândia Roma, do seu Francesco D'Angelis, ali na praça Osório

E o Lá no Luhm, da Barão?
E a Charutaria Liberty, na esquina da XV com Monsenhor Celso, para onde se mudou?
O Hermes Macedo – do Rio Grande ao Grande Rio – que rumo tomou ?
E o Prosdócimo ?
Não vejo mais as Óticas Curitiba, dos Irmãos Barbosa.
Onde foi parar a Casa Nickel, que vendia Chevrolet ?
Desapareceram a Casa Londres e a Ottoni.
O Lord Magazine,

onde se comprava o esporte-fino para ser exibido

nos chás-dançantes de Medicina e Engenharia.
A Slopper também acabou.
Mesmo fim levaram Calçados Clark, Lojas Ika e Pugsley.
Acabou-se o Café Alvorada do Senadinho.
Fechou o Ouro Verde, onde nasceu a Boca Maldita.
Nem Café Marumby, nem Café Piraquara tem mais.

Apagou-se o neon da Caixa Econômica, na Praça Zacarias,

com as moedinhas correndo e caindo no cofrinho.
E a Farmácia Minerva,

que vendia Zig e Mercúrio-Cromo

e também pasta Kolynos, creme dental Eucalol e sabonete Lifebuoy.
Será que ainda existe o Talco Ross ?
E o Rum Creosotado ?
E Auricedina?
E a Pomada Minâncora?
E o Vinho Reconstituinte Silva Araújo?
E o Regulador Xavier :
número 1 excesso
número 2 escassez
E Antissardina

( o segredo da beleza feminina ).
E o Creme Rugol.
E as Pílulas de Vida do Doutor Ross – fazem bem ao fígado de todos nós – ?
Nem a Stellfeld, do relógio de sol sobrou,

com suas prateleiras repletas de Cibalena, Varamon e Cafiaspirina, Glostora e Gumex.
Só o relógio de sol resistiu, como a testemunhar os meus tempos de guri.

Saudades do time infanto-juvenil do Juventus

o moleque do Batel

do técnico Tuca , do Sabá, dos Cava, do Tonico, do Paulinho,

dos irmãos Popadiuk, do Roberto italiano ...

No Edifício Azulay ficava a Musical .
Ali também ficava a loja de calçados Pisar Firme.
A Clark também ficava lá,

assim como a Farmácia Colombo.

Eo curso W.Abreu, preparatório para Direito ?

E o Curso 19 de Dezembro que não pagava ninguém ?

Fechou o Banco de Curitiba, quebrou o Banestado.

E o Bamerindus ?
Cadê o Colégio Parthenon,

o Iguassu ( pagou, passou! ) da Praça Rui Barbosa?
E o Colégio Cajuru ?

Por onde andarão as suas alunas, tão bonitas e invejadas ?

E as meninas do Sion com suas saias cor de vinho?
E as normalistas do Instituto de Educação por onde andarão?
Acabaram-se as empadinhas da Cometa e os queijos da Casa da Manteiga.
No Mercado Municipal tinha o Manquinho, da Mercearia Sulina.
Só vendia o que era de primeira .

Ele mesmo dizia, aqui presunto, se quer mortadela vai em outro.
A coalhada da Schaffer, servida pelo seu Milton,

o Toddy da Leiteria Viana,

e o pão sovado da Berberi, em que forno se enfornou ?
Por que não tem mais Milo para beber com leite, era tão gostoso !
E a pastelaria Ton Jan, da Marechal ?

Tinha pastel de carne e de palmito. E também o especial, com ovo e azeitona
Fechou a Churrascaria Bambu, a Tupã.

Até a Caça e Pesca fechou.
Alguém se lembra do Mitóca ?
Não tem mais o açougue Garmatter e nem o Francês.
E o piá de pedra fazendo xixi na frente do Posto Garoto, cresceu?
E a pérgola na Travessa Oliveira Belo que os Bombeiros mandaram retirar ?

Acabou-se o rabo-de-galo do Bar Americano

e não tem mais a carne de onça do Buraco do Tatu.

Nem o filé completo da Tingui.
Nem a dobradinha do Restaurante Rio Branco.
Do pastelzinho do Pasquale,

nas manhãs dos sábados no Passeio Público,

restou a saudade.
O Locanda Suíça desapareceu.
Até o Gruta Azul sumiu.
O Jatão, em Santa Felicidade, travou a turbina e caiu.

Desmoronou.
Nem a Maria do Cavaquinho,

nem a Gilda,

nem o Esmaga

nem o Osvaldinho da Praça Osório,

perambulam pelas portas da Velha Adega, na Cruz Machado,

ou pela frente da Gogó da Ema na Comendador.
Por ali onde andava o Saca-Rolha,

nas tardes de sol,

com o seu guarda chuva sempre fechado.
O Bataclã não desfila mais com o seu terno branco

e cravo vermelho na lapela,

pela frente do Fontana Di Trevi

ou da Guairacá, na João Pessoa que virou Luiz Xavier.
Fechou a Curitiba onde vivi.

Só não fechou este meu tempo de guri.

Não tem mais Leminski,

nem Kolody.
Dele, resta o lamento:
Esta vida é uma viagem;

pena eu estar só de passagem
Dela, um alento:
Para quem viaja ao encontro do sol é sempre madrugada.
De mim, o consolo:
Saudade
és a ressonância de uma cantiga sentida
Que
embalando a nossa infância
Nos segue por toda a vida .

Curitiba querida DOS BONS TEMPOS, que bom que eu te vivi !

     Não é que a cópia ficou verde?! UéhAlegre

terça-feira, 27 de março de 2012

Solhado

Solhado
clip_image002
Bonito é acreditar nos amigos,
Saber que eles estão lado a lado
Contigo na velhice. São signos
Daquela mocidade; o passado.

Saudade que resgata nos mimos
A ausência do momento avivado,
Vivido e envelhecido nos vinhos
Suaves de tonel apropriado.

Conceitos delicados e típicos
Daquele seu instantâneo apagado,
Aos poucos são entrelinhas de risos
No espaço desse olhar conjugado.

Se as dores acompanham os ritmos,
Nos passos, todo o afeto é abraçado;
Seu prêmio é reviver os sentidos
Dessa alma bem nutrida ao solhado.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Meditação

Meditação
clip_image002
Quero o poema numa cor
Única e última em uníssono
Canto Sacro em Seu louvor,
Pai celeste amabilíssimo.

Quero ouvir o meu Senhor
Desse amor Santo e Bendito,
Dessa paz de Seu Fervor
Brilhe a Cruz de Céu Infinito.

Quero orar ao meu Pastor
Nesse Céu de Sacrifício;
Para os homens Salvador,
Santo Amor de Jesus Cristo.

sábado, 24 de março de 2012

Muxoxo

Muxoxo

clip_image002

Descanso no abraço

Amigo do tempo

De vento e mormaço.

 

E deito e relaxo,

Dormindo ao lamento

Do rio que amordaço.

 

Ao sonho ultrapasso

O meu sentimento

Consciente e cansado.

 

E quero este sábado,

Pomada de unguento

E o seu esparadrapo.

 

O espírito lasso

Permite o contento

Ao sono, regaço.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Sexo Estranho

Sexo Estranho

clip_image001

As folhas estão em seu lugar,

Esperam o frio da nevada

Aos sonhos do inverno somar,

Se a morte não for apressada.

 

Esperam deitar, colchão de ar,

Rolar e dizer da chegada

Do outono de fato, e o branquear

Das nuvens diversas selar.

 

Renovam o ciclo ao secar

No cio e sede de húmus, amada

Na Terra de um sexo estelar

Estranho, sofrido e polar.

 

Difícil missão é presenciar

Tal fato sem alma, ceifada

De sonhos, da planta a chorar

Na perda da triste folhada.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Poema Naturalista de Outono

Poema Naturalista de Outono

clip_image002

Se o sonho não sonha,

O que é do seu sono?

Abraço de fronha

Ou sono de pronto?

 

Se o brilho enfadonha

De tédio medonho

Na empada e azeitona;

No estômago, o  arroto...

 

O poema que imponha

O ideal nesse dono

De boca glutona

Amável assopro.

 

Que o sonho que sonda

A noite de outono

Se faça quinoa,

Semente do irônico.

quarta-feira, 21 de março de 2012

A Lição do Dia a Dia

A Lição do Dia a Dia
clip_image002
A gente aprende sem querer. Não precisamos sofrer para aprender muito do que a vida e o dia a dia nos têm a ensinar.
Ontem, ao arrumar a cama, logo cedo, observei algo parecido com um fiapo sobre o lençol. No entanto, o fiapo era escuro e por via das dúvidas pequei uma folha de papel e bati sobre o fiapo. Quando retirei o fiapo, era um filhote de aranha devidamente carimbada.
Ocorre, que em Curitiba, temos uma praga chamada aranha marrom. Esta aranha causa ferida e pode até paralisar os rins de uma pessoa adulta.
No momento pensei que estava calor, época propícia para as aranhas se esconderem dentro das casas, elas gostam de ambientes frescos. Se eu achei a aranha filhote, logo apareceria a aranha adulta. Alertei a família para que verificasse as roupas e sapatos antes de vestirem-se, mas ninguém achou nada.
Hoje pela manhã, ao lavar e enxugar o rosto eu vi a aranha, andando num canto entre a parede e o chão do lavatório. Pensei comigo mesma: perigosa até no andar. Esta aranha somente morre levando chinelada e não se pode pegar o bicho com as mãos depois de morta.
Na segunda tentativa acabei com ela. Peguei um pedaço de papelão, juntei-a dali e levei até a lixeira, que imediatamente foi levada para a rua. Aranha bota ovos.
A constatação é esta: depois de alguns cupins, a gente encontra o ninho e depois do filhote, você encontra o adulto. A gente deve e pode desconfiar após descobrir um inseto dentro de casa. Algo está errado e, às vezes, você descobre no dia seguinte.
Reflito que o conselho antigo de manter armários trancados e gavetas também protege o morador de se surpreender ao pegar as suas coisas. Não custa nada repetir um bom conselho, então repito. A prevenção é econômica, ajuda a saúde e liga a desconfiança sobre o que pode estar errado.
Em síntese: antes ser chamado de “chato” (inconveniente) do que ter que “pagar o pato” (pagar com sofrimento sem o merecer).

terça-feira, 20 de março de 2012

Alecrim

Alecrim

clip_image002

Nem todos os grampos,

Nem todas as tintas

Farão com que eu minta;

Canção do meu trapo.

 

A todos os santos

Que tantas feridas

Secaram: há vida,

Há mal e há destrato.

 

Em todos os campos

Das idas e vindas,

Pincel sarapinta

Dirá meu cansaço.

 

Agarro os meus trampos

E faço as corridas,

Transformo a venida

Em belo retrato.

 

De lenços com antos

Espero a pedida,

Aguardo a guarida

De sonho e recato.

domingo, 18 de março de 2012

Ô de Lá

Ô de Lá

clip_image002

Um homem, bastante ingênuo, foi chamado a fazer um curso de atualização. O mestre pregou peças aos alunos.

A primeira delas foi ao primeiro dia de aula. Com os alunos sentados, com o material sobre as mesas, o Sr. Rud entra,senta-se à mesa do professor e abre o jornal sem cumprimentar a classe.

Passam-se dez minutos, a classe esperando a aula, e nada.

Um dos colegas de Humberto se levanta e diz bom dia ao mestre. Ele finge que não ouve. Outro colega levanta-se e diz bom dia e o mestre continua indiferente à classe. Outro, mais exaltado, levanta-se e pergunta se o professor tem dificuldades de audição, mas o mestre vira a página do livro e não se importa.

De repente toda a sala conversa e o mestre ignora o burburinho.

De repente a perturbação é geral e ainda outro aluno se levanta, vai até a mesa do professor e vocifera:

_Nós estamos aqui para nos atualizar, pagamos por este curso e o senhor senta-se e ignora a turma? Que espécie de espelunca é esta? Estamos sendo furtados no nosso propósito! O senhor pensa que é quem para nos tratar desta forma.

Os outros alunos se levantam e apoiam o colega.

Quando todos estão exaltados, o mestre fecha o livro e se levanta:

_Esta é a primeira lição: quero que prestem atenção ao que eu tenho para ensinar. A desatenção ofende quem está do lado de cá. Na vida prática, os fatos se dão da mesma maneira.

Pela maneira que começou, encerrou o curso.

Depois que o curso terminou, Humberto desabafou:

_Se, para ensinar eu tiver que magoar e ofender e, se para aprender eu tiver que sofrer para saber que eu devo esperar a falta de compreensão, que todos estão dispostos a se divertirem com o meu dinheiro e que a falta de compromisso é a palavra do mais forte; prefiro procurar outros objetivos. Objetivos onde eu possa usar o meu lado bom e humano, objetivos melhores que o lucro. Não sei quanto aos meus colegas, mas eu quero acreditar que é possível usar de menos estupidez para alcançar muitas das minhas vontades, que afinal são acessíveis a quase toda a população. Se este homem encontra algum sofredor de fato, ele o derruba para o resto dos seus dias, ele foi perigoso na sua didática.

Nem todos concordaram, mas Humberto desabafou.

Passaram-se alguns anos e a pergunta esperada veio até Humberto:

_Como é que o senhor conseguiu esta vida de burguês? Comprou uma balança para vender a granel?

Humberto disse que não era vendedor, mas tinha bom coração.

sábado, 17 de março de 2012

Ideação ao Galiambo

Ideação ao Galiambo
clip_image002
Cavalgando em plano
Estará o que vê
A sonhar galiambo...

Vi o cavalo branco
Galopar por entre
O passar de plano,

Empinando o flanco,
Relinchando se atém
A apreciar o campo.

Do indomável canto
Do selvagem trem
Apitando ao tranco.

Napoleão de manto,
Que ao fugir de alguém,
O deixara em pranto.

E sabia, no entanto,
Ser servil ao rei
E o seu digno mando.

Nesse vil engano,
Protestava além
Da emoção: zurrando.

Vi o cavalo branco,
Napoleão também;
E acordei sonhando.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Insegurança

Insegurança

clip_image002

Este seu medo me apavora,

Dicotomia que te entristece,

Nesse negar confiança agora

Quando a mostrar desinteresse

Segue dormindo a sua aurora.

 

Conta o relógio que te acorda

Desse minuto que acontece,

Algo diverso te incomoda

Nesse respeito que enternece;

Dobram-se sedas com espora.

 

Nestes bordados de senhora,

Ao desconfiar do que se tece,

Perdem-se os fios, vai-se esta escolha,

Como um vintém no fog que pede

Juro ao chuvisco sem demora.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Enfeites

Enfeites

clip_image002

Enfeitando esta vida

Te libertas de algemas,

Desatadas na escrita,

Gracejada nas têmperas.

 

Se a janela te ensina

A colher tais licenças,

Ao sonhar-te uma orquídea,

Sem querer te é mecenas.

 

O luar não se encilha

Como brilho às estrelas,

Nos jardins de Manila

Florescentes são Helenas.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Murmúrios

Murmúrios

clip_image002

Ouço rumores ecléticos

Nesta manhã de euforia,

Fazem rimar, dizem versos;

Brindam o dia na poesia.

 

Ouço sonidos herméticos,

Silvos de surda alegria

Vindos do nada e sintéticos,

Todos em santa harmonia.

 

Ouço o silêncio dos céticos

Soltos a pena vigília,

Pródiga em zelos poéticos,

Que ora se deitam à pira.

 

Musas de encantos diversos,

Sopram a brisa e arrelias

Nesse cismar dos incertos

Plúmbeos aos limbos das vistas.

terça-feira, 13 de março de 2012

O Trauma

O Trauma

clip_image002

Dizem que a preguiça faz crônica, mas me lembrei do fato e vamos à crônica. Parece que ainda o vejo.

Ele é o professor de inglês que foi engraxate em Nova York durante dois anos.

Todas as aulas eram compostas por detalhes dessa sua experiência. Lá, ele teve automóvel, morava no Brooklin, ganhava gorjetas generosas e conseguiu um visto provisório de moradia para poder se estabelecer comercialmente, engraxar sapatos é ter uma microempresa.

Mas, se os negócios eram bons pelos lados de lá, o que ele fazia cá ministrando aulas e sabidamente ganhando pouco comparando com o padrão de vida que ele obteve por lá?

_Eu ganhava bem, é fato. Imaginem o que é ganhar bem e não conseguir comer o que se deseja. O cardápio não combinava com o paladar que fora treinado aqui, até o hambúrguer tem o sabor diferente, os temperos são outros e se estranha à primeira mordida.

Aqui o engraxate conversa, faz graça e procura ser agradável ao cliente. Lá, o cliente chega, senta-se na cadeira, e, naturalmente ignora o prestador de serviços, no caso, eu. Mas, quando os sapatos estão prontos e brilhantes, eles abrem a carteira e dão até dez dólares de gorjeta, mesmo eu cobrando um dólar e meio pelo serviço. Deixam o dinheiro ao lado da caixa de polimentos, levantam-se e saem sem uma palavra.

Os lucros são bons e eu me adaptei ao sistema deles.

Certo dia, enquanto eu atravessava a ponte de Manhattan para ir ao Brooklin, no meu carro usado, que aqui vale uma fortuna, enorme e confortável, pensei em comprar arroz e feijão para cozer no meu apartamento. Ah! Foi pensar e deixar que a saudade se sentasse no banco de passageiros ao meu lado. Pensei na vida do interior, onde a minha mãe e dois irmãos moram, e não comprei nem o arroz e nem o feijão. Mandei a saudade se retirar do automóvel.

Passados alguns meses, como era o meu costume, peguei o carro no estacionamento ao final do expediente, passei no aeroporto e comprei as passagens de volta ao Brasil. Enquanto dou aulas reflito sobre esses momentos intensos que me trouxeram dois dias depois ao lugar onde nasci.

Aqui ando de ônibus e não tenho como manter um automóvel, mas como o que eu compro com o sabor que eu espero. Não posso negar que Nova York foi a grande paixão da minha vida.

Nenhum dos alunos supunha que a aula seguinte talvez fosse a pior aula de inglês de todos os tempos. O retrato das torres gêmeas que ocupavam meia parede na sala de entrada ainda estava no lugar. O professor havia avisado que sairia da escola para dar aulas na sua cidade natal a trezentos e cinquenta quilômetros da capital do estado, queria estar ao lado deles nesta hora. Não mais voltaria naquela escola. A direção da escola teve que pagar um pintor para retirar o retrato e lixar a parede antes de pintar com a bandeira americana.

O resto vocês sabem...

segunda-feira, 12 de março de 2012

Pão Doce

Pão Doce
clip_image002
Dona Mariana sofria com as aventuras amorosas do filho. Ele havia se casado várias vezes, tinha cinco filhos de três mulheres diferentes e, mesmo divorciado, viva rodeado de casamenteiras.
Dona Mariana contava que nenhuma delas se importava com o currículo amoroso do filho e ela recebia todas as moças com respeito porque poderia vir a ser a sua futura nora, palavra sem valor algum no dicionário dela.
_Eu tenho uma agenda para não me perder na hora de dizer o nome das noras. Colei uma foto com o nome e sobrenome das minhas noras juntamente com as fotos dos netos que cada uma delas teve.
Ela respondia com gracejos quando os conhecidos perguntavam pela namorada ou se o filho havia criado juízo:
_A Dora desistiu dele, queria ser artista e era incompatível o ambiente repleto de mulheres bonitas e o relacionamento. Não sei, mas acho que era muita areia para o caminhãozinho dela (gíria que tem o mesmo significado do ditado popular que diz que o olho é maior que o estômago).
A casa dela aos finais de semana era reservada para as namoradas do filho:
_Eu tenho netos! Não deixarei que eles sigam o caminho do pai!
O tempo passava e a rotina também e alguns dos netos caminhando pela estrada que o pai abriu para a tristeza da avó, Mariana.
Chega de novo o dia da recepção. Ela abre a porta para receber o filho e conhecer a namorada que é sargento.
Com essa, ele casa. Juju, como é apelidada carinhosamente pelos colegas, entende a situação dos filhos, que são irmão de casas diferentes, e os chama para passarem as férias com eles, na tentativa de estruturar o seu relacionamento com as outras esposas e os respectivos filhos através do bom relacionamento. Começaria a amizade com as mães através das impressões que as crianças tivessem dela.
Com o marido e os cinco filhos em casa ela reorganiza a família: Às seis da manhã apita e acorda os adolescentes, organiza a fila do banheiro e estabelece dez minutos para cada um deles se arrumar e comparecer ao café da manhã. Às sete e meia os convida para dar uma volta no quarteirão e aumentou em quatro quadras a caminhada durante o passeio entre conversas e risos, reclamações também; afinal não estava no programa o aumento do número de quadras nessa caminhada.
Voltaram para a casa e pediram doces e refrigerantes.
_Doces e refrigerantes após o almoço, comam as bananas e as laranjas que temos na cozinha.
Uma das crianças foi até o armário e verificou que estava trancado. Voltou à cozinha e viu as chaves dependuradas no cinto da saia da madrasta.
Eles, os filhos, perguntaram se estas regras valiam para o pai deles.
_Meus amores, estas regras estabeleceram a condição de apoio ao nosso casamento por parte da sua avó, que me admira pela capacidade de disciplina na ocasião exata. A impressão que eu tenho é que ela iria extrapolar se eu não tivesse aparecido na vida dele.
O marido, para provocar, pediu um pedaço de pão doce que havia sobrado do café da manhã.
Ela cede e pergunta se algum deles deseja ganhar de presente uma barriga igual a do papai, uma barriga de tamanho médio, criada a pão doce. Se alguém desejasse, o pão doce estaria liberado.
As crianças protestaram. Depois de tantas negações a eles, ela permite que o pai deles, marido dela, comesse pão enquanto eles ganharam frutas, um absurdo.
_Meus queridos, aprendam: Quem ama não vê barriga. Este homem eu quero do meu lado com qualquer corpo, torço para que ele tenha saúde, que se saia bem no emprego, que seja livre dentro de casa. Ele é que precisa se disciplinar e eu não vou educá-lo, não é a minha intenção modificar quem eu escolhi para estar junto. Os homens e as crianças são parecidos, mas é muito diferente.
As férias acabaram e as crianças voltaram para casa com novas experiências, com novas vontades; elas viram o pai com qualidades e defeitos, o homem que se mostrava humano, recém-saído dos filmes de aventura para que as novas emoções pudessem ser vividas em família. Sobre a madrasta, calaram. Era cedo para terem uma opinião sobre ela e nisso, eles tinham motivos de sobra.

domingo, 11 de março de 2012

Causo Estranho – de arrepiar os cabelos

Causo Estranho

clip_image002

Tubão para ela era uma garrafa de dois litros de refrigerante de groselha com uma dose de cachaça, para mim, um vestido justo e reto, com uma fenda ao lado. Eu nunca experimentei o tubão dela e ela não experimentou o meu tubinho cor de uva.

Onde ela trabalhava, eu era amiga do dono, não existem amizades onde moram os negócios. Mas, nos respeitávamos e fazíamos o bom relacionamento.

Mas parecia que havia um feitiço, tudo o que acontecia na vida dela, acontecia na minha. Ela, assaltada no ônibus, eu na esquina pela vidraça do automóvel. Ela se divertia do jeito dela, barzinho, e eu do meu, ia ao cinema. Trocávamos ideias superficiais e interessantes.

Houve um problema desagradável com um familiar dela. Puxa vida! Houve um problema desagradável com um familiar meu. Nós duas tristes pelo mesmo motivo e pelo mesmo grau de parentesco.

Quando ela me disse que estava doente, eu corri para o médico. Por sorte, evitei o tumor. Benigno, o meu e o dela.

As coincidências foram tantas e tão severas que eu decidi por fim a elas. Como? Afastando-me dela. Éramos boas colegas, mas o inferno parecia querer nos unir de uma forma terrivelmente triste.

Nunca mais soube dela, mas jamais a esquecerei. Seria um eufemismo dizer que eu vi nela um anjo, um anjo que tomava tubão aos finais de semana, mas eu jamais vi criatura tão inocente apesar de todos os contrassensos indicados nas nossas conversas.

Se eu tenho uma vontade, é saber desses mistérios. Mas o contato foi perdido, melhor assim para nós duas e para as nossas coincidências ruins. Obviamente que se fossem coincidências boas, eu não cortaria. Foram passagens tristes e idênticas.

Outro dia me perguntaram sobre um objeto dela, que ainda estava comigo. Eu contei a história por cima, para não impressionar a interlocutora.

Percebi que o período havia sido difícil e joguei fora o tal objeto, um chaveiro velho.

_Você vai jogar o objeto por que eu vi?

Que engano na pergunta; joguei o chaveiro fora como forma de libertar-me do sofrimento. Fiz uma prece por ela... Não, não estou pregando e não sou missionária. É que os fatos eram de arrepiar. Pensando melhor, vou deixar para trás. E se as coincidências retornam? Cruz credo! Deixa assim mesmo, que esse espelho era mau e é melhor que tenha se quebrado.

Desta vez, o presente é outro presente

Enviado pela Sweet Melody,

Quando a realidade é mais bonita que o sonho…

Todos merecem a felicidade, inclusive você…

sexta-feira, 9 de março de 2012

Poema Físico-Emotivo

Poema Físico-Emotivo
clip_image002
Que a física explique o que eu digo:
O amigo do amigo é meu amigo,
E, o nêutron se afasta sem graça
E no meio aterrado se gasta.

Acolhe a função o negativo,
Inapto a lidar no perigo
Do mal isolado que escapa
Na fita vencida de data.

A fim de manter o equilíbrio
E o fio necessário ao circuito,
Conserta-se a emenda à solapa
Com nova linhagem de prata.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Dois presentes, dois poemas…

Presente da Maria Alice Cerqueira

 

Do Amor Exemplo

 

As gentes simples se riem das dores

À sorte, negam o seu querer,

Não sabem desta vida os amores.

 

Insiste o açoite dos seus temores

Nas juras a se contradizer,

E à dor seguida esvaem-se os valores.

 

Quem ama, sonha todas as cores.

 

Quem sofre, livra esse padecer.

 

Presente da Maria Selma

 

Estilos

 

A mulher e o seu vestido

Emocionam-se no espelho,

O vestir tem seu segredo

E revela o seu sentido.

 

Elegância é quase um rito

De passagem. Muito cedo

Aprendemos que o vermelho

Ou, é sutil, ou, então, proibido.

 

A mulher e o seu libido

Não dispensam o seu cetro

E discretas passam reto

A mostrarem o escondido.

 

Femininas, são do estilo

Novo conto de mistério,

Relicário de aconchego

Vem de ouvir um assovio.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Rosa Inquietação


Presente da Rosa Solidão

Rosa Inquietação

Da solidão e meus amigos,
São testemunhas os sinos,
A escuridão dos espaços,
E os que trouxeram abraços.

Dos sofrimentos e signos
Não protestei meus desígnios;
Amordaçados os halos,
Fortaleceram sangrados.

À multidão, os desvalidos
Exorcisaram em gritos
A corrupção e os sobestados
Ao debochar dos devassos.

Nascer mulher é conditio
Sine qua non de alguns dísticos;
Inquestionável são os dardos
Dos corações desatados.

Feliz Dia da Mulher

presente da Sweet Melody

Dia da Mulher
O presente do amanhã é o hoje
Da mulher que não tem medo;
A garota que não foge
Da emoção, razão ou segredo.

A mulher que se comove,
Mesmo quando no tempero
Há cebola e ao rosto chove,
Se demonstra graça e afeto.

Natureza humana e forte,
Que suporta a dor e o enredo
De ser mãe, e conta Quixote,
De Cervantes em degredo.

Ser mulher é mais que dote,
Vocação sem arremedo
Que ao nascer, nasce co’a sorte;
De ser fêmea, lar e credo.

terça-feira, 6 de março de 2012

Para Rezar

Crônicas de Rezar

1- Não é que conheci um idólatra...

clip_image001

Estava eu no caixa eletrônico quando alguém, que esperava a vez, na fila ao lado, comentou:

_Amigo, o seu dinheiro é sagrado? O meu é sagrado. Eu me ajoelho diante desta máquina para agradecer.

Ao ouvir esta frase me aproximei da máquina onde eu estava para tentar esconder a tela e aquilo que eu digitava. Mas o homem continuava:

_Quem criou o dinheiro? Se Deus criou o homem e ele inventou o dinheiro, o dinheiro é sagrado porque foi inventado por uma criatura criada por Deus.

O homem ao lado passou a não responder, emitindo sons como “hã e hum”. Eu estava desconfiada e nem olhei para os dois, embora achasse que o idólatra queria o dinheiro de quem estava fazendo o saque no caixa ao lado.

Não tirei um centavo para mim e fui tratando de parar com as operações. Sei que o homem entrou no caixa eletrônico e pediu ao outro que o esperasse.

_Deixe-me fazer a minha prece e vamos juntos.

O outro homem disse que estava com pressa, pediu desculpas quase entre dentes e saiu rapidamente do local.

Não sei se agi certo, mas baixei a cabeça e me retirei também tão rápido o quanto pude. Não queria conversa com nenhum estranho naquele lugar. Mas ouvi o monólogo entre o homem e a máquina:

_Você é tudo de sagrado que eu conheço...

..................................................................................

2 – Enquanto isto, a Boa Vontade

clip_image003

Irmãos, todos oramos e vigiamos porque o inimigo não descansa. Essa é uma história do Deus interior de cada um de nós. A mãe ora todos os dias para que os seus filhos sejam amigos entre eles, mas um dos seis irmãos, o menos culto, é alvo fácil de críticas porque não as consegue rebater com elegância e palavras sutis. Este filho, o Norberto, responde às críticas com expressões como:

“_Dane-se, não como na casa de ninguém, é gente que não tem o que fazer e tem o rei na barriga. Se cada um cuidasse da sua vida e não infernizasse a vida do outro o mundo seria melhor. O povo gosta é de fofoca, mesquinharia e se realiza mais vendo o outro aborrecido do que fazendo algo bom para ele. Se estas pessoas construíssem um brinquedo de papel e o dessem a uma criança que não conhece brinquedo, seria bom. Mas não, querem aporrinhar aquele que ao menos tenta fazer tudo certo.”

A mãe do Norberto sofre com estas críticas e cai em tristeza. Ela não tem condições de mudar toda a educação que deu ao filho, a mesma educação que fez do filho um homem de bem, que não passa necessidades, embora criticado pelo jeito tosco de ser. Esse é o jeito dele, aceito no ambiente dos caminhoneiros, cuja preocupação maior está na maneira de fazer o frete e ajudarem-se mutuamente durante as viagens.

Peço agora que prestem atenção na pergunta que vou lhes fazer: a quem o inimigo (os cristãos sabem o significado desta palavra) quer atingir? Norberto não para em casa, a atingida é a mãe dele. Essa é uma história de uma das nossas irmãs de igreja, que recebeu apoio das outras irmãs e que agora enfrenta os comentários dizendo aos críticos que eles não fizeram por merecer um filho como o Norberto. Ela o educou e ele é bom naquilo que faz e que ela tem orgulho do filho que tem, sem vícios e cumpridor dos seus deveres.

O inimigo é perigoso, ele fala de um, mas atinge o outro, a sua língua é de serpente. Contei essa história para que nós, cristãos, não sejamos ingênuos a ponto de dar ouvidos a tais histórias porque é a chance que o mal tem para entrar em nossas vidas. Amem irmãos.

domingo, 4 de março de 2012

Porcelana

Porcelana

frame0

Que o engano seja porcelana,

Quebrando-se em desfaçatez

Naquele que a si mesmo engana

Com máscaras de insensatez.

 

Fingir vem de quem não se ganha,

E trai o brilho à polidez;

Mantém o espírito sem gana,

Transforma essa luz num talvez.

 

Quem nega a si, a si desengana

E, à sombra voga em palidez;

É pássaro de sebe urbana

Que chega ao voo e nega a vez.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Caridade

Caridade

clip_image002

Às vezes é manutenção

Do que se quer, do que se tem,

Do que se cria ou uma obrigação,

De quem se faz como convém.

 

Às vezes, é argumentação,

Filosofia ou tese ou vaivém

Que se convida para a ação

Beneficente de armazém.

 

Às vezes é a chamada união

Do sofrimento e não vê quem,

Nessa vontade de aflição,

Receberá este seu aberém.

 

No entanto dói essa obstinação

De amor gratuito que se obtém

Ao retornar em comoção

Do resgatar um sem vintém.

 

Compartilhar não é compaixão

Embora tenha algo a desdém;

Mesmo a pobreza ajuda a quem

Desse favor jamais se abstém.

quinta-feira, 1 de março de 2012

A Palavra

A Palavra

clip_image002

O Seu texto é comunhão

De vontades e intenções;

Nesse espírito a oração

É conduta de aptidões.

 

Através da compreensão

E extinção das ilusões

Enganosas há a cisão

Entre o digno e as tentações.

 

A Palavra é redenção

Das humanas condições;

Na Promessa há proteção,

Liberdade e direção.