Loading...
Loading...

domingo, 28 de agosto de 2011

Seria um thriller, se não fosse caipira, etc. e tal.

A Cidade Fantasmaclip_image002

Eu não sou afeita a lugares misteriosos e, embora essa cidade se localize próxima da capital do estado, eu não a visitei e não tive vontade de estudar a sua historia, tenho medo do “Coiso”. Eu adoto a praticidade como estilo pessoal e não combino com alegorias fantasmagóricas. No meu ponto de vista, os mistérios muitas vezes não passam de crendices populares, oriundos da falta de cultura aliada a alguns truques usados por “barões de mato” para manter a população sob o seu controle.

Por estes dias, a falta de sorte com uns amendoins torradinhos me fez quebrar um dente e eu fui a um consultório de dentistas plantonistas para emergências odontológicas. Enquanto aguardava na fila de espera, sentei-me no sofá e ao meu lado estava uma senhora com o rosto inchado. Conversamos e ela me disse que era “cidade fantasma”. Pensei na minha praticidade, na minha dor de dente e na ausência de boa vontade com os moradores de lá. Ela se chamava Anita e viera morar na capital depois que a filha casou. Ela tinha vontade de morar em uma cidade grande e realizava o seu desejo. Com o rosto inchado, ela estava feliz de contar com um dentista de uma cidade grande.

Eu disse a ela que não conhecia a cidade de onde ela viera e, para negar ou confirmar expectativas, pedi a ela que me contasse sobre a cidade onde ela passou os sessenta e dois anos da sua vida.

_São muitos os mistérios na minha cidade, eis um fato. O cemitério é o símbolo da praça principal e o povo acende velas para os seus mortos na praça. Os enterros são uma festa com bolos e cafés durante o velório. É uma praça igual a todas as outras, com bancos para as pessoas se sentarem e carrinhos de pipoca. A diferença é que ao invés de uma fonte de água e um jardim, nós temos um túmulo no meio da praça.

Eu disse que a idéia era de mau gosto do prefeito responsável pela obra e perguntei o motivo pelo qual a população não reclamava para modificar o visual da praça.

_A população, ou seja, nós tememos pelos nossos filhos. A senhora preste atenção no que eu vou lhe contar: eu ouvia falar na pedra azul que rolava do alto da igreja e aumentava de tamanho até que passava por cima de quem duvidasse dos poderes ocultos presentes na cidade. Eu não acreditei e pedi a companhia do meu marido para ficar próxima a igreja durante a noite de sábado. Lá, por volta das nove horas da noite, nós vimos uma pedra azul clara e brilhante saindo pela porta da igreja que vinha em nossa direção. Corremos até chegar a nossa casa e juramos nunca mais desafiar o que os mortos da praça desejavam.

À medida que a dona Anita contava a história fantástica, mais eu tinha vontade de saber. Perguntei se esse era o grande mistério da cidade ou se haviam mais fatos estranhos a serem contados. Aticei a vontade dela e ela me contou sobre a caverna santa.

_Contam que alguns jovens, garotos e garotas, foram fazer um piquenique no campo e entraram na caverna. Quando o último jovem entrou na caverna, ela se fechou sozinha. As famílias dos jovens ao perceberem a demora do retorno deles às suas casas avisaram o Corpo de Bombeiros. Os bombeiros demoraram uma semana para abrir a caverna com britadeiras, mas salvaram os jovens. Apenas uma das moças ficou seriamente perturbada e foi direto para o sanatório e de lá não mais saiu. Eu não deixei a minha filha sequer passar perto da caverna.

Eu ouvia os relatos daquela senhora com espanto. Mudei de assunto e falei das vantagens de se morar em uma cidade pequena.

Ela me disse que a vantagem era para as mulheres casadas e que as moças solteiras sofriam muito.

Eu pedi que ela explicasse mais esse seu conceito.

_Uma moça solteira que morava com a irmã e o cunhado arranjou um namorado. Depois de um ano de namoro, ele fugiu com a filha do dono do hotel. Falaram que a moça estava perdida. Eu, na época, pensei que ela, a moça rejeitada, estava perdida em sofrimentos, mas a versão era outra. Não sei onde surgiu o boato, mas disseram que o namorado fugiu com a outra porque descobriu que a namorada era uma moça perdida. O falatório foi tanto, que o meu marido, assim como todos os homens ditos de “bem” naquela cidade, proibiu-me de pisar a calçada em frente à casa da moça. Assim, as mulheres atravessavam a rua para mostrarem umas as outras que não andavam em caminhos errados. Fizemos procissão em frente à casa da moça e atravessamos para o outro lado da rua para que ela nos visse e se arrependesse do que nem sabíamos se era verdade. Não pisamos na calçada onde ela pisava. Pobrezinha, fiquei com pena, mas eu era uma boa esposa e as boas esposas tinham que provar à cidade e ao prefeito que eram boas esposas.

Finalmente chegou a minha vez de ser atendida e a enfermeira estava à porta chamando o próximo e o próximo. Eu e a dona Anita fomos atendidas em consultórios diferentes. Enquanto o meu dente era refeito, eu pensava sobre aquela cidade que eu não quis visitar e, mesmo não a conhecendo e não vendo graça nas festas fúnebres, sabia que nela habitavam os desmandos do assombro, um mistério difícil de controlar.

15 comentários:

Catia Bosso disse...

E quem disse que os mistérios só aparecem à meia noite!!??....


Belo post! Talentosa vc!

bjs meus

Zélia Cunha disse...

Nossa!!! Eu é que não gostaria de visitar um lugar assim! Tão sinistro...
Tenha uma ótima semana, amiga.
Beijos

Marly Bastos disse...

Bem o que a gente não conhece é melhor deixar quieto né?
Eu não acredito em assombração propriamente dita, mas não critico quem acredite, pois cada qual com as suas experiências e encucações.
Boa história Yayá.
Beijokas doces e uma semana de paz

VeraBruxa disse...

Olá!
Pois eu acho muito interessante as crendices populares, são histórias prá se contar à beira do fogo, buscar seus significados, rir e até se assustar.
No caso desta caipira, o domínio do poder público, da igreja, do cônjuge...que triste! Ela tinha razão em querer sair de lá! E eu gostaria de ir prá lá mudar algumas coisas... (risos)
Abraço.

Paulo Sotter disse...

Excelente narrativa, criando uma atmosfera sobrenatural que envolve o leitor. Parabéns pelo texto. O verdadeiro terror nesse caso reside no preconceito, na discriminação que fizeram com a "moça perdida" e na manipulação que realmente existe sobre as pessoas menos esclarecidas. Um abraço. Boa semana

Luís Coelho disse...

Lendas e crendices bem exploradas e que arrastam vilas e cidades.

Hoje existem muitas mentiras destas na net e propagam-se à velocidade da luz.

Deus tenha piedade de nós e nos ajude a ver a verdade no meio de tanto falsário. Que Ele nos ajude sempre a ter lucidez bastante e capacidade de ver estes jogos políticos e religiosos.......e nunca nos deixar enredar nas suas malhas e teias.......

Ives disse...

O povo precisa ficar a redeas curtas, e nada como o "oculto" como arma! abraços

Sonia Guzzi disse...

Uma cidade que gostaria de conhecer...Minha curiosidade é bem maior que o medo, então...
Bjs, em divina amizade.
Sonia Guzzi

Severa Cabral(escritora) disse...

Minha linda e querida amiga!
Já somos cúmplices das trocas de comentários...quando não passas lá no meu cantinho já fico triste...
Quanto mistérios a ser desvendados...quantas histórias a ser desvendadas...quantos mistérios que já foram descritos...me dar medo...
Bjsssssssssssss

Majoli disse...

Uauuuuuuuu, até visualizei a praça, a caverna, a pobre da moça que em frente sua casa ninguém pisava...a procissão.
Você escreve maravilhosamente, minha atenção fica presa até o finalzinho.
ADOREI!!!

Beijos de uma deliciosa semana pra você Yayá.

Jopz_B1B disse...

legalz, toques de misterio a la STEPHEN KING.

intepz,

JOPZ

Aclim disse...

O que não conhecemos pode ser contado de dez formas diferentes sem ser contestado.

Abraço

BRISA disse...

AMIGA QUE HISTORIA LOUCA É ESSA DESTA SENHORA. UM POUCO ASSUSTADOR RSRSRS.A Alegria brilha nos olhos de quem
sabe curtir a emoção de simplesmente viver...
Viva com disposição e entusiasmo
fazendo o que gosta e realizando seus sonhos."
Com carinho...
Beijos e afagos na alma
Denise Lane

Amo ter sua Amizade
BRISA

ANALUZ disse...

há mais mistérios entre o céu e a terra que nós, apenas humanos, não sabemos desvendar!!

amei seu post

e não tenha medo, o desconhecido, que nombramos como sobrenatural, apenas nos foi retirado desde há muito tempo atrás pelos que nos controlam e querem que não saibamos, recordemos, o poder que temos!!

beijo grande de uma nova amiga

Julliany kotona disse...

Me apaixonei pelo teu blog,lindo,lindo parabéns gostei tanto que resolvi ficar por aqui já estou a te seguir te convido a conhecer o meu se gosta fique por lá bjos tenha uma exelente noite!

http://julikotona.blogspot.com/