Loading...
Loading...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Esse Conto é de Quinta! Paco, paco, paco...

Conto do Paco Eunice, órfã, sobrinha de Marina, viúva, sem filhos, decidiram morar juntas. Juntando os salários e dividindo as despesas, sobraria dinheiro para os gastos fúteis. As duas conseguiram economizar mais do que esperavam e guardaram um bom dinheiro após três anos de convivência. Surpresa, Marina recebe o telefonema de um primo distante, que não a via desde a infância. Era Paco, apelido ganho nas compras a fiado, que os amigos e parentes pagavam. O pai e mãe de Paulo cansaram de avisar que ele um dia pagaria pelos trotes. Ele se divertia e todos à sua volta se irritavam. A “tia” Marina era de costumes sóbrios, mas se queixava de solidão. Para Paco a solidão da “tia” preencheria parte do seu bolso. Visitou a prima, se queixou tanto que a Marina deu de presente uma cesta com frutas, cereais, legumes e hortaliças. Marina chegou às lágrimas com a penúria de Paulo. _Deus me livre, tia. Não acredite nele. Ele prega peças desde pequeno. Mamãe me contou a respeito dele antes de adoecer. Paco ligava de Tocantins para a Marina, que morava em Presidente Prudente. Ele se queixava cada vez mais. Ele não tinha um só motivo para sorrir. Eunice olhava de soslaio para a tia ao telefone. A tia Marina não hesitava e, na melhor das boas vontades, ordenava: _Eunice vá ao mercado, compre uma cesta básica e mande para o Paco. Compre também doces e frutas. A moça obedecia. Se ele tinha fome, era bom que alguém ajudasse. Comida não se nega a ninguém. Passados alguns meses, Paco conta que pensa em comprar um carro. Ele diz que está economizando para a compra do carro. Viu um carro bom, mas faltou-lhe um pouco de dinheiro para dar de entrada. _Quanto? _ Mil. Marina pensa em ajudar, mas hesita e se cala ao telefone. _Como tem passado a querida sobrinha? Tenho pena de gente tacanha. Muito trabalho? Marina liga para ele, diz que a Eunice anda nervosa e não entendeu a brincadeira. Ele solta uma gargalhada e diz que a Eunice mente que ela não gosta dele. Marina acredita em Paco. Eunice que se mude se está com ciúmes. Os dois recebem afeto. Eunice impede que a tia envie o dinheiro para Paco, Paulo Alécio. Marina manda um cartão de natal e uma cesta de frutas natalinas para ele. No final de janeiro, Marina é chamada ao banco onde tem a sua conta-corrente. Alguém falsificou a sua assinatura e tentou tirar o dinheiro, mas o caixa do banco, Arnaldo, que a conhece bem, não reconheceu a assinatura no cheque. Marina pensou que tinha se descuidado com o talão de cheques. Verificou a bolsa e constatou que o talão estava correto, com o número de folhas certo e as anotações necessárias. O caixa constata que a folha de cheque é falsa e chama o gerente, que avisa o supervisor da agência, que exige o boletim de ocorrência na delegacia. O gerente convida a Marina para irem juntos à delegacia. Enquanto isso, em casa, os primos se desentendem de novo. _Paco, estou falando sério. Cuidado com o tipo de conversa. Respeito é bom e eu gosto, disse Eunice ao telefone. Ele se diverte e diz que assistirá uma missa na intenção da alma de Eunice, a beata. Marina volta para casa e conta o que se passou durante a tarde. O banco controla a conta da Marina, quem falsifica um, falsifica um milhão de cheques. Passam-se dois meses. O banco pede a Marina para que vá à sua agência, o falsificador fora descoberto. Marina vai contente. Eunice a acompanha. Elas querem saber o nome do malandro. _O nome é Paulo Alécio, dona Marina. Marina entra em estado de choque e vai ao hospital. Quando melhora, liga para o Paco: _Diz que é mentira, diz que é um plano paranóico contra você. Ele diria, não fosse a Eunice intervir. _Tia, pense um pouco. Ele é assim desde garoto. Esse é ele. Enfim, Marina chora magoada. Eunice baixa a cabeça e resmunga: _Por que é que tem que ser assim?

Nenhum comentário: