VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 13 de agosto de 2016

Passeio Com Pai

Passeio Com Pai



     Boas lembranças não devem alimentar o saudosismo, mas podem ser lembradas com alegria.
     Meu pai e meu irmão iam regularmente para Balneário Camboriú para cumprir alguns compromissos.
     Certa vez, em cima da hora, o meu irmão disse que tinha uma festa e daquela vez não poderia ir junto com ele.
     Meu pai convidou a minha mãe.
     _Para aquele passeio de índio de ir e voltar no mesmo dia? Não. Se for para ir, eu prefiro que fiquemos lá por alguns dias. A Yayá vai com você?
     _Eu?
     _Você nunca foi e precisa saber como é essa viagem? Apronte-se e vá.
     O meu pai sorriu e concordou com a minha mãe.
     O meu irmão, quando soube, recomendou que eu não mudasse em nada o passeio que ele e o pai faziam. O passeio dos dois era bom. Foi muito interessante à recomendação para que eu não comesse hambúrguer, muitas vezes repetida antes da viagem.
     Eu nunca tinha viajado com o meu pai e preparei sanduíches de queijo e biscoitos do tipo ao leite para levar. Comprei também alguns chocolates e duas garrafas com dois litros de água.
     A sacola de viagem estava pronta. As recomendações do meu irmão nos pedindo que eu não mudasse nada no passeio e as bênçãos da minha mãe.
     Pegamos o ônibus na rodoviária e fomos.
     Perto da cidade de Balneário Camboriú, o motorista perguntou se o meu pai gostaria que ele o deixasse no lugar de sempre e ele disse que sim.
     O motorista parou na BR101, rodovia federal, próximo a uma das entradas da cidade.
     Eu olhei para o meu pai e perguntei onde era o ponto de táxi para nós chegarmos à nossa casa da praia.
     _Aqui não tem táxi. Eu e o seu irmão fazemos uma marcha de alguns quilômetros até lá. Eu não quis aborrecer o seu irmão e você não sabe o que é marcha.
     Eu disse a ele que tudo bem, era só ele marchar devagar.
     _Marchar devagar? Negócio feito! Vamos aproveitar e sentir o cheiro da mata nativa e respirar esse ar que não temos na cidade.
     Começamos a andar.
     Passou um quilômetro e a sacola começou a vazar. Uma das garrafas de água estourou dentro da sacola.
     Paramos no meio da estrada e abrimos a sacola. Como a água estava no fundo da sacola, os sanduíches de queijo e os biscoitos não molharam.
     _Jogue fora a garrafa, ele disse.
     Eu disse a ele que já que iríamos jogar fora a garrafa de água que ainda continha mais de meio litro, que comêssemos um sanduíche cada um, pegássemos os copos de papel e déssemos um tempo.
     _Na estrada não se pode ficar parado, é perigoso. É a gente e a estrada e o mato.
     Eu disse a ele que, por favor, segurasse a garrafa, enquanto eu comia um sanduíche.
     Ele começou a rir.
     _Pode deixar, a garrafa furada é a minha. Duvido que tenha água aqui nessa garrafa quando você terminar de comer o sanduíche.
     Comi rápido e tomei o restante de água da garrafa.
     Depois a paisagem nos distraiu e fomos conversando sobre a vida, o mato, o mar e essas tolices tão importantes na vida da gente.
     Duas horas depois chegamos a casa.
     _E agora, o que vamos fazer? Perguntei muito animada.
     A resposta foi a do passeio de índio. Tínhamos alguns compromissos e depois iríamos direto até a rodoviária para voltar à Curitiba.
     Depois de resolvidos os compromissos ele ficou pensativo e eu perguntei o que é que ele tinha.
     _Eu e o seu irmão comemos bolinho de boteco e eu tomo uma xícara de café com leite antes de pegar o ônibus, mas eu estou com você.
     Eu perguntei se o boteco era familiar.
     _Vamos ao boteco!
     Realmente eu olhei para o bolinho do boteco e não simpatizei com ele.
     Ele olhou para mim contrariado e disse que sabia que deveríamos ir a um lugar com hambúrguer.
     Eu disse que não e que ali estava ótimo, mas é que eu tinha trazido sanduíches e não os desperdiçaria.
     _Aceita um refrigerante?
     _Aceito.
     _Quer comer alguma outra coisa?
     _Eu como quando chegarmos a Curitiba.
     Esperei ele comer calmamente o bolinho e tomar café com leite.
     Depois, perguntei sobre o roteiro para chegarmos até a rodoviária.
     _Se você quer fazer conforme eu costumo, são dois quilômetros e meio até a rodoviária e, vamos a pé.
     _Marcha devagar?
     _Muito devagar.
     Caminhamos olhando o povo, as vendas, o saibro e o paralelepípedo da rua.
     Conversávamos e pensávamos um no outro e nas nossas negociações pessoais.
     Chegamos a Curitiba e a família dividiu os sanduíches de queijo restante.
     Palavra dada, palavra cumprida.
     Feliz Dia dos Pais a todos vocês!      


Obs. A doutrina que sigo ensina que podemos atender às expectativas do próximo quando solicitados a fazê-lo. Deste modo, resolvi compartilhar com vocês um dos momentos mais divertidos entre eu e o meu pai, "in memoriam".
    
    

      



3 comentários:

✿ chica disse...

Adorei ler tuas lindas recordações. Ótimo compartilhamento nesse dia especial...Muito bom! bjs, tudo de bom,chica

Odair Ribeiro disse...

Boa tarde amiga, voltando ao Blog - abraços!

Gracita disse...

Olá Yayá
Que lindas as tuas recordações. Para você um dia memorável e muito apreciado
Um feliz domingo dos Pais junto aos seus familiares
Beijos