VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O Catador de Latas

O Catador de Latas

clip_image002

Saiu para se divertir, o trabalho martelando na cabeça. Tinha muitas tarefas a cumprir, mudariam a gerência no mês seguinte. O ambiente estava tenso nos últimos tempos. Os colegas se acusavam mutuamente pelo atraso na entrega da correspondência de cobrança. Não faltavam reclamações de cobranças duplas no balcão da loja.

_Eu paguei o carnê, como é que vocês colocaram o meu nome no SEPROC!

Horácio se distraiu, mas a segunda-feira tinha jeito de ressaca, mesmo sem beber.

A chefia mudou a gerência, o atraso terminou, mas os colegas cobravam uns aos outros o dia inteiro. Era como se fosse obrigação deles a responsabilidade de organizar a loja.

Horácio continuava a sair para não apoquentar o juízo.

Aquilo não era se livrar dos problemas do emprego. Se ele não suportava aquele emprego, tinha que procurar outro. Decisão difícil a ser tomada. Sair de vez, não dava. Tinha mulher e filhos, tinha as prestações da casa para pagar. Tinha que ir ao médico, a sua pressão subia e o médico dizia que era emocional. Ele sabia que era emocional, mas o médico dizia para ele aprender a lidar com as pressões do emprego.

Para se acalmar, lembrou-se da sua habilidade em transformar latas de leite em pó vazias em objetos decorativos. Vaso de varanda pintado à mão, que, aos poucos foi se transformando em outros objetos: portas-treco para quartos de mulher, porta objetos para escritórios.

Ao entregar as latas redecoradas, fazia contatos com outras pessoas, obtinha a vastidão de opções com as quais sonhara em encontrar, mas não sabia como o fazer.

De contato em contato firmou o pensamento no novo emprego. Outra loja o convidou para fazer parte da equipe de escritório. Ele se interessou, mas não sem conhecer o ambiente: trocar elas por elas não o interessava.

Durante as férias aproveitou o emprego temporário útil para o lojista e para ele.

Mudou de emprego e continuou com as latas das oportunidades não vistas.

Agora sim, pode sair para se divertir. Menos latas resolveram a questão, parar com as latas seria impossível depois da recompensa.

7 comentários:

Ingrid disse...

alterantivas..
escolhas..
muito bom Yayá..
beijos e bom findi.

Evanir disse...


Estou a 7 anos na blogosfera : A viagem é o casula
hoje completando 2 anos de vida.
Quantos momentos alegres e triste também
faz parte da nossa jornada.
Deus permita muitos anos de vida para mim e meu blog
um mundo fantástico.
Onde nossas amizades sem face completa de maneira
sobrenatural minha vida.
Obrigada pelo seu carinho por fazer parte da minha caminhada
muitas vezes cansada ou meu caminhar um pouco mais lento.
Hoje deixo na postagem mil carinhos para você
um mimo desse dia feliz.
E o sorteio de mais 2 livros meus não
importa qual Pais será ganhador receberá com certeza com muito amor.
Pode até pensar porque sorteio tantos livros meus não é mesmo?
Por ele ser bom e de alguma forma deixar um pouco de mim para vocês.
Meu eterno carinho.
Um feliz final de semana.
Beijos na alma e no coração.
Evanir.

Maria Rodrigues disse...

Há que tentar encontrar a opção certa da nossa vida embora nem sempre seja fácil.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

manuel marques Arroz disse...

A vida actual é um stress impressionante ,é preciso muita coragem para se vencer no dia a dia.

Beijo e bom fim de semana.

edumanes disse...

Catador de latas
Para as latas recolher
No chão não espalhadas
Muitas ele já conter!

Seguem para reciclar
Nas fábricas outras construir
Poluído o meio ambiente não ficar
Toda a gente agradece a sorrir!

Bom fim de semana para você,
amiga Yayá,
um abraço
Eduardo.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Há tantas alternativas de trabalho! Só fica parado quem quer. Ainda mais quem tem habilidades. Junta-se o "útil com o agradável", como no exemplo de "O Catador de Latas".

Crônicas belas, do dia-a-dia! Muito bom, Yayá.
Bom domingo!
Um beijo, da Lúcia.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Por vezes nem sabemos aquilo que conseguimos fazer, é apenas uma questão de oportunidade.


Um beijinho com carinho
Sonhadora