Loading...
Loading...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Décor e Salteado


Décor e Salteado

Acabou-se o carnaval,
Particípio do passado
De um amanhã, bem lembrado.


Se, necessário, afinal,
Sem sentir-se ensimesmado,
É discussão de advogado.


Dizer o quê, a quem, sem mal,


Num confete, é decorado. 

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Poesia Filosofada


Poesia Filosofada

O problema não é não saber,
O importante é saber do nada
Que se sabe depois de ler,

Que é melhor do que o não saber.
A pessoa se vê transformada
Pelo espelho que é o se antever

Pouco adiante e se conhecer

Na poesia a ser filosofada.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Aceitação / Reflexão


Aceitação / Reflexão



     Hoje, domingo de carnaval, a televisão nos oferece dois programas bons: o desfile das escolas de samba, para quem gosta da festa e a premiação do Oscar.
     Duvido que eu consiga assistir a algum dos programas sem cochilar e acabar por desistir e dormir.
     Aceitar-se com menos disposição para ficar acordada até tarde é o começo dessa reflexão.
     Tenho repetido alguns "nãos" ultimamente.
     Não para os bichos de estimação. Pode ser moda, pode ser culturalmente normal os bichinhos de estimação, mas eu gosto de passarinhos e os passarinhos chilream em todo lugar, junto ao movimento da cidade.Sem cachorros, gatos e coelhos ou qualquer outro, não fazem a minha natureza.
     Os "nãos" acima estão inseridos nas escolhas pessoais.
     Existem porém, os "nãos" obrigatórios. São os "nãos" à ginástica e musculação. Essa é uma condição que eu aceito como parte da preparação para a possível chegada à terceira idade. O aconselhável para gente da minha idade é manter a caminhada como ponto de referência e preferência.
     Interessante é que as mulheres que praticam essas atividades pensam que todas as outras podem, ou devem, praticar tais atividades. Usando uma expressão da idade, explico: "para mim, isso já era."
     Porque ao invés de se criarem queixas para o que não deve ser feito, a gente abre uma perspectiva para o que pode ser feito, o que é um ponto de vista positivo.
     Hoje em dia, já não temos a liberdade de expressão que tínhamos antigamente. Além dos hackers, temos uma gama imensa de letras de músicas, históricas e divertidas, que não se pode cantar, sob pena de comentários maldosos.
     Sob esse ponto de vista o "crentês", a novilíngua dos crentes é uma saída excepcional. Obrigada gente.
     Acredito que o problema são os grupos de pressão, ou seja, grupos de pessoas que pensam que a gente pode o que a gente não pode.
     Problema deles!
     Cada um deve fazer o que é melhor para si mesmo, desde que não seja "errado".
     As pessoas devem aceitar as próprias limitações e devem fazer-se respeitar juntamente com essas limitações.
     As complicações que as limitações causam é o espelhamento dos contemporãneos. Mas isso é bobagem, porque tem pessoas de mais de setenta anos que andam oito quilômetros duas a três vezes por semana e se senytem ótimas, mas têm pessoas de quarenta e poucos anos que fazem essa caminhada e se dão mal.
     Vivemos num mundo cuja tendência atual é restringir a liberdade individual, incluindo-se as escolhas pessoais, como as roupas e os acessórios. Cabe à gente não aceitar essas restrições. São restrições impostas e o melhor é dizer não a elas.
     Se a gente concordar, logo chega a restrição à expressão do pensamento não somente em público, como em particular.
     Hoje cedo, ouvindo música, perguntada sobre algumas letras de música, eu contava que essas músicas tocavam nas estações de rádio e eram cantadas dentro de casa.
     Agora um "sim". Sim, estou envelhecendo e mudando os meus gostos e necessidades. E me aceito nessas condições e digo "não".É bom chegar próxima a uma idade onde o "não" não pega mal.
     Bom Feriado!  



            

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Guardados


Guardados

Peneiro os meus discos,
Nos olhos, uns ciscos
Teimam em ficar.

Eles não têm riscos
E ouço ainda os chuviscos
A comemorar

Alguns bons petiscos.

Todos vou guardar.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Erratas


Erratas

Sumiram as erratas
Que foram ensinadas;
Esquecidas, são ainda úteis.

Palavras apagadas,
São frases mal formadas,
Informações inúteis.

Ideias concatenadas,

Por certo, não são fúteis.


Ps. poema feito para lembrar que dificilmente se leem erratas sublinhadas no noticiário da internet, o que deixa os leitores confusos a respeito da informação útil e correta, deixando a dúvida e isso é desinformação.



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Temporalidade


Temporalidade


Entre escolhas e obrigações,
A vontade e a necessidade,
Eis que muitas são as direções,
Determina-as a realidade.


Nada exclui as próprias exclusões
Da sutil naturalidade
Que se nega as quaisquer opções;
Circunspecta interioridade.


Necessárias são as reflexões
Por momentos, solta a humildade,
Nessas tantas pré-posições;
É a poesia e a temporalidade.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Aí é Outro Departamento

Aí é Outro Departamento


     O problema não é a profissão de fé, a falta de fé, a consciência racional; é com cuidado que se cuida das pessoas carentes de fé.
     O problema é ser contra o que Deus ensina. O problema é tentar a Deus.
     " Não se repete o que o "coisa ruim" diz."
     O bom é procurar as palavras boas e edificantes, coisas que podem auxiliar a fé. Mas, ao contrário, a gente deixa para Deus resolver.
     Não se consegue entender a raiva contra a fé e é por isso que, nós, cristãos, chamamos essas coisas de coisas vindas de anjo mau, caído da proteção de Deus por vontade.
     Infelizmente tem gente que se diverte peversamente dizendo e fazendo-se contra o bom ensinamento.
     Acreditem, tem gente que quer o Outro Departamento, o mal.
     Numa linguagem simples, a resposta perfeita:
     _Eu não posso repetir o que ouvi, mas posso avisar a senhora sobre os adeptos do anjo mau.
     Gostei de ouvir e verificar esse posicionamento.
     Queremos o bem e não divulgamos as atividades do aml, mesmo quando eles pedem para serem divulgados, numa propaganda diabólica.
     Sei que a pessoa falou a verdade, pois é assim que eu mesma faço contra o "coisa ruim".
     Muita gente já sabe dessa história, mas sabe do tempo em que eu não era cristã. Quando não se é cristã, o que se ouve de ruim é compartilhado.
     De novo e mais uma vez, a mesma história: a pessoa se exibe como que desprezando a existência do divino e dizendo que é mais poderosa que o altíssimo.
     Acredito que, a essa altura do tempo que a pessoa se repete e, somando-se a isso, o tempo em que se pensava que se falasse, a situação mudaria, é muito tempo.
     Mas a pessoa não é bandida, mas gosta de estar contra tudo o que pode ser pela fé.
     A maldade consiste em fazer os outros desacreditarem Daquele a quem, por ser contra, não se sente abençoada.
     Longe de ser ateia, esse tipo de provocação é contra a fé, mas de maneira completamente diferente daquele que é ateu. A pessoa lê a palavra sagrada para encontrar argumentos para tirar a fé que mora na alma do outro.
     Hoje não fui eu quem ouviu, mas a pessoa em questão se comportou em acordo à doutrina que diz que o mal não se propaga.
     No tempo em que eu ouvia, era absurdo, conforme a frase abaixo:
     _Continua com o teu "deusinho querido"? O que é ele faz por você?
     Hoje, a resposta está óbvia: Aquele em que creio me acompanha em todas as horas me dando conforto e consolação nas horas difíceis.
     Não sei o que houve, mas sei que a fé prevaleceu porque se orou ao invés de se comentar qualquer coisa ruim. É melhor assim.
     Acreditamos na liberdade da prática religiosa.
     Esse tipo de provocação é perigosa e é bom que se avise o outro quando acontece algo como esse tipo  de situação.
     Deus é amor. Se alguém não crê, mas cultiva o amor ao próximo dentro do coração, está bem.
     Quem é contra o amor ao próximo é melhor nem comentar, mas é preciso saber.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Momentos


Momentos

Bordados guardados
Em busca de luz
São fios caprichados
Em ponto de cruz.

Nesses fios mesclados,
O opaco reluz,
Pois dizem calados
O que se deduz.

Avessos colados,
Castanhas cajus,
Sequilhos dourados,
E, a paz, pressupus.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

À Martelada


À Martelada

Um poema martelado,
Rústico e mobiliado,
Também rima e verseja.

É o desenferrujado
Parafuso enroscado
Numa grande presteza.

Quase como gritado,

Mas, consoante, verseja.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Passeio de Casa

Passeio de Casa


     Para quem está em casa sem muito o que fazer, uma boa ideia é passear acompanhada pelo Google.
     A ideia é a seguinte: escolhe-se uma localidade sobre a qual se tem alguma curiosidade e, pronto, o passeio virtual começa.
     O passeio é virtual, mas como o blog, a experiência é real.
     Outro dia me perguntaram por que é que ainda não conheço Manaus, Amazonas, Brasil. É só tomar as vacinas recomendadas e ir até lá. Afinal, quem vai para Nova York durante o inverno, se for esperto, toma a vacina contra a gripe e a pneumonia.
     O argumento é bom, mas eu não pretendo e nem posso viajar por enquanto, ando abraçando a casa, esse meu mundo diário.
     A curiosidade veio e cliquei no mapa de Manaus. Com o mapa na tela do computador a gente começa a idealizar uma possível estadia por aquele estado.
     O rio Amazonas, as regiões ribeirinhas, as ruas, as calçadas, as vitrines do que se veste por lá, é uma imensidão de novidades agradáveis de se visitar.
     E tem mais, a gente pode perceber o povo nas ruas, o indo e vindo pelas avenidas, é uma viagem.
     Além do mais, é uma viagem econômica, porque o gasto se resume em alguns biscoitos e uma garrafa de guaraná gelado em frente ao computador.
     Passeando sem pressa, pode-se observar a natureza, os barcos catamarã, as flores vitória-régia.
     Quando a gente sai do computador, a impressão que se sente é muito boa.
     Os problemas do dia a dia foram esquecidos e o lazer foi real.
     Do estado do Amazonas, o que eu experimentei na vida real foi uma compota de tamarindo e um panetone de cupuaçú, além de um caldo famoso que amortece a língua, espera um pouco, vou pesquisar o nome do caldo. Pronto o nome do caldo é "Tacacá no Tucupi". Há alguns anos atrás o SENAC de Curitiba trazia à cidade festivais gastronômicos e dentre esses festivais, eu me lembro de ter ido ao festival gastronômico de comida amazonense e estava tudo excelente. As reservas eram antecipadas e era preciso marcar com alguns dias de antecedência para conseguior almoçar lá no meio da semana. Aos finais de semana, a fila era tanta, que era impraticável. No entanto, na fila de espera eram servidos sucos típicos e castanhas para degustação.
     Passear pela internet é quase tão bom quanto ir ao festival gastronômico, mas não engorda.
     Também não esqueço de uma moça amazonense que estava repetindo a sobremesa, coisa que eu fiz também. Comen´tavamos que se comia demais nessas feiras, mas também o sabor do doce de tamarindo era inigualável.
     A moça, uma amazonense residente em Curitiba, disse que estava com muita saudade daquele sabor.
     Realmente muito bom, repliquei.
     _É pra comer de lamber os beiços.
     Concordei e enchi a cambuca com doce de tamarindo.
     Acontece que, viajar até lá, ainda não me foi possível, pelo menos até o Google mapas me permitir esse lazer.
     Desanuvia o espírito, coisa que os mais antigos diziam.
     Se você está em casa, como eu estou, escolha uma cidade, escolha um lugar que goste, visualize a rua e siga. Pare em cada esquina e semáforo, olhe o que a cidade oferece e se divirta. O automóvel é Google também.
     De vez em quando a gente inventa o lazer.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Pensamento Casual


Pensamento Casual


Um arco-íris sem chuvas,
Geladeira com uvas
Num calor sem igual,


Mostra o inverno com luvas,
Compensações das lufas
Para um tempo casual.


Mantenham-se as pantufas


Para o dia desigual.


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Hora Certa


Hora Certa

Braços de Morfeu,
Cansaço bem meu;
Cuidado de casa.

Parece um museu
De estudo em Liceu
E nunca se atrasa.

O relógio é ateu

E a noite o defasa.


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Dificuldade


Dificuldade

A dificuldade,
Em si é um desafio,
É a perplexidade
E deixa um vazio,

Mas pela vontade
Navega-se um rio
Com força e humildade;
Braços de navio,

Passos de cidade,
Tecendo-se um fio,
Faz-se o ser bravio.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Apreciação do Tempo


Apreciação do Tempo


Essa ruga vincada,
Conseguida e suada,
É lembrança do tempo.


Detalhada e apreciada
É a experiência louvada,
Um sabor de contento.


À feição delineada,


A secura do vento.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Lua Nova


Lua Nova

A hora passa,
Não é de graça;
Rebuscada.


Que se faça
Sem a farsa
Compensada.


Lua escassa,


Mas prateada.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Sonidos


Sonidos

Não são coleções,
São momentos idos
Em muitas canções
Nesses meus ouvidos.

São essas sensações
Tempos concedidos,
Vários e aos milhões,
Por sob os sentidos.

Música em porções
São estilos vividos;
Novas concepções
Nos mesmos sonidos.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Muxoxo



Muxoxo


Que se estendam
Ao invisível
Que legendam,


Mas compreendam
O possível
E não o vendam;


Que se ascendam


Ao impossível.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Resumo


Resumo

Resumo
É insumo
De poema

Sem rumo
Em sumo
Fonema

Do mundo
Com fleugma.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Uma Abelha a Menos / Crônica do Cotidiano


Uma Abelha a Menos / Crônica do Cotidiano


     Ao final da tarde é prazeroso tomar um café. Ligo a cafeteira e espero o café ficar pronto.
     Saio da cozinha por alguns minutos e, quando volto, vejo uma abelha passeando na cozinha. Ali não há nada do que ela possa gostar. Pego uma revista e vou espantar a abelha.
     Surpresa, observo que ela voa em volta da cafeteira elétrica, ligada e com a água quente.
     Espero o café ficar pronto e a abelha também. Não consigo me aproximar da abelha porque ela avança a cada tentativa de desligar a cafeteira.
      A cafeteira começa a chiar, indicando que o café, além de pronto, começa a ferver dentro da jarra de vidro.
     A abelha tenta entrar na jarra de vidro.
     Se a abelha pensasse, certamente não tentaria entrar na jarra da cafeteira elétrica com o café a ponto de ferver.
     Mas não tem jeito. Ela avança a cada aproximação do botão que desliga a cafeteira. Afasto a minha mão do botão e ela volta ao bico da jarra de vidro.
     Penso em espantá-la com um pano de prato ou uma revista, mas uma abelha não vale a jarra de vidro da cafeteira.
     Cuidadosamente desligo a cafeteira da tomada elétrica e a cafeteira para de chiar.
     Acaba o chiado e a abelha consegue entrar na cafeteira elétrica.
     Menos uma abelha na face da Terra. Café desperdiçado.
     Jogo fora o café, espero esfriar a jarra e a lavo. Passo o café.

     Nem sinal de abelha. Mas ela tomou café quente. Não é possível entendê-la. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Pretensão


A velocidade do dia
Pisca, rabiscando o caderno
Cheio de atividades, o guia
Que se customiza em moderno.

Se pretende, não é o que seria,
Não fosse o que é novo e não eterno.
Gasto pelo tempo se via
Peremptoriamente um inverno

Com chuva gelada. Apatia
Desproporcionada em alterno;
Num espelho d' água chovia
A imagem cansada; o moderno.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Rodopio


Rodopio

O que eu quero, quero?
Saber à varanda
O que eu considero
Bonita miçanga,

O adorno que espero
De uma propaganda,
Quando o que aglomero,
É mera quitanda.

Então retempero
O que quero em branda
 Névoa ao que exagero;
Rodopio em ciranda. 

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

À Tempo


À Tempo

Devagar, quase parada,
Perde-se o andar, à chegada,
Num esforço continuado
Repetitivo e extenuado.

A música, grande aliada,
Da leitura complicada,
Que deixa o teclado suado,
Mas nunca o músico amuado.

Metronômica parada,
Numa nota só e pausada
Que retorna ao dedilhado
Depois do tempo jejuado.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Orquídeas


Orquídeas


No jardim das orquídeas sagradas
Observar-se-á uma a uma distanciadas
E de longe, para a admiração,


É o jardim das flores bem cuidadas,
Das metáforas verbalizadas,
Tangenciadas numa oração.


São as histórias ao vento sopradas


Por sensíveis estradas de chão.



domingo, 5 de fevereiro de 2017

Materiais Alternativos



Materiais Alternativos

     Escrevo sobre o tema porque eu não sabia da existência desses materiais e, muito menos que o custo é acessível aos bolsos comuns de boa parte da população.
     Pensando em mudar algumas coisas aqui em casa, fui à pesquisa.
     Uma das soluções em matéria de piso é o piso com amortecedor. Eles, os especialistas sugeriram. Ano passado, como postei em outro blog, furei o carpete da sala com o salto dos sapatos num dos pedais do piano.
     Eu não posso colocar o amortecedor de chão porque o custo é alto e complicado para locais mais antigos. O amortecedor de piso deve ser aplicado por sobre o piso logo depois de cimentado. A ordem é a seguinte: concreto, amortecedor e piso da sua preferência, ou seja, carpete ou laminados de madeira.
     Existem pisos próprios para o quintal da casa com amortecedor emborrachado. Fáceis de lavar e de alta resistência, mas que evitam o cansaço físico além de serem seguros.
     Percebendo a minha desatualização, pesquisei assuntos vários e soluções várias para problemas enfrentados nos centros urbanos.
     Alguns donos de coberturas estão aplicando tinta emborrachada no chão antes de se mudarem para as suas coberturas. A tinta é impermeabilizante e tem cheiro muito forte, mas vale a pena para assegurar-se que não ocorrerão infiltrações para os apartamentos dos andares de baixo. Essa tinta é aconselhada como acabamento de construção para piscinas, uma excelente sugestão para moradores de áreas quentes.
     Em termos de revestimento para paredes, nem vou listar. Eu ficaria dias contando das novidades e utilidades diversas.
     Essas novidades são fabricadas no país e muitos materiais decorativos estão caindo em desuso. É bom pesquisar antes de comprar.
     Existem instalações, sobre as quais eu ainda não descobri como é que funcionam.
     Tempos atrás, viajei e fiquei num hotel com o banheiro muito pequeno. Não sei se é alguma espécie de ar condicionado, mas o fato é que o banheiro fica seco após meia hora depois do banho. Essa é uma solução para banheiros pequenos e pensei nas quitinetes e nos apartamentos pequenos. Infelizmente eu não descobri como é que isso funciona.
     As novidades são muitas, com materiais atóxicos inclusive.
     A pesquisa e o detalhamento dessas matérias têm que ser feito por quem entenda do assunto, mas a quantidade de lojas e sugestões de vendedores especializados no produto que vendem é muito interessante.
       Esse texto não é divulgação de nenhum material. É que as sugestões podem ajudar quem está comprando ou construindo um imóvel.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Fundamento


Fundamento

A sensatez
É a polidez
Do sofrimento,

Essa fluidez
Na nitidez
Do firmamento,

Com seus porquês

Por fundamento.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Espelhamento



Espelhamento

O tempo passou,
Mas muito apressado;
Que de nada, voou,

E nem perguntou
Ao vidro espelhado
Em que se espelhou.

Papel laminado

E vidro guardado.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Unidade


Unidade


Cogita e conduz
E transmite luz
A inconformidade


Quando, à alma conduz,
Ao que não reduz,
E faz-se unidade.


Acima reluz


Com toda humildade.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Pedra Solta


Pedra Solta

Quando a solução é outra,
Não é bobagem pouca,
A calçada é esparsa

E adequada é a roupa,
Com atenção à solta
Pedra que disfarça

A água que não poupa

A comédia-farsa.