Loading...
Loading...

sábado, 29 de setembro de 2012

Cirurgia Plástica Espiritual

Cirurgia Plástica Espiritual

Olá Amigos,

Neste tempo em que estive ausente, fiz uma cirurgia plástica espiritual e emocional. Poemas não mais os farei, são horas a fio solucionando e selecionando palavras, quando eu desejo que as palavras sejam como um rio depois de chuva intensa. Talvez a prosa diga poemas, mas os poemas que voltem quando quiserem, já que partiram sem me avisar que iriam para outros poetas, outros sonhos, outros cosmos.

Pensei no blog, na escrita, na música, essa não me deixou, nem nos separamos, paramos para saber o nosso melhor caminho.

O tempo para Deus, não existe, afinal ele é eterno, mas amadureci de maneira não desejada. Conhecimentos outros me invadiram de maneira inesperada, mas com muita sabedoria. O que sabia eu sobre o tratamento com células tronco na minha cidade? Nada. Nem imaginava que estivessem em pesquisas na minha cidade. Ah! Esse mundo incrível da medicina, das conversas sobre os tratamentos para o mal Parkinson, para as bactérias que atacam a coluna, etc. Tem gente pagando mais de oitenta mil dólares para testar as inovações, mais uma vez as conversas, crianças com lesões graves. Que mês!

Não tive tempo para abrir o computador, eu estava aprendendo com pessoas desconhecidas, dores desconhecidas, esperanças fantásticas. O futuro chegou, não é mais sonho. Logo os tratamentos com células-tronco estarão disponíveis, mesmo que esse logo signifique dez anos ou mais.

O poema cedeu à medicina, quem diria. A leiga e o cientista, bem que merece uma história, talvez um livro contando da dona de casa que conviveu com a ciência como se fosse um mergulho submarino com professor assistente e, pela primeira vez; fascinante!

Não sei que tipos de textos virão após tanta esperança, tanta fé no homem, sem jamais esquecer aquele que eu amo e não é segredo para ninguém: Jesus Cristo. Ele é Aquele que esteve comigo dia e noite nesse aprendizado. Não, não estive doente. Talvez este seja o motivo dessa sensação de plenitude que o espírito sinta nesse momento.

Por que temos experiências tão contraditórias? Talvez para que o amor seja guia, ou talvez porque o motivo da vida seja o amar o outro.

Eu me sinto mais bonita, por dentro de minha alma.

Um abraço a todos vocês,

Yayá.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Fora do Ar Por Motivo de Ordem Técnica

Por motivo de ordem técnica, estaremos fora do ar, sem postagens por algum tempo. Contamos com a compreensão dos amigos.

Um abraço e até breve, Yayá.

domingo, 2 de setembro de 2012

Oralidade

Oralidade

clip_image001

Sem avisar, nesse peito aberto,

A se mostrar em fase que arroga

Aos seus sentidos o rumo incerto

Da agricultura, se faz senhora,

A cultivar nesse campo fértil.

 

A perguntar os porquês do gesto,

Desinformada pela memória,

Como se deu essa forma e critério

Entre a semente até essa chicória

A germinar desde ontem; mistério.

 

O que não é visto, mas que não é estéril;

A plantação e o subsolo c’oa glória

De se saberem parte do préstimo

Que valoriza o contar a história;

Oralidade do magistério.