Lugares Bonitos

Lugares Bonitos

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

sábado, 1 de outubro de 2011

Os Tempos Eram Assim

Os Tempos Eram Assimclip_image002

Estes dias de páginas em branco pensei em fazer um abaixo-assinado em homenagem ao estimado Stanislaw Ponte Preta e o FEBEAPA (Festival de Besteira que Assola o País) para que os que concordarem que o direito de dizer bobagens em rede nacional é nosso, dos escritores sem formação; ninguém melhor do que nós, que pouco ou quase nada sabemos, para dar opiniões sobre os fatos, somos opiniões pitorescas.

Não consigo sequer ligar a televisão na hora do almoço. Existe horário pior do que este para se falar em dieta? Eu com o meu prato de alface, arroz e frango e a nutricionista pensando no que eu deveria comer. Não ligo e pronto, o arroz é meu e a banana de sobremesa também. Como desabafo eu digo que não ligo para a turma que pergunta por que eu compro dois quilos de banana por semana. Ninguém tem nada a ver com isso!

Eu, criticar? Pensam que sou o quê? A minha opinião sumiu; aliás, não sumiu, está tomando chope com o amado Alzheimer, esqueci que não bebo.

Faço a crônica com pressa, tenho um milhão de coisas para fazer, entre elas, dormir oito horas, coisa que não fiz. Estava preocupada com esta página em branco.

Ah, lembrei que quero fazer uma crítica, mas sobre o quê? Ninguém presta a devida atenção em nada. São ouvidos moucos, óculos coloridos, meditações silenciosas, etc.

Um conhecido meu me chamou atenção e disse para que eu lesse os jornais e eu respondi para que, se engatamos em repetições. Ele me disse para ler qualquer coisa. Bom, isso eu já faço, embora os artigos de auto ajuda estejam cada vez melhores, menos para as mulheres de pouca fé e os seus percalços. Aí cabe um parêntesis, não sou eu quem diz, é Nostradamus. Dizem que é mensagem cifrada, mas eu não tenho vocação para decifrar códigos secretos, eu já me perco com códigos abertos como o Linux, imagine o secreto?!

Nesse período de páginas em branco não engordei e não emagreci, também não vi o que a nutricionista falou e a lingüiça calabresa não passou perto do meu prato, e eu gosto.

Falando em FEBEAPA, sirvo a primavera em uma deliciosa sobremesa leve para crianças e idosos, adultos também, por que não? Pena que não lembre do outro nome do Ponte Preta, é a memória e os seus problemas crônicos.

Torta levíssima de bananas (pode-se substituir por maçãs e damasco, foram as frutas que eu testei).

2 caixas de pó para pudim dietéticas, no sabor baunilha.

1 xícara de leite em pó desnatado

5 bananas

3 colheres de sopa de frutose (adoçante natural à venda no supermercado na seção diet).

½ xícara de água

Modo de Preparo

Prepara-se em uma panela a frutose com meia xícara de água até começar a dourar, colocam-se as bananas em rodelas até que elas dourem em caramelo.

Em uma leiteira coloca-se o pó para pudim e o leite conforme o indicado na embalagem e acrescenta-se uma xícara de leite em pó desnatado. Quando borbulhar, desligar e continuar mexendo por cinco minutos.

Montagem

Forra-se uma forma refratária média com metade do creme, adicionam-se as bananas carameladas e cobre-se com o creme. Se desejar, polvilhe canela em pó, não é obrigatório.

Coloque na geladeira e espere esfriar.

Os. Ninguém diz que é dietético e come-se sem culpa de estar de bem com a vida.

25 comentários:

Artes e escritas disse...

Segunda-feira já chega. Um abraço, Yayá.

Christian V. Louis disse...

Adorei a crônica, totalmente espontânea. Penso que as pessoas andam muito neuróticas com o que comer, o que ler, o que pensar, o que opinar, enquanto deveriam somente relaxar um pouco mais. Só diabéticos que devem ficar longe deste post. rs.

IDERVAL TENÓRIO/DRA VIRGINIA TENORIO disse...

Mestra mais uma vez acertou em cheio,bateu fundo na molera do sujeito, fez uma regressão, conseguiu em poucas palavras massagear a massa encefálica do leitor.

Yayá o escritor pensa e acha que não é escritor, para ser escritor não precisa de curso, basta a inspiração.Você é uma das minhas preferidas,leio atentamente os seus textos.um abraço Iderval.

Célia disse...

Ah! Yayá... depois de muitas cabeçadas na vida... uma liberdade fantástica consegui, sem culpa alguma: "SOU" e os demais... que sejam também ou me esqueçam... Afinal, meu "amado Alzheimer" autoriza-me a tais "insanidades" depois de uma vida toda dedicada ao (s) outro (s)...
Sensacional sua crônica-confissão de vida! Beijo, Célia.

Miriam de Sales Oliveira disse...

Querida,desisti de fazer dieta.Sou baiana,mestiça,seios grandes,bunda,n/ vou me transformar numa deusa nórdica.Nem quero colaborar com um sistema doentio e quer escravizar a todos.
Vou saborear acarajé enquanto der. rsss bjks

Van disse...

Suas páginas em branco rendem, heim?
Muito boa!

Beijos Yayá!

Severa Cabral(escritora) disse...

Minha querida amiga como vc foi feliz nessa receita ...tem muita gente precisando de uma receita desta natureza.Sei que vc vai fazer bem para muita gente...aplausos...
bjs de dia de domingo!

Enigma disse...

Olá Yayá,

O que eu mais admiro em você, é a sua espontaneidade. Você é muito especial, li atentamente a sua crônica. Pensar, escrever, falar, comer, e definitivamente fazer o que é melhor pra si, é T.U.D.O de bom. Um forte abraço! Bjs!

Simone butterfly disse...

Oi minha linda amiga, até que enfim conseguir comentar, outras vezes vinha aqui comentar e não dava certo, hoje deu certo! ufa!!!
Que lindo minha linda o que escreveste, vim avisar que tem selinho e ficaria muito feliz se aceitasse, foi feito com muito carinho...O selinho está lá no final do blog, beijos carinhosos

BRISA disse...

YAYÁ
PASSANDO PARA TE DESEJAR UM FELIZ DOMIGO. LINDO TEXTO CONCORDO.
"Há pessoas que nos falam
e nem as escutamos,
há pessoas que nos ferem
e nem cicatrizes deixam más
há pessoas que simplesmente
aparecem em nossas vidas e
nos marcam para sempre".
BJ
BRISA

Jorge disse...

Saramago dizia: todos somos escritores, só que uns escrevem e outros não! Mas acho que o Saramago esqueceu a outra classe de indivíduos: aqueles que estão entre os que escrevem e os que não escrevem.

Ivone Poemas disse...

Muito boa postagem! Lembraste de Stanislaw Ponte Preta!
Gosto de escrever como eu sinto e percebo a vida, sei que todos nós que gostamos de escrever é por também gostar de ler.
Dieta, ai, nem pensar, pois tudo faz engordar, então o jeito é comer o que se gosta e se puder e resistir comer menos, boa a receita, vou tentar fazer!!!
Abraços!
Ivone

normy disse...

un abrazo desde Argentina♥

Valéria Sorohan disse...

Caramba!!!! Isso está incrivelmente sublime. Parabéns. E beijooO*, claro.

parole disse...

FEBEAPA (Festival de Besteira que Assola o País)... eu ri disso!!!

Suas crônicas são maravilhosas.Uma delícia de ler.

Beijos e uma semana linda para vc.

Aclim disse...

rsrssr....é complicado, mas é isso. Falar sem se preocupar com o que pensam ou dizem, apenas escrever...rs

Bom não?

Abraço

ONG ALERTA disse...

A vida é uma só...temos que parar uma hora...beijo Lisette.

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, gostei da crónica e da torta de Banana...Espectacular....
Cumprimentos

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

O FEBEAPA é o que de mais acertivo apareceu neste nosso país de tantas BESTAS...valeu, Yayá...que saudade do extraordináio Ponte Preta...ainda bem que temos uma Yayá, pra trazê-lo de volta!
Obrigada, também, pela receita...
Beijos
Da Lúcia

Nita disse...

Que a sua semana seja fenomenal!

Um beijo da Nita. Hoje de bom entardecer!

。♥ Smareis ♥。 disse...

Eu adorei a crônica, e amei a receita de Torta de banana, deu água na boca.Desejo um ótimo começo de semana cheio de coisas especiais. Beijo grande!
Smareis

OceanoAzul.Sonhos disse...

Yayá, sempre bom ler mentes arejadas.
Um abraço
oa.s

Paulo Sotter disse...

Yayá essa crônica está uma pérola. Continue escrevendo assim e brindando a todos com textos criativos e interessantes como este. Terminar com uma receita ficou ainda melhor. Parabéns pelo belo texto. Um abraço

CEM PALAVRAS disse...

Que delícia de crônica! estava com saudades dos seus escritos.
Beijos, Yayá

CEM PALAVRAS disse...

acabei de deixar um comentário, mas acho que não me identifiquei.
beijos