Loading...
Loading...

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Um Sorriso

Um Sorriso

Eu consegui um sorriso,
Ele é singular;
Valeu e não é conciso

Nesse meu siso.
Tempo a me pensar
Distante e preciso,

Único e indiviso

A me precisar.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Bom Augúrio

Bom Augúrio

Se ainda tem chão,
Come esse pão,
Antes, e segue.

Sem comichão
De pressa, não.
A si encarregue

À boa intenção

E siga leve.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Alento

Alento

Entrelaça a gentileza
Com certo agradecimento
À maneira da nobreza
De ser em desprendimento,

Com bela humildade coesa,
Um gesto de alentamento,
Conforto da singeleza
Bem posto a cada momento.

O dia conta a fé à incerteza
Num comum temperamento
Da existência; é a chama acesa
Que supera o ser e o tempo.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Ao Bem Fazer

Ao Bem Fazer

Que palavra edifica
O que manda o dever,
Quando a ele se credita
A obrigação do ser?

Quando se modifica
Em bem a se fazer
E em si se purifica,
Mesmo estando em haver.

É o bem estar que edita
O que é feito ao aprazer
Do dever, que é o que fica
Melhor ao dever ser. 

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O Estilista / Crônica do Cotidiano

O Estilista / Crônica do Cotidiano

     Ele falava ao telefone com uma amiga quando eu passei. Ladeira acima o passo diminui e eu me demorei, curiosa para ouvir e aprender com ele.
     Do outro lado da linha uma jovem empresária, que conseguiu montar o seu negócio e queria dicas rápidas de como se parecer poderosa junto às clientes e funcionários.
     Eles falavam muito e com pressa, mas foi uma palestra indiscreta excelente.
     _Você precisa de bolsas. Mulheres amam sapatos, mas as bolsas chamam atenção para o gosto e o estilo da apresentação na empresa.
     A jovem ironizou dizendo que compraria dois pares de sapatos, pois, se dependesse dele, ela não precisaria de mais para se mostrar poderosa.
     _Nunca, nunquinha! Você precisa de seis pares de sapatos, mas eu vou junto para comprá-los. Como serei seu estilista pessoal se você sair por aí comprando sapatos que não combinarão com o seu guarda-roupa?
     A conversa era em voz alta ao celular e perfeitamente audível, sinto muito.
     Ela perguntou sobre as roupas.
     _Não compre nada por enquanto. Eu conheço um blazer seu. Você precisará de alguns estilos diferente. Você também muda o seu humor e terá que adequar as roupas ao humor do seu dia para parecer bem.
     Ela então disse se ele estava querendo dizer que ela não sabia se vestir.
     Algum "mico" eu tinha que pagar pois estava andando devagar. Ele me olhou dos pés à cabeça e disse ao telefone:
     _Estar arrumada não significa ser poderosa. A gente vê a diferença entre a mulher poderosa e a que se veste razoavelmente bem.
      Eu não tinha pedido o palpite dele,por que me preocupar? Atá considerei o comentário como elogio. Pela primeira vez eu vi um estilista pessoal atuando, e com humildade, pois havia se retirado do seu ambiente de trabalho para dar algumas dicas rápidas antes do encontro com a empresária e o guarda-roupa dela.
     Não contarei como ele pediu a ela que se vestisse à tarde, mas se ela quisesse um atendimento profissional e atento aos detalhes, ela precisaria disponibilizar na agenda um horário para logo após o expediente. Arrumariam o guarda-roupa para a semana e combinariam o horário para a compra de sapatos, bolsas e complementos.
     Ela ficou em dúvida se aquilo era realmente necessário e ele disse que no mundo dos negócios, as empresárias observam o bom gosto nos acessórios umas das outras numa competição valiosa.
     Os meus parabéns à empresária e os meus parabéns ao estilista. Obrigada por fazerem o meu dia arrumadinho e engomadinho, exatamente como eu gosto!

domingo, 25 de setembro de 2016

Anjos

Anjos

Anjos são inspirações,
Elementos soprados
Que emanam vibrações
Aos caminhos rogados.

Aéreos, são transições
Do momento; acordados,
Mudam as posições
Das vontades, cordatos.

Algumas traduções
Os sugerem alados,
Outras são sugestões
De contexto e fraseados.


Ps. Leio textos sobre anjos e, embora Platão tenha crido serem os anjos os criadores da vida, nada jamais se obteve por verdade na criação da alma viva. Somente Deus pode criar a vida, ou seja ,a criatura completa de corpo e alma. Anjos são as boas inspirações que aparecem do nada, como uma brisa morna sugere um belo passeio.

sábado, 24 de setembro de 2016

Descanso

Descanso

Repousar
É o balanço
A pensar.

Alcançar
Todo canto
É estudar.

Sim, orar
É descanso.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Essência

Essência

Complexa é a existência
Na luz da verdade
À toda consciência;
Multiplicidade

De benevolência
D'alma em saciedade
Sem ser resistência,
Liberta e à vontade

Conhece da essência
A serenidade:
Supera a experiência
Da totalidade.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Motivação


Motivação

A rua é florida,
Que a canção motive
Ao bem, colorida.

De bem com a vida,
Ao poente convide
À contrapartida;

Observar à vida,

Que, ao bem, se revive.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Longínquo

Longínquo

Escrevo e leio depois
Ao que hoje o dia compôs
Sobre o tempo longínquo,

E diz mais que supôs,
Confeito o sobrepôs
Em um tempo profícuo

Ao que antes se propôs,

Normal, comum, contíguo.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Azul Turquesa

Azul Turquesa

Cronometrada
Por natureza,
Essa certeza

É musicada
Com a leveza
Da manhã acesa.

É a caminhada

Azul Turquesa. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Criação

Criação

Natural
Campo em flor;
Capinzal

Sem igual,
Verde cor
Fraternal.

Recital
Do criador.

domingo, 18 de setembro de 2016

Toada dos Anjos

Toada de Anjos

Boneca de Porcelana



Domingo de roupa passada
Que quando se guarda é macia.
Os anjos cantam uma toada,
Cantando o bem de todo dia.

Acima dos bons é abençoada
Essa plêiade, talvez teologia
Que é afeita à leitura contada
Em páginas de amor à vida.

Preciosa roupa bem dobrada,
Precioso livro de alegria
Que, aos poucos se vê revelada;
Lembrança de fotografia. 

sábado, 17 de setembro de 2016

Contrassenso

Contrassenso

Paciência e sabedoria,
Como se conseguir alguma
Quando se ouve a cantoria?
O que tem jeito se apruma,

Mas o que é que se queria
Não o pode canção nenhuma;
Ao espírito deixaria
A fome que não se arruma

Numa boa rotisseria.
A música conte, em suma,
A calma e a sabedoria.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Transcendente

Transcendente

A luz é buscada
Incessantemente,
Confraternizada

Se visualizada
Ao caminho ciente.
Mostra essa passada

Que a vida é luz dada,

Algo transcendente.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Estofo

Estofo


Está escrito,
Acredito
No que leio.

Cravo e crivo,
Verbo dito
Sem receio.

Esse livro
Tem recheio.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Variação


Variação



Geada, de novo geada?
Ainda ontem o calor
E uma boa água gelada,
E o refrigerador




Sem nexo à congelada
Era. Está o aquecedor
Ligado na tomada
Junto ao ventilador.


Pega a blusa guardada
Que esquente. E a de frio a prior;
Meio a meio se é encasacada,
Com possível frescor.


terça-feira, 13 de setembro de 2016

Cogitação

Cogitação



Um poema é o bastante
Ao verso cantante,
Desobrigação

Do ser a uma estante;
A busca é esse instante,
Onde há recreação.

É o ser diletante

Em cogitação.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Sinuca / Miniconto

Sinuca / Miniconto



     Para quem joga sinuca, sabe ou já viu a bola quicar numa bola e encaçapar a bola da vez.
     Foi o que não aconteceu. Procurando o problema onde não existe, encontrou o problema dos outros.
     Gente triste e sem consolação. Trezentos e cinquenta pessoas souberam o que era problema dos outros.
     Algumas mulheres riram com histeria. O jogo só causa desgraça.
     Por um jogo de sinuca, um troco, uma velhacaria.
     Ninguém pode ajudar. Não foi a bola quicada que entrou na caçapa, foi outra bola. Mas o jogador queria encaçapar à bola quicada.
     A vida não é um jogo. A bola quicada continua sobre a mesa, bela, formosa e lustrosa.
     O prejuízo ainda está a ser calculado pela bola encaçapada.

     Ninguém chamou ninguém, foi triste, muito triste.

domingo, 11 de setembro de 2016

Bom


Bom



Bom é elogiar
E agradecer,
Manter-se a orar


E a Ele confiar,
E saber ser
E partilhar;


Vivificar

E ao bem se ater. 

sábado, 10 de setembro de 2016

Liquidificador / Crônica do Cotidiano

Liquidificador / Crônica do Cotidiano



     Toda receita que vai ao liquidificador, é fácil e rápida de preparar.
     Os ovos precisam ser bons e os ingredientes devem estar certos nas respectivas medidas e colocados de maneira correta.
     As receitas de liquidificador são receitas. Qualquer ingrediente misturado com qualquer outro ingrediente sem a especificação da quantidade ou da utilidade no preparo de alguma receita transforma-se em “gororoba” qualquer coisa menos a receita de liquidificador.
     Uma senhora, já com certa idade, certa vez me telefonou e disse que iria me ensinar uma receita.
     Peguei papel e caneta e fiquei prestando atenção ao telefone.
     _Pegue o que encontrar na geladeira que seja salgado. Misture tudo, acrescente ovos, farinha e orégano. Coloque para assar.
     Eu anotava porque os ingredientes eram fáceis e o prato parecia sair rapidamente.
     Ela ficou quieta e eu perguntei como servir.
     _Servir? Não faça isso. Depois de assado jogue fora para o seu próprio bem.
     Eu não tinha entendido nada.
     Ela começou a rir naquela risada gostosa de quem se diverte muito.
     Pediu-me para anotar novamente.
     Eu risquei a receita anterior e me dispus a anotar novamente, sabia que ela era culta.
     _Os ingredientes de qualquer receita devem ser harmônicos entre si. Pode-se misturar praticamente tudo no liquidificador, desde que haja harmonia e o paladar da receita fique agradável ao ser servido. A gente tem que observar os detalhes e, se não fizer bem para a gente, a gente não come.
     Eu perguntei o porquê daquilo.
     Ela foi rápida no gatilho da resposta:
     _Se você comer salada de pepino mais uma vez, passar mal, e a sua mãe me ligar preocupada com você, nós vamos ter uma conversa séria.
     Realmente eu tinha comido um prato de sopa de salada de pepino e passei mal, parece que se transformou em pedra no estômago. Tive que ficar sem comer até a sensação ruim passar.
     Convidei-a para almoçar conosco e preparei o almoço, depois de perguntar se nós poderíamos comer pimentão recheado.
     Ela aceitou o convite. Eu fiz pimentões verdes e vermelhos recheados, salada de alface, arroz e feijão.
     Enquanto eu tomei conta da cozinha, ouvia as risadas do meu pai, da minha mãe e dela.
     Foi uma das melhores experiências culinárias da minha vida.
     Conversamos até o entardecer.
     Não usei o liquidificador a não ser para fazer o pudim de leite para sobremesa: leite condensado, leite comum e ovos.
     É assim que se faz.
    


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Queijadinha / Crônica do Cotidiano

Queijadinha / Crônica do Cotidiano



     Estava na rua e precisei de caneta para anotar um endereço, fazer anotações no celular em rua movimentada nunca é uma boa ideia.
     Na minha cidade ainda se encontram canetas esferográficas nas bancas de jornal e revistas.
     Avistei a banca e fui até lá, perguntei se tinha caneta e a resposta foi negativa.
     Pensando em voz alta, disse à senhora que me atende que andaria um pouco mais e iria até a papelaria, longe algumas quadras dali.
     Na mesma hora ela me respondeu:
     _A senhora não precisa ir até a papelaria! Se a senhora for naquela banca de jornal e revistas no final da quadra, a senhora encontra a caneta.
     Perguntei a ela se ela tinha certeza.
     _Tenho! Aquela banca tem mais estoque porque atende os funcionários da empresa que fica em frente a ela.
     A resposta dela me incitou à curiosidade:
     _E, a senhora, a quem atende?
     Sabem o que ela respondeu? Respondeu que atendia aos passantes da rua e ao pessoal que pegava ônibus.
     _Somos bancas diferenciadas e cada uma tem o seu público consumidor.
     Determinada, fui até a outra banca no final da mesma quadra.
     _ O senhor vende canetas?
     _Vendo. Pode escolher a sua esferográfica.
     Embora sejam iguais e da mesma marca, escolhi uma e a comprei.
     Olhei os docinhos e pensei numa pergunta perspicaz?
     _Qual é a melhor paçoca de amendoim que o senhor tem para vender?
     Sabem o que ele respondeu. Que o melhor doce que ele tinha à venda era a queijadinha. Eu só vi a queijadinha depois que ele falou.
     As queijadinhas estavam sobre o balcão, tinham embalagens individuais com as especificações do fabricante.
     Seria impossível adivinhar uma coisa dessas. A queijadinha era uma delícia.
     Pois é.


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Constância Ideal


Constância Ideal


Aumenta a velocidade,
Menor é ao espaço-distância
No tempo: a perplexidade

 Toda é a possibilidade
Móvel em sua inconstância
Ocupada a essa vontade.

Ideal é a necessidade

De um pensamento em constância.


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Paralimpíadas

Paralimpíadas



Continua o esporte,

São as Paralimpíadas

Com imenso porte,


Feliz, firme e forte,

Nas gentes, nas vias,

Conquistando a sorte,


Bússola com norte

E talento ao dia.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Método


Método



Andar em poesia
É lembrar a canção
E lembrar melodia.

É sentir nostalgia
De contar sem fração;
Matemático é o dia

Nessa nova alegria,

Calculada a canção.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Caleche


Caleche



Quase nada
Não se apressa;
Não é pensada,

Apressada,
A caleça
Compensada,

Apreciada

E dispersa.


domingo, 4 de setembro de 2016

Além da Imaginação


Além da Imaginação



Respostas fáceis,
Receitas prontas,
Onde se encontram?

Veem-se as maleáveis
Matérias tontas
Que se descontam

Em sonhos ágeis;
Colares, contas
Que não se aprontam.

Se, somos frágeis,
Fazemos compras.
As almas montam

As impensáveis
Respostas longas
Sem que respondam.




sábado, 3 de setembro de 2016

Concisão


Concisão

(Imagem gratuita do word)


Desembaraço,
Termino o livro
De passo em passo

E o dia e o cansaço
Dormem sorriso;
Leio e me refaço.

Acho que faço

O dia conciso.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O Futuro da Imprensa / A Boa Notícia

O Futuro da Imprensa

     Hoje pela manhã, numa breve saída, recebi dois jornais em formato tabloide, o Metro e o Jornal do Ônibus, ambos distribuídos graciosamente pelas ruas de Curitiba.
     Os dois jornais são bons e quem não leu, pediu para que mantivesse os exemplares em casa para que possam ser lidos mais tarde.
     A imprensa que temos é paga, e o exemplar impresso fica à disposição de quem quiser ler na entrada do edifício, porque temos a assinatura digital com cadastro e senha. A imprensa paga estava deixando o público desinformado justamente por não permitir o acesso digital de conteúdo ao não assinante.
     Na primeira olhada tivemos contato com informações úteis quanto ao que está programado para a semana do feriado e podemos antecipar algumas decisões sobre o que fazer antes do feriado com precisão.
     O futuro da imprensa pode ser discutido a partir desta manhã.
     Está fazendo falto um jornal diário para a maioria das pessoas que tem algum nível de conhecimento, mas não conseguem pagar uma imprensa diária.
     O jornal Metro é distribuído numa esquina perto de casa, mas a edição esgota cedo e o Jornal do Ônibus, recebido hoje de manhã foi uma grata surpresa pela qualidade que compete com a boa imprensa escrita e paga. Não tem excesso de anúncios e traz um resumo de tudo o que está acontecendo na região, no país e no mundo, resumidamente.
     Essa imprensa que é distribuída graciosamente na cidade, merece investimento, pontos fixos de acesso, porque, se é verdade que nem todos se interessam em ler jornal pela manhã, é útil que se tenham pontos de distribuição gratuito e fixos, onde as pessoas tenham acesso e peguem os seus exemplares.
     A imprensa paga não pode ser hegemônica, ou, seja, colocar uma matéria como verdade única, o que sem querer ocorre, porque é uma imprensa dirigida a quem pode pagar a edição impressa e para manter a sua qualidade, escreve de acordo com o interesse do público pagante, o que tem mercado de consumo. Mas essa imprensa paga, que permitia o acesso gratuito do conteúdo digital, ensinou ao público que é bom ler jornal. Com o cancelamento do acesso gratuito ao conteúdo digital, que era diverso da complexidade do conteúdo impresso, o público se viu órfão de notícias.
     O jornal Metro foi pioneiro e o Jornal do Ônibus está excelente.
     Estou com os dois jornais sobre a mesa e bastante feliz por ter tido essa possibilidade logo pela manhã.
     Para o público que deseja uma imprensa gratuita e de boa qualidade, deixo o link:


Dizem que as críticas construtivas contribuem para o desenvolvimento da sociedade. Não creio que seja crítica, mas os temas e a variedade que constam dos dois jornais farão o leitor bem informado.
Bom dia para todos vocês. Durante o dia de hoje compartilharei essa boa notícia.


    


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Pensamento ao Lado


Pensamento ao Lado



Semana e mês,
Um dia por vez
E, atarefado.

Compra e freguês,
Frango xadrez
E arroz ao lado.

Penso outra vez,

O sonho é alado.