VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Querida Noris me enviou o seu poema, ei-lo:

Universal Ambassador of Peace


Os meus agradecimentos pelo envio de mais este vídeo, o qual abraço e publico, Yayá.

13 comentários:

Acácia Azevedo Studio Pottery disse...

Belo poema, como belas são as palavras que pensas escrever em meu blog, mas na verdade as deixa em meu coração. Obrigada. Amor e paz!Bjs!

Célia disse...

Bem, Yayá analfabeta de pai e mãe em língua estrangeira, mal e porcamente falo e escrevo um arranhado português... entendi que mesmo com a "falta de identidade" há a busca e o zelo pelo amor a tudo e a todos! Corrija-me por favor! Obrigada!
[ ] Célia.

Christian V. Louis disse...

Gostei do poema, ao tempo em que ela diz não ter identidade, revela possuir variadas.
Acho interessante quem tem o dom para poetizar e quando os une ao áudio e imagens, dão ainda mais vida as suas obras.
Parabéns a Noris.

Graça Pereira disse...

Poema e imagens tudo numa sinfonia completa e perfeita! Lindo!
Beijocas
Graça

Elisa T. Campos disse...

YAYÁ. Que lindo post.Acho que hoje você coroou o meu lindo dia com esse maravilhoso vídeo que coincidentemente
fala de amor e mostra a natureza num fascinante revoar.

Amei o selinho. Obrigada.
Vou voltar para rever.

BIJUSSSSSSS.

Artes e escritas disse...

Especialmente para a Célia, a tradução mais literal possível:

Título: Eu não tenho identidade –poema de Noris Roberts
Lido pelo doutor David b. Axelrod

Como sempre eu tive a impressão de não ter identidade
Passaporte, idade ou nacionalidade
De algum modo decidi me dar o nome de liberdade
Outros sem pensarem muito
Com as mais delicadas vozes sussurraram
E me chamaram de borboleta marinha
Um pouco, agradavelmente
Entrelaçando as suas vozes
Surtindo efeito sobre os outros
E, como uma névoa no ar
Tenho sido chamada de paz
Numa centena de jardins distantes
Alguém me vê e, contudo
Não me deixa entrar nele.
Ele não se apresenta
Com um gesto e um sorriso em seus lábios
E não faz acordo com ninguém,
Ou traduz o significado disto.
Chamei-me amor...
O mais estranho de tudo isso
É que isso era um sonho que veio
Através de uma fenda no meu coração.
Eu não tenho identidade
-----------------------------------Um abraço, Yayá.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Muito bonito!

um abraço
oa.s

Célia disse...

Yayá! Gentileza em pessoa é o seu nome! Obrigada, mesmo de coração! Meu "intelecto"... agradece por mais um ensinamento! Abraço, Célia.

Enigma disse...

Sem identidade descobrimos a essência do ser, muito bom. Um doce beijo, Yayá. Kiss!! Kiss!!

*Simone Poesias* disse...

Lindo poema, música e tudo!
Bjinhoss XD

Mª Carmen disse...

Bonito video yayá, no lo comprendí muy bién pero me gustó.Besitos.

Van disse...

Nada que prenda a não ser o amor que lhe dá nome. Lindo!

Beijos Yayá

lis disse...

Oi Yayá
Um belo poema e se declamado fica ainda mais agradável.
obrigada pelapartilha
abraço