Loading...
Loading...

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Conselheiro Sentimental / Interesse Geral

Conselheiro Sentimental

clip_image002

Edson Prado, o repórter do blog, recebeu uma correspondência.

Ele me pediu gentilmente para responder a questão que aflige a leitora numa das postagens do blog.

Transcrevo a seguir, a pedido do repórter do blog, carta e resposta.

“Estimado Edson Prado, estou com um problema profissional e peço a sua sugestão, pois sei que, a dificuldade pela qual passo provavelmente muitas outras professoras passam.

Eu leciono numa escola particular e gosto muito das minhas colegas e da diretora, atenciosa e dedicada aos alunos.

Numa conversa na hora do recreio, enquanto olhávamos as brincadeiras das crianças, a minha colega Silmara contou que estava grávida.

Nós a abraçamos e desejamos todas as felicidades para a gravidez dela.

Silmara disse que iria trabalhar durante a gestação e, após o nascimento do bebê, ela tiraria a licença maternidade, perguntando se, nos poucos dias em que tivesse que fazer exames, eu a substituiria.

Eu acho a gravidez linda, a Silmara é boa pessoa e, enfim, disse que a substituiria na sala de aula nos dias em que ela fosse fazer os exames.

Passaram-se duas semanas e começaram os enjoos. Algumas mulheres enjoam durante a gravidez, sei disso, tenho filhos. A diretora me avisou e eu a substituí.

Para mim a substituição seria tranquila porque trabalho pelo período da manhã e a Silmara trabalha à tarde.

Depois, foi o exame pré-natal e eu a substituí.

A Silmara é uma profissional responsável, volta assim que pode e trabalha com afinco, portanto deixo claro que não tenho queixa dela. A diretora é sensível e ajuda-nos a trabalhar num ambiente de coleguismo e amizade. Ao escrever essa carta não quero que pensem que eu estou criticando alguém.

Quando ela chegou ao quinto mês de gestação, ela precisou fazer repouso. Eu a substituí durante os oito dias de licença para o repouso.

Ela entrou no sétimo mês de gestação e eu estou mal. Por esses dias, um aluno me pediu para desenhar para ele e eu comecei a chorar.

O meu emprego, que era o de professora, se transformou em dois. Pela manhã eu dou aulas e, à tarde, eu cuido da gestação da Silmara.

O que é que eu faço, pois fui eu que me ofereci para a substituição da Silmara durante a gravidez. Estou sem tempo para mim e todas as minhas colegas me elogiam pela amizade que dedico à Silmara. Choro à toa e estou sem tempo para mim. Depois que o bebê nascer, eu terei a classe dela por quatro meses para lecionar.”

Resposta de Edson Prado:

“_Cara leitora, sinto muito. Se puder, explique a sua dificuldade para a sua família e faça de um sábado ou domingo o “seu sábado ou, o seu domingo” e descanse da maneira que preferir. Mas, descanse. Ainda terá pela frente o período da licença maternidade com as crianças da sala da Silmara. Você precisa repor as suas energias para que não fique doente ao enfrentar o excesso de atividades.“

O blog permite apartes de interesse geral.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Revivi muitas das minhas situações enquanto professora... Temos mesmo que termos uma pausa restauradora pois, o ofício de mestre, não é nada fácil mesmo. É o humano com muitos outros humanos!
Abraço.

Rita disse...

Vim desejar uma boa noite e mais uma
vez elogiar seus posts, e agradecer sua amizade!

As pessoas não se precisam, elas se completam...
Não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

___________Mário Quintana

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!