VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 3 de maio de 2014

Quem é Você / Crônica de Supermercado

Quem é Você / Crônica de Supermercado
clip_image002
O Dia das Mães está próximo e as ofertas de roupas também. O supermercado está com produtos excelentes para as mulheres, sejam elas mães, ou não.
O preço estava tão convidativo que não resisti e comprei uma japona para me proteger dos dias de chuva.
Quem me conhece e sabe o supermercado onde compro os pães que não perca a oportunidade de passar por lá. Os preços de roupas femininas estão incríveis.
Curitiba é uma cidade com tendência aos chuviscos, chuvas e, de quebra, um temporal aqui e acolá.
Casaco molha e a japona, não. Comprei porque caiu bem e amei a compra boa, bonita e barata.
À saída, comentei com a caixa que era uma pena que estivesse à etiqueta no tamanho errado, mas pelo preço não teria do que me queixar.
Uma amiga cliente, que estava ao lado, soube da compra e aconselhou-me a tirar a etiqueta. Num produto bem acabado e de excelente qualidade não cabe o tamanho errado.
É meu costume ouvir os outros e, às vezes, atendo o conselho, seja porque motivo for. Nesse caso, pensei que ficaria melhor a japona sem o número certo na etiqueta. De repente, alguém quer me dar um presente, olha o número da etiqueta e, o carinho termina numa troca, o que por mais que possa acontecer, é desagradável para quem comprou o presente.
Com cuidado tirei a etiqueta e o número da japona.
Havia outra etiqueta embaixo e o nome da importadora conforme o costume estava ao lado da origem da japona, a etiqueta legítima do país de origem.
Eu quero reencontrar a cliente amiga que me sugeriu que tirasse a etiqueta com o tamanho incorreto.
Eu não teria essa ideia. Usaria a japona com o número trocado e pronto.
A cliente, por acaso, não é uma investigadora, com essa vocação de nascença?
Tem horas que a gente tem que reconhecer que a inteligência pessoal não é o melhor talento.
Não tenho talento. A cliente amiga tem.
Quem é você? È o caso de dar os parabéns pela ideia!

3 comentários:

Ivone disse...

Gostei da cronica, até achei engraçada, pois é, que diferença faz o número da etiqueta?
Poia é, mas está, como todas as suas cronicas, bem escrita, rs, a gente sempre encontra pessoas "inteligentes" por aí!
Abraços linda amiga, tenhas um lindo sábado!

Célia Rangel disse...

Ah! Essas etiquetas manipuladas... Ainda bem, Yayá que prevaleceu, seu bom senso, como sempre.
Abraços.

Ingrid disse...

curti...
teus escritos são bem colocados..
beijinhos e bom Domingo!