Loading...
Loading...

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Diamante / Crônica de Supermercado

Diamante! Crônica de Supermercado

Fui aos pães, muita gente no supermercado.

Enquanto eu pensava na fila imensa e nos pães, distraidamente derrubei as chaves no chão sem perceber.

Um garoto negro, magrinho e simpático juntou-as para mim. Era um dos garotos que trabalha no supermercado. O expediente dele havia acabado e ele havia se arrumado para ir embora.

Eu agradeci e observei o sorriso dele, sorriso de amor fraternal.

Agradeci mais uma vez observando aquele sorriso de felicidade.

Ele me dirigiu a palavra:

_Dona, a senhora não sabe, mas eu gosto dos fregueses. São eles que garantem o meu emprego.

Aquela frase me deu um nó na garganta. No entanto, me segurei num sorriso emocionado e ele continuou a sua conversa:

_Nós ganhamos. O preço da passagem de ônibus baixou. A gente não é contra ou a favor deste ou daquele líder. O ônibus é pesado para a gente, mesmo com vale-transporte. A gente gosta de sair, de passear e não dava mais para viver em função da condução para o trabalho.

Comentei que o movimento foi bonito.

_A gente deixa o movimento agora. A gente queria respirar essa liberdade de poder sair para se divertir de vez em quando, ir com os amigos ao parque, ir com a namorada ao cinema. Eu posso pagar cinema porque a operadora do meu celular garante a meia-entrada e dependendo do dia de folga eu gasto R$4,00 reais com o ingresso do cinema e assisto ao filme que está na propaganda do jornal. Livro eu consigo na biblioteca da escola e para ir ao futebol a situação é difícil. Será que ninguém entende que eu também gosto de futebol? Por que eu não posso ir? Por que é que eu tenho que pegar ônibus com aqueles que entram sem pagar? Eu ganho pouco, mas gosto de pagar e de ser bem tratado pelos motoristas e cobradores, mas na hora do tumulto sobra para toda a gente que mora longe do centro da cidade e que pega dois ônibus para chegar até a minha casa. Eles precisam se lembrar de que eu tenho mãe, eu tenho pai e irmãos ou irmãs. A minha mãe fica apavorada quando eu vou ao jogo e eu digo para ela para não se preocupar e que eu não sou bagunceiro. Ela responde que não se preocupa comigo, mas com os outros.

Se eu pudesse, eu daria a minha blusa de lã para ele, porque a aquela altura do bate-papo, o meu coração era dele.

Então respondi, porque ele estava feliz e, eu, comovida.

_Meu querido (não contive a expressão sincera), eu fico contente por você e pela felicidade que essa vitória te causa. Desejo a você e a todos aqueles que são como você, todas as conquistas dentro dessa sabedoria, a de saber vencer. Saber vencer é uma virtude que brilha como diamante e, você é possuidor desse diamante. Conserve-o com você e que esse diamante brilhe sempre nas suas atitudes e palavras.

Ele me sorriu o sorriso mais lindo que eu presenciei; um sorriso idealista.

O leitor me perguntará sobre as outras reivindicações, com toda a razão. As outras questões podem ser discutidas e negociadas pelas pessoas letradas e conhecedoras dos assuntos. Sejamos francos, eles precisavam mostrar a insatisfação deles. Ninguém os dava atenção. Estavam sem voz e gritaram.

 

3 comentários:

Jossara Bes disse...

Oi Yayá,

Emocionante!
Assim como seu texto, muitos outros fatos dos últimos dias me trouxeram ao coração essa palavra, esse sentimento! Emoção!
Beijos!

Célia Rangel disse...

Já é uma vitória, mas ainda esse diamante tem muito a ser lapidado! Luzes da Ribalta era o hino da minha mãe... retornei à infância lembrando-a cantarolando isso...
Bjs. Célia.

Rodolfo S. Costa disse...

Lindo texto... Parabéns!!!

Já sigo seu blog a algum tempo e ele esta cada vez melhor!

Agradeço muito a sua visita e retornos será sempre uma grande honra!

Um Abraço!
Rodolfo.