Loading...
Loading...

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Mudando de Assunto / Economia

Mudando de Assunto / Economia


     Hoje, excepcionalmente, tive tempo para ler e assistir a programas de televisão direcionados à economia.
     Reconheço que sou leiga no assunto, mas tenho observações a fazer. Não sou livre de ter opiniões de vez em quando, mesmo sem a tecnicidade necessária para discorrer sobre o tema apropriadamente.
     Acredito que o Brasil sentirá a diferença econômica em consequência da eleição dos republicanos nos Estados Unidos, pois as negociações econômicas entre os dois países tende a ser mais rígidas.
     O risco não político, mas da economia como um todo, é o engessamento vindo como influência da política externa, o que, em princípio não é certo e nem errado, é a perspectiva nas mudanças das relações internacionais.
     Não se sabe como será ainda essa visão das Américas, mas tende a ser conservadora, com uma visão mais agressiva de lucros.
     O Brasil conservador tem duas tendências, a primeira ao estilo europeu e a segunda, mais arrojada, bem ao estilo republicano americano atual.
     Por outro lado, o Brasil possui, apesar e, contudo, a capacidade de se adequar, com comportamento diferenciado, à economia mundial. Mas aí há um problema, quando o Brasil se empolga e segue sem discutir as diretrizes de uma única corrente econômica, ele se dá mal.
     Mas não precisa se dar mal porque sabe o que acontece quando se segue uma única filosofia de pensamento, tem que resolver a situação.
     O país tem a sua posição econômica perante o mundo inteiro como uma economia respeitável a ser considerada. Até agora, o Brasil é conhecido lá fora, como um país moderado, capaz de resolver as suas situações quando não adere a todos os termos propostos por qualquer negociação econômica.
     É bom que haja um planejamento para que o país continue, mesmo que devagar, a progredir.
     As turbulências internas e as influências externas não devem impedir a boa economia.
     O Brasil terá que negociar para manter essa moderação e esse é o ponto de vista desse texto.
     Manter boas relações internacionais não é aderir alguma mentalidade incompatível com a do país.
     Lembro também que o Brasil exerce influência sobre outros países, como alguns na África e no próprio continente da América Latina, mostrando-se apto para resolver as suas questões econômicas e gerando algum desenvolvimento em terras distantes.
     A mentalidade brasileira é de origem latina e isso não é defeito, é necessário se autoavaliar e perceber que o país tem qualidade técnica para negociar e, quem sabe lucrar com a nova mentalidade. Mesmo que não seja um lucro para si, mas negociar o investimento nesses países sobre o quais o país é capaz de influenciar positivamente, causando o desenvolvimento de outros países e melhorando o intercâmbio comercial com os países chamados de subdesenvolvidos.

     Admito que seja uma otimista incorrigível. Desse jeito.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Desígnios

Desígnios

Acima da compreensão humana
Mostram-se os desígnios de Deus
Numa fé que a todos irmana.

Todos estão sob a cabana,
Santo manto dos servos seus;
Humildes perante a semana,

Cientes que é Dele essa ventana,

O sopro e o repouso dos céus.




segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Feira

Feira

De qualquer maneira,
Seria desse jeito;
Mais dito que feito,

Nesse passeio à feira.
Comprado o meu queijo,
Sabor de recheio,

Chuva e brincadeira,

E foi-se ao festejo.

domingo, 27 de novembro de 2016

Perfeita Idealidade

Perfeita Idealidade


Linearidade,
Não é dimensão,
Fora a unidade.

Complexidade
É a afirmação
Da cristandade:

Numa trindade

A perfeição.


sábado, 26 de novembro de 2016

Poema Ficcional

Poema Ficcional


Ser subjetiva
Lembra a canção;
Essa objetiva
Foto à razão

Que é associativa,
D’uma emoção,
Quase intuitiva
Por vocação.

É a alternativa
De concisão
Correlativa
Sem ser ficção.


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Inteiro

Inteiro

O dia bem feito
E satisfeito
Consegue a via.

Se teve jeito,
Teve recreio,
Com mesa e pia.

Projeto inteiro

Que segue ao dia.



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A Experiência / Reflexão

A Experiência
     Se eu coloco outro título nessa postagem, alguns leitores simplesmente se recusarão a ler.
     Hoje à tarde eu tentava contar a experiência de ler a Bíblia.
     Não há magia alguma, acontece. É um livro pleno de sabedoria, mas não é a sabedoria que influencia. É todo um contexto.
     Ontem uma conhecida resolveu enviar-me mensagens cristãs. O final de ano aqui em casa não é muito diferente dos da casa de muitas pessoas, é cheio de atividades e planejamento. Tem de ser assim para podermos fazer algumas visitas e usufruir da companhia daquelas pessoas que estiveram com a gente o ano inteiro. Confraternizações não faltam.
     Se há a parte espiritual da festa do nascimento de Jesus Cristo, há o lado humano da festa que é a própria festa. Um jantar caprichado, uma sobremesa diferente e a oração por aqueles que são saudosos na nossa memória. Quando se tem boa vontade, a gente faz festa com sanduíche de queijo e balas de goma e se está contente.
     Voltemos às mensagens cristãs que eu recebi. Eu não tinha tempo de assisti-las ou retribuí-las. Liguei para a moça e disse que agradecia, mas que conversaria noutro dia com ela e, pessoalmente.
     Se ela tivesse mandado as mensagens cristãs alguns anos atrás, eu as “apagaria” sem problema e, quando e se há encontrasse algum tempo depois eu diria que havia recebido as mensagens e que agradecia a boa vontade dela para comigo...
     Ontem eu tinha lido uma epístola de São João, onde dizia: “conversamos pessoalmente, o que é preferível”.
     A minha resposta diante de uma mesma circunstância foi outra, muito mais polida.
     Mas não era a minha resposta, era o texto que eu acabara de ler, quando recebi a mensagem cristã em vídeo.
     Eu me pergunto se, quando terminar de ler a Bíblia eu voltarei a ter a resposta anterior, acredito que não.
     O tempo para assistir a mídia eletrônica de final de ano é pouco. As mensagens são lindas e é bom guardá-las para assisti-las durante o ano que se iniciará daqui a um mês e pouco.
     Disse à minha amiga que eu continuarei a ser amiga queira ela ler ou não ler a Bíblia. O amor ao próximo é o resumo do livro. Toda a sabedoria sem esse conceito não leva ao resultado da comunhão com Deus.
     Viver é um desafio constante. Busca-se a paz, busca-se a fraternidade, busca-se a confraternização, busca-se a harmonia, busca-se a satisfação de todos os que convivem conosco.
     Por melhor educados que sejamos não temos sempre as melhores respostas para todas as dificuldades enfrentadas. Dificuldades universais como as da natureza e da própria falibilidade humana se, apoiados pelo conhecimento de Deus, tornam-se mais fáceis de resolverem, conforme está escrito que o fardo Dele é leve e o jugo é suave.
     A experiência ainda não terminou, faltam alguns dias para concluí-la, mas posso assegurar que o amor de Jesus Cristo acompanhou e me acompanha durante o ano.
     A minha amiga é católica apostólica romana e pensou que, talvez, eu quisesse fazê-la mudar.
     Respondi que não queria que ela mudasse em nada, inclusive disse a ela para ler a Bíblia Católica Romana. A escolha da edição e da editora é livre.
     A resposta é que faz a diferença. Permita-me ser óbvia aos leitores e leitoras: não digo da resposta da minha amiga. A resposta é a sugestão de uma resposta boa para os problemas do dia a dia inserida no livro.
     Concluindo, chegamos ao entendimento de que o bem é para todos e que as edições são muitas, mas a ideia é uma só, a ideia é aquela escrita no resumo do livro.
     Peço que reflita quem quiser ler e que escolha um dos livros que compõe a Bíblia e leia do começo ao fim esse livro, sem pular frases ou parágrafos, pensando que o que ali está escrito tem por finalidade uma comunhão particular entre o leitor e o próprio Deus.  
      

     

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Dia de Agradecer

Dia de Agradecer


Agradeço aos projetos que eu não fiz,
E, no entanto, me fazem mais feliz.
Desafiam, contribuem e em si melhoram,
 Essa fé nas pessoas que creem e adoram

Ao Deus vivo, em qualquer tom e matiz,
Que motivam os gestos do aprendiz;
Que são ideais das palavras que aprimoram
Quando ditas nas horas que evaporam,

Pelas filas onde um a um se bendiz,
Num domingo com praça e chafariz,
Numa tarde qualquer e por quem oram.

 Aprendi que esse dia é também petiz,
Com bondades a todos, e se diz,
Uma história onde todos comemoram.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Solicitude

Solicitude

São esses dias apressados
Que mantém a atitude
E o ritmo compassados;
Contraponto à quietude.

São esses passos deixados,
Noção de completude
Infinita; lembrados
Em nobre magnitude,

Porque são descansados,
Negando ao que é amiúde,
A vontade, dedicados
À essa solicitude.


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Sono

Sono

Ao descansar,
Um silenciar,
Parar contente

E precisar
Todo vagar;
Deus é consciente

Do espreguiçar

De toda gente.

domingo, 20 de novembro de 2016

Tapete

Tapete

A poeira desse asfalto,
Com sapatos de salto,
Mostram a caminhada,

Tapete em que me calço,
Desculpa o que te causo,
A canção é detalhada.

Encoberta, eu te exalto,

Mesmo que exagerada.

sábado, 19 de novembro de 2016

Esse Mundo

Esse Mundo
     A moça de vinte e cinco anos lanchava com o pai. Em cima da mesa algumas garrafas de cerveja.
     A moça falava e o pai pensava em meio a um gole e outro.
     A moça falava como se deusa fosse.
     _Para a “senhora X” eu quero quatro anos de sofrimento. Se não há nada contra ela, que se dane. Eu sou articulada e posso fazê-la sofrer.
     O pai a ouvia, calado.
     _Para a “senhora A” eu quero uma chance de dizer algumas coisas a ela. Duvido que ela se controle se eu a provocar.
     Em meio às maldades por ela planejadas, o pai resolveu interferir:
     _Eu ouvi dizer que o “senhor C” bebeu e falou demais.
     Ela, a moça, respondeu positiva.
     _Eu não quero saber quem falou ou calou. Eu quero fazer a minha vontade. Eu ainda farei muita gente sofrer.
     O pai perguntou se ela não pensava em se distrair, em fazer alguma coisa boa para ela.
     _Algo bom para mim? Eu não preciso me preocupar. Eu recebo ligações com todas as distrações que eu possa querer. Vou fazer a festa na casa da avó, eu tenho tudo o que se pode querer para uma festa, preciso dizer mais sobre o quanto vale a pena ser dura com as pessoas?
     O pai usava um par de óculos com lentes grossas, as quais usualmente se chamam “óculos com lentes feitas de fundo de garrafa”.
     _O que você diz provavelmente significa o que o mundo chama de estar preparada para o sucesso.
     Ela sorriu para ele e disse:
     _Se depender de mim ninguém consegue nada.
     Ao lado deles um garoto de quatro anos, filho dela.
     Acabou o lanche.
     A moça convidou o pai para visitar uma conhecida da família.
     O pai respondeu:
     _Vamos e ficaremos menos de meia hora. Essa conversa é da nossa família.
      Esse é o mundo, a sugestão de todo mal, que convida o cristão a permanecer em fé e orar por eles ao invés de detestá-los.
    


sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Busca

Busca

Deixa ao tropel,
Num carrossel,
Toda a vaidade.

Nesse painel
Algum cordel
Tem validade;

Procura o céu

Na humanidade.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Inspirações

Inspirações

Inspirações são anjos
Que voam entre nós.
Se bons, estão aos cantos,
Entoando a uma voz;

Se maus, desencantos,
De confusão algoz.
Portanto, são mantos,
De projeção a sós,

Causa e efeito; arranjos,
De alma e porta-voz.
Se eles são acalantos,
Dependem de nós.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Poema Estatístico

Poema Estatístico

Esse jeito pianístico
Transformou-se em um dístico,
Parte de alma em canção,
Sem medida à razão.

Não existe aí nada místico,
É algo característico
De plena aceitação
E determinação.

Sem querer ser artístico,
Bastante ritualístico
Sem ser dano à emoção;
Realidade e ficção.


terça-feira, 15 de novembro de 2016

Dicionário

Dicionário

A palavra abtrusa
Surpreendeu-me amiga
Da leitura antiga.

Estava confusa,
E o livro que o diga,
Pois palavra é liga.

Não me fiz de obtusa;

Dicionário é viga.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Mania

Mania

As unhas lascadas
Contam desse dia,
Mas serão cuidadas,

Nessas horas dadas,
Vaidade vazia,
À lua, esmaltadas.

Se, ao tempo, nubladas,

Serão fantasia.

domingo, 13 de novembro de 2016

Falou e Disse

Falou e Disse

Pelo meditado,
Pensado e bem dito,
Deus seja louvado.

Sinta-se abençoado
Pelo amor de Cristo,
Em letras deixado.

Deus está acordado

Também por escrito.

sábado, 12 de novembro de 2016

Elasticidade

Elasticidade

O relógio cobra
E a hora se desdobra
Dentro do que faz.

Minuto que sobra
É o tempo quem dobra
Rápido e fugaz.

A paz se redobra

Ao tempo que traz.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O Ser e a Janela

O Ser e a Janela

Chuva de granizo,
Pouca e ao desaviso
De toda janela.

À roupa, um sorriso:
Seca e com o friso
D'uma passarela.

Ao varal poetizo

O ser e a janela.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Intermezzo

Intermezzo

Cansaço e vontade
São contradições
Nessa realidade
Plena de intenções.

Metade à metade,
Dormem as canções;
Liberalidade
Nessas condições.

Se quero a unidade,
Estudo em porções
A velocidade,
São as minhas lições.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Momento Matemático

Momento Matemático

     Quando posso, leio um pouco de Pitágoras. Hoje me deparei com um pensamento interessante: o absurdo matemático que é a formação de um quadrado igual a partir das linhas de um triângulo isósceles.
     Saí com esse pensamento e acabei por reformar uma opinião.
     Ouvi histórias de pessoas diferentes, mas com um denominador comum. Houve um período no qual quem não fazia empréstimos, não podia exercer a profissão.
     As três pessoas confirmaram o ano e as dificuldades iguais.
     Houve igualmente um pedido no mesmo sentido: não vamos falar em números e datas.
     Atendendo com solicitude os pedidos é mais fácil usar uma metáfora: Foi no tempo em que fizeram uma "macumba matemática".
     Livres da "macumba", ninguém quer sequer se lembrar. Segundo eles, lembrar é sugerir.
     A partir desses três lados iguais, formei um quadrado.
     Matematicamente exato, numa conta com números abstratos; o absurdo de Pitágoras.
     Todos os três querem esquecer dessa matemática. mas a matemática é uma ciência exata e, se fizer a conta de novo, o resultado será o mesmo.
     É essa hipotenusa que continua a existir e a formar um quadrado.
     Pensando bem, eu prefiro Pitágoras na sua matemática musical.
     Não digo mais nada porque não entendo como foi possível a formação desse quadrado.
     Vamos dizer que choveu torrencialmente durante o dia e as paradas para esperar a chuva diminuir foram igualmente matemáticas. 
  

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Não É Isso / Reflexão

Não É Isso / Reflexão

     Escolho o título porque foi e é a minha frase preferida deste ano. Não fui eu, foi Deus.
     Já andei mil milhas e ainda não me faço entender.
     Deus convida a gente para a caminhada, também dá a livre escolha e nessa escolha não há punição.
     No meu caso, recebi de presente ao final do ano passado, uma agenda com o roteiro para ler a Bíblia inteira. Esse foi o meu convite.
     Aceitei o convite e no mês de dezembro termino a leitura.
     Não preciso explicitar que está sendo muito boa essa caminhada. Preciso explicitar que o convite não promete nada, mas promete o essencial, que é ter a boa palavra o ano inteiro a meu lado.
     À medida em que leio, a vida acontece conforme acontece a cada um de nós.
     Eu respondo diferente.
     _Como? Por que?
     Porque está sendo um belo exercício. Não engordei e nem emagreci, compreendi.
     Desde então tenho tido a graça de responder "Não É Isso".
     Porque não é nada disso do que as pessoas estão pensando.
     Não estou fanatizada. Não fiz pedido nenhum. Não estou pagando uma promessa (conforme alguns católicos pensam). Não deixei de ouvir música moderna. Até encontrei bons programas na televisão para assistir. Não mudei a roupa. Peguei gripe do mesmo jeito que se não estivesse lendo.
Acordo cedo para ler o texto e refletir, mas leio outros assuntos do meu interesse.
     O que muda, muda para todos igualmente. A maneira de ver as mudanças é que se modifica, mas toda leitura influencia.
     No entanto, é alimento e vivifica a disposição para o dia a dia.
     Traz conhecimento, sabedoria e ensina o amor ao próximo.
     Não pretendo ensinar a ninguém, mas digo que o convite foi aceito.
     Para algumas pessoas, em particular, disse que este ano é entre eu e Deus. Com toda a sinceridade é o que se passa comigo.
     Tem mais gente nesse propósito e a situação é repetida. A situação é entre Deus e ela.
     Estávamos em um grupo após o feriado de finados. Uma amiga se queixava que embora e Graças a Deus, estivesse com a família dela bem, para ela o feriado tinha sido aborrecido,
     _Eu saí e me distraí.
     A outra amiga disse e fez o mesmo. 
     Ela perguntou se a gente lia e obedecia o autor do livro.
     Respondemos em uníssono:
     _Não é isso.
     Por conclusão, acredito que a resposta: "não é isso" durará até o final da leitura.
     Quem aceitou o convite, está em conversa particular com Deus, se é que consigo exemplificar adequadamente essa situação.
     Em todo caso, a agenda fica comigo até que alguém mais se interesse pela experiência.
     Esse texto é uma confissão? Não.
     Esse texto é um convite para que leiam o roteiro? Não.
     Há algum sentido de temor por não cumprir o roteiro? Não.
     Há alguma expectativa para depois de lido o roteiro? Não.
     Ler especificamente o roteiro traz alguma espécie de felicidade? Não.
     Somente vivenciando essa experiência é que a pessoa pode saber o que é, porque repito, não é nada disso.      

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ensaio

Ensaio

O quadrado não te cabe
E o redondo não te sabe
Em canção, vozes e peça!

Diga a esse dia que te ensale;
E, aos sentidos, que se ensaie
Melodia é o que o som confessa.


Ao perplexo, que se cale

A ouvir o que se professa.

domingo, 6 de novembro de 2016

Rumo

Rumo

O que importa é seguir o rumo,
Saber que existe o fio de prumo.
Em acordo a ele, tudo é certo.

Imperfeito é estar-se em consumo,
Querer a alma n'algum resumo
Quando conta de si o desperto.

A inquietude é ao ser, o seu sumo

Latejante ao divino afeto.

sábado, 5 de novembro de 2016

O Reparador

O Reparador

Há o que fazer,
Esse se ater,
Que se prepara,

Que quer se ver
E se absorver
Numa jornada,

A convencer,

Que Deus repara. 

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Tela

Tela

Esse amornar,
Na janela,
A soprar,

É cantar
"A capella"
E florear.

Um chilrear

Veste a tela.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Primavera

Primavera

Primavera é a estação das chuvas,
Estão verdes todas as uvas
E o seu sabor, desconhecido
Das abelhas em alarido.

É o florescimento das mudas
Em meio ao jardim das carnaúbas,
Num dia bonito e enternecido
A se fazer. Novo é o sentido.

São coloridas as jujubas,
Cujo provar é cheio de ajudas,
Onde o caminho é concebido
Até esteja amadurecido. 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Compensação

Compensação

Tomar chuva e gelado,
Conseguir um resfriado,
Deixar que a sensatez

Seja um refresco ao lado
De um biscoito recheado
E toda a polidez

De um bem recompensado;

Mesmo molhada a tez.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Cópia do Poema Conforto - Dia de Finados

 Conforto

Senhor, eu te peço pelos enlutados,
Mas pelos enlutados que amaram
Os que agora são com lágrimas lembrados;

Que, não importa o tempo da partida,
Sentem como se fosse hoje a despedida.

Que mantém na bolsa ou sobre a mesa
A relíquia de uma foto como muro para a incerteza;

Que ainda hoje, quando abrem a face,
Uma lágrima invisível ainda lhes nasce,

Em que a saudade não passa,
Por mais que os dias são trocados.

Eu te peço pelos enlutados,
Sim,mas o que desejo:
Que seus queridos sejam esquecidos,
Que seus tesouros sejam saqueados,
Que seus sorrisos sejam substituídos,
Que seus feitos sejam ignorados,
Que seus méritos sejam diminuídos.

Eu te peço pelos enlutados:
Que suas lágrimas continuem fluindo
Porque foram lindos aqueles tempos
Em que seus corpos se fundiram
Em que suas almas se divertiram;
Que recolhas cada pétala de dor
E as espalhes sobre a memória ferida
E faças da morte deles um tributo à vida,
Que segue um caminho difícil de trilhar,
Mas não solitário porque quem contigo está,
Não segue sozinho, como se não tivesse mão
Que, na travessia, curta ou longa, se lhe dá,
Porque sua companhia é a melhor definição
Do que seja, para os tristes, a verdadeira consolação.

Poema do livro Bom Dia Amigo Da Igreja Batista Itacuruçá - Pastor Israel Belo de Azevedo..

Por ter lido esse poema, encontrei algumas relíquias tristes e a dispensei, coloquei-as fora. Resta agradecer o recebimento deste livro como mimo das festas do final do ano passado por parte de uma amiga. Espero, com a publicação deste poema poder-lhes fazer bem. Este poema é uma oração.