VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Domingo de Samba

Domingo de Sambaclip_image002

Que nos importa dos feijões secos,

Dos tingimentos dessa cabocla

Que faz o povo delirar? Metros

São disparates quando há coroa.

 

Estes feijões de tantos segredos

Colorizados à tinta pouca,

São da passista sem muitos pesos;

Nestas passadas é desenvolta.

 

Nos adereços, sambas-enredos;

À bateria, a batida da touca;

A purpurina e seus arremedos

Vem do cansaço, ao sabor da roupa.

5 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

Paulo Francisco disse...

Belíssimo poema - como sempre.
Um beijo

Luís Coelho disse...

O Carnaval vestido de poesia e de passos hilariantes.
A vida é pouca e sempre é bom rir e brincar mesmo sem roupa.

blog da Paraguassu disse...

Olá Yayá,
Como está, querida? Já estou com saudades.
Gostei muito de seu poema. Parabéns!
Quero convidá-la a conhecer meu novo blog, o RECANTO DA POESIA, no qual publico alguns trabalhos poéticos.
Ficarei imensamente honrada e feliz com sua presença por lá. Espero que gostes.
Um ótimo feriado para você e um
grande beijo, amiga.
Maria Paraguassu.

Maria disse...

Minha amiga lindo poema.
Bom carnaval.
Beijinhos
Maria