Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

terça-feira, 17 de abril de 2018

O Templo Maldito / Miniconto


O Templo Maldito

     Terezinha, três anos e meio de idade, na escolinha maternal. A mãe pensou que a escolinha do templo fosse bom para uma menina que desejava fosse bem educada.
     Um dia, em sala, Terezinha pediu um copo de água para a professora.
     _Saia e vá buscar, Terezinha, É só subir a escada.
     Terezinha não sabia as palavras. Subiu as escadas e andou por enormes corredores, andou e andou e não via nada.
     De repente viu uma cozinha grande. Nela estavam o religioso e algumas pessoas.
     Ela se dirigiu a uma das mulheres e disse, do jeito que falava:
     _Ata.
    A mulher respondeu:
     _O que foi, menina?
    Ela insistiu:ata.
     A mulher sorriu e não deu água nenhuma.
     O religioso disse:
     _Que criança bonita. De quem é?
     Ninguém sabia de quem era a criança.
     A menina pensou na mãe e disse mãe e saiu andando para voltar a sala de aula.
     Voltou às escadas e aos corredores.
     As moças faziam orações.
     Ela queria saber onde era a sala, mas não sabia falar.
     Andou e andou e parecia que as moças a ignoravam e continuavam fazendo orações.
     Cansou, sentou na escada e pôs-se a chorar.
     Passaram-se algumas horas naquela escada. Ela chorou, desmaiou, acordou com as mãos de uma mulher que a levou para fora do lugar.
     Lá fora a sua mãe gritava e pedia pela polícia para que encontrasse a sua filha.
     Quando a menina viu a mãe,ela chorou aos berros, abraçou a mãe e agarrava-se aos seus cabelos e disse que queria ficar com ela, na linguagem que sabia falar, abraçando, chorando e agarrando a mãe com pavor daquela gente estranha.
     A mãe a levou ao médico, que verificou se a menina não tinha sido agredida fisicamente.
     O médico brincou, acalmou, deu água à mãe, e água e docinhos próprios para crianças pequenas.
     As duas só saíram do consultório depois que o médico restabeleceu a tranquilidade delas.
     _Eu vou prescrever uma receita para a menina. A senhora me prometa que irá medicar imediatamente.
     A mãe prometeu ao médico que sairia dali e providenciaria a medicação antes de ler a receita.
     O médico escreveu e deu à mãe:
     Na receita estava escrito:
     "Tire imediatamente essa menina dessa escola e não a coloque em escola nenhuma antes dos cinco anos para que ela possa se queixar da escola".
     O médico olhou bem para a mãe da menina e diagnosticou:
     _Se a senhora não entendeu, tentaram roubar a menina.

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Uma séria reflexão à modernidade de se jogar para a escola, a responsabilidade de se criar filhos... Infelizmente!
Abraço.