Loading...
Loading...

terça-feira, 30 de junho de 2015

O Vendedor Correto / Crônica do Cotidiano

O Vendedor Correto / Crônica do Cotidiano

clip_image002

Saí para saber do roteador wi-fi portátil para ver se eu consigo me acertar com o tablet. Fiz downloads e off-line eu posso ler em qualquer lugar, mas o tablet e a internet são um problema para mim.

Acredito que não seja somente eu, mas em cada lugar onde tem o wi-fi gratuito, a gente tem que perguntar o código de acesso e demora mais tempo acessando do que usufruindo da internet.

Ao final das contas quem carrega a internet pra valer é o celular.

_A senhora tem internet no celular e se a senhora não precisa de tablet para algum uso efetivo, use o celular. É mais barato e mais leve, não pesa na bolsa.

Ele está absolutamente certo.

_O seu tablet tem lugar para chip?

Eu digo que não.

_A senhora não imagina a minha dor de cabeça. Grande parte das pessoas compra tablet com wi-fi e pensa que o roteador wi-fi faz milagres. A senhora tem um tablet barato, daqueles do tipo quebra-galho onde a internet não fica rápida nem com a sua internet wi-fi dentro de casa. A maioria das pessoas pensa que nós podemos resolver o problema da internet lenta no tablet, mas o problema é com o tablet, não é nosso. Nós vendemos tablets compatíveis com alta velocidade, mas é um desperdício de dinheiro para as pessoas que pouco precisam do tablet quando estão em trânsito.

Eu saí muito satisfeita com o atendimento e manterei o meu celular com a operadora de telefonia móvel.

Otimista, fui ao café.

Algumas moças conversavam. Enquanto eu pegava o trocado para pagar o café, elas riam muito.

_Ah, gente. Vamos fazer um preço. Vamos cobrar mil e quinhentos reais para falar mal e, se for para falar bem a gente cobra dois mil reais. Falar mal é muito mais fácil que falar bem.

Fosse o que fosse elas dividiriam a fatura.

A distância da conversa anterior com essa faz com que a gente reflita. Melhor sair rápido do café e voltar pra casa. Manhã cheia.

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Realmente esses papos tecnológicos e 'fofocológicos' não nos atraem mesmo... Melhor o trivial PC em casa!
Abraço.