Loading...
Loading...

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Greenpeace / Crônica do Cotidiano

Greenpeace / Crônica do Cotidiano

clip_image002

Aos feriados passeamos e conhecemos gente de outros lugares.

Em alguma fila, passou por mim o senhor do Green Peace e cantarolou uma canção sobre a virtude da paciência.

Gostei da canção e da virtude essencialmente humana. Bichos têm natureza e, o ser humano, discernimento.

A mochila do Green Peace, a camisa florida, a bermuda safári e os óculos de sol naquele homem com aparência de turista americano.

Ele demonstrou saber a diferença entre os homens e os bichos. Cantava a virtude humana.

As ideias que surgiram foram significativas, pois jamais poderia forçar os bichos a frequentarem salas de música.

De certa forma, ele respeitou a minha natureza e eu o pude compreender.

Ao contrário dos chamados “ecochatos” que pensam ser obrigação do ser humano tratar os bichos como iguais, aquele homem engrandeceu a virtude dele, que é a de gostar da natureza, respeitando a minha natureza, que é a deixar que ele cuide da natureza enquanto eu vivo conforme a música do dia.

Se, o Green Peace pacifica a convivência entre as diferentes espécies, respeitando aqueles que têm outras vocações, que não as do reino animal e vegetal, eu o apoio.

Nem os humanistas e nem ninguém, precisa viver em guerra com os ecologistas. Poderíamos viver em paz, não fossem os “ecochatos” que tentam fazer com que o mundo seja em prol do bicho e da planta.

Harmonizar as filosofias de vida é uma tarefa nobre, porque mesmo o ecólogo tem o seu lado humano, mesmo que seja à contragosto. Se o ecólogo não tivesse as qualidades e defeitos humanos, ele não teria capacidade para tentar harmonizar a convivência do homem, do bicho e da planta.

O ser humano trata do bicho, mas o bicho, quando trata do ser humano precisa estar sob a orientação dos seres humanos.

Ser humano não desmerece ninguém e reconhecer a própria humanidade é sinal de bons pensamentos.

Que fique comigo essa canção sobre a paciência e a paz.

Um comentário:

António Manuel - Tómanel disse...

Olá! Parabéns. Muito bem escrito.
Aqui, deste meu cantinho, que é o Algarve (uma província de Portugal), venho desejar-lhe, tudo o que de melhor possa caber na imensidão da vida, paz, amor e fraternidade.
Cumprimentos de: http://umraiodeluzefezseluz.blogspot.com