Lugares Bonitos

Lugares Bonitos

http://frasesemcompromisso.blogs.sapo.pt/

O blog da Nina, menina que lia quadrinhos.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Bom Feriado / Reflexão

Bom Feriado/ Reflexão

clip_image002

Como se faz um bom feriado? Por esses dias conversei com algumas amigas sobre o tema.

Para a gente ser feliz a gente tem que tomar posições na vida, a favor e contra.

A gente tem que ser a favor da própria alegria e da própria felicidade.

A festa logo começa e eu não gostaria de ser aborrecida, mas tomei algumas atitudes que realmente me fizeram muito bem.

O que eu posso fazer para não me aborrecer, eu faço. Não compartilharei essas ideias. Já as compartilhei com duas amigas.

Não existem aulas boas se eu pensar que o professor não ensina a matéria. Eu tenho que acreditar no que eu estudo e procuro o melhor método para a aprendizagem.

Infelizmente amo a matemática. Nos áureos tempos gastei um caderno no prazo de um mês fazendo e refazendo exercícios de cálculo.

Esse período foi anterior à substituição do cálculo matemático pela música.

Cheguei a fazer um papel ridículo assistindo uma demonstração de como se chegava ao cálculo integral. Uma demonstração de hora e meia ao quadro negro, realizada por dois professores que tinham concluído o mestrado e faziam o doutorado.

A demonstração da fórmula terminou e eu fiquei na sala copiando, com rara alegria, aquela demonstração algébrica.

Eu lembro que precisava tirar dez na prova para não ficar para a prova final.

Os professores complicaram a prova exigindo todas as fórmulas numa equação.

De repente cansei, fiz a divisão e o resultado deu tangente de setenta e cinco graus.

Entreguei a prova, humilde, e pedi ao professor que a corrigisse na hora, se ele assim se dispusesse, para que eu soubesse o quanto precisaria de nota para a prova final.

Ele corrigiu a minha prova na hora. Dez.

Eu não soube colocar o sinal de igual na montagem da equação, mas o resultado a ser exibido estava correto = tangente de setenta e cinco graus. Ele não descontou da nota o sinal de igual.

Obviamente eu agradeci a gentileza do professor, mas ele disse que não bastava agradecer. Ele disse que o correto era que eu fosse estudar matemática a sério.

Não demorou seis meses e eu estava ao piano, à matemática que me faltava.

Devo todo o atual conhecimento musical, amador, aos professores que demonstraram o cálculo integral ao quadro negro.

A matemática pressupõe a confiança nos números apresentados. Dois mais dois tem que ser quatro no mundo inteiro. Em música 9/8, 3/2, 2/2 (jazz e bossa nova), ¾ (valsa), 25/12 (vide Ludus Braziliensis), 4/4 (balada) e assim por diante.

Não se começa um bom feriado sem alguns cálculos preciosos com o que tenho e o que posso. Aonde vou de acordo com o que tenho e com o que posso? Ao supermercado!

A gente tem que confiar no que tem e no que pode, para chegar aonde se quer chegar a contento.

A gente tem que acreditar na calculadora e nos cálculos que a gente faz também ao metrônomo, o nosso corretor do ritmo musical – apelidado carinhosamente de "chatômetro tic-tac".

Eu amo a matemática transformada em música decifrada por Pitágoras.

Essa é uma questão de álgebra e sentimento. Acredito em ambos.

Agora sim, a frase que eu disse várias vezes durante a semana: O melhor é a gente ser feliz.

Moral da história: eu preciso sair e parar de pensar em música por alguns momentos.

O estudo de amanhã está agendado.

Bom feriado!

Um comentário:

Ivone disse...

Yayá, que delícia te ler, amei, embora eu não entenda de música,matemática é mesmo um lindo desafio para quem gosta assim como você e a melhor coisa da vida é se fazer o que se gosta, é de dom e tudo fica na perfeita alegria da vida que é viver!
Amo História, Mitologia, tento escrever sobre isso e fico feliz!
Abraços minha amiga e tenhas um lindo feriado de carnaval!