Loading...
Loading...

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Garoto de Futuro / Crônica de Supermercado

Garoto de Futuro / Crônica de Supermercado

clip_image002

Para a minha alegria as filas voltaram! O supermercado volta a ter público, fila e história para contar.

Garotos de dezoito anos, no máximo no segundo emprego.

Um comenta com o outro que o chefe é muito exigente.

O outro concorda com o colega:

_Ele é exageradamente exigente. Você sabe o que isso significa?

O garoto que tinha feito o comentário ficou olhando para o colega sem saber o que responder.

_Eu sei o que significa e digo para você. Toda pessoa muito exigente sofre de desperdício!

O garoto continuou sem ter o que dizer, mas para continuar a conversa perguntou se muita coisa era jogada fora.

Deixo a linguagem coloquial e informal para ser fiel ao que presenciei.

_Permita-me que eu explique melhor. Suponhamos que eu trabalhe como repositor de produtos para alguma empresa. Eu coloco dez produtos e dois são jogados fora por motivos vários tais como prazo de validade ou alguma embalagem com defeito. São coisas que acontecem. Muitos são os motivos que levam ao desperdício. Até mesmo alguém que danifique a embalagem por maldade. Nem todo o mundo é bom.

O garoto ficou atento para entender os ossos do ofício, as dificuldades que teria que enfrentar.

_Ele exige que se faça a conferência, a contagem, a verificação da qualidade por amostragem e mesmo assim o problema do desperdício o preocupa constantemente. Nós nos baseamos em estatísticas, mas não encontramos meios para reverter o desperdício. Outro dia eu mesmo fiquei chateado porque após deixar tudo em ordem conforme as exigências, uma embalagem se abriu por defeito de fabricação.

O garoto ouvinte pareceu-me esforçado e queria saber o máximo sobre as dificuldades de trabalho e sobre o chefe.

_Ele mesmo sofre de desperdício porque a obrigação dele é cobrar e exigir, conferir o nosso comportamento, verificar se colhemos as amostras em quantidade suficiente para o controle de qualidade da empresa. Essa é a vida dele e o ganha-pão dele. Às vezes parece que eu o entendo tão bem que até gosto das exigências dele e de trabalhar com ele. É bom trabalhar com gente de bem que faz de tudo para que o negócio cresça, as vendas e os lucros aumentem.

O garoto que questionou o excesso de exigência, sorvia tudo o que o outro dizia, compreendeu que a exigência não era com ele; era parte do sistema de trabalho e ficou feliz porque estava empregado.

Garotos bons, chefe bom.

Dia bom

Nenhum comentário: