Loading...
Loading...

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Pão e Circo, uma Crônica Real

Pão e Circoclip_image002

Feriado, cidade vazia. Eu me lembro de comprar os pães; vou ao supermercado que também está vazio em comparação ao dias normais.

Compro os meus pães e vou em direção à fila dos caixas rápidos.

Estou sendo atendida quando, um freguês a dois caixas de distância começa a falar alto.

_Eu não sou desta cidade. Eu posso pagar com cartão?

O caixa disse que sim e a atenção volta-se para os pães.

_Eu tenho dinheiro no banco, mas vou pagar a crédito.

O caixa disse que não tinha problema e que a operação poderia ser realizada.

O homem não para:

_Eu pago a crédito porque ganho passagens de avião. Dinheiro eu tenho, e bastante por sinal!

A essa altura a moça do caixa, que me atendia, ergueu as sobrancelhas e ficou em alerta.

_Engana-se muito quem pensa que eu sou pobre. Eu compro a crédito porque estou muito bem de vida.

Os fregueses homens pegaram os seus celulares e verificaram as carteiras e as freguesas mulheres seguravam as bolsas com firmeza. Apareceu um segurança e ficou próximo aos caixas rápidos. Todas as compras ficaram em segundo plano e a atenção de todos era voltada a esse homem.

O homem pagou a conta, olhou nos olhos de um por um dos fregueses e se dirigiu à porta de saída dizendo:

_Eu tenho dinheiro! Eu tenho crédito! Eu estou bem de vida! Quero ver quem tem coragem de me chamar de pobre!

Ficamos tão calados que ouvíamos o trânsito na rua. O homem foi embora altivo e satisfeito. Sorria com um ar de Napoleão Bonaparte (Não conheci Napoleão para ter absoluta certeza). Mas o homem olhava-nos de cima, dominava a plateia vestindo um agasalho de moletom cinza claro, calçando tênis, uma pochete e uma sacola de compras nas mãos.

Todos os caixas rápidos aguardaram que o homem se retirasse antes de cobrarem as contas. Mas paguei os meus pães e, para espanto meu e de todos os que estavam nos caixas, o homem havia ido embora normalmente.

20 comentários:

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk tem louco pra tudo.
Sabe Yayá, a gente anda tão em alerta e com medo, que é so aparecer alguém com algum desajuste ou problema que pensamos ser algum lesador.
Coitado devia ter alguma castração...Freud há de explicar!
Beijokas e fica com Deus. Boa semana.

Wanderley Elian Lima disse...

Neuroses urbanas. A todo momento vemos cenas semelhantes de pessoas, extravasando suas frustrações em cima de alguém. Freud explica.
Bjux

Parole disse...

Uma delícia de ler sua crônica, aliás esse estilo é o que mais gosto.

No mundo dos malucos parecer pobre é pior que parecer louco... rsrsrs

Beijos, querida e ótima semana.

* Verinha * disse...

É.. existe mesmo cado peça estranha neste mundo rsrsr.. enfim...

Um beijo em seu coração Yayá!

Natalia Campos disse...

Rsrsrsrsrs tem cada louco. Mas é isso aí. Beijo meu.

Au revoir.

AC Rangel disse...

Yayá, delícia de crônica. Mostra como andamos todos muito assustados, amedrontados mesmo com a violência que tomou conta deste nosso país. Qualquer pessoa falando um pouco mais alto já deixa todos tensos. Muito bem narrado o fato, acabamos por compartilhar aquele medo que todos sentiram...

Parabéns

Catia Bosso disse...

Afffff! Que susto!!!!

rsrsrs


bjs

Walkyria Rennó Suleiman disse...

é.... as pessoas têm necessidade de dizer quem são...
por outro lado, as pessoas sentem medo dessas demosntrações...
sei lá... mas vi a cena, muito bem... vc é boa nesse enredo.
beijo minha querida Yayá.

Brida vida disse...

gracias amiga me encanta lo que dejaste en mi blog, el tuyo es muy interesante, me gusta mucho un abrazo, viví
Obrigado rapazes eu amo o que você deixou no meu blog, o seu é muito interessante
Eu realmente gosto de um abraço, Vivi

Bela disse...

Nesse nosso mundo de hoje, infelizmente, o medo se faz cada mais presente, como foi muito bem abordado. A supervalorização da opinião alheia e o medo de ser tratado como um inferior ou de ser visto como uma pessoa sem posses, o que não é raro acontecer hoje, também foi abordado com excelência!
Ótimo texto!
Beijos,
Bela.

Evanir disse...

Desejo a você tudo de mais lindo e especial que existe nesse mundo,
que conquiste todos os seus sonhos e objetivos e possamos estar juntos
por muito tempo em nossas vidas,
Sua amizade me faz muito feliz obrigada por estar sempre comigo.
Deixando sempre sua mensagem de carinho
que faz os meus dias ser melhor e mais bonito.
Um linda semana beijos e meu carinho,Evanir..

Artes e escritas disse...

Brida, compartilhe conosco as suas emoções. Bem vinda. Ps. Eu sou do sexo feminino.

Artes e escritas disse...

Obrigada a todos os que comentaram, um abraço, Yayá.

MARILENE disse...

Já estamos, quase sempre, preparados para surpresas desagradáveis. E essas ocorrências assustam mesmo. Provavelmente, ele teve algum problema relacionado com esse tipo de pagamento e ainda estava meio fora de controle. vai saber!!!!
Bjs.

Vera Lúcia disse...

A crônica foi muito bem posta.
Tantas justificativas para pagar com um cartão acaba ocasionando desconfiança. Quem possui não precisa alardear. E quem estaria interessado?
Que figura!!!!
Beijos.

Aclim disse...

Ele era pobre, isso é coisa de emergente. Quem é rico de berço morre de fome mas não desce do salto. Coisa comum este tipo...o problema é... vc tem certeza que ninguém seguiu o coitado? Será que ele ainda está vivo?

Vivian disse...

Bom dia,Yayá!!

Que coisa!!Uma arrogância absurda e falta de educação!!
Mas rendeu um lindo conto!!Adorei!!
Beijos pra ti!
**Acontece de tudo nesta vida,né??!!

Artes e escritas disse...

Aclim: o homem disse que era carioca. Não sei. Paguei os pães enquanto o homem saiu. Uma cena única! Um abraço e seja bem vinda, Yayá.

Severa Cabral(escritora) disse...

Estou aqui tbm para te conhecer e te seguir...voltarei sempre ...palavras de uma paraibana arretada visse,rsrsrsrsrs
Bjssssssssssss

Simone MartinS2 disse...

Boa noite, pelo menos os paes estavam frescos e quentinhos ainda, pois com todo esse problema, so faltava o pao ter ficado mucho e frio...Bela cronica, brinquei so para quebrar o estresse...bjin