Loading...
Loading...

sábado, 25 de março de 2017

Sobremesa


Sobremesa

A fome
Sem nome
Não é gula.
Não é agrura

E some;
Pronome
Que sua
Sem rua.

Consome
A fome
A sua
 Doçura.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Entrave


Entrave

Poema travado,
Tem sua linha,
Mas não é versado.

Desconversado,
Não se avizinha;
Descompactado,

Deixa de lado

O que adivinha.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Musicalidade


Musicalidade

A rotina obrigatória,
Musicada por lazer,
É função contraditória;

Sem escolha e nem história,
Faz-se bela a esse afazer
Com feitio de somatória.

Sequencial e compulsória,

Não se cansa de entreter.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Tristemente

Tristemente / Reflexão do cotidiano

     Basta ligar a televisão para se entristecer. Parece que o mundo perdeu o senso de razão. Detesto pensar em guerra, mas é o que se adivinha.
     Não é possível entender a filosofia de vida dessa gente que aterroriza o mundo como se a vida fosse um filme que demandasse de super-heróis.
     Não se melhora nada com a violência, mas diminui-se o tamanho do mundo com ela.
     A maioria das pessoas faz um esforço tremendo para melhorar a sua vida e, quando se pode ajudar, as ajudas humanitárias estão por toda a parte do planeta.
     Será que apareceu mais alguém para querer dominar o mundo?
     Não conheço filosofia adepta desses conceitos. São pessoas estruturadas financeiramente que agem dessa forma; eles têm carros e meios de informação para atingirem os seus objetivos de destruição. Não ouvi falar de nenhum pedido de ajuda humanitária por parte desses grupos de pessoas que, sejamos, sinceros, nos afligem e afligem o mundo inteiro.
     Provavelmente essas pessoas têm conceitos diversos do mundo tal e qual o conhecemos.
     O que deu para perceber, pelo menos, numa percepção pessoal, é que eles não gostam da liberdade e desprezam o que possuem, pois destroem lugares com os quais muita gente pretende conhecer ou visitar algum dia.
     Quando acontecem esses episódios como o de hoje, o que se pergunta é sobre a raiva e o por que essa demonstração de loucura em público.
     As necessidades humanas são muitas e, se fosse por aqui, as ajudas seriam a melhor propaganda de um país.
     Parece que é uma demonstração de força de um grupo qualquer, grupo esse extremamente frustrado com as próprias condições.
     Bom, que a humanidade está em perigo, é óbvio. Mas de vez em quando parece que é uma força invisível que faz esses atos de violência.
     Às vezes penso que, se descobrirmos o que lhes falta, muito saberemos para modificar essa agressividade gratuita que assusta a humanidade.
     Cada vez que acontece uma violência dessas, como a que hoje aconteceu em Londres, a diplomacia internacional sente-se fracassada.
     Some-se na ponta do lápis um negócio desses: um automóvel, o combustível, um plano meticulosamente engendrado, sim um plano bem arquitetado, pois as câmeras de segurança permeiam o mundo desenvolvido, o mundo em desenvolvimento e também está no mundo subdesenvolvido, pois hoje em dia o custo da segurança eletrônica é acessível.
     O que impressiona são esses ataques solitários de gente que perdeu a noção da convivência humana.
     Tem dias que a gente não sabe o que dizer, então escreve para compartilhar uma ideia.
     Esse é o caso dessa reflexão.

terça-feira, 21 de março de 2017

Deus é Verdade


Deus é Verdade

O que não é e não pode ser
É uma impossibilidade,
Mas quem nos fará entender,
Se Deus é uma realidade.

Pertence a Ele até esse crer,
Essa fé onde Ele é vontade,
Melhor é Nele viver
 E manter-se em humildade

Circunstância do sem ver;
Essa espiritualidade
De o indizível conceber.
A Ele pertence à verdade.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Causalidade


Causalidade

Essa seriedade
N’alma é a reflexão
Meio à imparcialidade,
Ser em compreensão

Da causalidade.
Alheia a uma ficção
À casualidade
Nessa condição,

Da espontaneidade
A uma introspecção,
O tempo é a verdade
Em oxidação.


domingo, 19 de março de 2017

Defensas


Defensas

Quando acesas,
Luzes tensas,
São incertezas;

Estranhezas
De descrenças
E tristezas.

Com fé há proezas,
Há defensas.