VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 5 de março de 2011

Mas é Carnaval, bom humor – O Atropelado

O Atropeladoclip_image002

Um homem apareceu no bairro de Botiatuvinha, Curitiba, e foi de comércio em comércio com a mesma história:

_Eu fui atropelado no sábado passado e procuro informações sobre o acidente que sofri. Você viu o acidente?

Os comerciantes, em geral, diziam que não viram o acidente e que cuidavam do negócio. Perguntavam a que horas o fato se deu. Dizia também que era uma sem-vergonhice o motorista fugir de prestar socorro e que a cidade estava muito grande e que ninguém mais dava jeito na cidade.

O homem, de calça de sarja e camisa de mangas compridas, continuava:

_Eu não estou me explicando bem. O dono do carro se apresentou na delegacia do bairro, ele não foi desatencioso. Ele pagou todas as minhas despesas médicas.

O comerciante então dizia:

_Eu é que não entendo. O senhor vai de loja em loja perguntar sobre o acidente e o senhor sabe quem foi e não tem o que reclamar!

O homem, então respondeu:

_Na hora do acidente eu desmaiei e não vi nada. A polícia sabe e lá está tudo em ordem. Eu quero descobrir quem chamou o socorro porque eu acordei no hospital e quero descobrir quem me salvou.

O comerciante disse que provavelmente foi o dono do carro. O homem disse que não; o dono do carro sofre de pressão alta e se sentiu mal. Ele se dirigiu ao pronto-socorro antes de ir à delegacia.

_Mas, se está tudo bem, por que o senhor não deixa de lado essa história?

_Eu quero agradecer quem me salvou! Eu sou um homem agradecido, estou vivo e quero agradecer.

Com essa história, o homem conseguiu bater de casa em casa e conhecer todas as famílias do bairro. Conversa vai, conversa vem, ele até ganhou apelido e travou amizade com os moradores.

“Lá vai o atropelado, lá vem o atropelado”, dizia o povo do bairro.

Outro dia, ele apareceu nas lojas para dizer que havia encontrado o “salvador”, o homem que havia chamado o socorro médico. Os moradores ficaram contentes e, alguns, até sentiram saudades do tal homem.

Enquanto isso, em um gabinete da prefeitura, o homem se reunia com o político:

_Doutor, descobri todas as necessidades do bairro Botiatuvinha. O senhor já pode começar a campanha para as próximas eleições.

Nenhum comentário: