Loading...
Loading...

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Insônia

Insônia
clip_image002
Qual ponto de luz na sombra,
Que brinca de esconde-esconde,
Que a vê nesse vão à redoma
Ao olhar de cansaço ao longe.

Ao espaço vagueia a Paloma
E, à luz, descortina o bonde;
Percebe que a vida ronda,
Qual carta não lida anteontem.

Desperta ao café que côa
Ao bule de sonho insone;
Mas pensa dormir e sonda
O sono que foge às onze.

4 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Gostei do poema e da imagem.
Pensei em mim muitas noites em que o cansaço me deixa KO e tem dias que só me apetece desligar o computador na ficha da corrente eléctrica...

Antonio Pereira Apon disse...

Olá.

Belos versos. Tem vezes que o sono acorda para sonhar poesia e o corriqueiro arredor, ganha insólito versar, desperta inspiração.

Um abração e bom fds.

Célia Rangel disse...

Essa vida de Paloma... e de insônias, conheço bem...
Bj. Célia.

ONG ALERTA disse...

Belo...
Beijo Lisette.