VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 11 de agosto de 2012

Homenagem ao Dia dos Pais – Crônica Familiar

Homenagem ao Dia dos Pais

Crônica Familiar

clip_image002

Eu não faço bolos bonitos, não tenho mãos para decorações de festas, etc. e tal. No entanto, eu sempre fiz o bolo que o meu pai (in memoriam) mais gostava.

O bolo preferido dele era o de chocolate com nozes e doce de leite. Não se enganem, não havia recheio. As nozes iam à massa e o doce de leite de cobertura.

Era um sábado como hoje e o bolo estava no forno e ele elogiando o aroma e perguntando quando ficaria pronto.

_Daqui a pouco, mas vamos comer amanhã. Eu, guardiã do bolo de chocolate.

Minha mãe saiu para se arrumar, estávamos os dois na cozinha tomando café com pão e goiabada conversando sobre o bolo. Naquele dia eu não fiz o bolo na forma de costume, vidro transparente. Tinha resolvido colocar numa assadeira de desenformar e tínhamos um problema: a mesa de fórmica era incompatível com o bolo na assadeira de metal. Nem sei como explicar tanta vontade de fazer o bolo perfeito, mas para ele cheguei a comprar esteiras e tinha decidido que o bolo esfriaria na sala de jantar em cima dos protetores para a mesa.

Não demorou muito e o bolo estava pronto. Meu pai estava preocupado com tanta atenção ao bolo e ao Dia dos Pais, eu parecia bajuladora, não filha. Foi nesse momento do bolo pronto, que ele disse:

_Filha, deixe que eu leve o bolo para a sala.

Eu e a xícara de café concordamos. Ele pegou o pano de prato e tirou o bolo do forno para ir à sala. Não deu dois passos sem dizer que queimava as mãos.

Eu olhei para ele e vi que ele pegou o pano de prato úmido. Não se coloca pano úmido em forma quente e ele não sabia. Quando fui dizer a ele sobre o pano, ele jogou o bolo para cima tentando apanhá-lo na queda. Quando ele começou a pensar que bolo era bola de futebol ou ping-pong (apelido da bola de tênis de mesa), eu me apavorei e disse:

_Deixe que eu pego na queda!

_Não, não. O bolo é meu, disse ele.

O bolo caiu no chão com a forma virada para baixo.

_Pai, a culpa é minha. Eu devia ter feito na forma de sempre.

_Filha, a culpa é minha, eu não sei fazer nada além de café.

Com o bolo esfarelado no chão começamos a rir, gargalhar. Eu peguei a vassoura e ele a pá para recolher o que havia sobrado para jogar no lixo.

Depois de limparmos a bagunça, eu disse:

_Tudo bem, eu faço outro bolo, disse eu.

_Na forma de vidro temperado, disse ele.

O segundo bolo no forno e a gente conversando, quando a minha mãe entra na cozinha. Levamos uma bronca imensa pela bagunça.

_Quer dizer que é eu sair para vocês aprontarem!

Ela estava toda arrumada e nós a protegemos das unhas feitas da louça de dentro da pia. Ou não tivemos tempo de lavar a louça ou ela tinha voltado rápido, fica assim a dúvida, poupando a todos os envolvidos na confusão de qualquer culpa.

Foi um dos melhores dias que tivemos!

Feliz Dia dos Pais!

16 comentários:

edumanes disse...

Fez bolo de chocolate
Para o dia do pai comemorar
Lá para o fim da tarde
Pai e filhos juntos festejar!

Todos os dias, são dias do pai
Da mãe todos dias, dias são
Mas só um se comemorar, vai
Na devida especial ocasião!

Para todos os pais incluindo eu,
desejo um dia muito feliz, e que seja comemorado com muita alegria.
Abraços
Eduardo.

ricardo alves disse...

lindo mesmo!
incrível poesia através de singelas palavras...

Centelha Luminosa disse...

Olá , boa noite!!

Emocionou-me por demais o teu texto homenagem, porque não tenho a presença física do meu pai, ao meu lado.
Bom demais poder rememorar cenas familiares, e a figura daquele a quem amamos. Parabéns por isso.

Bjos da Lu...

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Que o dia dos pais seja muito feliz,cá em Portugal é dia 19 de Março.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

BRISA disse...

Querida amiga
Maravilhoso este texto sobre o pai.Pena que não tenho pai.FELIZ DIA DOS PAIS.E um domingo maravilhoso para vc.
Ana Brisa

Elisa T. Campos disse...

Querida Yayá

Também não tenho mais a presença física do meu pai para comemorar esse dia, mas a sua linda crônica me fez lembrar os bons tempos em que ficava com ele á mesa na hora das refeições.

Feliz dia dos pais.
Beijos.

Luís Coelho disse...

Como pai gosto que o dia seja passado com os meus filhos em comunhão e carinho.
A melhor prenda é vê-los e abraçá-los

Como filho recordo a saudade de quem partiu e tanto me deu e a quem nem sempre correspondi.

Djalma CMF disse...

Um belíssimo texto que emociona os leitores desse magnífico blog nesta data tão maravilhosa. Parabéns menina, bjos.

Imaginário disse...

Belos momentos esses, Yayá. Estão entre os melhores de nossas vidas, eu não tenho dúvida. Sem falar na magia de poder rir das [próprias] trapalhadas...
Parabéns !
Gilson.

Fernanda Oliveira disse...

Lindo seu texto amiga Yayá, não tive pai,mas imagino que é muito bom ter, e quando se perde é triste, te desejo uma linda tarde! Bjs! Fernanda Oliveira

Rita disse...

Apesar da homenagem,e o texto ser bom, eu fiquei triste pq tbém não tenho pai
Mas para quem tem um abraço carinhoso
Bjuss de boa noite e uma ótima semana
Rita!!!!

BlueShell disse...

Ainda bem...apesar dos bolos voando pelo ar!
Gostei... Muitas felicidades,
Bj

aluap disse...

Achei bonita a homenagem.
De Forninhos, só hoje consegui ligar-me à Internet, pelo que com um pouco de atraso, ainda assim desejo um Feliz Dia dos Pais e uma excelente semana.

Um abraço com saudade e @té breve/Paula

Sissym disse...

Querida, eu já queimei as mãos pegando pano umido, isso mesmo, não se deve, o calor passa imediatamente!

Gostei da cronica, são coisas da vida que marcam, mesmo parecendo simplicidade do dia-a-dia.

Beijos

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Crônica familiar, é tudo de bom!
Parabéns, por texto tão interessate. Quando venho, leio algumas postagens ateriores. Gosto, do que escreve, Yayá!

Um abraço,
da Lúcia

Lia Noronha disse...

Yayá: vc adoça nossa alma..com suas dces palavras...bjinsss