VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

A Crítica

A CríticaAnjo

Descobri como ocorrem os fatos na literatura. Você escreve histórias inventadas que trazem discussões sobre a vivência, faz da vida a poesia do que não pode ser dito, apenas sentido e, digam-se, múltiplos sentidos.

Existem aqueles que buscam falhas naquilo que você escreve, mas não criticam, apenas falam do seu batom, ou do salto dos seus calçados e parecem que não entendem o que leram. Criticar é dizer se o que está feito é razoável, apontar os pontos fracos e os pontos fortes de um texto. As críticas estão ausentes e, quem escreve descobre o seu caminho através das leituras teóricas sobre a crítica.

Esquece-se que preservar histórias, sejam de pessoas humildes ou de pessoas abastadas, trazem ao mundo em que vivemos novas possibilidades. As contendas são da natureza humana, e pela avidez com que alguns a buscam, podem parecer aos incautos um tanto quanto excitante, mas os resultados delas são deploráveis.

Se há algo que não se faz em busca de dinheiro, é escrever. Uns poucos conseguem viver do que escrevem e, no entanto, o estímulo aos que sentem prazer em fazê-lo é mantido. Quem escreve, procura a satisfação pessoal ao digitar um texto que, a seu ver, tem qualidade.

Difícil é selecionar os textos, há muito texto bom no mundo virtual.

Continuar o esforço para trazer um bom texto ao público que procura essa forma de entretenimento na internet é uma questão de manter a disciplina da leitura e deixar uma hora livre para que a imaginação funcione e adéque o seu conhecimento à história planejada, que provavelmente terá um enredo diferente do imaginado. O texto, na medida em que vira impressão, muda a sua estrutura e você verá esse caminho após deixá-lo parado por um ou dois dias para depois lê-lo. Quando você assume o papel de leitor daquilo que você escreveu é que vê as nuances e percebe aquilo que você não escreveu, mas ficou subentendido.

Uma crítica sobre o texto é bem vinda, haja vista que alguns escritores pedem a um amigo que verifique as provas (leiam o livro) antes de mandarem para a impressão tipográfica. E, muitas vezes, o livro volta para que alguns trechos sejam revisados com a finalidade de obterem uma maior clareza da intenção dos personagens. É quando o escritor passa a ser o digitador do livro que não será mais seu. O livro pertence aos personagens e as suas ações e reações no que diz respeito à vida que levam.

Criticar é entender que a poesia não fala mal do autor, mas fala muito às sensações e que há uma dicotomia entre o(a) poet(isa)a e o seu poema. A beleza do poema é a sensação que ele causa aos leitores. Eis um bom poema e um bom autor.Anjo

2 comentários:

Catia Bosso disse...

Adorei seu post e gostei muito da ultima frase. Achei o contexto geral meio revoltante e indignado, mas não estou aqui para ser critica né e sim p fazer um comentario, desculpa! no final vc define exatamente como me sinto ao escrever uma poesia! bjao.

Artes e escritas disse...

Cátia, recebi uma crítica bem boa. Para que eu continue criando textos e caprichando cada vez mais. E, na crítica, pediram-me para que eu não comente o autor, mas os personagens e a qualidade dos textos. Uma crítica-aula muito agradável de ouvir. Resolvi escrever sobre a crítica. Enfim, ganhei o dia. Abraço,Yayá.