VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Insegurança

Insegurança

clip_image002

Este seu medo me apavora,

Dicotomia que te entristece,

Nesse negar confiança agora

Quando a mostrar desinteresse

Segue dormindo a sua aurora.

 

Conta o relógio que te acorda

Desse minuto que acontece,

Algo diverso te incomoda

Nesse respeito que enternece;

Dobram-se sedas com espora.

 

Nestes bordados de senhora,

Ao desconfiar do que se tece,

Perdem-se os fios, vai-se esta escolha,

Como um vintém no fog que pede

Juro ao chuvisco sem demora.

12 comentários:

Armando Pinto disse...

Mais um belo poema, ao jeito de quem se mira num reflexo íntimo. Tal qual nós que aqui passamos, sentimos algo do género, em determinados momentos de nossas vidas.
Do mesmo modo, apesar de sermos frequentes em nossas visitas a este cantinho, nem sempre temos oportunidade de comentar, tal a avalanche de distrações, mas sempre apreciamos as palavras que aqui nos levam a meditarmos.
Um bom fim de semana, com grande simpatia e admiração.

Magia da Inês disse...

Adoro sua poesia, bem tecida, bem elaborada... insegurança todos temos de uma forma ou de outra, mas não vele a pena... temos que lutar contra ela.

º°❤ Bom fim de semana!
°º✿ Beijinhos.
º° ✿ ✿⊱╮Brasil.

urbanascidades disse...

Urbanascidades convida voce e seus leitores para o seu 2° aniversário dia 21 de março. Sarau cultural com música, literatura e poesia, e convidados muito especiais. Não perca!
Um abraço,
Paulo Bettanin

Luís Coelho disse...

Um poema feito com os fios do tempo onde se tecem as alegrias e tristezas
É uma luta ou um vaivem em que as nossas escolhas se sucedem e acontecem.

Célia Rangel disse...

... é Yayá... também teço no tricô, nas palavras e principalmente nos pensamentos a dicotomia da vida...
Abraço, Célia.

edumanes disse...

Insegurança do medo que a apavora,
Hoje quase tudo está diferente
Já não se sabe onde a segurança mora
O medo fere o coração tristemente!

Todos correm de um para outro lado,
Quase ninguém vive em sossego
Neste mundo descontrolado
Onde muito, ainda, existe o segredo?

Bom fim de semana,
um abraço.

Maria disse...

Minha amiga o tecer da vida com altos e baixos e tantas vezes balançando na insegurança do amanhã. Lindissimo poema!
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Raquel Lautenschlager Santana disse...

Um poema Maravilhoso!!!
Um ótimo fim de semana.
Abraço.

mfc disse...

A insegurança faz parte da vida!
Desconfio sempre daqueles que se dizem seguros... e o tempo a isso não ajuda nada.
Beijos.

Sandra disse...

Quantas vezes me sinto insegura nas urdiduras da vida.
Beijinho e bom final de semana.

Sonhadora disse...

Minha querida

Um poema escrito com a pena da alma.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Centelha Luminosa disse...

Leio teu belo poema e saio daqui com os olhos cheios de poesia. Tão bons os teus sentimentos!

Bjos da Lu...