VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Amor de Bailarina

Amor de Bailarina

clip_image002

Desvenda-se a cortina;

No palco, a bailarina

Que dança sem parar,

Padece ao respirar.

 

A dor que contamina,

Teatro da rotina

De assim representar

Camélias, ou, o Rei Lear.

 

Decora a pantomima

E ensaia com malha fina,

Fingindo ser luar

Desfeito ao despertar;

 

Digere a chuva e o clima

De talco e parafina,

Suando a gotejar,

Consciente de não errar.

 

Cidadão e citadina

Aplaudem em surdina

E aguardam seu findar

No leve rodopiar.

 

Amor de bailarina

É unir-se à vespertina

De um sonho a levitar

E, aos outros; encantar.

17 comentários:

Simone MartinS2 disse...

Que lindo menina! Adorei, belo mesmo! Abraços

Ivone Poemas disse...

Lindo poema! Ah, as lindas bailarinas, me fez lembrar do tempo em que minha filha, ainda pequenina queria ser bailarina!
Até se apresentou uma vez, pela escola em que estudava, mas tudo passou, hoje o filho dela estuda guitarra, pelo jeito ele adora e não vai desistir!!!
Abraços linda amiga, amei essa postagem!!!
Ivone

Lourdes disse...

Lindo Yayá
Sem sacrifícios nada se consegue e, quando se gosta de alguma coisa há que lutar.
beijinhos
Lourdes

Fatima disse...

Lindinho!
Bjs.

Monja de Clausura Orden de Predicadores disse...

gracias yayá, tu poema es precioso. Ser bailarina es una profesión muy esclava, se necesitan muchas horas de entrenamiento y dieta. es una vocación.
Con ternura
Sor.Cecilia

Célia disse...

Na vida, bailamos todos... e encantamento é o que buscamos sempre! Belo poema! Abraço, Célia.

Elizabeth disse...

Mi hija ama el ballet Yayá! Es una entrada para que el corazón dance. Besos.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Yayá, nem sei que adjetivo usar, mas li e reli esses versos e me fizeram muito bem. Gostoso lê-los.
Grande abraço.
Manoel.

Odair Ribeiro disse...

"Fingindo ser luar..."

Belíssimo yaya. aplausos!

inté, volto!

IDERVAL TENÓRIO disse...

Querida Yayá, a dança muitos mais é do que o balançar de um corpo, a dança é a reconquista da natureza,dos bosuqes ,dos mares,da fauna e da flora, a dança é o mais sublime exercício cerebral, você foi feliz e sábia ao tirar de sua mente esta maravilha, nela se vê os cisnes, o danúbio,as baleias,enfim a natureza como a maior expressão cultural da humanidade. Viva as bailarinas com os seus finos movimentos, às vezes macios ,sedosos,leves e outras :rápidos,lépidos,céleres mas semepre precisos.è o equilibrio cerebral.Parabens Iderval Reginaldo Tenório

Ma Ferreira disse...

Oi Yaya...

Não importa se os passos da balairina, importa que ela baile, se
de dia se de noite, com platéia o sem platéia..

Bailar sempre, com ou sem musica.

Um beijo e parabéns pelo teu poema.

Eloah disse...

Yayá, a vida da bailarina é uma vida de muitos sacrifícios, mas o resultado é a arte encantada da dança na mais pura essência.
Belo poema.Um final de semana abençoado e feliz para você.Bjs Eloah

Sonia Guzzi disse...

entre um e outro desafio, flui a dança. Com dor e leveza. Assim como a vida.
Estava com saudade Yayá.
Beijo, em divina amizade.

Lídia Borges disse...

Leve como um rodopiar em pontas.
O bailado, uma arte maior que só o é pela infinita dedicação que exige.

Um beijo

Ana Sofia disse...

o problema é que elas nem sao verdadeiras consigo próprias. enfim

amei

Maria Alice Cerqueira disse...

Boa tarde amiga,
Venho lhe desejar uma linda semana coberta de muita paz e amor!
Sua presença é muito importante em meu cantinho, por esta razão veio lhe agradecer o seu carinho de sua amável visita sempre.
Assim que poder acesse o link
http://www.mariaalicecerqueira.com/2012/01/degustacao-do-livro-vida-nossa-de-cada.html
e leia a degustação do meu próximo livro! Vida nossa de cada dia!
Obrigada de todo o coração!
Abraço amigo
Maria Alice

Lívia Inácio disse...

quanta delicadeza!

senti a pureza do sentido desse poema em cada verso.