Loading...
Loading...

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O Estilista / Crônica do Cotidiano

O Estilista / Crônica do Cotidiano

     Ele falava ao telefone com uma amiga quando eu passei. Ladeira acima o passo diminui e eu me demorei, curiosa para ouvir e aprender com ele.
     Do outro lado da linha uma jovem empresária, que conseguiu montar o seu negócio e queria dicas rápidas de como se parecer poderosa junto às clientes e funcionários.
     Eles falavam muito e com pressa, mas foi uma palestra indiscreta excelente.
     _Você precisa de bolsas. Mulheres amam sapatos, mas as bolsas chamam atenção para o gosto e o estilo da apresentação na empresa.
     A jovem ironizou dizendo que compraria dois pares de sapatos, pois, se dependesse dele, ela não precisaria de mais para se mostrar poderosa.
     _Nunca, nunquinha! Você precisa de seis pares de sapatos, mas eu vou junto para comprá-los. Como serei seu estilista pessoal se você sair por aí comprando sapatos que não combinarão com o seu guarda-roupa?
     A conversa era em voz alta ao celular e perfeitamente audível, sinto muito.
     Ela perguntou sobre as roupas.
     _Não compre nada por enquanto. Eu conheço um blazer seu. Você precisará de alguns estilos diferente. Você também muda o seu humor e terá que adequar as roupas ao humor do seu dia para parecer bem.
     Ela então disse se ele estava querendo dizer que ela não sabia se vestir.
     Algum "mico" eu tinha que pagar pois estava andando devagar. Ele me olhou dos pés à cabeça e disse ao telefone:
     _Estar arrumada não significa ser poderosa. A gente vê a diferença entre a mulher poderosa e a que se veste razoavelmente bem.
      Eu não tinha pedido o palpite dele,por que me preocupar? Atá considerei o comentário como elogio. Pela primeira vez eu vi um estilista pessoal atuando, e com humildade, pois havia se retirado do seu ambiente de trabalho para dar algumas dicas rápidas antes do encontro com a empresária e o guarda-roupa dela.
     Não contarei como ele pediu a ela que se vestisse à tarde, mas se ela quisesse um atendimento profissional e atento aos detalhes, ela precisaria disponibilizar na agenda um horário para logo após o expediente. Arrumariam o guarda-roupa para a semana e combinariam o horário para a compra de sapatos, bolsas e complementos.
     Ela ficou em dúvida se aquilo era realmente necessário e ele disse que no mundo dos negócios, as empresárias observam o bom gosto nos acessórios umas das outras numa competição valiosa.
     Os meus parabéns à empresária e os meus parabéns ao estilista. Obrigada por fazerem o meu dia arrumadinho e engomadinho, exatamente como eu gosto!

Um comentário:

Jossara Bes disse...

Oi Yayá,
Hoje em dia a gente participa, sem querer, da vida das pessoas!
Há "celulares gritando" por todos os lados.
Gostei muito da crônica!
Feliz semana!