Loading...
Loading...

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Dormindo no Ponto

Dormindo no Ponto

clip_image002

O lojista Fernão conseguiu amealhar com o lucro da sua loja recursos suficientes para pensar em abrir a filial.

Comentava com os conhecidos sobre este seu desejo quando o cidadão se aproximou e ofereceu aos presentes uma loja sua pretendia vender. A construção tinha dez anos e havia sido reformada há poucos dias atrás.

Fernão se interessou e foi ver a loja. Verificou a documentação e os impostos, estava tudo em ordem e ele poderia comprar.

Entusiasmado, contou a todos os amigos, conhecidos e fregueses sobre o investimento. Uma das freguesas da loja atual pede a ele que não faça o negócio, que espere outras propostas e não se precipite.

Fernão ouve os conselhos, mas os ignora e compra a loja. Investe e se prepara para dois anos sem lucro porque tem que fazer o ponto comercial ainda inexistente.

Nos primeiros meses não aparecem fregueses e as roupas ficam no estoque, paradas. Ele observa a loja e conclui que terá que gastar em propaganda para conquistar clientes. Não adiantou. Passaram-se dois anos e a antiga loja começou a sustentar a nova loja e os seus gastos pessoais.

Tudo o que fora planejado dera errado. Vendeu a loja nova ao antigo proprietário por valor inferior ao investido e se livrou do problema.

Voltando a trabalhar na antiga loja voltou a se encontrar com os fregueses. Acabou por atender aquela que pediu para que ele aguardasse outras propostas antes de comprar a filial e disse que ela tinha razão.

Comprou de novo quem vendeu

Pagando um preço de desconto,

Não foi o primeiro que perdeu;

Malandro deixa o povo tonto.

E vende e compra do que é seu

E o engano ilude nesse ponto,

Dinheiro na isca que se roeu

Porque esse vale é sem abono.

13 comentários:

edumanes disse...

Será que era espertalhão
Ao vender e comprar o que era seu
Poderia ser ou não aldrabão
Talvez com esse negócio enriqueceu!

Deixava o povo tonto
Ao fazer essas negociatas
Compraria com desconto
Ao vender ganhas umas pratas!

Para o negócio tinha arte
Sustentava esperteza
Trabalhando até mais tarde
Tinha mais lucros com certeza!

Desejo para você, uma boa noite
Um abraço
Eduardo.

MA FERREIRA disse...

Muito bacana o texto e poema!

adorei..

beijos...

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Todo negócio, tem riscos.
Há que se ter ponderação...
Agindo assim, sem ponderar
Caiu na esparrela,senhor Fernão.

Um beijo,
da Lúcia

lis disse...

Gostei Yayá
Dormiu no ponto ,vendeu o ponto e se deu mal rs
muito bom .
receba um abraço

Bergilde disse...

Na vida tudo tem seu risco,mas quem lida no comércio esse é bem maior.Pena que Fernão exatamente pela pressa no fim das contas se deu mesmo mal.
Abraços,bom fim de semana pra ti!

Sônia Amorim disse...

Malandro é malandro, cai quem quer, rsrs muito bom o texto, eu acabei colocando coisas demais em meu blog, e sem querer dificultei o acesso, mas ja esta resolvido, os quadrinhos acima da postagem era slides, tem que ir mais abaixo para a postagem, beijos!

lola disse...

una brazo

feliz fin de semana

Jossara Bes disse...

Yayá Querida!

Comprar! Vender!
Aquirir! Se desfazer!
Que "embrolho"!

Lindo!
Tenha um ótimo fim de semana!
Beijos!

mfc disse...

Uma lição a que devemos todos estar atentos!
Há que saber avaliar tudo muito bem na vida...

Beijos,

Maria Alice Cerqueira disse...

Bom dia Amiga!
Hoje em especial
Parei um pouquinho
Para trazer o meu carinho.
E apenas lhe dizer muito simplistamente,
Muito Obrigado!
Obrigado por tudo, que Deus esteja sempre com você hoje e sempre e sempre...
Com todo o meu carinho o meu grande Abraço.
Maria Alice

Antonio Pereira (Apon) disse...

Olá Amiga!

Gostei. É preciso estar bem acordado para não cair numa dessas.

Acabo de responder a meu primeiro meme e dentre os 10 Blogs que indiquei para participar está o seu.

(Sua participação é opcional. Se não desejar responder ao meme não há qualquer problema).

http://www.aponarte.com.br/2012/04/meme-conheca-oa-blogueiroa.html

Um abração e bom final de semana.

Antonio (Apon)

Mona Lisa disse...

A pressa é inimiga da vitória!

Beijos.

Elisa T. Campos disse...

Yayá.
É bem assim mesmo. Quem não tem tino para negócio sempre sai mal.

Bjs