Loading...
Loading...

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Negociação / Reflexão

Negociação

Capacidade de negociação não é corrupção e, muito menos, truculência.

Capacidade de negociação é o gerenciamento das diversas habilidades e interesses conflitantes entre si com o uso adequado das habilidades políticas.

Percebe-se que aos jovens faltam habilidades de negociação, até mesmo porque são jovens e procuram a sua identidade dentro de uma sociedade pluralista.

Faltam ensinamentos de negociação para os jovens, não se exclui a inabilidade de liderá-los nas boas negociações.

Existem boas negociações. Essas boas negociações são habilidades próprias, além do poder de influência dos empresários e das forças que mantém a ordem.

Quando se fala em negociações logo vêm à mente as palavras como mentiras, traições, pressões, central de boatos e, não é nada disso. Essas estratégias de negociações são falhas e não levam a bom termo.

Negociar é permitir ao outro que as suas habilidades estejam desenvolvidas sem prejuízo das habilidades diversas e até mesmo conflitantes nessa negociação.

Negociar é tarefa exaustiva, mas compensadora nos seus resultados.

A sociedade é composta por vários segmentos e interesses e a negociação, quando exercida com seriedade, significa a ausência de prejuízos para todos.

Minimizar os prejuízos e as consequências dos interesses contrários é talento político.

Está na hora de habilitarmos os jovens com talento para a negociação.

Habilitar jovens para negociar significa perceber quais são as lideranças que não se utilizam de maus argumentos para essa negociação. É necessário garantir que os jovens possam se expressar livremente e sem influências partidárias na origem. À medida que amadurecerem, eles naturalmente escolherão os seus caminhos. Permitir essa escolha é ajudar na organização de uma sociedade autossustentável.

É saber que, muitas vezes, pensamos que qualquer empresário, por ser bem sucedido nos negócios, sabe negociar, quando não é verdade. O empresário tem talento, e muita capacidade para gerir negócios, o que não se traduz em negociação política necessariamente. Saber ganhar dinheiro é diferente de saber dialogar fora do âmbito dos seus negócios.

A sociedade não é um balcão de negócios, é a conversa sem barganha, permitindo-se, a si mesmo e ao outro, ficarem parcialmente satisfeitos.

Quem não dialoga, respeitando as diversas correntes de opinião, incluindo no diálogo, as minorias e as suas necessidades específicas, é máfia e não interessa a origem dessa máfia.

Outro dia, numa simples demonstração de negociação, pela internet, observei boas ideias. Devemos aproveitar as melhores qualidades da cada pessoa, a pessoa satisfeita faz melhor porque dá o melhor de si.

Por outro lado, forçar relações interpessoais é o mesmo que incentivar a frustração, o recalque e a agressividade, não apenas aquela dos jornais policiais, mas aquela agressividade velada que se traduz como desleixo ou tristeza.

Equipes de trabalho com afinidades de valores trabalham bem. Equipes formadas pela necessidade de momento tendem a fracassar após determinado tempo.

Valores sociais são por demais importantes para serem menosprezados. Hábitos e costumes variam de uma região para outra e entre as diversas profissões que compõe as camadas sociais.

A negociação política é atenta a esses ambientes e consegue prever com certa antecipação o resultado a partir do estilo das lideranças.

Para uma segunda-feira, já pensei demais.

2 comentários:

Nidja Andrade disse...

É sempre muito bom te ler,
a blogosfera mudou muito,
poucos são os que permanecem,
é uma roda gigante de vai e vem. Abraço

Élys disse...

Negociar é saber,principalmente mostrar o que nos parece melhor e saber ouvir o que o outo pensa e tenha a mostrar.Desta forma com o coração aberto ao melhor para todos, fechar com alegria a negociação.
Breijos, Élys.